ACETATO DE DESMOPRESSINA

Para que serve ACETATO DE DESMOPRESSINA

Recomendações
Recorde-se que antes de tomar este medicamento deverá consultar o seu médico, a informação que lhe disponibilizamos é meramente orientativa e não substitui em nenhuma ocasião a consulta de um médico ou qualquer profissional de saúde.

LEMBRE-SE, NUNCA use esta informação para automedicar-se. A consulta de um médico é imprescindível.


2

acetato de desmopressina
Medicamento genérico Lei nº 9.787, de 1999


APRESENTAÇÕES

SPRAY NASAL
Embalagens contendo 1 frasco-spray com 2,5 e 5 mL, correspondente a 25 e 50 doses de 10 mcg,
respectivamente.

VIA INTRANASAL

USO ADULTO E PEDIÁTRICO


COMPOSIÇÃO


Cada 1 mL da solução spray nasal contém:

0,1 mg

acetato de desmopressina......................................................................

0,1 mg

Veículo: cloreto de sódio, ácido cítrico anidro, fosfato de sódio
dibásico anidro, cloreto de benzalcônio, ácido clorídrico, hidróxido
de sódio, água purificada q.s.p. ............................................................

1 mL



INFORMAÇÕES AO PACIENTE

Solicitamos a gentileza de ler cuidadosamente as informações abaixo. Caso não esteja seguro a respeito de
determinado item, favor informar ao seu médico.


PARA QUE ESTE MEDICAMENTO É INDICADO?


O acetato de desmopressina

está destinado para:

- Tratamento de diabetes insipidus central;

- Teste de capacidade de concentração renal.

COMO ESTE MEDICAMENTO FUNCIONA?


O acetato de desmopressina

é uma medicação antidiurética, que reduz a eliminação de água do organismo.

O

acetato de desmopressina

atua sobre os rins, suprindo a deficiência de vasopressina natural, substância

produzida por uma glândula do organismo chamada hipófise.
O tempo médio para início da ação é de aproximadamente 1 hora. Uma dose intranasal de 10 a 20 mcg possui
efeito durante 8 a 12 horas.



3. QUANDO NÃO DEVO USAR ESTE MEDICAMENTO?

Contraindicações
O acetato de desmopressina

não deve ser utilizado caso a resposta para algumas das perguntas a seguir for

SIM”


- Você possui polidipsia habitual e psicogênica (sensação de muita sede, acompanhada por produção de grande
quantidade de urina)?
- Você possui histórico ou suspeita de insuficiência cardíaca e outras condições que requerem tratamento com
agentes diuréticos?
- Você está com a quantidade de sódio no sangue abaixo do normal?
- Você possui insuficiência renal (redução da função dos rins) moderada a severa?

- Você possui síndrome de secreção inapropriada de HAD (hormônio antidiurético)?
- Você possui hipersensibilidade à desmopressina ou a qualquer componente da fórmula?

Este medicamento não deve ser utilizado por mulheres grávidas sem orientação médica ou do cirurgião-
dentista.

3


O QUE DEVO SABER ANTES DE USAR ESTE MEDICAMENTO?


Advertências e Precauções
Quando o acetato de desmopressina

spray nasal for prescrito, recomenda-se os seguintes cuidados:

- Iniciar sempre com a menor dose;
- Seguir rigorosamente as instruções de restrição de líquidos;

- Caso necessário, o médico irá aumentar a dose progressivamente e com cuidado;

- Assegurar que a administração em crianças está sob a supervisão de um adulto para controlar o uso da dose.

O tratamento sem a concomitante redução de ingestão de líquidos pode levar à retenção de água e/ou
hiponatremia (redução do sódio no sangue) acompanhada ou não de sintomas (dor de cabeça, náusea / vômito,
ganho de peso e, em casos mais graves, convulsões).

Os pacientes e, quando aplicável, seus cuidadores, devem

ser cuidadosamente instruídos a aderir à restrição de fluidos.

Quando usado com propósitos de diagnóstico, para o teste de concentração renal, a ingestão de fluidos não
deve exceder meio litro para saciar a sede uma hora antes e até pelo menos oito horas após a administração. O
teste de capacidade de concentração renal realizado em crianças abaixo de 1 ano de idade deve ser realizado
sob supervisão cuidadosa em hospital.

Deve-se avaliar a presença de disfunção severa ou obstrução na bexiga antes de se iniciar o tratamento.

Cuidados e advertências para populações especiais
Crianças, idosos e pacientes com níveis de sódio no sangue abaixo do normal
- podem apresentar maior
risco de hiponatremia (redução do sódio no sangue).

Devem ser tomadas precauções em pacientes com risco

de aumento da pressão intracraniana.

O tratamento com desmopressina deve ser interrompido ou

cuidadosamente ajustado durante doenças intercorrentes agudas caracterizadas por desequilíbrio de fluidos
e/ou eletrólitos (como infecções sistêmicas, febre, gastroenterite).

Precauções para evitar a hiponatremia, incluindo atenção especial à ingestão de fluidos e maior frequencia do
monitoramento de sódio no sangue, devem ser tomadas em caso de uso concomitante com drogas conhecidas
por induzir a secreção de hormônio antidiurético, como antidepressivos tricíclicos, inibidores seletivos da
recaptação de serotonina, clorpromazina, carbamazepina e alguns antidiabéticos do grupo das sulfonilureias,
particularmente a clorpropamida, e em caso de tratamento com anti-inflamatórios não esteroidais.

Há certa evidência, de dados pós-comercialização, da ocorrência de hiponatremia severa associada à
desmopressina em formulação nasal quando esta é utilizada para o tratamento de diabetes insipidus
central.

Mudanças na mucosa nasal, como edema, ou outras doenças podem causar falha no tratamento,

absorção insuficiente e, nestes casos, acetato de desmopressina

por via intranasal não deverá ser usado.


A dose de acetato de desmopressina

para crianças com diabetes insipidus deve ser cuidadosamente ajustada, de

acordo com as necessidades e tolerância do paciente. O uso de acetato de desmopressina

em recém-nascidos e

crianças requer cuidadosa restrição da ingestão de líquidos.

Devido à presença de cloreto de benzalcônio na fórmula, acetato de desmopressina

spray nasal pode causar

broncoespasmo (contração da musculatura dos brônquios, causando dificuldade para respirar).

Efeito na capacidade de dirigir veículos e operar máquinas - o acetato de desmopressina

não possui efeito

na habilidade de dirigir veículos e operar máquinas.

Gravidez e lactação - estudos limitados com mulheres grávidas que possuem diabetes insipidus e dados de
mulheres grávidas com complicações hemorrágicas que utilizaram desmopressina indicam não haver efeitos
adversos da desmopressina na gravidez ou na saúde do feto/recém-nascido. Não há dados epidemiológicos
relevantes. Estudos de reprodução em animais não indicam efeitos nocivos diretos ou indiretos na gravidez,
desenvolvimento fetal, parto e desenvolvimento pós-natal.

Devem ser tomadas precauções quando este medicamento for prescrito para grávidas.

Estudos de reprodução

em animais não demonstraram efeitos clinicamente relevantes nos pais e na prole. A análise in vitro de
modelos de cotilédone humano demonstrou que a desmopressina não sofre transporte placentário quando
administrada em concentrações terapêuticas.

Resultados da análise do leite materno em lactantes recebendo

altas doses de desmopressina (300 mcg intranasal) demonstraram que a quantidade de desmopressina que pode
ser transferida para a criança é menor do que a quantidade necessária para influenciar na diurese.

4

Este medicamento não deve ser utilizado por mulheres grávidas sem orientação médica ou do cirurgião-
dentista.

Interações medicamentosas
Substâncias conhecidas como indutoras da síndrome de secreção inapropriada do hormônio antidiurético, como
por exemplo antidepressivos tricíclicos, inibidores seletivos de recaptura de serotonina, clorpromazina e
carbamazepina, assim como alguns medicamentos antidiabéticos do grupo das sulfonilureias (particularmente a
clorpropamida) podem causar um efeito antidiurético com um aumento do risco de retenção de fluidos.

Anti-inflamatórios não esteroidais podem induzir a retenção de água/hiponatremia (diminuição da
concentração de sódio no sangue).

O uso concomitante com cloridrato de loperamida pode resultar em um

aumento em até três vezes na concentração plasmática de desmopressina, podendo levar a um aumento do risco
de retenção de água ou hiponatremia. Embora ainda não estudado, outras drogas que diminuam o ritmo
intestinal podem ter o mesmo efeito.

É improvável que a desmopressina interaja com outras drogas afetando o metabolismo hepático, uma vez que a
desmopressina demonstrou, em estudos in vitro com microssomas humanos, não sofrer metabolismo hepático
significativo. No entanto, estudos de interação in vivo não foram realizados.

Interações com alimentos e álcool - Não há dados sobre a interação com alimentos para as apresentações de
administração pela via intranasal.

O álcool pode diminuir a resposta antidiurética da desmopressina.


Interações com exames laboratoriais - Não há dados a respeito das interações de acetato de desmopressina

spray nasal e acetato de desmopressina

solução nasal com exames laboratoriais.


Informe ao seu médico ou cirurgião-dentista se você está fazendo uso de algum outro medicamento.

Não use medicamento sem o conhecimento do seu médico. Pode ser perigoso para a sua saúde.


5. ONDE, COMO E POR QUANTO TEMPO POSSO GUARDAR ESTE MEDICAMENTO?

O acetato de desmopressina

spray nasal deve ser conservado em temperatura ambiente (entre 15°C e 30°C).


Número de lote e datas de fabricação e validade: vide embalagem.

Não use medicamento com o prazo de validade vencido.

Guarde-o em sua embalagem original. Após aberto, o frasco de acetato de desmopressina

spray nasal é válido

por 2 meses.

Aspecto físico
Frasco de vidro âmbar com válvula spray snap-on.

Solução aquosa límpida, incolor e isenta de material

estranho.

Volume nominal de 2,5 mL ou 5 mL.


Características organolépticas
Vide “Aspecto físico”.

Antes de usar, observe o aspecto do medicamento. Caso ele esteja no prazo de validade e você observe
alguma mudança no aspecto, consulte o farmacêutico para saber se poderá utilizá-lo.

Todo medicamento deve ser mantido fora do alcance das crianças.


COMO DEVO USAR ESTE MEDICAMENTO?


O acetato de desmopressina

spray nasal deve ser utilizado por via intranasal.


Antes de usar o acetato de desmopressina

spray nasal pela primeira vez, a válvula deve ser pressionada 4

vezes, ou até que um jato homogêneo seja obtido. Caso o acetato de desmopressina

spray nasal não tenha sido

utilizado durante a última semana, é necessário pressionar a válvula uma vez, ou até que um jato homogêneo
seja obtido.

5

Modo de usar
O paciente deve assoar o nariz antes de utilizar o spray.

1) Remova a tampa protetora do aplicador;




2) Verifique se o final do tubo que está dentro do frasco está mergulhado no líquido;

3) Segure o frasco de modo que o dedo polegar fique apoiado na sua base e o aplicador fique

entre os

dedos indicador e médio;









4) Incline a cabeça para trás levemente. Insira o aplicador nasal em uma das narinas. Prenda a

respiração

quando administrar a dose;



5) Se for prescrita mais de uma dose, repita a aplicação na outra narina. Use as narinas

alternadamente para

cada dose adicional;





6) Recoloque a tampa protetora. Sempre armazene o frasco em pé.








6



Se houver qualquer dúvida com relação à dose administrada, o spray não deve ser administrado novamente até
a próxima dose.

Em crianças, a administração deve ser realizada sob a supervisão de um adulto, de modo a

garantir a dose adequada.

Posologia
Uma dose (borrifada) do spray equivale a 0,1 mL que corresponde a 10 mcg de acetato de
desmopressina.

Diabetes insipidus central - A dose é individualizada, mas a experiência clínica tem mostrado que a dose
média diária em adultos é de 10 a 20 mcg (1 a 2 borrifadas), 1 a 2 vezes ao dia. Pode ser administrada como
uma dose única ou dividida em duas ou três doses. Para crianças a dose média diária é de 10 mcg, 1 a 2 vezes
ao dia.

Teste de capacidade de concentração renal - A dose habitual para adultos é de 40 mcg. Para crianças acima
de 1 ano, a dose é de 10 a 20 mcg. Para crianças abaixo de 1 ano, a dose é 10 mcg. Após a administração de
acetato de desmopressina, qualquer possível urina dentro de uma hora é descartada. Durante as próximas 8
horas, duas porções de urina são coletadas para a medida de osmolalidade. Uma ingestão restrita de água deve
ser observada. O nível de referência para osmolalidade normal da urina após a administração de acetato de
desmopressina

é de 800 mOsm/Kg para a maioria dos pacientes. Com valores abaixo deste nível, o teste deve

ser repetido. Um novo resultado baixo indica uma capacidade prejudicada em concentrar a urina e o paciente
deve ser encaminhado para outros exames, a fim de se descobrir a causa do mau funcionamento.

Siga a orientação de seu médico, respeitando sempre os horários, as doses e a duração do tratamento.
Não interrompa o tratamento sem o conhecimento do seu médico.


O QUE DEVO FAZER QUANDO EU ME ESQUECER DE USAR ESTE MEDICAMENTO?


Caso ocorra esquecimento de administração, entrar em contato com o médico.

Em caso de dúvidas, procure orientação do farmacêutico ou de seu médico, ou cirurgião-dentista.


QUAIS OS MALES QUE ESTE MEDICAMENTO PODE ME CAUSAR?


A reação adversa mais grave com a desmopressina é a hiponatremia, a qual pode causar dor de cabeça, náusea,
vômito, redução do sódio no sangue, ganho de peso, mal estar, dor abdominal, cãimbras musculares, tontura,
confusão, perda da consciência e em casos mais severos convulsão e coma.

A hiponatremia é reversível e em

crianças é comumente relacionada à alterações na rotina diária afetando a ingestão de líquidos e/ou perspiração
(O álcool pode diminuir a resposta antidiurética de acetato de desmopressina).

A maior parte dos outros efeitos adversos é reportada como não sérios.

As reações adversas mais comumente

relatadas durante o tratamento são congestão nasal, aumento da temperatura corpórea e rinite. Outras reações
comuns são dor de cabeça, infecção do trato respiratório superior, gastroenterite, dor abdominal. Reações
anafiláticas não foram observadas em estudos clínicos, porém relatos espontâneos foram recebidos.

Frequência das reações adversas com base nos estudos clínicos realizados com acetato de desmopressina

spray nasal:

Reação muito comum (ocorre em mais de 10% dos pacientes que utilizam este medicamento) -
congestão
nasal, rinite, aumento da temperatura corpórea.

Reação comum (ocorre entre 1% e 10% dos pacientes que utilizam este medicamento) - insônia,
labilidade emocional, pesadelos, nervosismo, agressividade, dor de cabeça, sangramento nasal, infecções do
trato respiratório superior, gastroenterite, dor abdominal, náusea.

Reação incomum (ocorre entre 0,1% e 1% dos pacientes que utilizam este medicamento) - hiponatremia
(redução de sódio no sangue), vômito.

Reações com frequência desconhecida - reações alérgicas, desidratação, confusão, convulsões, coma, tontura,
sonolência, hipertensão, dispneia, diarreia, prurido, rash, urticária, espasmos musculares, fadiga, edema

7

periférico, dor no peito, calafrios, ganho de peso.

Informe ao seu médico, cirurgião-dentista ou farmacêutico o aparecimento de reações indesejáveis pelo
uso do medicamento. Informe também a empresa através do seu serviço de atendimento.


O QUE FAZER SE ALGUÉM UTILIZAR UMA QUANTIDADE MAIOR DO QUE A INDICADA DESTE MEDICAMENTO?


O excesso de acetato de desmopressina

pode causar a retenção de água e hiponatremia (diminuição da

quantidade de sódio no sangue).

Embora o tratamento para hiponatremia seja individualizado, as seguintes recomendações gerais podem ser
fornecidas: descontinuar o tratamento com acetato de desmopressina, restringir o volume de líquidos ingeridos
e tratar os sintomas, se necessário.

Em caso de uso de grande quantidade deste medicamento, procure rapidamente socorro médico e leve a
embalagem ou bula do medicamento, se possível. Ligue para 0800 722 6001, se você precisar de mais
orientações.


DIZERES LEGAIS

VENDA SOB PRESCRIÇÃO MÉDICA

MS 1.0646.0172
Farm. Resp.: Geisa Acetto Cavalari - CRF-SP Nº 33.509

Produzido por:
Blisfarma Indústria Farmacêutica Ltda.
Rua da Lua, 147 – Jd. Ruyce
Diadema - SP

Embalado por:
Laboratório Químico Farmacêutico Bergamo Ltda.
Rua Rafael de Marco, 43 – Pq. Industrial – Jd. das Oliveiras
Taboão da Serra – SP

CNPJ

61.282.661/0001-41
Indústria Brasileira





Esta bula foi aprovada pela Anvisa em 04/11/2014.

Esta bula foi atualizada conforme Bula Padrão aprovada pela Anvisa em 26/06/2014.





DMP_SPR NAS_VP_01-2

8

Histórico de alteração para bula


Dados da submissão eletrônica

Dados da petição/notificação que altera bula

Dados das alterações de bulas

Data

expediente

No.

expediente

Assunto

Data do

expediente

No.

expediente

Assunto

Data de

aprovaçã

o

Itens de Bula

Versões

(VP/VPS)

Apresentações

Relacionadas

04/11/2014

Versão Atual

10452 –
GENÉRICO –
Notificação de
Alteração de
Texto de Bula
– RDC 60/12

N/A

N/A

N/A

N/A

Adequação ao

template da empresa.

VP

Embalagens contendo 1
frasco-spray com 2,5 e 5
mL, correspondente a 25
e 50 doses de 10 mcg,
respectivamente.

11/09/2014

0750801/14-8

10452 –
GENÉRICO –
Notificação de
Alteração de
Texto de Bula
– RDC 60/12

N/A

N/A

N/A

N/A

Harmonização e

adequação de todos

os itens das bulas do

paciente e

profissional de saúde.

VP

Embalagens contendo 1
frasco-spray com 2,5 e 5
mL, correspondente a 25
e 50 doses de 10 mcg,
respectivamente.

11/09/2014

0750789/14-5

10459 –
GENÉRICO -
Inclusão inicial
de texto de
bula - RDC
60/12

17/10/2012

0842760/12

-7

1418 –

GENÉRICO –

Notificação de

Alteração de

Texto de Bula

17/10/201

2

Alteração do

Farmacêutico

Responsável e
atualização do

número do Serviço
de Atendimento ao

Consumidor.

VP

Embalagens contendo 1
frasco-spray com 2,5 e 5
mL, correspondente a 25
e 50 doses de 10 mcg,
respectivamente.




DEFINIÇÕES MÉDICAS
  1. Câimbras: Contrações involuntárias, espasmódicas e dolorosas de um ou mais músculos.
  2. Edema: Acúmulo anormal de líquido nos espaços intercelulares dos tecidos ou em diferentes cavidades corporais (peritôneo, pleura, articulações, etc.).
  3. Febre: Elevação da temperatura corporal acima de um valor normal, estabelecido entre 36,7ºC e 37ºC, quando medida na boca.
  4. Gastroenterite: Inflamação do estômago e intestino delgado caracterizada por náuseas, vômitos, diarréia e dores abdominais. ?? produzida pela ingestão de vírus, bactérias ou suas toxinas, ou agressão da mucosa intestinal por diversos mecanismos.
  5. Glândula: Estrutura do organismo especializada na produção de substâncias que podem ser lançadas na corrente sangüínea (glândulas endócrinas) ou em uma superfície mucosa ou cutânea (glândulas exócrinas). A saliva, o suor, o muco, são exemplos de produtos de glândulas exócrinas. Os hormônios da tireóide, a insulina e os estrógenos são de secreção endócrina.
  6. Rash: Coloração avermelhada da pele como conseqüência de uma reação alérgica ou infecção.
  7. Rinite: Inflamação da mucosa nasal, produzida por uma infecção viral ou reação alérgica. Manifesta-se por secreção aquosa e obstrução das fossas nasais.
  8. Uréia: Produto do metabolismo das proteínas. Indica de forma indireta a eficiência da função renal. Quando existe insuficiência renal, os valores de uréia elevam-se produzindo distúrbios variados (pericardite urêmica, encefalopatia urêmica, etc.).
  9. Urticária: Reação alérgica manifestada na pele como elevações pruriginosas, acompanhadas de vermelhidão da mesma. Pode afetar uma parte ou a totalidade da pele. Em geral é autolimitada e cede em pouco tempo, podendo apresentar períodos de melhora e piora ao longo de vários dias.

Síguenos

X