CALCAREA PHOSPHORICA

Para que serve CALCAREA PHOSPHORICA

Recomendações
Recorde-se que antes de tomar este medicamento deverá consultar o seu médico, a informação que lhe disponibilizamos é meramente orientativa e não substitui em nenhuma ocasião a consulta de um médico ou qualquer profissional de saúde.

LEMBRE-SE, NUNCA use esta informação para automedicar-se. A consulta de um médico é imprescindível.


CALCAREA PHOSPHORICA

Ca3(PO4)2; 310,18Sinonímia homeopática. Calcium phosphoricum, Calcarea phosphorata, Calcium phosphas.

Nome químico. orto-fosfato de cálcio, fosfato tricálcico, fosfato de cálcio tribásico.

DESCRIÇÃO

Caracteres físico-químicos. Pó branco, amorfo ou microcristalino, estável ao ar. Inodoro einsípido.

Solubilidade. Praticamente insolúvel em água, decompondo-se ligeiramente em água quente.Facilmente solúvel em ácidos clorídrico e nítrico diluídos a 10% (V/V). Insolúvel em etanol.

Densidade relativa (V.2.5) F. Bras.IV. 3,14 g/ml a 20 ºC.

ESPECIFICAÇÃO

Contém, no mínimo, 85% de Ca (PO ) .

3
4 2

IDENTIFICAÇÃO

A.

Pequena quantidade, umedecida com ácido clorídrico, em alça de platina, levada à zona nãoiluminante da chama do bico de Bunsen imprime cor vermelho-alaranjado à mesma.

B.

Dissolver 0,1 g de fosfato de cálcio em 5 ml de solução de ácido nítrico a 10% (V/V).Adicionar 5 gotas de solução de nitrato de prata a 1% (p/V). Observa-se a formação de precipitadoamarelo, solúvel em excesso de ácido nítrico e também em excesso de hidróxido de amônio.

C.

Dissolver 0,1 g de fosfato de cálcio em 5 ml de solução de ácido clorídrico a 10% (V/V).Adicionar 5 gotas de solução de ácido oxálico a 1% (p/V). Observa-se a formação de precipitadobranco cristalino, solúvel em ácidos minerais.

ENSAIOS DE PUREZA

Arsênio. Proceder conforme descrito em ensaio-limite para arsênio (V.3.2.5 – Método I) F. Bras.IV. No máximo 5 ppm.

Bário. Adicionar 0,5 g da amostra em 10 ml de água purificada, adicionar 1 ml de ácido nítrico.

A

solução deve permanecer límpida após a adição de 1 ml de solução de sulfato de cálcio.

Carbonato. A adição de ácido clorídrico 3 M à amostra não deve produzir efervescência.

Cloreto. Adicionar 0,14 g da amostra em 10 ml de água purificada, adicionar 1 ml de ácido nítrico,agitar até dissolução, diluir para 40 ml com água purificada, transferir para tubo de ensaio eprosseguir como descrito no ensaio-limite para cloretos (V.3.2.1) F. Bras. IV. No máximo 0,25%.

Ferro. Adicionar 0,2 g da amostra em 10 ml de água purificada, adicionar 1 ml de ácido clorídricoe 1 g de ácido cítrico, previamente pulverizado; após dissolução completa, alcalinizar comhidróxido de amônio. Diluir para 40 ml com água purificada, transferir para tubo de ensaio eprosseguir como descrito no ensaio-limite para ferro (V.3.2.4) F. Bras. IV. No máximo 500 ppm.

Metais pesados. Adicionar 0,333 g da amostra em 2,3 ml de ácido clorídrico M aquecer em banho-
maria por 5 minutos, diluir com água purificada para 35 ml, filtrar, transferir para tubo de ensaio eprosseguir como descrito no ensaio-limite para metais pesados (V.3.2.3) F. Bras. IV. No máximo30 ppm.

Sulfato. Adicionar 0,5 g da amostra em 10 ml de água purificada, adicionar 1 ml de ácidoclorídrico, agitar até dissolução, diluir para 40 ml com água purificada, transferir para tubo deNessler e prosseguir como descrito no ensaio-limite para sulfatos (V.3.2.2) F. Bras. IV. No máximo0,24%.

DOSEAMENTO

Pesar 0,15 g de fosfato de cálcio, com precisão de 1 mg, dissolver em uma mistura de 5 ml de ácidoclorídrico e 3 ml de água purificada, contidos num béquer de 250 ml com barra de agitaçãomagnética e adicionar lentamente 125 ml de água purificada. Caso haja dificuldade de dissolução,aquecer levemente a mistura. Sob agitação constante, adicionar os reagentes na seguinte ordem: 0,5ml de trietanolamina, 0,3 g de indicador azul de hidroxi-naftol e, a partir de uma bureta de 50 ml,cerca de 23 ml de edetato dissódico 0,05 M SV. Adicionar solução de hidróxido de sódio 45% (p/V)até a coloração inicial vermelha passar a azul claro; continuar a adição, gota a gota, até a coloraçãomudar para violeta e, então, adicionar excesso do mesmo reagente (0,5 ml). O pH da mistura deveestar entre 12,3 e 12,5. Continuar a titulação, gota a gota, com edetato dissódico 0,05 M SV até oaparecimento de ponto final azul claro que persiste por, no máximo, 1 minuto. Cada ml de soluçãode edetato dissódico 0,05 M SV é equivalente a 0,200 g de Ca ou 0,517 g de Ca (PO ) .

3
4 2

CONSERVAÇÃO

Em frasco de vidro neutro, âmbar, bem fechado.

FORMA DERIVADA

Ponto de partida. Fosfato tricálcico (Ca (PO ) )

3
4 2
Insumo inerte. Utilizar lactose até 3CH ou 6 DH e para as demais, seguir a regra geral depreparação de formas farmacêuticas derivadas.Método. Hahnemanniano (XI. I), Korsakoviano (XI.II), Fluxo Contínuo (XI.III); Farm. Hom. Bras.II, 1997.

Dispensação. A partir da 1CH ou 1DH seguindo regra geral de dispensação.

Conservação.
Em frasco de vidro neutro, âmbar, bem fechado.

REAGENTES E SOLUÇÕ

ES REAGENTES

Solução de sulfato de cálcio.Adicionar quantidade suficiente de sulfato de cálcio anidro a 10 ml de água purificada até saturação.Deixar em repouso até o sobrenadante tornar-se límpido. Usar o sobrenadante. Document Outline CALCAREA PHOSPHORICA ESPECIFICA


DEFINIÇÕES MÉDICAS

Síguenos

X