Dafalgan 1 g

Para que serve Dafalgan 1 g

Recomendações
Recorde-se que antes de tomar este medicamento deverá consultar o seu médico, a informação que lhe disponibilizamos é meramente orientativa e não substitui em nenhuma ocasião a consulta de um médico ou qualquer profissional de saúde.

LEMBRE-SE, NUNCA use esta informação para automedicar-se. A consulta de um médico é imprescindível.


APROVADO EM 27-06-2011 INFARMED

FOLHETO INFORMATIVO

INFORMAÇÃO PARA O UTILIZADOR

Dafalgan 1g, 1000 mg comprimidos efervescentes
Paracetamol

Leia atentamente este folheto antes de tomar este medicamento.
- Conserve este folheto. Pode ter necessidade de o reler.
- Caso ainda tenha dúvidas, fale com o seu médico ou farmacêutico.
- Este medicamento foi receitado para si. Não deve dá-lo a outros; o medicamento pode
ser-lhes prejudicial mesmo que apresentem os mesmos sintomas.
- Se algum dos efeitos secundários se agravar ou se detectar quaisquer efeitos secundários
não mencionados neste folheto, informe o seu médico ou farmacêutico.

Neste folheto:
1. O que é Dafalgan 1g e para que é utilizado
2. Antes de tomar Dafalgan 1 g
3. Como tomar Dafalgan 1 g
4. Efeitos secundários possíveis
5. Como conservar Dafalgan 1 g
6. Outras informações


1. O QUE É DAFALGAN 1 g E PARA QUE É UTILIZADO

Este medicamento é analgésico (elimina a dor) e antipirético (faz baixar a febre).
É utilizado:
- no tratamento sintomático das afecções dolorosas e/ou febris;
- no tratamento sintomático da dor da osteoartrose.

2. ANTES DE TOMAR DAFALGAN 1 g

Não tome Dafalgan 1 g
- se tem alergia (hipersensibilidade) à substância activa, paracetamol, ao cloridrato de
propacetamol (pró-fármaco do paracetamol), ou a qualquer outro componente de
Dafalgan 1 g;
- se tem uma doença hepática grave;
- se tem doença de Gilbert (doença metabólica herditária rara);
- se tem idade inferior a 18 anos;
- se tem febre há mais de 3 dias, febre alta (superior a 39ºC) ou febre recorrente, excepto
se prescrito pelo médico;
- se tem intolerância à frutose.

Tome especial cuidado com Dafalgan 1 g
Esta apresentação destina-se apenas a adultos com idade igual ou superior a 18 anos
devido à dose unitária de paracetamol por comprimido. APROVADO EM 27-06-2011 INFARMED
a dose total de paracetamol não deve exceder 4 g por dia. Para evitar o risco de
sobredosagem, dever-se-á verificar que outros medicamentos administrados
concomitantemente não contêm paracetamol. O paracetamol (acetaminofeno) é um
componente frequente de vários medicamentos em associação. Deve ter-se em atenção
este facto para não exceder a dose máxima diária.

Habitualmente não é necessário exceder a dose de 3 g diários de paracetamol em adultos
(i.e. 3 comprimidos). No entanto, se necessário (dor mais intensa ou não completamente
controlada por 3 g diários), a dose pode ser aumentada até 4 g diários (4 comprimidos)
com um intervalo de 4 horas entre as administrações.
A administração de doses de paracetamol superiores às recomendadas implica o risco de
lesão hepática muito grave.

A não ser por indicação do médico, os medicamentos contendo paracetamol não devem
ser tomados por mais do que alguns dias, ou em doses elevadas.

O paracetamol não deve ser usado em situações de febre alta (superior a 39 ºC), febre de
duração superior a 3 dias ou febre recorrente, excepto se prescrito pelo médico, pois estas
situações podem necessitar de avaliação e tratamento médico.

Dafalgan 1 g deve ser utilizado com precaução:
- nos doentes que sofrem de alcoolismo (3 ou mais bebidas alcoólicas por dia), bem como
nos insuficientes hepáticos ou renais.
- nos doentes com défice de glucose-6-fosfato desidrogenase;
- nos doentes que sofrem de anorexia, bulimia, caquexia ou malnutrição crónica;
- em indivíduos que sofrem de desidratação ou hipovolémia;

O uso prolongado de analgésicos, ou o uso inapropriado de doses elevadas, pode
provocar cefaleias, que não devem ser tratadas com doses aumentadas do medicamento.

A administração de paracetamol pode interferir com o doseamento sanguíneo do ácido
úrico pelo método do ácido fosfotúngstico, e da glicemia pelo método da glucose
oxidase-peroxidase.

Ao tomar Dafalgan 1 g com outros medicamentos
Informe o seu médico ou farmacêutico se estiver a tomar ou tiver tomado recentemente
outros medicamentos, incluindo medicamentos obtidos sem receita médica.

Deverá ser considerada a redução da dose do paracetamol quando estiver a ser feito
tratamento concomitante com probenecide.

A salicilamida pode prolongar o tempo de semi-vida (t1/2) de eliminação do paracetamol.

Fenitoína: a administração concomitante de fenitoína pode resultar numa redução da
eficácia de paracetamol e num aumento do risco de hepatotoxicidade. APROVADO EM 27-06-2011 INFARMED
Cloranfenicol (medicamento antibiótico): a administração simultânea de paracetamol e
cloranfenicol pode atrasar marcadamente a excreção de cloranfenicol, aumentando as
suas concentrações plasmáticas e causando um aumento do risco da toxicidade.

AZT (Zidovudina), um medicamento usado nas doenças virais: a administração
concomitante de paracetamol e AZT (zidovudina) pode aumentar a incidência ou o
agravamento de neutropénia (redução no número de glóbulos brancos). O paracetamol
apenas deve ser tomado simultaneamente com AZT se recomendado pelo médico.

Colestiramina: a colestiramina reduz a absorção do paracetamol. Assim, para que tal não
ocorra, o paracetamol deve ser administrado uma hora antes ou 4 horas depois da resina.

Anticoagulantes orais: o paracetamol pode aumentar os efeitos dos anticoagulantes orais.
O uso a longo prazo deste medicamento em doentes que estão a receber o tratamento com
anticoagulantes orais apenas deve ser efectuado sob vigilância médica. Foi observada a
potenciação dos efeitos da varfarina com a toma continuada de doses elevadas de
paracetamol.

Deve ter-se em atenção o uso concomitante de substâncias indutoras das enzimas
hepáticas, tais como barbitúricos, carbamazepina, isoniazida, rifampicina ou etanol, uma
vez que estas poderão potenciar o efeito tóxico do paracetamol.


Não tome Dafalgan 1 g, comprimidos, simultaneamente com medicamentos que atrasam
o esvaziamento gástrico (p. ex. propantelina), ou que aceleram o esvaziamento gástrico
(p. ex metoclopramida e domperidona).

Gravidez e aleitamento
Consulte o seu médico ou farmacêutico antes de tomar qualquer medicamento.
O paracetamol apenas deve ser utilizado durante a gravidez após uma avaliação
cuidadosa pelo médico da taxa risco-beneficio.
Em doses terapêuticas este medicamento pode ser prescrito na fase de aleitamento.

Condução de veículos e utilização de máquinas
O paracetamol não interfere com a capacidade de condução ou utilização de máquinas.
No entanto, deve ter-se em consideração que durante o tratamento com paracetamol
podem ser observados como efeitos secundários sonolência ligeira e vertigens.

Informações importantes sobre alguns componentes de Dafalgan 1 g
Este medicamento contém sorbitol. Se foi informado pelo seu médico que tem
intolerância a alguns açúcares, contacte-o antes de tomar este medicamento.
Este medicamento contém 24,66 mmol (ou 567,28 mg) de sódio por comprimido. Esta
informação deve ser tida em consideração em doentes com ingestão controlada de sódio.

3. COMO TOMAR DAFALGAN 1 g APROVADO EM 27-06-2011 INFARMED
Tomar Dafalgan 1 g sempre de acordo com as indicações do médico. Fale com o seu
médico ou farmacêutico se tiver dúvidas.

Dafalgan 1 g destina-se apenas à administração oral em adultos com idade igual ou
superior a 18 anos.

Posologia
A dose habitual é de 1 comprimido por administração, repetida após um intervalo de 6 a
8 horas. Se necessário, a administração pode ser repetida após um intervalo de, pelo
menos, 4 horas.
Habitualmente não é necessário exceder 3 g diários, i.e., 3 comprimidos por dia.
No entanto, para dores mais intensas, a posologia máxima pode ser aumentada para 4 g
diários (4 comprimidos). Deverá haver sempre um intervalo mínimo de 4 horas entre as
administrações.
A administração após as refeições pode atrasar o início de acção.

Frequência de administração
As administrações regulares evitam as variações nos níveis de dor ou febre.

Adultos
Nos adultos deve haver pelo menos um intervalo mínimo de 4 horas entre as
administrações.

Insuficiência renal
Em caso de insuficiência renal grave (depuração da creatinina inferior a 10 ml/min), o
intervalo entre as administrações deverá ser de, pelo menos, 8 horas. Não exceder 3 g
diários de paracetamol (i.e. 3 comprimidos).

Insuficiência hepática
Nos doentes com insuficiência hepática a dose deve ser reduzida ou os intervalos de
administração alargados.

Idosos
Não são geralmente necessários ajustes posológicos.

Modo e via de administração
Administração por via oral. Os comprimidos de Dafalgan devem ser bem dissolvidos
num copo com água.

Se tomar mais Dafalgan 1 g do que deveria
Consulte o seu médico ou farmacêutico de imediato.
Poderão ocorrer os seguintes sintomas: náuseas, vómitos, anorexia, palidez, mal-estar
geral, diaforese, dor abdominal surgindo geralmente nas primeiras 24 horas.
APROVADO EM 27-06-2011 INFARMED Medidas de urgência: transferir o doente imediatamente para o hospital; antes de iniciar o
tratamento fazer a colheita de amostra de sangue para proceder ao doseamento do
paracetamol no plasma.

Tratamento: administração, tão cedo quanto possível, do antídoto N-acetilcisteína por via
IV ou oral, se possível antes de terem decorrido 8 horas após a ingestão; tratamento
sintomático.

Caso se tenha esquecido de tomar Dafalgan 1 g
Não tome uma dose a dobrar para compensar um comprimido que se esqueceu de tomar.

Caso ainda tenha dúvidas sobre a utilização deste medicamento, fale com o seu médico
ou farmacêutico.


EFEITOS SECUNDÁRIOS POSSÍVEIS

Como todos os medicamentos, Dafalgan 1 g pode causar efeitos secundários, no entanto
estes não se manifestam em todas as pessoas.

Foram relatados os seguintes efeitos secundários:

Efeitos secundários frequentes (afectam 1 a 10 utilizadores em cada 100):
náuseas, vómitos, sonolência ligeira.

Efeitos secundários pouco frequentes (afectam 1 a 10 utilizadores em cada 1.000):
diarreia, dor abdominal (incluindo cãibras e ardor), obstipação, sensação de ardor
faríngeo, vertigens, sonolência, nervosismo, cefaleias, transpiração/sudação, febre,
hipotermia.

Raramente foram referidas dermatite alérgica, urticária, prurido, edema, icterícia
(amarelecimento da pele), insuficiência hepática e alterações da micção (micção difícil ou
dolorosa, diminuição da quantidade de urina e sangue na urina).

Muito raramente podem surgir alterações sanguíneas que podem incluir alterações nas
contagens das células sanguíneas (tais como níveis anormalmente baixos de alguns
elementos sanguíneos o que pode causar, por exemplo, perdas de sangue pelo nariz ou
gengivas) e hemorragia; podem também surgir reacções alérgicas (podendo surgir
sintomas como edema, falta de ar, sudação, náuseas, diminuição brusca da tensão arterial,
diminuição do açúcar no sangue).

Com frequência desconhecida foram reportados: enzimas hepáticas aumentadas, INR
diminuída, INR elevada, eritema e erupção cutânea.

Se algum dos efeitos secundários se agravar ou se detectar quaisquer efeitos secundários
não mencionados neste folheto, informe o seu médico ou farmacêutico. APROVADO EM 27-06-2011 INFARMED
5. Como cONSERVAr DAFALGAN 1 g
Não conservar acima de 25ºC.

Manter fora do alcance e da vista das crianças.

Não utilize Dafalgan 1 g após o prazo de validade impresso na embalagem exterior. O
prazo de validade corresponde ao último dia do mês indicado.

Os medicamentos não devem ser eliminados na canalização ou no lixo doméstico.
Pergunte ao seu farmacêutico como eliminar os medicamentos de que já não necessita.
Estas medidas irão ajudar a proteger o ambiente.


OUTRAS INFORMAÇÕES

Qual a composição de Dafalgan 1 g
- A substância activa é o paracetamol.
- Os outros componentes são ácido cítrico anidro, bicarbonato de sódio, carbonato de
sódio anidro, sorbitol (E420), docusato de sódio, povidona, sacarina sódica e benzoato de
sódio.

Qual o aspecto de Dafalgan 1 g e conteúdo da embalagem

Dafalgan 1 g apresenta-se em embalagens de 8, 16, 32 e 100 comprimidos efervescentes
acondicionados em fita termossoldada de Alumínio/Polietileno ou em embalagens de 8
comprimidos efervescentes acondicionados em recipiente para comprimidos (tubo) de
polipropileno opaco.

É possível que não sejam comercializadas todas as apresentações.

Titular da Autorização de Introdução no Mercado e Fabricante

Titular da Autorização de Introdução no Mercado
Bristol-Myers Squibb Farmacêutica Portuguesa, S.A.
Edifício Fernão de Magalhães, Quinta da Fonte
2780-730 Paço de Arcos
Portugal


Fabricante
Bristol-Myers Squibb
304, Avenue du Docteur Jean Bru
47000 Agen
França APROVADO EM 27-06-2011 INFARMED
Bristol-Myers Squibb
Avenue des Pyrénées
47520 Le Passage
França

Para quaisquer informações sobre este medicamento, queira contactar o Titular da
Autorização de Introdução no Mercado.


Este folheto foi aprovado pela última vez em








DEFINIÇÕES MÉDICAS
  1. Acetilcisteína: Derivado N-acetil da cisteína. ?? usado como um agente mucolítico para reduzir a viscosidade das secreções mucosas.
  2. Caquexia: Estado de involução geral caracterizado por perda de peso, astenia e incapacidade de desempenhar atividades mínimas. Pode acompanhar estados terminais das doenças crônicas (SIDA, insuficiência cardíaca, insuficiência respiratória). Também se pode aplicar este termo a um órgão determinado, quando o mesmo se encontra afetado por um transtorno incapacitante terminal (caquexia cardíaca).
  3. Dermatite: Inflamação das camadas superficiais da pele, que pode apresentar-se de formas variadas (dermatite seborreica, dermatite de contato...) e é produzida pela agressão direta de microorganismos, substância tóxica ou por uma resposta imunológica inadequada (alergias, doenças auto-imunes).
  4. Edema: Acúmulo anormal de líquido nos espaços intercelulares dos tecidos ou em diferentes cavidades corporais (peritôneo, pleura, articulações, etc.).
  5. Febre: Elevação da temperatura corporal acima de um valor normal, estabelecido entre 36,7ºC e 37ºC, quando medida na boca.
  6. Icterícia: Pigmentação amarelada da pele e mucosas devido ao aumento da concentração de bilirrubina no sangue. Pode ser acompanhada de sintomas como colúria (ver), prurido, etc. Associa-se a doenças hepáticas e da vesícula biliar, ou à hemólise (ver).
  7. Hemorragia: Perda de sangue para um órgão interno (tubo digestivo, cavidade abdominal) ou para o exterior (ferimento arterial). De acordo com o volume e velocidade com a qual se produz o sangramento uma hemorragia pode produzir diferentes manifestações nas pessoas, desde taquicardia, sudorese, palidez cutânea, até o choque.
  8. Náuseas: Vontade de vomitar. Forma parte do mecanismo complexo do vômito e pode ser acompanhada de sudorese, sialorréia (salivação excessiva), vertigem, etc.
  9. Neutropenia: Queda no número de neutrófilos no sangue abaixo de 1000 por milímetro cúbico. Esta é a cifra considerada mínima para manter um sistema imunológico funcionando adequadamente contra os agentes infecciosos mais freqüentes. Quando uma pessoa neutropênica apresenta febre, constitui-se uma situação de ???emergência infecciosa???.
  10. Urticária: Reação alérgica manifestada na pele como elevações pruriginosas, acompanhadas de vermelhidão da mesma. Pode afetar uma parte ou a totalidade da pele. Em geral é autolimitada e cede em pouco tempo, podendo apresentar períodos de melhora e piora ao longo de vários dias.

Síguenos

X