Dihydergot

Para que serve Dihydergot

Recomendações
Recorde-se que antes de tomar este medicamento deverá consultar o seu médico, a informação que lhe disponibilizamos é meramente orientativa e não substitui em nenhuma ocasião a consulta de um médico ou qualquer profissional de saúde.

LEMBRE-SE, NUNCA use esta informação para automedicar-se. A consulta de um médico é imprescindível.


FOLHETO INFORMATIVO


DIHYDERGOT

Leia atentamente este folheto antes de tomar o medicamento. Conserve este folheto. Pode ter necessidade de o reler. Caso tenha dúvidas, consulte o seu médico ou farmacêutico. Este medicamento foi receitado para si. Não deve dá-lo a outros, o medicamentopode-lhes ser prejudicial mesmo que apresentem os mesmos sintomas.Neste folheto:1. O que é Dihydergot e para que é utilizado.2. Antes de tomar Dihydergot.3. Como tomar Dihydergot.4. Efeitos secundários possíveis.5. Conservação de Dihydergot.6. Outras informações.Dihydergot, 2mg/ ml, gotas orais, solução.Mesilato de dihidroergotaminaA substância activa é o mesilato de dihidroergotamina.Os outros ingredientes são o etanol, glicerina, ácido metanosulfónico e águadesmineralizada.Dihydergot encontra-se disponível na forma de solução a 2mg/ ml (1 ml = 20 gotas) -Frasco de 50 ml.Titular da Autorização da Introdução no Mercado:Novartis Farma – Produtos Farmacêuticos S.A.Rua do Centro Empresarial, Edifício nº8Quinta da Beloura2710 – 444 Sintra1. O que é Dihydergot e para que é utilizado.Dihydergot, tem as seguintes indicações:- Tratamento das perturbações circulatórias hipotensivas (pressão arterial baixa) e ortostáticas (ou seja ao levantar-se), quer primárias quer secundárias e seussintomas relacionados, tais como vertigens e fadiga crónica. - Prevenção de crises recidivantes da enxaqueca com ou sem aura.A dihidroergotamina tem um perfil farmacológico complexo. Na hipotensão ortostáticaprovoca uma elevação do tónus venoso, conduzindo a uma redistribuição sanguínea,prevenindo uma estase venosa excessiva.Na enxaqueca pensa-se que o Dihydergot actua primariamente compensando o nível

plasmático inadequado de serotonina, um químico presente no nosso organismo eenvolvido em processos de transmissão nervosa, hemostase e tónus vascular. Aoestimular esta acção, contraria a perda de tónus dos vasos extracraneanos. Naprevenção da enxaqueca, a administração prolongada conduz à estabilização dotónus dos vasos extracraneanos.2. Antes de tomar Dihydergot.Não tome DihydergotNão deve tomar Dihydergot nas seguintes situações: Alergia à dihidroergotamina ou a outros alcalóides da cravagem do centeio, oua qualquer dos componentes do medicamento.Se está grávidaSe está a amamentarEstados predisponentes a reacções vasoespásticas: doença cardíacacoronária (particularmente, angina instável ou vasoespástica), estadossépticos, choque, doença vascular obliterante, hipertensão nãoadequadamente tratada.Arterite (inflamação nas artérias) temporal.Enxaqueca basilar ou hemiplégica.Insuficiência hepática grave.Tratamento simultâneo com antibióticos macrólidos, com os inibidores datranscriptase reversa e da protease – na terapêutica do VIH e com antifúngicosazóis.Tratamento simultâneo com agentes vasoconstritores (incluindo alcalóides daergotamina, sumatriptano, e outros agonistas dos receptores 5 HT1)

Crianças:Não existem contra-indicações acerca da utilização do Dihydergot em crianças. Sigaas indicações do seu médico.Idosos :Sim. A idade por si só não obriga a nenhuma precaução especial.Tome especial cuidado com DihydergotCaso sofra de doença renal (excepto se fizer hemodiálise), avise o seu médico. Elepode ter necessidade de lhe reduzir a dose de Dihydergot.Se sofre ou sofreu de perturbações fibróticas induzidas por fármacos, tais como,fibrose retroperitoneal e pleural, devem ser monitorizados com precaução.GravidezDihydergot está contraindicado na grávidaAleitamento

É provável que a dihidroergotamina seja excretada no leite materno. Por este motivo,Dihydergot está contraindicado durante a amamentação.Condução de veículos e utilização de máquinas

Doentes que sintam tonturas ou outras perturbações do sistema nervoso central, nãodevem conduzir ou operar máquinas.Tomar com outros medicamentos

Antes de tomar Dihydergot deve informar o seu médico ou o seu farmacêutico sobretodos os medicamentos que está a tomar, ou que toma habitualmente, mesmoaqueles que adquiriu sem receita na farmácia.Quando tomar Dihydergot deverá evitar a administração simultânea: de antibióticos como a troleandomicina, eritromicina ou claritromicina ;de inibidores da transcriptase reversa como ritonavir, indinavir, nelfinavir;deinibidores da protease na terapêutica do VIH;deantifúngicos como cetoconazole, itraconazole;de substâncias vasoconstritoras como a ergotamina e o sumatriptano (usadasem medicamentos para a enxaqueca) ou como a nicotina (ex.:grandesfumadores) aumenta o risco de efeitos indesejáveis. Deverá também ter em atenção se está a tomar anti-hipertensores do tipobloqueadores beta, por exemplo propanolol.3. Como tomar Dihydergot.Não altere a dose nem a duração do tratamento.

Se estiver a tomar outros medicamentos além do Dihydergot.A posologia irá depender da afecção a tratar:Tratamento do síndrome ortostático:Tome 10-30 gotas, três vezes por dia. No caso de tratamento prolongado a posologiadeverá ser reduzida.Prevenção das crises recidivantes da enxaqueca e cefaleias vasculares:Tome 10-20 gotas, três vezes por dia. Para crianças menores de 12 anos aconselha-
se 1/3 a 2/3 da posologia dos adultos, de acordo com a idade.Nota: Para medir a dose recomendada de gotas, deve usar o conta-gotas fornecido.Durante quanto tempo preciso de tomar Dihydergot ?A duração do tratamento com Dihydergot irá depender da doença a tratar. O seumédico dir-lhe-á exactamente durante quanto tempo tem de tomar Dihydergot

A utilização de Dihydergot de forma continua e prolongada apenas deve ser feita como conhecimento e sob a vigilância do seu médico.E se me esquecer de tomar Dihydergot?Tome a dose de Dihydergot esquecida logo que se lembre. Não tome se faltaremmenos de 4 horas para a dose seguinte. Neste caso, tome a próxima dose à horahabitual.No caso de uma sobredosagemPoderá experimentar um ou mais dos seguintes sintomas: náuseas, vómitos, dores decabeça, taquicardia, vertigens, entorpecimento, formigueiro e dor nas extremidades ,coma.No caso de uma sobredosagem contacte, imediatamente, o seu médico ou o hospital

mais próximo.

O tratamento deverá ser feito em meio hospitalar:

No caso do fármaco ter sido ingerido por via oral recomenda-se a administração decarvão activado. No caso de uma absorção oral muito recente pode considerar-se apossibilidade de lavagem gástrica. Tratamento sintomático incluindo monitorização dosistema cardiovascular. Na eventualidade de reacções vasoespásticas graves aadministração i.v. de um vasodilatador periférico tal como o nitroprussiato, fentolaminaou dihidralazina, a aplicação local de calor e cuidados de enfermagem adequados sãorecomendados para prevenir danos tissulares. No caso de constrição coronária deveiniciar-se um tratamento apropriado como seja com nitroglicerina.4. Efeitos secundários possíveis.Geralmente, Dihydergot é bem tolerado, mas como todos os medicamentos podeprovocar alguns efeitos indesejáveis: ocasionalmente podem ocorrer vómitos enáuseas (não relacionados com a enxaqueca).Outras reacções adversas incluemhipersensibilidade (tais como, erupção cutânea, edema da face, urticária e dispneia),aumento da pressão arterial, vertigens, dor abdominal e diarreia. Com a administraçãoparentérica foram descritos parestesia (ex.: entorpecimento, formigueiro) nos dedosdas mãos e dos pés, dor pré-cordial estando relatados alguns casos de enfarte domiocárdio. No entanto, no caso de administração oral, estes efeitos sãoextremamente raros.

Em casos raros podem ocorrer espasmos vasculares, particularmente dasextremidades inferiores. Se forem observados sinais de espasmos vasculares deveinterromper-se a administração de Dihydergot e iniciar o tratamento com umvasodilatador periférico.

5. Conservação de Dihydergot. Conserve ao abrigo do calor. Após a abertura do frasco de Dihydergotsolução o seu conteúdo deve ser consumido no espaço de 1 mês.Manter fora do alcance e da vista das crianças.

6. Outras informações.Para quaisquer informações sobre este medicamento, queira contactar orepresentante local do titular da autorização de introdução no mercado.Data da revisão deste folheto informativo.Abril de 2005



DEFINIÇÕES MÉDICAS
  1. Edema: Acúmulo anormal de líquido nos espaços intercelulares dos tecidos ou em diferentes cavidades corporais (peritôneo, pleura, articulações, etc.).
  2. Náuseas: Vontade de vomitar. Forma parte do mecanismo complexo do vômito e pode ser acompanhada de sudorese, sialorréia (salivação excessiva), vertigem, etc.
  3. Taquicardia: Aumento da freqüência cardíaca. Pode ser devido a causas fisiológicas (durante o exercício físico ou gravidez) ou por diversas doenças como sepse, hipertireoidismo e anemia. Pode ser assintomática ou provocar palpitações (ver).
  4. Tala: Instrumento ortopédico utilizado freqüentemente para imobilizar uma articulação ou osso fraturado. Pode ser de gesso ou material plástico.
  5. Urticária: Reação alérgica manifestada na pele como elevações pruriginosas, acompanhadas de vermelhidão da mesma. Pode afetar uma parte ou a totalidade da pele. Em geral é autolimitada e cede em pouco tempo, podendo apresentar períodos de melhora e piora ao longo de vários dias.

Síguenos

X