Famotidina Mylan

Para que serve Famotidina Mylan

Recomendações
Recorde-se que antes de tomar este medicamento deverá consultar o seu médico, a informação que lhe disponibilizamos é meramente orientativa e não substitui em nenhuma ocasião a consulta de um médico ou qualquer profissional de saúde.

LEMBRE-SE, NUNCA use esta informação para automedicar-se. A consulta de um médico é imprescindível.


APROVADO EM 24-02-

15 INFARMED F

olheto informativo: Informação para o utilizador Famotidina Mylan 20 mg Comprimidos revestidos Famotidina Leia com atenção todo este folheto antes de começar a utilizar este medicamento pois contém informação importante para si. - Conserve este folheto. Pode ter necessidade de o ler novamente. - Caso ainda tenha dúvidas, fale com o seu médico, farmacêutico ou enfermeiro - Este medicamento foi receitado apenas para si. Não deve dá-lo a outros. O medicamento pode ser-lhes prejudicial mesmo que apresentem os mesmos sinais de doença. - Se tiver quaisquer efeitos secundários, incluindo possíveis efeitos secundários não indicados neste folheto, fale com o seu médico, farmacêutico ou enfermeiro. Ver secção 4. O que contém este folheto: 1. O que é Famotidina Mylan e para que é utilizada 2. O que precisa de saber antes de tomar Famotidina Mylan 3. Como tomar Famotidina Mylan 4. Efeitos secundários possíveis 5. Como conservar Famotidina Mylan 6. Conteúdo da embalagem e outras informações 1. O que é Famotidina Mylan e para que é utilizada Indicações terapêuticas: Úlcera duodenal, úlcera gástrica benigna, síndroma de Zollinger-Ellison e prevenção da recorrência de úlcera duodenal. 2. O que precisa de saber antes de tomar Famotidina Mylan Não tome Famotidina Mylan : - Não se conhecem contraindicações para o uso da Famotidina. Contudo se houver evidência de hipersensibilidade ao produto, deve suspender-se imediatamente a sua administração. Advertências e precauções Fale com o seu médico ou farmacêutico antes de utilizar Famotidina Mylan Neoplasia gástrica: Deve excluir-se a presença de neoplasia gástrica maligna antes de iniciar a terapêutica com Famotidina Mylan . Insuficiência renal ou hepática: Uma vez que a Famotidina Mylan é em parte metabolizada no fígado e a sua excreção é essencialmente renal, deve haver precaução na sua administração na presença de insuficiência renal ou hepática. É aconselhada uma redução na posologia se a clearance da creatinina for inferior a 30 ml/min. APROVADO EM 24-02-

15 INFARMED C

rianças A eficácia e segurança da famotidina não estão bem estabelecidas nas crianças. Outros medicamentos e Famotidina Mylan As alterações de p

H gástrico podem afetar a biodisponibilidade de certos medicamentos resultando numa diminuição da absorção do atazanavir. A absorção de cetoconazol e itraconazol pode ser reduzida. O cetaconazol deve ser administrado 2 horas antes da administração de famotidina. Antiácidos podem reduzir a absorção de famotidina e levar à diminuição das concentrações plasmáticas de famotidina. A famotidina deve ser tomada 1-2 horas antes da aplicação de um antiácido. A administração de probenecida pode atrasar a eliminação de famotidina. O uso concomitante de probenecida e famotidina deve ser evitado. O uso concomitante de sucralfato deve ser evitado durante duas horas da dose famotidina. Gravidez, amamentação e fertilidade Não existem até à data estudos adequados e controlados sobre o uso de famotidina em mulheres grávidas. Como tal, nos casos em que a sua utilização estiver claramente indicada, o médico deverá pesar os benefícios eventuais contra os possíveis riscos.

Condução de veículos e utilização de máquinas Não se aplica. 3. Como tomar Famotidina Mylan Posologia usual e modo de emprego Ú

LCERA DUODENAL

2 comprimidos de 20 mg de Famotidina Mylan por dia, ao deitar durante 4 a 8 semanas. Como terapêutica de manutenção, para a prevenção de recorrências recomenda-se um comprimido de 20 mg de Famotidina Mylan por dia, ao deitar. Ú

LCERA GÁSTRICA BENIGNA

2 comprimidos de 20 mg de Famotidina Mylan por dia, ao deitar, durante 6 a 8 semanas.

SÍNDROMA DE ZOLLINGER-ELLISON

recomenda-se o início do tratamento com 1 comprimido de 20 mg de Famotidina Mylan de 6 em 6 horas. A posologia deverá ser ajustada às necessidades individuais dos doentes. Modo e via de administração Para administração oral. Utilização em crianças e adolescentes A eficácia e segurança da famotidina não estão bem estabelecidas nas crianças. Indicações do momento mais favorável à administração do medicamento Não se aplica. Duração do tratamento médico APROVADO EM 24-02-

15 INFARMED M

encionado na posologia usual, de acordo com cada uma das patologias a que se destina. Caso se tenha esquecido de tomar Famotidina Mylan Não se aplica. Se parar de tomar Famotidina Mylan Não se aplica. Se tomar mais Famotidina Mylan do que deveria Até ao momento não se conhecem casos de sobredosagem com Famotidina Mylan . Em caso de sobredosagem, utilizar os métodos usuais de remoção do produto, não absorvido do trato gastrointestinal e manter o indivíduo sob vigilância clínica. Caso se detetem efeitos indesejáveis que não constem deste folheto informativo, deverá informar o seu médico ou farmacêutico. Deverá verificar sempre o prazo de validade inscrito na embalagem da Famotidina Mylan. 4. Efeitos secundários possíveis Como todos os medicamentos, este medicamento pode causar efeitos secundários, embora estes não se manifestem em todas as pessoas. A Famotidina Mylan é bem tolerada. Os efeitos adversos estão descritos seguidamente por classes de sistemas de órgãos e frequência. [Muito frequentes (? 1/10) frequentes (? 1/100, < 1/10), Pouco frequentes (? 1/1.000, < 1/100), Raros (? 1/10.000, < 1/1.000), Muito raros (< 1/10.000), incluindo casos isolados, desconhecido (não pode ser estimado a partir dos dados disponíveis)]. Doenças do sistema nervoso: Frequentes: cefaleias e tonturas Pouco frequentes: alteração do paladar Muito raros: convulsões (particularmente em doentes com insuficiência renal), parestesia, sonolência Doenças respiratórias, torácicas e do mediastino: Muito raros: pneumonia intersticial por vezes fatal Doenças gastrointestinais: Frequentes: diarreia, obstipação Pouco frequentes: boca seca, náuseas e/ou vómitos, desconforto ou distensão abdominal, flatulência Doenças do metabolismo e da nutrição: Pouco frequentes: anorexia Afeções hepatobiliares: Muito raros: Alteração de enzimas hepáticas, hepatite, icterícia colestática Afeções dos tecidos cutâneos e subcutâneos: Pouco frequentes: erupções cutâneas, prurido, urticária APROVADO EM 24-02-

15 INFARMED M

uito raros: alopécia, Síndrome de Stevens Jonhson / necrólise epidérmica tóxica, por vezes fatal Doenças do sistema imunitário: Muito raros: reações de hipersensibilidade (anafilaxia, edema angioneurótico, broncospasmo) Afeções musculosqueléticas e do tecido conjuntivo: Muito raros: artralgia, cãibras musculares Perturbações gerais e alterações no local de administração: Pouco frequentes: fadiga Muito raros: aperto no peito Perturbações do foro psiquiátrico: Muito raros: distúrbios psiquiátricos reversíveis incluindo depressão, transtornos de ansiedade, agitação, desorientação, confusão e alucinações, redução da líbido, insónia Doenças do sangue e do sistema linfático: Muito raros: pancitopenia, leucopenia, trombocitopenia, neutropenia, agranulocitose.

Doenças dos órgãos genitais e da mama: Muito raros: impotência Cardiopatias: Muito raros: bloqueio AV com antagonistas dos recetores H2 administrados por via intravenosa, intervalo QT prolongado (particularmente em doentes com insuficiência renal) Efeitos adversos: relação causal desconhecida Raros casos de ginecomastia têm sido relatados, no entanto, em ensaios clínicos controlados, a incidência não foi maior do que as observadas com o placebo. Comunicação de efeitos secundários Se tiver quaisquer efeitos secundários, incluindo possíveis efeitos secundários não indicados neste folheto, fale com o seu médico, ou farmacêutico ou enfermeiro. Também poderá comunicar efeitos secundários diretamente ao INFARMED, I.P. através dos contactos abaixo. Ao comunicar efeitos secundários, estará a ajudar a fornecer mais informações sobre a segurança deste medicamento.

INFARMED, I.P. Direção de Gestão do Risco de Medicamentos Parque da Saúde de Lisboa, Av. Brasil 53 1749-004 Lisboa Tel: +

1 21 798 71 40 F

ax: +

1 21 798 73 97 S?

?tio da internet: http://extranet.infarmed.pt/page.seram.frontoffice.seramhomepage E-mail: [email protected] APROVADO EM 24-02-

15 INFARMED 5

. Como conservar Famotidina Mylan Não conservar acima de 25ºC. Manter este medicamento fora da vista e do alcance das crianças. Não utilize este medicamento após o prazo de validade impresso na embalagem exterior, após EXP. O prazo de validade corresponde ao último dia do mês indicado. 6. Conteúdo da embalagem e outras informações Qual a composição de Famotidina Mylan - A substância ativa é a famotidina: 20 mg por comprimido - Os outros componentes são amido de milho, celulose microcristalina, talco, estearato de magnésio e Opadry OY 37206TAN (hidroxipropilmetilcelulose, dióxido de titânio, óxido de ferro amarelo, óxido de ferro vermelho e macrogol). Qual o aspeto de Famotidina Mylan e conteúdo da embalagem Famotidina Mylan apresenta-se em comprimidos em embalagens de 20 e de 60 unidades. Titular da Autorização de Introdução no Mercado e Fabricante Titular da Autorização de Introdução no Mercado Mylan, Lda. Parque Expo, Edifício Atlantis, Avenida D. João II, Lote 1.06.2.2 C - 7.3 e 7.4 1990-095 Lisboa Fabricante Laboratórios Vitória, SA. Rua Elias Garcia, 28 – Venda-Nova 2701-351 Amadora Este folheto foi revisto pela última vez em


DEFINIÇÕES MÉDICAS
  1. Edema: Acúmulo anormal de líquido nos espaços intercelulares dos tecidos ou em diferentes cavidades corporais (peritôneo, pleura, articulações, etc.).
  2. Icterícia: Pigmentação amarelada da pele e mucosas devido ao aumento da concentração de bilirrubina no sangue. Pode ser acompanhada de sintomas como colúria (ver), prurido, etc. Associa-se a doenças hepáticas e da vesícula biliar, ou à hemólise (ver).
  3. Impotência: Termo freqüentemente utilizado para se referir à impotência sexual masculina, distúrbio caracterizado pela incapacidade de iniciar ou manter uma ereção peniana satisfatória para realizar o ato sexual.
  4. Ginecomastia: Aumento anormal de uma ou ambas as glândulas mamárias no homem. Associa-se a diferentes enfermidades como cirrose, tumores testiculares, etc. Em certas ocasiões ocorrem de forma idiopática (ver).
  5. Náuseas: Vontade de vomitar. Forma parte do mecanismo complexo do vômito e pode ser acompanhada de sudorese, sialorréia (salivação excessiva), vertigem, etc.
  6. Neoplasia: Termo que denomina um conjunto de doenças caracterizadas pelo crescimento anormal e em certas situações pela invasão de órgãos à distância (ver metástases). As neoplasias mais freqüentes são as de mama, cólon, pele e pulmões.
  7. Neutropenia: Queda no número de neutrófilos no sangue abaixo de 1000 por milímetro cúbico. Esta é a cifra considerada mínima para manter um sistema imunológico funcionando adequadamente contra os agentes infecciosos mais freqüentes. Quando uma pessoa neutropênica apresenta febre, constitui-se uma situação de ???emergência infecciosa???.
  8. Mediastino: Região anatômica do tórax onde se localizam diversas estruturas, dentre elas o coração.
  9. Tecido: Conjunto de células de características semelhantes, organizadas em estruturas complexas para cumprir uma determinada função. Exemplo de tecido: o tecido ósseo encontra-se formado por osteócitos dispostos em uma matriz mineral para cumprir funções de sustentação.
  10. Urticária: Reação alérgica manifestada na pele como elevações pruriginosas, acompanhadas de vermelhidão da mesma. Pode afetar uma parte ou a totalidade da pele. Em geral é autolimitada e cede em pouco tempo, podendo apresentar períodos de melhora e piora ao longo de vários dias.

Síguenos

X