FAULDCISPLA

Para que serve FAULDCISPLA

Recomendações
Recorde-se que antes de tomar este medicamento deverá consultar o seu médico, a informação que lhe disponibilizamos é meramente orientativa e não substitui em nenhuma ocasião a consulta de um médico ou qualquer profissional de saúde.

LEMBRE-SE, NUNCA use esta informação para automedicar-se. A consulta de um médico é imprescindível.


1

FCITA V.11-14

Fauldcispla

cisplatina

APRESENTAÇÕES
Solução injetável com 10 mg de cisplatina. Embalagem contendo 1 frasco-ampola com 10 mL.
Solução injetável com 50 mg de cisplatina. Embalagem contendo 1 frasco-ampola com 50 mL.
Solução injetável com 100 mg de cisplatina. Embalagem contendo 1 frasco-ampola com 100 mL.

USO INTRAVENOSO
USO ADULTO E PEDIÁTRICO

COMPOSIÇÃO

Cada mL de Fauldcispla

contém 1 mg de cisplatina.

Veículos: cloreto de sódio, manitol, ácido clorídrico, hidróxido de sódio e água para injetáveis.


INFORMAÇÕES AO PACIENTE

PARA QUE ESTE MEDICAMENTO É INDICADO?

Fauldcispla

é indicado no tratamento do câncer no testículo, ovário, bexiga, cabeça e pescoço.


2. COMO ESTE MEDICAMENTO FUNCIONA?

Fauldcispla

é um medicamento antineoplásico, cujo princípio ativo é a cisplatina, que inibe a síntese do

DNA, as sínteses de proteínas e RNA.

3. QUANDO NÃO DEVO USAR ESTE MEDICAMENTO?

Pacientes com insuficiência preexistente nos rins e deficiência auditiva não devem utilizar cisplatina, a
menos que no julgamento do médico e do paciente, os possíveis benefícios do tratamento excedam os riscos.
Fauldcispla

não deve ser usado em pacientes com mielodepressão (depressão da medula óssea) e está

também contraindicado em pacientes com história de reações alérgicas a este produto ou a outros compostos
contendo platina, ou ainda a qualquer outro componente da formulação. Fauldcispla

também não deve ser

administrado durante a gravidez e lactação.


4. O QUE DEVO SABER ANTES DE USAR ESTE MEDICAMENTO?

Este tipo de medicamento pode fazer com que você tenha sangramentos ou infecções com maior frequência.
É recomendado que você evite o contato com pessoas doentes; lave as mãos frequentemente; afaste-se de
situações perigosas em que você pode se machucar, como jogos desportivos e utilização de objetos
cortantes; você deve escovar os dentes e usar o fio dental suavemente.
Seu médico solicitará exames de sangue e urina regularmente enquanto você estiver usando este
medicamento.
Outros exames também serão necessários com frequência, como testes auditivos.
Mesmo utilizando medicamentos para prevenir náusea e vômito, você pode continuar a sentir esses efeitos.
Converse com seu médico para tentar controlá-los.
As reações adversas relacionadas ao cisplatina podem aparecer durante ou após o tratamento.
Fauldcispla

só deve ser manipulado e administrado por pessoal treinado no uso de medicamentos

antineoplásicos.

Interações com outros medicamentos, alimentos e testes laboratoriais
Cisplatina pode diminuir o efeito dos anticonvulsivantes. Álcool e ácido acetilsalicílico devem ser evitados
durante o tratamento com cisplatina, devido ao aumento do risco de hemorragias gastrintestinais. Vacinas
de vírus vivos não devem ser utilizadas durante o tratamento com cisplatina.
Informe seu médico se você já fez uso de outros medicamentos antineoplásicos ou radioterapia.
Num ensaio randomizado de câncer avançado de ovário, a duração da resposta foi negativamente afetada
quando do uso concomitante com piridoxina, altretamina (hexametilmelamina) e cisplatina.

Risco de uso por via de administração não recomendada: este medicamento deve ser administrado
somente pela via recomendada. Não há estudos dos efeitos se administrado pelas vias não recomendadas.
Portanto, por segurança e para eficácia deste medicamento, a administração deve ser feita apenas por via
intravenosa.

2

FCITA V.11-14

Grupos de risco
Gravidez e amamentação

Fauldcispla

pode causar dano fetal quando administrado durante a gravidez. A amamentação é

desaconselhada durante o tratamento.
Este medicamento não deve ser utilizado por mulheres grávidas sem orientação médica. Informe
imediatamente seu médico em caso de suspeita de gravidez.

Uso pediátrico: a toxicidade no aparelho auditivo pode ser mais pronunciada em crianças, sendo
manifestada por zumbido e/ou perda da audição de altas frequências e ocasionalmente surdez.

Uso em idosos: não existem estudos bem controlados em pacientes idosos. Devem ser monitoradas as
funções hepáticas e renais.

Uso em pacientes com insuficiência renal: após administração, a cisplatina encontra-se altamente
concentrada nos rins. Esta concentração geralmente é relacionada à dose, e pode levar à nefrotoxicidade
cumulativa.

Uso em pacientes com insuficiência hepática: a dose usual para adultos deve ser usada com cautela.

Não há contraindicação relativa a faixas etárias.

Informe ao seu médico ou cirurgião-dentista se você está fazendo uso de algum outro medicamento.

Não use medicamento sem o conhecimento do seu médico. Pode ser perigoso para a sua saúde.

5. ONDE, COMO E POR QUANTO TEMPO POSSO GUARDAR ESTE MEDICAMENTO?

Este medicamento deve ser conservado em sua embalagem original, em temperatura abaixo de 25°C,
protegido da luz. Atenção: medicamento fotossensível, deve ser mantido no cartucho.
Número de lote e datas de fabricação e validade: vide embalagem.
Não use medicamento com o prazo de validade vencido. Guarde-o em sua embalagem original.
Fauldcispla

apresenta-se na forma de solução límpida incolor a levemente amarelada e isenta de partículas

visíveis.
Fauldcispla

não contém qualquer agente antimicrobiano, por isso, para evitar a possibilidade de

contaminação microbiana, a infusão deve ser iniciada logo após a sua preparação. A infusão não deve ser
utilizada após 24 horas de sua preparação e todos os resíduos devem ser descartados.
Antes de usar, observe o aspecto do medicamento. Caso ele esteja no prazo de validade e você observe
alguma mudança no aspecto, consulte o farmacêutico para saber se poderá utilizá-lo.

Todo medicamento deve ser mantido fora do alcance das crianças.

6. COMO DEVO USAR ESTE MEDICAMENTO?
Orientações gerais:

Todos os procedimentos para manuseio, dispensação e descarte adequado de fármacos e medicamentos
antineoplásicos devem ser considerados. Seu médico irá determinar quanto e quando você receberá a
medicação. Sua medicação será dada através de uma cânula que será introduzida através de um cateter em
uma de suas veias, normalmente do braço, pulso ou das mãos e algumas vezes do peito (administração
intravenosa ou infusão IV). Um enfermeiro ou outro profissional capacitado irá administrar os
medicamentos para seu tratamento. Avise imediatamente se algum destes medicamentos caírem na sua pele
ou espirrar em seus olhos; ou se você sentir dor quando da punção da agulha na veia.
Posologia:
As doses terapêuticas variam conforme o estadio da doença. O limite da dose depende do paciente e do
protocolo utilizado. Converse com seu médico para saber quanto e quando você receberá seu tratamento.
Siga a orientação de seu médico, respeitando sempre os horários, as doses e a duração do tratamento.
Não interrompa o tratamento sem o conhecimento do seu médico.

O QUE DEVO FAZER QUANDO EU ME ESQUECER DE USAR ESTE MEDICAMENTO?


Este medicamento deve ser dado mediante um esquema regular de tratamento. Se você perder uma dose,
avise seu médico ou profissional responsável para receber as devidas instruções.
Em caso de dúvidas, procure orientação do farmacêutico ou de seu médico, ou cirurgião-dentista.

3

FCITA V.11-14

QUAIS OS MALES QUE ESTE MEDICAMENTO PODE ME CAUSAR?


Algumas das reações adversas mais comuns relacionadas a cisplatina são: nefrotoxicidade (toxicidade
relativa aos rins); ototoxicidade (toxicidade relativa ao aparelho auditivo); anafilaxia; mielossupressão;
distúrbios eletrolíticos séricos que podem ser manifestados por irritação muscular ou cãibras, tremor,
espasmos; neurotoxicidade (toxicidade no sistema nervoso); toxicidade ocular como visão turva e alteração
na percepção das cores; náuseas e vômitos; hepatotoxicidade (podem ocorrer elevações transitórias das
enzimas hepáticas e bilirrubina); diarreia; anorexia; soluços; erupção cutânea; alopecia (queda de cabelo);
mal-estar.
Foram observados casos raros de alterações cardíacas, toxicidade vascular que pode incluir infarto do
miocárdio e acidente vascular cerebral.
Avise seu médico sobre outros efeitos adversos que você achar que são causados por este medicamento.
Informe ao seu médico, cirurgião-dentista ou farmacêutico o aparecimento de reações indesejáveis
pelo uso do medicamento. Informe também à empresa através do seu serviço de atendimento.

O QUE FAZER SE ALGUÉM USAR UMA QUANTIDADE MAIOR DO QUE A INDICADA DESTE MEDICAMENTO?


A superdose aguda de cisplatina pode resultar em dano ao rim, fígado, ouvido, olhos, medula óssea, náuseas
e vômitos intratáveis. Além disso, pode ocorrer morte após a superdose.
Nenhum antídoto comprovado foi estabelecido para a superdose com cisplatina.
Em caso de uso de grande quantidade deste medicamento, procure rapidamente socorro médico e
leve a embalagem ou bula do medicamento, se possível. Ligue para 0800 722 6001, se você precisar
de mais orientações.

Venda sob prescrição médica. Uso restrito a hospitais.

MS nº: 1.0033.0140

Farmacêutica Responsável: Cintia Delphino de Andrade – CRF-SP nº 25.125

Registrado por: Libbs Farmacêutica Ltda.
Rua Josef Kryss, 250 – São Paulo – SP

CNPJ

61.230.314/0001-75
Fabricado por: Libbs Farmacêutica Ltda.
Rua Alberto Correia Francfort, 88 – Embu das Artes – SP
Indústria Brasileira

www.libbs.com.br

Histórico de alteração para a bula

Dados da submissão eletrônica

Dados da petição/notificação que altera bula

Dados das alterações de bulas

Data do

expediente

expediente

Assunto

Data do

expediente

Nº do

expediente

Assunto

Data de

aprovação

Itens de bula

Versões

(VP/VPS)

Apresentações

relacionadas

25/11/2014


10457 - SIMILAR -

Inclusão Inicial de

Texto de Bula –

RDC 60/12

25/11/2014

10457 -

SIMILAR -

Inclusão Inicial de

Texto de Bula –

RDC 60/12

25/11/2014

Adequação à RDC
47/09

VP/VPS

Solução

injetável

1 mg/mL



DEFINIÇÕES MÉDICAS
  1. Câncer: Crescimento anormal de um tecido celular, capaz de invadir outros órgãos a nível local ou à distância (metástases).
  2. Bilirrubina: Pigmento amarelo que é produto da degradação da hemoglobina. Quando aumenta no sangue, acima de seus valores normais, pode produzir uma coloração amarelada da pele e mucosas, denominada icterícia. Pode estar aumentado no sangue devido a aumento da produção do mesmo (excesso de degradação de hemoglobina) ou por dificuldade de escoamento normal (p. ex. cálculos biliares, hepatite).
  3. Hemorragia: Perda de sangue para um órgão interno (tubo digestivo, cavidade abdominal) ou para o exterior (ferimento arterial). De acordo com o volume e velocidade com a qual se produz o sangramento uma hemorragia pode produzir diferentes manifestações nas pessoas, desde taquicardia, sudorese, palidez cutânea, até o choque.
  4. Infarto: Morte de um tecido por irrigação sangüínea insuficiente. O exemplo mais conhecido é o infarto do miocárdio, no qual se produz a obstrução das artérias coronárias com conseqüente lesão irreversível do músculo cardíaco.
  5. Náuseas: Vontade de vomitar. Forma parte do mecanismo complexo do vômito e pode ser acompanhada de sudorese, sialorréia (salivação excessiva), vertigem, etc.
  6. Vacina: Tratamento à base de bactérias, vírus vivos atenuados ou seus produtos celulares, que têm o objetivo de produzir uma imunização ativa no organismo para uma determinada infecção.
  7. Radioterapia: Método que utiliza diversos tipos de radiação ionizante para tratamento de doenças oncológicas.

Síguenos

X