HAEMOCOMPLETTAN P

Para que serve HAEMOCOMPLETTAN P

Recomendações
Recorde-se que antes de tomar este medicamento deverá consultar o seu médico, a informação que lhe disponibilizamos é meramente orientativa e não substitui em nenhuma ocasião a consulta de um médico ou qualquer profissional de saúde.

LEMBRE-SE, NUNCA use esta informação para automedicar-se. A consulta de um médico é imprescindível.


C
p
f
p


Haemocom

fibrinogênio


APRESEN
Haemocom

injetável e i


VIA INTRA

USO ADUL

COMPOSI

O Haemoco

intravenosa

O produto c

Cada frasco

Componente

fibrinogênio h
proteína total

Excipientes

Excipiente c

fibrinogênio


INFORMA


PARA

Tratamento

- Hipofibrin

fibrinogênio

- Hipofibrin

problema da

- consumo i

hiperfibrinó

- perda aum

Os quadros

obstétricas,

traumatismo

todas as form


COMO

O fibrinogê

de fibrina tr
Haemocom


QUAND

Você não de

fórmula do

coração), ex

mplettan

P

o

NTAÇÃO

mplettan

P 1

infusão.

AVENOSA

LTO E PED

IÇÃO

omplettan

, e contém 1

contém 20 m

o-ampola con

e

Ha
1.9

humano 90

l 1.3

s: albumina h

com função

o.

AÇÕES AO

QUE ESTE

e profilaxia

nogenemia (b

o) ou afibrin

nogenemia ad

a síntese, em

intravascular

ólise);

mentada.

clínicos mai

leucemia ag

os extensos,

rmas de choq

O ESTE ME

ênio, com o a

ridimensiona

mplettan

P é

DO NÃO D

eve utilizar e

produto, trom

xceto quando

1g: embalag

DIÁTRICO

P é apresent

g de fibrino

mg/mL de fibr

ntém:

aemocomple
925 – 3.010 m

0 – 1.300 mg

300 – 1.900 m

humana, clor

conhecida: c

PACIENTE

E MEDICAM

(prevenção)

baixos níveis

nogenemia (a

dquirida (isto

m casos de da

r aumentado

is importante

guda, especia

hemólise ap

que, assim co

DICAMEN

auxílio da tro

al elástica e e

é administrad

EVO USAR

este medicam

mbose manif

o há risco de

gem contendo

ado como pó

gênio por fra

rinogênio ap

ettan

P 1g

mg
g
mg

eto de sódio,

cerca de 164

E

MENTO É I

) de sangram

s de fibrinogê

ausência de f

o é, que se de

ano grave do

(por exempl

es associados

almente leuce

ós erros de tr

omo de tumo

TO FUNCI

ombina, fator

estável que le

do por via in

R ESTE ME

mento se tive

festa (quadro

vida.

o 1 frasco-am

ó para soluçã

asco-ampola

pós reconstitu

, cloridrato d

mg (7,1 mm

INDICADO

mento em pac

ênio), disfibr

fibrinogênio)

esenvolve ao

parênquima

lo, como resu

s com a síndr

emia promie

ransfusão, pr

ores, especial

ONA?

r XIII (FXIII

eva à hemost

ntravenosa e

EDICAMEN

er hipersensib

o de trombos

mpola com 1

ão injetável o

a.

uição com 50

de arginina, c

mol) de cloret

?

ientes com:

rinogenemia

) congênitas

o longo da vi

hepático (te

ultado de coa

rome de desf

locítica, cirro

rocedimento

lmente do pu

Ia) de coagul

tasia plasmát

está disponív

NTO?

bilidade (aler

se atual) ou in

g de pó liof

ou infusão, d

0 mL de água

citrato de sód

to de sódio a

(deficiência

(desde o nas

ida) resultant

cido do fígad

agulação intr

fibrinação sã

ose hepática,

s cirúrgicos,

ulmão, pâncre

ação e íons c

tica.

vel imediatam

rgia) conheci

nfarto do mio

filizado para

de administra

a para injetáv

dio.

cada 1 g de

a da função d

scimento);

te de:

do);

ravascular di

ão: complica

, intoxicação

infecções, s

eas, útero e p

cálcio, forma

mente no san

ida aos comp

ocárdio (ataq

1

solução

ação

veis.

do

isseminada,

ções

o,

septicemia,

próstata.

a uma rede

ngue.

ponentes da

que do

Este medic
cirurgião-d

Não há con


4. O QUE
Gerais

Caso você p

repetidas, h

observá-lo q

Caso você t

período per

coagulação

contra o ri

cautela.

Geralmente

como está o

Para o trat

intravascula

isolada, ma

primeira lin

considerada

Se reações a

casos de cho
Haemocom

teor de sódi


Efeitos sob
Haemocom


Gravidez e
Categoria B
ou do cirur

Como a sub

todas as sua

reprodução

gravidez sug

recém-nasci


Lactação

Não se sabe

amamentaçã

terapia com


Fertilidade

Não há nenh


Segurança

Algumas m

partir de san

inclusão de

medicament

não pode se

patógenos. E

Essas medid

parvovírus B

imunodefici

vermelhas d

amento não

dentista.

ntraindicaçã

E DEVO SA

possua defic

há um risco

quanto a sina

tenha um his

ri- ou pós-o

intravascula

sco de com

e, em casos d

o seu sistema

tamento da

ar dissemina

as a deficiên

nha de tratam

a. É necessár

alérgicas ou

oque anafilát

mplettan

P c

io.

re a capacid

mplettan

P n

amamentaç

B: este medi

rgião-dentist

bstância ativa

as proteínas.

ou no feto. A

gere que nen

ido.

e se esse med

ão para a cri

m o medicame

e

hum dado a r

viral

medidas são to

ngue humano

etapas de pr

tos preparad

er totalmente

Essas medid

das podem te

B19 pode ser

iência (defic

do sangue), p

o deve ser ut

ão relativa à

BER ANTE

ciência de fib

de desenvo

ais de trombo

stórico de do

operatório, s

ar disseminad

mplicações tro

de sangrame

a de coagulaç

deficiência

ada e doenç

cia de todos

mento com p

rio realizar um

anafiláticas

tico, seu méd

contém clore

dade de diri

não tem influ

ção

icamento nã

ta.

a deste medic

Não é espera

A experiênci

nhum efeito p

dicamento é

iança e o be

ento ou a am

respeito do e

omadas para

o: a seleção d

rodução para

dos a partir de

excluída. Is

das são consid

er valor limit

r grave para

iência de ant

por ex para p

tilizado por

faixa etária

ES DE USAR

brinogênio e

olver trombo

ose.

oença corona

seja um neo

da, o benefíc

omboembóli

ento, seu mé

ção.

adquirida d

a no fígado

s os fatores e

plasma fresc

m monitoram

ocorrerem, s

dico iniciará

eto de sódio e

gir veículos

uênciana cap

ão deve ser u

camento é de

ado que esse

ia com produ

prejudicial ac

excretado no

enefício que

mamentação.

efeito do Hae

prevenir inf

de doadores;

inativar e re

e sangue hum

to também s

deradas efica

tado contra o

pessoas gráv

ticorpos) ou

pessoas com a

mulheres gr

a.

R ESTE ME

e utilize esse

ose. Se você

ariana ou in

onato ou ten

cio do tratam

icas. Seu m

édico deverá

de fibrinogê

o, deve-se at

e inibidores

co ou produt

mento do sist

seu médico d

o tratamento

e pode não s

e utilizar m

pacidade de d

utilizado por

e origem hum

e constituinte

utos similares

conteça no d

o leite huma

a terapia ter

emocomplet

fecções result

; o teste das d

emover os ví

mano, a poss

e aplica a vír

azes para vír

os vírus da he

vidas (infecç

eritropoiese

anemia hemo

rávidas sem

EDICAMEN

e medicamen

ê receber es

farto do mio

nha alto risc

mento com es

médico dever

realizar dia

ênio, particu

tentar que n

de coagulaç

tos de fatore

tema de coag

deverá parar a

o padrão par

ser apropriad

máquinas

dirigir ou ope

r mulheres g

mana, ela é m

e normal do s

s no tratamen

decorrer da g

ano. Seu méd

rá para você

ttan

P na fe

tantes do uso

doações quan

rus. Apesar d

ibilidade de

rus desconhe

rus como o v

epatite A e p

ção do feto) e

aumentada (

olítica. Em p

orientação

NTO?

nto, principa

sse medicam

ocárdio, doen

co de evento

ste medicame

á realizar um

agnósticos ap

larmente no

não é a defi

ção, que é m

es e inibidor

gulação.

a infusão/inj

a choque.

o para pacien

erar máquina

grávidas, sem

metabolizada

ser humano t

nto de compl

ravidez ou n

dico deverá c

e então dec

ertilidade.

o de medicam

nto a marcad

disso, quand

transmissão

ecidos ou em

írus da AIDS

parvovírus B1

e para indivíd

(aumento na

princípio, é re

médica ou d

almente em d

mento, o mé

nça no fígad

os tromboem

mento deve se

um monitora

propriados p

os casos de

ficiência de

mais comum.

res específic

eção imediat

ntes em dieta

as.

em orientaçã

a da mesma f

tenha nenhum

licações deco

na segurança

considerar o

cidir se irá in

mentos prepa

dores de infe

do são admin

de agentes i

mergentes e o

S, das hepati

19. A infecçã

duos com

produção de

ecomendado

2

do

doses altas e

édico deverá

do, esteja em

mbólicos ou

er ponderado

amento e ter

ara verificar

coagulação

fibrinogênio

. Portanto, a

os, deve ser

tamente. Em

a com baixo

ão médica

forma que

m efeito na

orrentes da

do feto ou

benefício da

nterromper a

arados a

cção; e a

istrados

nfecciosos

outros

tes B e C.

ão por

e células

o que

2

e

á

m

u

o

r

r

o

o

a

r

m

a

a

pacientes qu

vacinem-se

Recomenda

produto seja


INTERAÇ

Até o mome

conhecidas.

Informe ao

Não use me


5. ONDE,
Haemocom

prazo de va

cartucho, a


Após a reco
guardado n

Número de

Não use me

A solução r

Antes de u
alguma mu


Todo medic


6. COMO
Modo de us



DEFINIÇÕES MÉDICAS
  1. Hemólise: Doença na qual se produz a ruptura da membrana do glóbulo vermelho e perda de seu conteúdo (principalmente hemoglobina) para a corrente sangüínea. Pode ser produzida em algumas anemias congênitas ou adquiridas, como conseqüência de doenças imunológicas, etc.
  2. Leucemia: Doença maligna caracterizada pela proliferação anormal de elementos celulares que originam os glóbulos brancos (leucócitos). Como resultado, produz-se a substituição do tecido normal por células cancerosas, com conseqüente diminuição da capacidade imunológica, anemia, distúrbios da função plaquetária, etc.

Síguenos

X