Ibuprofeno Codramol

Para que serve Ibuprofeno Codramol

Recomendações
Recorde-se que antes de tomar este medicamento deverá consultar o seu médico, a informação que lhe disponibilizamos é meramente orientativa e não substitui em nenhuma ocasião a consulta de um médico ou qualquer profissional de saúde.

LEMBRE-SE, NUNCA use esta informação para automedicar-se. A consulta de um médico é imprescindível.


Folheto informativo: Informação para o doenteIbuprofeno Codramol 200 mg granulado para solução oralIbuprofenoLeia com atenção todo este folheto antes de começãr a tomar este medicamento, poiscontém informação importante para si.- Conserve este folheto. Pode ter necessidade de o ler novamente.- Caso ainda tenha dúvidas, fale com o seu médico ou farmacêutico.- Este medicamento foi receitado apenas para si. Não deve dá-lo a outros.O medicamentopode ser-lhes prejudicial mesmo que apresentem os mesmos sinais de doençã.- Se tiver quaisquer efeitos secundários, incluindo possíveis efeitos secundários nãoindicados neste folheto, fale com o seu médico ou farmacêutico. Ver secção 4.O que contém este folheto:1. O que é Ibuprofeno Codramol e para que é utilizado2. O que precisa de saber antes de tomar Ibuprofeno Codramol3. Como tomar Ibuprofeno Codramol4. Efeitos secundários possíveis5. Como conservar Ibuprofeno Codramol6. Conteúdo da embalagem e outras informações1. O que é Ibuprofeno Codramol e para que é utilizadoIbuprofeno Codramol é um granulado para solução oral.

Apresentação: Ibuprofeno Codramol 200 mg, caixas contendo 14, 20, 30 ou 60 saquetas.É possível que não se encontrem todas as apresentações comercializadas.Ibuprofeno Codramol 200 mg, esta indicado no tratamento sintomático das seguintessituações:-Como analgésico: Dor pós-traumática (entorses, contusões, luxações, fracturas), dor pós-
cirúrgica (cirurgia geral, episiotomia, extracção dentária), odontalgias, cefaleia edismenorreia.

-Como antipirético:no tratamento asintomático da febre.2. O que precisa de saber antes de tomar Ibuprofeno Codramol

Não tome Ibuprofeno Codramol- Hipersensibilidade conhecida ao princípio activo ou outros AINEs ou a qualquer outrocomponente de Ibuprofeno Codramol .- Pacientes que tenham experimentado crises de asma, rinite aguda, urticária, edemaangioneurótico ou outras reacções do tipo alérgico após terem utilizado substâncias deacção semelhante (por exemplo Ácido acetilsalicílico ou outros AINEs).

- História de hemorragia gastrointestinal ou perfuração, relacionada com terapêuticaanterior com AINE.- Úlcera péptica/hemorragia activa ou história de úlcera péptica/hemorragia recorrente(dois ou mais episódios distintos de ulceração ou hemorragia comprovada)- Doença inflamatória intestinal.- Insuficiência cardíaca grave.- Disfunção hepática grave.- Disfunção renal grave.- Pacientes com diátese hemorrágica ou outros transtornos da coagulação.- Gravidez (ver - Efeitos em grávidas).Os efeitos indesejáveis podem ser minimizados utilizando a menor dose eficaz durante omenor período de tempo necessário para controlar os sintomas (ver “Como tomaribuprofeno Codramol” e informação sobre os riscos GI e cardiovasculares em seguidamencionada.Tome especial cuidado com Ibuprofeno CodramolNas seguintes situações:- História de úlcera gástrica ou duodenal- História de colite ulcerosa ou doença de Crohn- História de doença renal ou hepática (fígado)- Situações edematosas (retenção de líquidos)- História de doença cardíaca ou hipertensão arterial.- Asma ou qualquer outro transtorno respiratório.- Se está em tratamento para uma infecção, uma vez que o Ibuprofeno Codramol, podemascarar a febre, que é um sinal importante de infecção.- Se tem Lúpus Eritematoso ou outra colagenoseO risco de hemorragia, ulceração ou perfuração gastrointestinal é maior com doses maiselevadas de AINE, em doentes com história de úlcera péptica, especialmente se associadaa hemorragia ou perfuração e em doentes idosos. Nestas situações deve informar o seumédico sobre a ocorrência de sintomas abdominais e de hemorragia digestiva, sobretudonas fases iniciais do tratamento.Devem ser tomadas precauções nos idosos com insuficiência renal ligeira a moderada, oucom insuficiência cardíaca com predisposição para retenção hidrossalina, dado que o usode AINE pode deteriorar a função renal.Caso padeça de uma doença cardíaca, renal ou hepática, tem mais de 60 anos ou necessitade tomar este medicamento de forma prolongada (mais de 1 ou 2 semanas), é possívelque o seu médico mande efectuar controlos de forma regular. O seu médico indicar-lhe-áa frequências destes exames.Os dados dos ensaios clínicos epidemiológicos sugerem que a administração deibuprofeno, em particular de doses elevadas (2400 mg diárias) e durante longos períodosde tempo poderá estar associada a um pequeno aumento do risco de eventos trombóticos

arteriais (por exemplo enfarte do miocárdio ou AVC). Em geral, os estudosepidemiológicos não sugerem que doses baixas de ibuprofeno (ex.: 1200 mg diários)estejam associadas a um maior risco de enfarte do miocárdio.O risco é maior com doses mais elevadas e em tratamentos prolongados. Não deve serexcedida a dose recomendada nem o tempo de duração do tratamento.Se tem problemas cardíacos, sofreu um AVC ou pensa que pode estar em risco de vir asofrer destas situações (por exemplo se tem pressão sanguínea elevada, diabetes, elevadosníveis de colesterol ou se é fumador) deverá aconselhar-se sobre o tratamento com o seumédico ou farmacêutico.Tal como outros AINE, ibuprofeno deve ser administrado com precaução em doentesidosos que tomem concomitantemente inibidores ECAs ou antagonistas da angiotensina.Os doentes devem ser adequadamente hidratados e deve ser analisada a necessidade demonitorizar a função renal após o início da terapêutica concomitante, e periodicamentedesde então. Como todos os AINE, ibuprofeno pode mascarar sinais de infecção. Noinício de tratamento, ibuprofeno tal como outros AINE, deve ser administrado comprecaução em doentes com considerável desidratação.Tal como outros AINE, a administração prolongada de ibuprofeno tem resultado emnecrose papilar renal e noutras alteraçôes renais patológicas. Também têm sidoobservados casos de toxicidade renal em doentes nos quais as prostaglandinas têm umafunção compensatória na manutenção da perfusão renal. Nestes doentes, a administraãóde AINE poderá causar um decréscimo na formação de prostaglandinas dependente dadose e, secundariamente, no fluxo sanguíneo renal, o queal pode precipitar umadescompensação renal evidente. Os doentes em maior risco para esta reacção são aquelesque apresentam disfunção renal, insuficiência cardíaca, disfunção hepática, os que tomandiuréticos e inibidores da ECA e doentes idosos. A descontinuação da terapêutica comAINE é generalmente seguida de uma recuperação para o estado pré-tratamento.Devem ser tomadas precauções especiais em doentes asmáticos ou com história prévia deasma brônquica, uma vez que ibuprofeno pode desencadear um quadro debroncoespasmo nesses doentes.Em raras ocasiões, observou-se a ocorrência de meningite asséptica em doentes emterapêutica com ibuprofeno. Embora, seja mais provável a ocorrência em doentes comlúpus eritematoso sistémico e doenás relacionadas como o tecido conjuntivo, têm sidoreportados casos de meningite asséptica em doentes sem doença crónica subjacente.A função hepática deve ser cuidadosamente monitorizada em doentes tratados comibuprofeno que refiram sintomas compatíveis com lesão hepática (anorexia, náuseas,vómitos, icterícia) e/ou desenvolvam alterações da função hepática (transaminases,bilirrubina, fosfatase alcalina, gama-GT). Perante a presença de valores de transaminases,bilirrubina conjugada ou fosfatase alcalina superiores a 2 vezes o valor superior donormal, o medicamento deverá ser suspenso de imediato e deve ser iniciada investigaçãopara esclarecimento da situação. A reexposição ao iburpofeno deve ser evitada.

Têm sido muito raramente notificadas reacções cutâneas graves, algumas das quais fatais,incluindo dermatite esfoliativa, síndroma de Stevens-Johnson e necrólise epidérmicatóxica, associadas à administração de AINE. Aparentemente o risco de ocorrência destasreacções é maior no início do tratamento, sendo que na maioria dos casos estas reacçõesse manifestam durante o primeiro mês de tratamento. Ibuprofeno Codramol deve serinterrompido aos primeiros sinais de rash, lesões mucosas, ou outras manifestações dehipersensibilidade.Doentes que refiram alterações da visão durante o tratamento com ibuprofeno, deverãosuspender a terapêutica e ser submetidos a exame oftalmológico.Estão descritos casos de agravamento de inflamação associada a certas infecções(desenvolvimento de fasceíte necrotizante) em doentes sujeitos a terapêutica com AINEs.Pode ser mais difícil engravidar durante o tratamento com Ibuprofeno Codramol. Casoesteja a planear engravidar ou se tiver problemas em engravidar deverá informar o seumédico.Ibuprofeno Codramol não deve ser utilizado no tratamento da febre alta (superior a38.5ºC), febre superior a 3 dias ou febre recorrente, excepto se prescrito pelo médico,pois estas situações podem ser indicativas de doença grave requerendo avaliação etratamento médico.Tomar Ibuprofeno Codramol com outros medicamentosInforme o seu médico ou farmacêutico se estiver a tomar ou tiver tomado recentementeoutros medicamentos, incluindo medicamentos obtidos sem receita médica

Em geral, os AINEs devem empregar-se com precaução quando se administram comoutros fármacos que podem aumentar o risco de úlcera gastrointestinal, hemorragiagastrointestinal ou disfunção renal.Não se recomenda o seu uso concomitante com:- Outros AINEs: O risco de efeitos adversos aumenta se administrado IbuprofenoCodramol com outros AINEs ou com ácido acetilsalicílico. No entanto, é permitido, emgeral, a administração concomitante com uma dose diária baixa de ácido acetilsalicílico(100 mg por dia).- Varfarina, ticlopidina ou outros medicamentos utilizados para “fluidificar” o sangue eevitar o aparecimento de coágulos (anticoagulantes): Os AINEs podem potenciar osefeitos dos anticoagulantes sobre o tempo de hemorragia.- Agentes anti-agregantes plaquetários e inibidores selectivos da recaptação deserotonina: aumento do risco de hemorragia gastrointestinal.- Lítio (medicamento utilizado para tratamento da depressão): Os AINEs podemaumentar os níveis plasmáticos de lítio e potenciar as reacções adversas destemedicamento. Se tem que tomar lítio e Ibuprofeno Codramol, o seu médico poderá terque diminuir a dose de lítio.- Metotrexato: Se se administram AINEs e metotrexato dentro de um intervalo de 24horas, pode produzir-se um aumento dos níveis no sangue de metotrexato e dos efeitos

adversos deste medicamento. O seu médico poderá aconselhá-lo a não tomar IbuprofenoCodramol se se encontra em tratamento com doses elevadas de metotrexato.- Hidantoínas como a fenitoína (utilizadas no tratamento da epilepsia).- Sulfamidas como o sulfametoxazol e o cotrimoxazol (utilizado para o tratamento dealgumas infecções bacterianas).- Corticosteróides como a cortisona e a prednisolona. O uso concomitante comcorticosteróides pode aumentar o risco de ulceração ou hemorragia gastrointestinal.- Ciclosporina: A administração de AINE e ciclosporina apresneta um risco aumentadode nefrotoxicidade.- Aminoglicosídeos: Os AINE podem disminuir a eliminação dos aminoglicósideos.- Ginkgo Biloba: pode potencias o risco de hermorragia.- Mifepristona: não se deve tomar um AINE durante 8-12 dias após a administração demifepristona, uma vez que os AINE podem reduzir os efeitos da mifepristona.- Antibióticos do grupo das quinolonas: Dados em animais indicam que os AINE, emassociação com antibióticos da classe das quinolonas, podem aumentar o risco deconvulsões. Os doentes a tomar AINE e quinolonas podem apresentar um riscoaumentado de desenvolver convulsões.- Tacrolímus: Possível risco aumentado de nefrotoxicidade quando um AINE éadministrado com tacrolímus- Zidovudina: Risco aumentado de toxicidade hematológica quando um AINE éadministrado com zidovudina. Há evidência de risco aumentado de hemartroses ehematoma em doentes hemofílicos com HIV (+) recebendo tratamento concomitante comzidovudina e outros

AINE

- Diuréticos, Inibidores da Enzima de Conversão da Angiotensina (IECA) e Antagonistasda Angiotensina

II (AAII)

Os anti-inflamatórios não esteróides (AINE) podem diminuira eficácia dos diuréticos assim como de outros medicamentos antihipertensores.Nalguns doentes com função renal diminuída (ex.: doentes desidratados ou idosos comcomprometimento da função renal) a co-administração de um IECA ou AAII e agentesinibidores da ciclooxigenase pode ter como consequência a progressão da deterioração dafunção renal, incluindo a possibilidade de insuficiência renal aguda, que é normalmentereversível. A ocorrência destas interacções deverá ser tida em consideração em doentes atomar ibuprofeno em associação com IECA ou AAII.Consequentemente, esta associação medicamentosa deverá ser administrada comprecaução, sobretudo em doentes idosos. Os doentes devem ser adequadamentehidratados e deverá ser analisada a necessidade de monitorizar a função renal após oinício da terapêutica concomitante, e periodicamente desde então.- Fluconazol- Pentoxifilina- Probenecid- Sulfimpirazona- Sulfonilureias como a tolbutamidaPodem surgir alterações de exames complementares de análise.Os dados dos estudos epidemiológicos sugerem um aumento do risco de abortosespontâneos cardíacos e de gastoschisis na sequência da utilização de um inibidor dasíntese das prostaglandinas no início da gravidez. Deste modo, ibuprofeno Codramol não

deverá ser administrado durante o 1º e 2º trimestre de gravidez, a não ser que sejaestritamente necessário.A administração de ibuprofeno Codramol está contra-indicado durante o terceirotrimestre de gravidez.Gravidez e amamentação

Consulte o seu médico ou farmacêutico antes de tomar qualquer medicamento.Os dados dos estudos epidemiológicos sugerem um aumento do risco de abortoespontâneo, de malformações cardíacas e de gastroschisis na sequência da utilização deum inibidor da síntese das prostaglandinas no início da gravidez. Deste modo, IbuprofenoCodramol não deverá ser administrado durante o 1º e 2º trimestre de gravidez, a não serque seja estritamente necessário.A administração de ibuprofeno Codramol está contra-indicada durante o terceirotrimestre de gravidez.Devido à ausência de estudos clínicos, não se recomenda a utilização de IbuprofenoCodramol em mulheres a amamentarCondução de veículos e utilização de máquinasOs pacientes que experimentem tonturas, vertigens, alterações visuais ou outrostranstornos do sistema nervoso central, após a administração de Ibuprofeno, deverãoabster-se de conduzir ou utilizar máquinas.Se se administra uma dose única de Ibuprofeno, ou durante um período curto, não énecessário adoptar precauções especiais.Informação importante sobre alguns dos componentes de Ibuprofeno CodramolEste medicamento contém uma fonte de fenilalanina. Pode ser prejudicial em indivíduoscom fenilcetonúria.Este medicamento contém como excipiente sacarose; se foi informado pelo seu médicoque tem intolerância a alguns açúcares, contacte-o antes de tomar este medicamento.3. Como tomar Ibuprofeno CodramolTome este medicamento exatamente como indicado pelo seu médico ou farmacêutico.Fale com o seu médico ou farmacêutico se tiver dúvidas.A dose habitual no adulto e crianças acima de 12 anos de idade deve ser de 200 mg de 8em 8 horas podendo em caso de necessidade ser de 2 saquetas em cada toma não devendoultrapassar 6 saquetas por dia repartidas em 3 ou 4 tomas diárias. A administração em crianças com idade inferior a 12 anos deve ser feita medianteprescrição médica.O intervalo entre as doses depende da evolução dos sintomas, mas nunca será inferior a 4horas.Não deve ser usado em crianças com idade inferior a 8 anos.

IdososA farmacocinética do Ibuprofeno não se altera nos pacientes idosos, pelo que não seconsidera necessário modificar a dose nem a frequência de administração.No entanto, tal como para outros AINEs, deverão adoptar-se precauções no tratamentodestes pacientes, que são geralmente mais propensos aos efeitos secundários e têm maisprobabilidade de apresentarem alterações da função renal, cardiovascular ou hepática e dereceber medicação concomitante. Recomenda-se, por isso, iniciar o tratamento com adose terapêutica mais baixa. Apenas após verificar que existe uma boa tolerância, poderáaumentar-se a dose até alcançar a estabelecida para a população em geral.Insuficientes renaisConvém adoptar precauções quando se utilizam AINEs em doentes com insuficiênciarenal.Em doentes com disfunção renal leve ou moderada deverá reduzir-se a dose inicial. Nãose deverá utilizar Ibuprofeno em doentes com insuficiência renal grave (ver secçãoContra-indicações).Insuficientes hepáticosEmbora não se tenham observado diferenças no perfil farmacocinético do Ibuprofeno emdoentes com insuficiência hepática, aconselha-se a adopção de precauções com o uso deAINEs nestes doentes. Os doentes com insuficiência hepática leve ou moderada deverãoiniciar o tratamento com doses reduzidas e ser cuidadosamente vigiados. Não se deveráutilizar Ibuprofeno em doentes com insuficiência hepática grave (ver secção Contra-
indicações).Forma e via de administraçãoEste medicamento é administrado por via oral.Verter o conteúdo de uma saqueta num copo de água, agitar até homogenização e ingerirde imediato. Pode administrar Ibuprofeno Codramol fora ou durante as refeições.Se o seu médico lhe indicar a duração do tratamento com Ibuprofeno Codramol, nãosuspenda o tratamento antes, já que poderá não obter os resultados esperados. Do mesmomodo, não administre um medicamento durante mais tempo do que o recomendado pelomédico.Se julga que a acção do Ibuprofeno Codramol, é exagerada ou insuficiente, devecomunicá-lo ao seu médico ou farmacêutico.Se tomar mais Ibuprofeno Codramol do que deveriaCaso tenha ingerido mais Ibuprofeno Codramol, do que deve, consulte imediatamente oseu médico ou farmacêutico.Em caso de ingestão de quantidades importantes deverá ser administrado carvão activado.A lavagem gástrica será efectuada se ingeriu quantidades importantes e durante os 60minutos seguintes à ingestão.Caso se tenha esquecido de tomar Ibuprofeno Codramol

Não tome uma dose a dobrar para compensar uma dose que se esqueceu de tomar.Caso se tenha esquecido de tomar uma dose, administre-a logo que se recorde. Noentanto, se a hora da administração seguinte está muito próxima, ignore a dose esquecidae administre a seguinte no horário habitual.Se parar de tomar Ibuprofeno CodramolCaso ainda tenha dúvidas sobre a utilização deste medicamento, fale com o seu médicoou farmacêutico.4. Efeitos secundários possíveisComo todos os medicamentos, este medicamento pode causar efeitos secundários,embora estes não se manifestam em todas as pessoas.Se algum dos efeitos secundários se agravar ou se detectar quaisquer efeitos secundáriosnão mencionados neste folheto, informe o seu médico ou farmacêutico.Frequentes (?1/100, <1/10): dispepsia, diarreia, náuseas, vómitos, dor abdominal,erupção cutânea, fadiga ou sonolência, cefaleia, tonturas e vertigens, hematológicas (podeprolongar o tempo de hemorragia), edema, hipertensão arterial, e insuficiência cardíaca,têm sido notificados em associação ao tratamento com AINE. Os dados dos ensaiosclínicos e epidemiológicos sugerem que a administração de Ibuprofeno, particularmenteem doses elevadas (2400 mg diários) e em tratamento de longa duração poderá estarassociada a um pequeno aumento do risco de eventos trombóticos arteriais (por exemploenfarte do miocárdio ou AVC), nefrite intersticial, síndrome nefrótico e insuficiênciarenal.Pouco frequente (?1/1.000, <1/100): hemorragias e úlceras gastrointestinais (emparticular nos idosos), estomatite ulcerosa, flatulência, diarreia, obstipação, hematemeses,melenas, estomatite aftosa, exacerbações de colite ou doença de Crohn e gastrite.Em raras ocasiões (?1/10.000, <1/1.000): transtornos hematológicos correspondem atrombocitopénia, leucopénia, granulocitopénia, pancitopénia, agranulocitose, anemiaaplástica ou anemia hemolítica, alterações da função hepática, hepatite e icterícia comIbuprofeno racémico.Em muito raras ocasiões (<1/10.000): reacções bolhosas incluindo síndroma de Stevens-
Johnson e necrólise epidérmica tóxica.- Infecções e infestações: Meningite asséptica (com febre ou coma); Rinite- Doenças do sistema imunitário: Reacções anafilácticas (anafilaxia); doença do soro(síndroma do soro)- Perturbações do foro psiquiátrico: Alucinações, Estado de confusão; Depressão;Nervosismo; Influência sobre a estabilidade (estabilidade emocional)

- Afecções oculares: Alterações da visão; Conjuntivite; Diplopia; Cromatopsia(alterações cromáticas da visão); Ambliopia; Cataratas; Nevrite óptica; Escotomas- Afecções do ouvido e do labirinto; Acufenos; Vertigens; Hipoacusia (disminução daacuidade auditiva)- Doenças respiratórias, torácicas e do mediastino: Asma; Dispneia; Broncoespasmo;Epistaxe; Pneumonia eosinófilica (pneumonia a eosinófilos)- Afecções hepatobiliares: Hepatite; Icterícia; Insuficiência hepática; Anomalias dafunção hepática.- Afecções dos tecidos cutâneos e subcutâneos: Exantema; Urticária; Edemaangionuerótico; Síndroma de Stevens- Johanson; Prurido; Dermatite bolhosa (erupçõesvesiculo-bolhosas); Exantema máculo-papular (eritema cutâneo de tipo máculo- papular);Alopécia; Púrpura; Eritema nodoso; Necrólise epidérmica tóxica (síndroma de Lyell);Eritema multiforme; Reacções de fotosensibilidade; Acne; Púrpura Henoch-Schonlein(vasculite)- Doenças renais e urinárias: Insuficiência renal aguda; Insuficiência renal; Síndromanefrótico; Hematúria; Disúria; necrose papilar renal; Nefrite intersticial; Nefrite tubulo-
intersticial (nefropatia tubulo-intersticial aguda); Azotémia; Poliúria; Insuficiência renalcrónica.- Doenças dos órganos genitais e da mama: Ginecomastia; Menorragia- Alterações dos exames complementares de diagnóstico: Aumento da alaninaaminotransferase (ALT); Aumento de aspartato aminotransferase (AST); Aumento dafosfatase alcalina sanguínea; Aumento da gamaglutamiltransferase (@-GT); Diminuiçaoda depuraçao renal da creatinina; Diminuçao da Hemoglobina.Se algum dos efeitos secundários se agravar ou se detectar quaisquer efeitos secundáriosnão mencionados neste folheto, informe a seu médico ou farmacêutico.5. Como conservar Ibuprofeno CodramolManter este medicamento fora da vista e do alcance das crianças.Manter na sua embalagem original.

Não são necessárias condições especiais de conservação.Não utilize este medicamento após o prazo de validade impresso na embalagem exterior.O prazo de validade corresponde ao último dia do mês indicado.Não deite fora quaisquer medicamentos na canalização ou no lixo doméstico. Pergunte aoseu farmacêutico como deitar fora os medicamentos que já não utiliza. Estas medidasajudarão a proteger o ambiente.6. Conteúdo da embalagem e outras informaçõesQual a composição de Ibuprofeno CodramolA substância activa é ibuprofeno.Cada saqueta de granulado para solução oral contém 200 mg de ibuprofeno

Os outros componentes são: L-arginina; aspartamo (E951); sacarose compressível;bicarbonato de sódio; sacarina sódica, lauril sulfato de sódio, aroma de mentol (comtemaromas naturais e goma arábica), aroma de menta (contém aromas naturais,maltodextrina, amido de milho modificado sem glutem, glicerilo triacetato e pulegone)Qual o aspeto de Ibuprofeno Codramol e conteúdo da embalagemApresenta-se em embalagens com 14, 20, 30 y 60 saquetas monodose.Titular da Autorização de Introdução no Mercado

FARMALIDER, S.A.C/ Aragoneses, 15,28108 Madrid (España)FabricantesTOLL MANUFACTURING SERVICES, S.L.c/Aragoneses, 2 –

28108 Alcobendas- MadridEspanhaBIOCENTURY S.

L

Parc Tecnológic Puig RoigCtra. N-II, km 71417242 Quart – GeronaEspanhaLAMP S. PROSPERO S.P.A.Via della Pace, 24/A- 41030 San Prospero (MO)ItaliaPara quaisquer informações sobre este medicamento, queira contactar o representantelocal do Titular da Autorização de Introdução no Mercado:PortugalLaboratorios Azevedos Industria Farmacêutica S.

A

Estrada Nacional 117-2, 2614-503

AMADORA

e-mail: [email protected] sujeito a receita médicaEste folheto foi aprovado pela última vez em



DEFINIÇÕES MÉDICAS
  1. Bactéria: Organismo unicelular, capaz de auto-reproduzir-se. Existem diferentes tipos de bactérias, classificadas segundo suas características de crescimento (aeróbicas ou anaeróbicas, etc.), sua capacidade de absorver corantes especiais (Gram positivas, Gram negativas), segundo sua forma (bacilos, cocos, espiroquetas, etc.). Algumas produzem infecções no ser humano, que podem ser bastante graves.
  2. Bilirrubina: Pigmento amarelo que é produto da degradação da hemoglobina. Quando aumenta no sangue, acima de seus valores normais, pode produzir uma coloração amarelada da pele e mucosas, denominada icterícia. Pode estar aumentado no sangue devido a aumento da produção do mesmo (excesso de degradação de hemoglobina) ou por dificuldade de escoamento normal (p. ex. cálculos biliares, hepatite).
  3. Dermatite: Inflamação das camadas superficiais da pele, que pode apresentar-se de formas variadas (dermatite seborreica, dermatite de contato...) e é produzida pela agressão direta de microorganismos, substância tóxica ou por uma resposta imunológica inadequada (alergias, doenças auto-imunes).
  4. Edema: Acúmulo anormal de líquido nos espaços intercelulares dos tecidos ou em diferentes cavidades corporais (peritôneo, pleura, articulações, etc.).
  5. Febre: Elevação da temperatura corporal acima de um valor normal, estabelecido entre 36,7ºC e 37ºC, quando medida na boca.
  6. Gastrite: Inflamação aguda ou crônica da mucosa do estômago (ver). Manifesta-se por dor na região superior do abdome, acidez, ardor, náuseas, vômitos, etc. Pode ser produzida por infecções, consumo de medicamentos (aspirina), estresse, etc.
  7. Icterícia: Pigmentação amarelada da pele e mucosas devido ao aumento da concentração de bilirrubina no sangue. Pode ser acompanhada de sintomas como colúria (ver), prurido, etc. Associa-se a doenças hepáticas e da vesícula biliar, ou à hemólise (ver).
  8. Hematúria: Eliminação de sangue juntamente com a urina. Sempre é anormal e relaciona-se com infecção do trato urinário, litíase renal, tumores ou doença inflamatória dos rins.
  9. Hemoglobina: Proteína encarregada de transportar o oxigênio desde os pulmões até os tecidos do corpo. Encontra-se em altas concentrações nos glóbulos vermelhos.
  10. Hemorragia: Perda de sangue para um órgão interno (tubo digestivo, cavidade abdominal) ou para o exterior (ferimento arterial). De acordo com o volume e velocidade com a qual se produz o sangramento uma hemorragia pode produzir diferentes manifestações nas pessoas, desde taquicardia, sudorese, palidez cutânea, até o choque.
  11. Ginecomastia: Aumento anormal de uma ou ambas as glândulas mamárias no homem. Associa-se a diferentes enfermidades como cirrose, tumores testiculares, etc. Em certas ocasiões ocorrem de forma idiopática (ver).
  12. Hematêmese: Eliminação de sangue proveniente do tubo digestivo, através de vômito.
  13. Necrose: Conjunto de processos irreversíveis através dos quais se produz a degeneração celular seguida de morte da célula.
  14. Náuseas: Vontade de vomitar. Forma parte do mecanismo complexo do vômito e pode ser acompanhada de sudorese, sialorréia (salivação excessiva), vertigem, etc.
  15. Nefrite: Termo que significa ???inflamação do rim??? e que agrupa doenças caracterizadas por lesões imunológicas ou infecciosas do tecido renal. Alguns exemplos são a nefrite intersticial por drogas, a glomerulonefrite pós-estreptocócica, etc. Podem manifestar-se por hipertensão arterial, hematúria e dor lombar.
  16. Pápula: Uma pequena lesão endurecida, elevada, da pele.
  17. Mediastino: Região anatômica do tórax onde se localizam diversas estruturas, dentre elas o coração.
  18. Rash: Coloração avermelhada da pele como conseqüência de uma reação alérgica ou infecção.
  19. Rinite: Inflamação da mucosa nasal, produzida por uma infecção viral ou reação alérgica. Manifesta-se por secreção aquosa e obstrução das fossas nasais.
  20. Vasculite: Inflamação da parede de um vaso sangüíneo. ?? produzida por doenças imunológicas e alérgicas. Seus sintomas dependem das áreas afetadas.
  21. Tecido: Conjunto de células de características semelhantes, organizadas em estruturas complexas para cumprir uma determinada função. Exemplo de tecido: o tecido ósseo encontra-se formado por osteócitos dispostos em uma matriz mineral para cumprir funções de sustentação.
  22. Uréia: Produto do metabolismo das proteínas. Indica de forma indireta a eficiência da função renal. Quando existe insuficiência renal, os valores de uréia elevam-se produzindo distúrbios variados (pericardite urêmica, encefalopatia urêmica, etc.).
  23. Urticária: Reação alérgica manifestada na pele como elevações pruriginosas, acompanhadas de vermelhidão da mesma. Pode afetar uma parte ou a totalidade da pele. Em geral é autolimitada e cede em pouco tempo, podendo apresentar períodos de melhora e piora ao longo de vários dias.

Síguenos

X