Ibuprofeno Fenibu 20 mg/ml Suspensão oral

Para que serve Ibuprofeno Fenibu 20 mg/ml Suspensão oral

Recomendações
Recorde-se que antes de tomar este medicamento deverá consultar o seu médico, a informação que lhe disponibilizamos é meramente orientativa e não substitui em nenhuma ocasião a consulta de um médico ou qualquer profissional de saúde.

LEMBRE-SE, NUNCA use esta informação para automedicar-se. A consulta de um médico é imprescindível.


FOLHETO INFORMATIVO

INFORMAÇÃO PARA O UTILIZADOR

Ibuprofeno Fenibu 20 mg/ml Suspensão OralIbuprofenoLeia atentamente este folheto antes de começar a tomar este medicamento.-Conserve este folheto. Pode ter necessidade de o reler.-Caso ainda tenha dúvidas, fale com o seu médico ou farmacêutico.-Este medicamento foi receitado para si. Não deve dá-lo a outros: o medicamento podeser-lhes prejudicial mesmo que apresentem os mesmos sintomas.-Se algum dos efeitos secundários se agravar ou se detectar quaisquer efeitossecundários não mencionados neste folheto, informe o seu médico ou farmacêutico.ComposiçãoCada 1 ml de suspensão oral contém 20 mg de Ibuprofeno, como substância activa.Ver Lista dos excipientes.Forma Farmacêutica e ApresentaçõesIbuprofeno Fenibu 20 mg/ml Suspensão Oral – Frasco de 200 ml de Suspensão Oraldoseada a 20 mg/ml com um conta-gotas e uma seringa de 5 ml de capacidade.Grupo Farmacoterapêutico:9.1.3 – Aparelho Locomotor. Anti-inflamatórios não esteróides. Derivados do ácidopropiónicoTitular da Autorização de Introdução no MercadoHelm Portugal, Lda.E.N. n. º 10 – Km 140,2602696-901 Bobadela – LouresPortugalFabricanteLaboratorios Belmac, S.A.Poligono Industrial Malpica, c/C, 4E-50016 ZaragozaEspanhaIndicações TerapêuticasIbuprofeno Fenibu 20 mg/ml Suspensão Oral está indicado no tratamento de:-sintomatologia associada a estados gripais e constipações (febre e dor);

-odinofagia e faringite;-cefaleias ligeiras a moderadas;-dores musculares ligeiras a moderadas;-contusões;-dores pós-traumáticas;-febre (não superior a 3 dias);-dismenorreia primária.Contra-Indicações-Hipersensibilidade ao Ibuprofeno ou a algum dos excipientes.-Antecedentes de asma, rinite, urticária, edema angioneurótico ou broncoespasmoassociados ao uso de ácido acetilsalicílico ou outros fármacos anti-inflamatórios nãoesteróides (AINE's).-História de hemorragia gastrointestinal ou perfuração, relacionada com terapêuticaanterior com AINE- Úlcera péptica/hemorragia activa ou história de úlcerapéptica/hemorragia recorrente (dois ou mais episódios distintos de ulceração ouhemorragia comprovada)-Insuficiência cardíaca grave-Insuficiência renal ou hepática grave.-Alterações da coagulação.-Durante o último trimestre de gravidez.Efeitos SecundáriosOs eventos adversos mais frequentemente observados são de natureza gastrointestinal.Podem ocorrer, em particular nos idosos, úlceras pépticas, perfuração ou hemorragiaintestinal potencialmente fatais (ver Precauções Especiais de Utilização). Náuseas,dispepsia, vómitos, hematemese, flatulência, dor abdominal, diarreia, obstipação,melenas, estomatite aftosa, exacerbação de colite ou doença de Crohn (ver PrecauçõesEspeciais de Utilização) têm sido notificados na sequência da administração dos AINE.Menos frequentemente têm vindo a ser observados casos de gastrite.Os medicamentos tais como Ibuprofeno Fenibu 20 mg/ml Suspensão oral podem estarassociados a um pequeno aumento do risco de ataque cardíaco (enfarte do miocárdio)ou AVC.As frequências dos acontecimentos adversos são classificadas de acordo com oseguinte: Muito frequentes (? 1/10); Frequentes (? 1/100, < 1/10); Pouco frequentes (?1/1000, < 1/100); Raras (? 1/10000, < 1/1000); Muito raras (< 1/10000).Gastrointestinais:Muito frequentes: dispepsia, diarreia.Frequentes: náuseas, vómitos e dor abdominal.Pouco Frequentes: hemorragias e úlceras gastrointestinais, estomatite ulcerosa.

Raras: perfuração gastrointestinal, flatulência, esofagite, estenose esofágica,exacerbação da doença diverticular, colite hemorrágica inespecífica, colite ulcerosa oudoença de Crohn.Pele e reacções de Hipersensibilidade:Frequentes: erupção cutânea.Pouco frequentes: urticária, prurido, púrpura, angioedema, rinite e broncoespasmo.Raras: reacção anafiláctica.Muito raras: eritema multiforme, lúpus eritematoso sistémico, alopécia, reacções defotossensibilidade, reacções bolhosas incluindo Síndroma de Stevens-Johnson enecrólise epidérmica tóxica.

Sistema Nervoso Central:Frequentes: fadiga e sonolência, cefaleias, náuseas e vertigens.Pouco Frequentes: insónias, ansiedade e alterações visuais.Raras: reacção psicótica, nervosismo, irritabilidade, depressão, confusão edesorientação, ambliopia tóxica reversível, alterações auditivas.Muito raras: meningite asséptica.Podem ocorrer os seguintes efeitos secundários, extremamente raros:Hematológicos:Aumento do tempo de hemorragia. Os raros casos observados de alteraçõeshematológicos correspondem a trombocitopenia, leucopenia, granulocitopenia,granulocitose, anemia hemolítica.Cardiovasculares:Parece existir uma maior predisposição para a retenção de fluidos, por parte dos doenteshipertensos ou com alterações da função renal.Têm sido notificados casos de edema, hipertensão e insuficiência cardíaca, durante otratamento com AINE,especialmente nos idosos.Renais:Com base na experiência com os AINE's em geral, não se podem excluir casos denefrite intersticial, síndroma nefrótico e insuficiência renal.Hepáticos:Observaram-se casos raros de anomalias da função hepática, hepatites e icterícia comIbuprofeno racémico.Outros:Em casos muito raros podem ser agravadas inflamações associadas a infecções.Interacções Medicamentosas e Outras Formas de Interacção

O Ibuprofeno inibe a síntese das prostaglandinas a nível renal.As prostaglandinas, especialmente as A e E, são poderosos agentes vasodilatadores.

A

sua diminuição ao nível do sangue pode originar um efeito vasoconstritor com aconsequente redução do fluxo sanguíneo renal. Desta forma, a eliminação de fluídos eelectrólitos é reduzida, originando não só o aumento da pressão arterial como aprovável acumulação plasmática de alguns fármacos, preferencialmente eliminados porvia renal.Não se recomenda o uso concomitante de Ibuprofeno e:-Outros AINE's:Deve evitar-se a administração simultâneo do Ibuprofeno com outros fármacos destegrupo, pois pode aumentar o risco de úlcera gastrointestinal e hemorragias.-Metotrexato administrado em doses de 15mg/semana ou superiores:A administração concomitante de um AINE e de metotrexato num intervalo de 24horas, pode provocar um aumento do nível plasmático do metotrexato, com oconsequente aumento da sua toxicidade.-Hidantoínas e Sulfamidas:Os efeitos tóxicos destas substâncias podem aumentar com a administraçãoconcomitante de Ibuprofeno.-Ticlopidina:Os AINE's não devem ser combinados com a ticlopidina por aumento do risco do efeitoaditivo na inibição da função plaquetária.-Lítio (carbonato de lítio):A administração concomitante de carbonato de lítio e Ibuprofeno pode levar aoaumento da toxicidade do primeiro, por redução da sua eliminação renal (ver acima) econsequente aumento da concentração plasmática.-Anticoagulantes:

Os AINE podem aumentar os efeitos dos anti-coagulantes, tais como a Varfarina (verPrecauções Especiais de Utilização)-Mifepristona:Os AINE's não devem ser administrados nos 8-12 dias posteriores à administração damifepristona pois podem provocar uma redução no seu efeito.Recomenda-se precauções especiais na administração simultânea de Ibuprofeno e:-Digoxina:Aumento dos níveis plasmáticos da digoxina (62%), com possível potenciação da suaacção e aumento de toxicidade, por diminuição da sua excreção renal activa.

-Metotrexato administrado em doses baixas, inferiores a 15mg/semana:O Ibuprofeno aumenta os níveis plasmáticos de metotrexato. Em caso de combinaçãocom metotrexato em doses baixas, devem vigiar-se os níveis plasmáticos do doente,sobretudo durante as primeiras semanas da administração simultânea. Será igualmentenecessário vigiar a função renal de forma a prevenir uma possível diminuição daeliminação do metotrexato.-Pentoxifilina:Em pacientes que recebem tratamento com Ibuprofeno em combinação com apentoxifilina, pode ocorrer um aumento do risco de hemorragia, recomendando-se amonitorização do tempo de protrombina.-Fenitoína:Durante o tratamento simultâneo com Ibuprofeno, podem aumentar os níveisplasmáticos da fenitoína.-Quinolonas:Foram notificados casos de convulsões por uso concomitante com AINE's.-Tiazidas e substâncias relacionadas:Aumento das concentrações de potássio com necessidade de vigilância médica.-Outros Diuréticos:Redução do efeito diurético por acção do Ibuprofeno, por antagonismo dasprostaglandinas e aumento dos níveis de potássio, com necessidade de vigilânciamédica.-Sulfonilureias:Os AINE's podem potenciar o efeito hipogliceminante das sulfonilureias, pordiminuição da sua ligação às proteínas plasmáticas.-Ciclosporina:Potenciação da toxicidade da ciclosporina, com aparecimento de oligúria e anúria,devido à diminuição da síntese de prostaglandinas (ver acima).-Corticosteróides:A administração simultânea de AINE's e corticoesteróides pode aumentar o risco deulceração ou hemorragia gastrointestinal (ver Precauções Especiais de Utilização).-? -bloqueadores (metoprolol, pindolol):Diminuição do efeito betabloqueador por antagonismo das prostaglandinas (ver acima).-Diuréticos, Inibidores da Enzima de Conversão da Angiotensina (IECA) eAntagonistas da Angiotensina

II (AAII)

Os anti-inflamatórios não esteróides (AINE) podem diminuir a eficácia dos diuréticosassim como a de outros medicamentos anti-hipertensores. Nalguns doentes com funçãorenal diminuída (ex.: doentes desidratados ou idosos com comprometimento da funçãorenal) a co-administração de um IECA ou AAII e agentes inibidores da cicloxigenasepode ter como consequência a progressão da deterioração da função renal, incluindo apossibilidade de insuficiência renal aguda, que é normalmente reversível. A ocorrênciadestas interacções deverá ser tida em consideração em doentes a tomar ibuprofeno emassociação com IECA ou AAII. Consequentemente, esta associação medicamentosadeverá ser administrada com precaução, sobretudo em doentes idosos. Os doentesdevem ser adequadamente hidratados e deverá ser analisada a necessidade demonitorizar a função renal após o início da terapêutica concomitante, e periodicamentedesde então.-Agentes anti-agregantes plaquetários e inibidores selectivos da recaptação daserotonina:Aumento do risco de hemorragia gastrointestinal (ver Precauções Especiais deUtilização)A acção de determinados medicamentos como os anticoagulantes (que impedem aformação de coágulos) (ex. ácido acetilsalicílico, varfarina, ticlopidina), algunsmedicamentos para a hipertensão arterial (inibidores ECA, por exemplo: captopril,medicamentos bloqueadores dos receptores beta, antagonistas da angiotensina II), entreoutros medicamentos pode afectar ou ser afectada pelo tratamento com ibuprofeno.Consequentemente deverá obter sempre aconselhamento médico antes de tomaribuprofeno em simultâneo com outros medicamentos.Precauções Especiais de UtilizaçãoOs efeitos indesejáveis podem ser minimizados utilizando a menor dose eficaz duranteo menor período de tempo necessário para controlar os sintomas.Os medicamentos tais como Ibuprofeno Fenibu 20 mg/ml Suspensão oral podem estarassociados a um pequeno aumento do risco de ataque cardíaco (enfarte do miocárdio)ou Acidente Vascular Cerebral (AVC). O risco é maior com doses mais elevadas e emtratamentos prolongados. Não deve ser excedida a dose recomendada nem o tempo deduração do tratamento.Se tem problemas cardíacos, sofreu um AVC ou pensa que pode estar em risco de vir asofrer destas situações (por exemplo se tem pressão sanguínea elevada, diabetes,elevados níveis de colesterol ou se é fumador) deverá aconselhar-se sobre o tratamentocom o seu médico ou farmacêutico.Têm sido documentados com todos os AINE casos de hemorragia, ulceração eperfuração gastrointestinal potencialmente fatais, em várias fases do tratamento,associados ou não a sintomas de alerta ou história de eventos gastrointestinais graves.Assim, o Ibuprofeno deve ser usado com precaução em doentes com história de doençagastrointestinal.

O risco de hemorragia, ulceração ou perfuração é maior com doses mais elevadas deAINE, em doentes com história de úlcera péptica, especialmente se associada ahemorragia ou perfuração (ver Contra-Indicações) e em doentes idosos.Os doentes idosos apresentam uma maior frequência de reacções adversas com AINE,especialmente de hemorragias gastrointestinais e de perfurações que podem ser fatais(ver Efeitos em Grávidas, Lactantes, Crianças, Idosos e Outros Doentes)Se tiver sintomas abdominais e de hemorragia digestiva, sobretudo nas fases iniciais dotratamento, deverá informar o seu médico assistente imediatamente.Em caso de hemorragia gastrointestinal ou ulceração em doentes a tomar IbuprofenoFenibu 20 mg/ml Suspensão oral o tratamento deverá ser interrompido.Nestes doentes o tratamento deve ser iniciado com a menor dose eficaz. A co-
administração de agentes protectores (ex.: misoprostol ou inibidores da bomba deprotões) deverá ser considerada nestes doentes, assim como naqueles que necessitem detomar simultaneamente ácido acetilsalicílico em doses baixas, ou outros medicamentossusceptíveis de aumentar o risco de úlcera ou hemorragia, tais como corticosteróides,anticoagulantes (como a varfarina), inibidores selectivos da recaptação da serotonina ouanti-agregantes plaquetários tais como o ácido acetilsalicílico (ver InteracçõesMedicamentosas e Outras).Os AINE devem ser administrados com precaução em doentes com história de doençainflamatória do intestino (colite ulcerosa, doença de Crohn), na medida em que estassituações podem ser exacerbadas (ver Efeitos Secundários).Devem ser tomadas precauções especiais em doentes asmáticos ou com história préviade asma brônquica, uma vez que Ibuprofeno pode desencadear um quadro debroncoespasmo nesses doentes.A administração de Ibuprofeno Fenibu 20 mg/ml Suspensão oral em doentes comhistória de hipertensão e/ou insuficiência cardíaca deve ser feita com precaução, namedida em que têm sido notificados casos de retenção de líquidos e edema emassociação com a administração de AINE.Devem ser tomadas precauções em doentes com insuficiência renal ou hepática que ouso de AINE´s pode deteriorar a função renal. Nestes doentes, a dose deve ser tão baixaquanto possível e a função renal deve ser monitorizada.O Ibuprofeno pode mascarar sinais de infecção.

Ibuprofeno deve ser usado com precaução em doentes com lúpus eritematoso sistémicoou outras doenças auto-imunes, por risco de meningite asséptica e/ou insuficiênciarenal.Têm sido muito raramente notificadas reacções cutâneas graves, algumas das quaisfatais, incluindo dermatite esfoliativa, síndroma de Stevens-Johnson e necróliseepidérmica tóxica, associadas à administração de AINE (ver secção 4.8.).Aparentemente o risco de ocorrência destas reacções é maior no inicio do tratamentosendo que na maioria dos casos estas reacções se manifestam durante o primeiro mês detratamento. O Ibuprofeno Fenibu 20 mg/ml Suspensão oral deve ser interrompido aosprimeiros sinais de rash, lesões mucosas, ou outras manifestações de hipersensibilidade.A função hepática deve ser cuidadosamente monitorizada em doentes tratados comIbuprofeno que refiram sintomas compatíveis com lesão hepática (anorexia, náuseas,vómitos, icterícia) e/ou desenvolvam alterações da função hepática (transaminases,bilirrubina, fosfatase alcalina, ?-GT). Em caso de surgirem valores superiores a 2 vezeso valor superior normal, o medicamento deverá ser suspenso imediatamente e deve seriniciada investigação para esclarecimento da situação. A reexposição ao Ibuprofenodeve ser evitada.A administração simultânea de Ibuprofeno Fenibu 20 mg/ml Suspensão oral com outrosAINE, incluindo inibidores selectivos da cicloxigenase-2, deve ser evitada.Se notar alterações na visão durante o tratamento com o Ibuprofeno, deverá suspender aterapêutica e ser submetido a exame oftalmológico.Pode ser mais difícil engravidar durante o tratamento com Ibuprofeno Fenibu 20 mg/mlSuspensão Oral. Caso esteja a planear engravidar ou se tiver problemas em engravidardeverá informar o seu médico.Efeitos em Grávidas, Lactantes, Crianças, Idosos e Outros DoentesGravidez:Estudos realizados em animais com doses superiores às recomendadas em humanos nãoregistaram efeitos teratogénicos. No entanto, Ibuprofeno Fenibu 20 mg/ml SuspensãoOral não deve ser administrado durante a gravidez, estando absolutamente contra-
indicado durante o último trimestre de gestação.Aleitamento:O Ibuprofeno passa para o leite materno, mas o risco de afectar o lactente éinsignificante nas doses terapêuticas recomendadas. No entanto, a administração doIbuprofeno Fenibu 20 mg/ml Suspensão Oral não é recomendada durante o aleitamentoa não ser que os possíveis benefícios ultrapassem os riscos potenciais. Cada situaçãodeverá ser considerada individualmente pelo médico.

No Idoso não há necessidade de alterar a dose, a não ser que haja insuficiência renal ouhepática, graves.Efeitos Sobre a Capacidade de Condução e Utilização de MáquinasEm caso de ocorrência de vertigens, confusão, alterações visuais ou outras perturbaçõesdo Sistema Nervoso Central, durante a administração de Ibuprofeno Fenibu 20 mg/mlSuspensão Oral, os doentes devem abster-se de conduzir ou manejar máquinas.No caso da administração de uma só dose de Ibuprofeno Fenibu 20 mg/ml SuspensãoOral, durante um curto período, não é necessário adoptar precauções especiais.Lista dos ExcipientesGlicerol (E422), Sacarose, Citrato de sódio, Ácido cítrico anidro, Sacarina sódica,Goma xantana, Lecitina, Sorbato de potássio (E202), Aroma de tutti-frutti, Coranteamarelo-laranja (E110) e Água purificada.Posologia UsualCrianças:A dose diária recomendada é de 20-30 mg por kg de peso corporal, repartida por váriastomas ao longo do dia: Idade Dose N.º de tomas em 24 horas6 meses – 1 ano 2,5 ml (50 mg) 3 a 41 ano – 6 anos 5 ml (100 mg) 3 a 4 6 anos – 12 anos 10 ml (200 mg) 3 a 4

A administração a crianças com menos de 6 meses deve fazer-se apenas por prescriçãomédica.Adultos: embora geralmente se recorra a outras formas farmacêuticas de Ibuprofenopara os adultos, quando haja dificuldade de deglutição, pode administrar-se IbuprofenoFenibu 20 mg/ml Suspensão Oral, na dose de 3 seringas (300 mg), 4 vezes por dia.Insuficiência renal: o Ibuprofeno Fenibu 20 mg/ml Suspensão oral deve ser utilizadocom precaução em doentes com insuficiência renal, uma vez que a sua eliminação sefaz preferencialmente por via renal. Em doentes com insuficiência renal leve oumoderada deve reduzir-se a dose inicial. Não deve ser utilizado Ibuprofeno em doentescom insuficiência renal grave (ver também Contra-Indicações).Insuficiência Hepática: apesar de não se observarem diferenças no perfilfarmacocinético do Ibuprofeno em doentes com insuficiência hepática, aconselham-seprecauções especiais para este tipo de doentes. Os doentes com insuficiência hepáticaleve ou moderada devem iniciar o tratamento com doses reduzidas e ser

cuidadosamente vigiados. O Ibuprofeno não deve ser administrado a doentes cominsuficiência hepática grave (ver também contra-indicações).Idosos: não há necessidade de alterar a dose, a não ser que haja insuficiência renal ouhepática, graves.Ibuprofeno Fenibu 20 mg/ml Suspensão Oral deve ser administrado após as refeições.Não tomar durante mais de 3 dias sem consultar o médico.Os efeitos indesejáveis podem ser minimizados utilizando a menor dose eficaz duranteo menor período de tempo necessário para controlar os sintomas.Modo e Via de AdministraçãoAdministração por via oral.Duração do TratamentoNão tomar durante mais de 3 dias sem consultar o médico.Indicação de Como Suspender o Tratamento se a Sua Suspensão Causar Efeitos dePrivaçãoNão aplicável.SobredosagemSão sintomas de sobredosagem: perturbações do SNC, cefaleias, vertigens, perda deconsciência, bem como, dor abdominal, náuseas e vómitos. Posteriormente poderáocorrer hipotensão, depressão respiratória, cianose, acidose metabólica e insuficiênciarenal.

Em caso de sobredosagem, deve proceder-se às medidas gerais, comuns a outrasintoxicações tais como, lavagem gástrica e administração de carvão activado e amedidas especiais, tais como a administração de antiácidos (e/ou antagonistas H2),hidratação adequada e correcção da acidose (eventualmente existente) com bicarbonatode sódio.Avisos-Este medicamento contém glicerol (E422) como excipiente. Este composto pode serprejudicial quando administrado em altas doses podendo causar cefaleias, desconfortogástrico e mesmo diarreia.

-Este medicamento contém excipientes com sódio (citrato de sódio e sacarina sódica).Cada 5 ml de suspensão oral corresponde a cerca de 13,97 mg de sódio. Esta

informação deve ser tida em consideração em doentes com ingestão controlada desódio.-Este medicamento contém 30 g de sacarose. Cada 5 ml de suspensão oralcorrespondem a cerca de 750 mg de sacarose. Esta informação deve ser tida emconsideração em doentes com diabetes mellitus. Se foi informado pelo seu médico quetem intolerância a alguns açúcares, contacte-o antes de tomar este medicamento.-O corante amarelo-laranja (E110) pode provocar reacções cutâneas do tipo alérgico,principalmente em indivíduos alérgicos à aspirina (ácido acetilsalicílico).No caso de detectar algum efeito indesejável não mencionado neste folheto, informe oseu médico ou farmacêutico.Antes de tomar esta medicação deverá certificar-se que ela se encontra dentro do prazode validade o qual está indicado na embalagem.Manter fora do alcance e da vista das crianças.Precauções Especiais de ConservaçãoNão conservar acima de 25ºC.Conservar na embalagem de origem para proteger da humidade e da luz.Precauções Especiais para a Destruição dos Produtos não UtilizadosNão existem requisitos especiais.Data da Última Revisão Aprovada do Folheto



DEFINIÇÕES MÉDICAS
  1. Acidente vascular cerebral (AVC): Doença de início súbito, caracterizada pela falta de irrigação sangüínea em um determinado território cerebral. Pode ser secundário à oclusão de alguma artéria ou a um sangramento, no último caso é denominado Acidente Vascular Cerebral Hemorrágico.
  2. Acidose: Desequilíbrio do meio interno caracterizado por uma maior concentração de íons hidrogênio no organismo. Pode ser produzida pelo ganho de substâncias ácidas ou perda de substâncias alcalinas (básicas).
  3. Bilirrubina: Pigmento amarelo que é produto da degradação da hemoglobina. Quando aumenta no sangue, acima de seus valores normais, pode produzir uma coloração amarelada da pele e mucosas, denominada icterícia. Pode estar aumentado no sangue devido a aumento da produção do mesmo (excesso de degradação de hemoglobina) ou por dificuldade de escoamento normal (p. ex. cálculos biliares, hepatite).
  4. Dermatite: Inflamação das camadas superficiais da pele, que pode apresentar-se de formas variadas (dermatite seborreica, dermatite de contato...) e é produzida pela agressão direta de microorganismos, substância tóxica ou por uma resposta imunológica inadequada (alergias, doenças auto-imunes).
  5. Deglutição: Passagem dos alimentos desde a boca até o esôfago. ?? um mecanismo em parte voluntário e em parte automático (reflexo) que envolve a musculatura faríngea e o esfíncter esofágico superior.
  6. Edema: Acúmulo anormal de líquido nos espaços intercelulares dos tecidos ou em diferentes cavidades corporais (peritôneo, pleura, articulações, etc.).
  7. Faringite: Inflamação da mucosa faríngea em geral de causa bacteriana ou viral. Caracteriza-se por dor, dificuldade para engolir e vermelhidão da mucosa, acompanhada de exsudatos (ver) ou não.
  8. Febre: Elevação da temperatura corporal acima de um valor normal, estabelecido entre 36,7ºC e 37ºC, quando medida na boca.
  9. Gastrite: Inflamação aguda ou crônica da mucosa do estômago (ver). Manifesta-se por dor na região superior do abdome, acidez, ardor, náuseas, vômitos, etc. Pode ser produzida por infecções, consumo de medicamentos (aspirina), estresse, etc.
  10. Icterícia: Pigmentação amarelada da pele e mucosas devido ao aumento da concentração de bilirrubina no sangue. Pode ser acompanhada de sintomas como colúria (ver), prurido, etc. Associa-se a doenças hepáticas e da vesícula biliar, ou à hemólise (ver).
  11. Hemorragia: Perda de sangue para um órgão interno (tubo digestivo, cavidade abdominal) ou para o exterior (ferimento arterial). De acordo com o volume e velocidade com a qual se produz o sangramento uma hemorragia pode produzir diferentes manifestações nas pessoas, desde taquicardia, sudorese, palidez cutânea, até o choque.
  12. Hematêmese: Eliminação de sangue proveniente do tubo digestivo, através de vômito.
  13. Oligúria: Eliminação de urina em volume inferior a 500 ml por dia. ?? produzida por desidratação, estados de choque (ver), infecções graves, insuficiência renal, etc.
  14. Náuseas: Vontade de vomitar. Forma parte do mecanismo complexo do vômito e pode ser acompanhada de sudorese, sialorréia (salivação excessiva), vertigem, etc.
  15. Nefrite: Termo que significa ???inflamação do rim??? e que agrupa doenças caracterizadas por lesões imunológicas ou infecciosas do tecido renal. Alguns exemplos são a nefrite intersticial por drogas, a glomerulonefrite pós-estreptocócica, etc. Podem manifestar-se por hipertensão arterial, hematúria e dor lombar.
  16. Rash: Coloração avermelhada da pele como conseqüência de uma reação alérgica ou infecção.
  17. Rinite: Inflamação da mucosa nasal, produzida por uma infecção viral ou reação alérgica. Manifesta-se por secreção aquosa e obstrução das fossas nasais.
  18. Uréia: Produto do metabolismo das proteínas. Indica de forma indireta a eficiência da função renal. Quando existe insuficiência renal, os valores de uréia elevam-se produzindo distúrbios variados (pericardite urêmica, encefalopatia urêmica, etc.).
  19. Urticária: Reação alérgica manifestada na pele como elevações pruriginosas, acompanhadas de vermelhidão da mesma. Pode afetar uma parte ou a totalidade da pele. Em geral é autolimitada e cede em pouco tempo, podendo apresentar períodos de melhora e piora ao longo de vários dias.

Síguenos

X