Macropen

Para que serve Macropen

Recomendações
Recorde-se que antes de tomar este medicamento deverá consultar o seu médico, a informação que lhe disponibilizamos é meramente orientativa e não substitui em nenhuma ocasião a consulta de um médico ou qualquer profissional de saúde.

LEMBRE-SE, NUNCA use esta informação para automedicar-se. A consulta de um médico é imprescindível.


FOLHETO INFORMATIVO

INFORMAÇÃO PARA O UTILIZADOR

Macropen 50 mg/ml Pó para suspensão oral
Cefatrizina

Leia atentamente este folheto antes de utilizar este medicamento.
- Conserve este folheto. Pode ter necessidade de o reler.
- Caso ainda tenha dúvidas, fale com o seu médico ou farmacêutico.
- Este medicamento foi receitado para si. Não deve dá-lo a outros; o medicamento pode
ser-lhes prejudicial mesmo que apresentem os mesmos sintomas.
- Se algum dos efeitos secundários se agravar ou se detectar quaisquer efeitos secundários
não mencionados neste folheto, informe o seu médico ou farmacêutico.

Neste folheto:
1. O que é Macropen, e para que é utilizado
2. Antes de utilizar Macropen
3. Como utilizar Macropen
4. Efeitos secundários possíveis
5. Como conservar Macropen
6. Outras informações.


O QUE É Macropen e PARA QUE É UTILIZADO

Grupo farmacoterapêutico: 1.1.2.1 Medicamentos Anti-infecciosos. Antibacterianos.
Cefalosporinas. Cefaloporinas de 1ª Geração.

A Cefatrizina é um antibacteriano do grupo das cefalosporinas, activo por via oral e com
uma duração de acção prolongada. Macropen não é praticamente metabolizado no
organismo e a sua eliminação é sobretudo por via renal.
Macropen é bactericida para a maioria das bactérias conhecidas Gram-positivas aeróbias,
muitas bactérias Gram-negativas aeróbias e algumas bactérias anaeróbias. É assim activa
contra Staphylococcus aureus produtor ou não de beta-lactamases, Staphylococcus
epidermidis e os Streptococcus (S. pyogenes, S. agalactiae e S. pneumoniae) com a
excepção do Enterococcus. Entre os Gram-negativos, a cefatrizina é activa contra
Escherichia coli, Klebsiella pneumoniae, Proteus, Shigella e Salmonella spp. e também
contra Enterobacter, Neisseria e Haemophylus, incluindo as estirpes de H. influenzae
resistente à ampicilina.

Macropen está indicado no tratamento de infecções por microrganismos susceptíveis,
nomeadamente:
Infecções do foro

ORL

otite média, sinusite, faringite e amigdalite.
Infecções das vias respiratórias inferiores: bronquite aguda e exacerbação aguda de
bronquite crónica e pneumonia adquirida na comunidade (PAC) não complicada.
Infecções urinárias não complicadas.

ANTES DE UTILIZAR Macropen

Não utilize Macropen
- Se tem alergia (hipersensibilidade) à cefatrizina ou a qualquer outro componente de
Macropen.
- Macropen está contra-indicado em doentes com hipersensibilidade conhecida aos
antibacterianos cefalosporínicos e penicilinas.

Tome especial cuidado com Macropen
Como é possível ocorrerem reacções alérgicas cruzadas entre as cefalosporinas e a
penicilina, Macropen deve ser administrado com cuidado em doentes com
hipersensibilidade à penicilina. Se surgir uma reacção alérgica ao Macropen, a sua
administração deve ser interrompida e deve ser instituída terapêutica com anti-
histamínicos e, se necessário, corticosteróides e adrenalina.
Durante a terapêutica com uma cefalosporina, tal como com qualquer outro antibiótico de
largo espectro, pode acontecer uma superinfecção com um agente não susceptível. Deve
haver particular atenção a alterações graves do trânsito gastrintestinal pela possibilidade
de colite pseudo-membranosa.

Utilizar Macropen com outros medicamentos
Informe o seu médico ou farmacêutico se estiver a tomar ou tiver tomado recentemente
outros medicamentos, incluindo medicamentos obtidos sem receita médica.

Tal como com as outras cefalosporinas, o probenecide pode interferir com a excreção da
cefatrizina, causando elevação dos seus níveis séricos.
É possível um efeito sinérgico na associação com outros antibióticos (aminoglicosidos,
penicilinas, cloranfenicol).

Interferências laboratoriais
As cefalosporinas podem originar resultados falsamente positivos no teste de Coombs e
na pesquisa de glicosúria quando se usam substâncias redutoras.

Utilizar Macropen com alimentos e bebidas
A absorção do fármaco não é influenciada pela toma de alimentos.

Gravidez e aleitamento
Consulte o seu médico ou farmacêutico antes de tomar qualquer medicamento. A
cefatrizina, como todos os fármacos do grupo das cefalosporinas, atravessa a barreira
placentária. Não existem relatos referentes a efeitos adversos das cefalosporinas usadas
durante a gravidez. Recomenda-se, contudo, que o uso da cefatrizina em grávidas só seja
feito, quando imperiosamente necessário.
A cefatrizina encontra-se em concentrações muito baixas no leite materno. No entanto,
justificam a interrupção do aleitamento, quando se usa o medicamento, por serem
desconhecidos os efeitos do mesmo em lactentes.

Condução de veículos e utilização de máquinas
Macropen não interfere com a capacidade de conduzir veículos ou de utilizar máquinas.

Informações importantes sobre alguns componentes de Macropen
Macropen contém sacarose. Se foi informado pelo seu médico que tem intolerância a
alguns açúcares, contacte-o antes de tomar este medicamento.


COMO UTILIZAR Macropen Administrar por via oral.

Utilizar Macropen sempre de acordo com as indicações do médico. Fale com o seu
médico ou farmacêutico se tiver dúvidas.

Dose recomendada:
No adulto: 500 mg cada 12 horas.
Na criança: 20 - 40 mg/kg/dia divididas em duas tomas com intervalos de 12 horas.

No doente adulto insuficiente renal com depuração da creatinina inferior a 20 ml/min.
convém reduzir a dose a metade ou afastar as tomas para o dobro do intervalo (no adulto,
500 mg cada 24 horas).
Não estão descritas recomendações quanto ao uso da cefatrizina em crianças insuficientes
renais, devendo, no entanto, reduzir-se a dose administrada para metade ou afastar as
tomas para o dobro do intervalo (10 - 20 mg/kg/dia ou intervalos de 24 horas).

Modo de preparar a suspensão oral
1. Sacudir o pó seco dentro do frasco;
2. Adicionar água comum até ao traço indicado no frasco e agitar vigorosamente;
3. Completar com água, se necessário, até ao traço e uniformizar por agitação moderada.

1 Colher - medida = 5 ml = 250 mg de Cefatrizina

O frasco deve ser agitado suavemente, para homogeneização da suspensão, antes de cada
toma.

Se utilizar mais Macropen do que deveria
Não existe informação disponível específica em relação aos efeitos ou tratamento da
sobredosagem com Macropen.
Em caso de sobredosagem, o doente deve ser cuidadosamente monitorizado e o
tratamento deve ser sintomático e de suporte. A abordagem depende do período desde a
ingestão e da gravidade dos sintomas. As medidas sugeridas incluem indução do vómito e/ou lavagem gástrica. O carvão vegetal activado pode ser útil no tratamento da
sobredosagem.

Caso se tenha esquecido de utilizar Macropen
Não utilize uma dose a dobrar para compensar a que se esqueceu de utilizar. Tome a dose
esquecida logo que se lembrar. Contudo, se estiver perto da hora da próxima toma espere
pelo horário indicado e prossiga o tratamento de acordo com as normas que lhe foram
recomendadas.

Se parar de utilizar Macropen
Caso ainda tenha dúvidas sobre a utilização deste medicamento, fale com o seu médico
ou farmacêutico.


EFEITOS SECUNDÁRIOS POSSIVEIS

Como todos os medicamentos, Macropen pode causar efeitos secundários, no entanto
estes não se manifestam em todas as pessoas.

Os efeitos secundários são usualmente de pouca gravidade e raramente impondo a
interrupção do tratamento. Os mais frequentemente relatados são os efeitos
gastrintestinais, tais como náuseas, vómitos e diarreia. Mais raramente, colite pseudo
membranosa

Macropen pode ainda causar com alguma frequência, reacções cutâneas (erupções
cutâneas) e eosinofilia transitória.
Mais raramente, podem ocorrer outros efeitos indesejáveis, tais como rash, urticária,
fotossensibilidade e alterações ligeiras e temporárias das provas de função hepática
(transaminases, fosfatase alcalina).

A terapêutica com cefalosporinas pode originar perturbações da função renal, sobretudo
em caso de perturbação pré-existente, no indivíduo idoso ou quando se associa outro
fármaco potencialmente nefrotóxico como um aminoglicosido.

Se algum dos efeitos secundários se agravar ou se detectar quaisquer efeitos secundários
não mencionados neste folheto, informe o seu médico ou farmacêutico.


COMO CONSERVAR Macropen Manter fora do alcance e da vista das crianças.

Conservar a temperatura inferior a 25ºC.
Conservar ao abrigo da luz e da humidade.
A suspensão uma vez preparada, mantém a sua actividade durante 10 dias, se conservada
no frigorífico.
Não utilize Macropen após o prazo de validade impresso no rótulo do frasco e na
embalagem exterior. O prazo de validade corresponde ao último dia do mês indicado.

Os medicamentos não devem ser eliminados na canalização ou no lixo doméstico.
Pergunte ao seu farmacêutico como eliminar os medicamentos de que já não necessita.
Estas medidas irão ajudar a proteger o ambiente.


OUTRAS INFORMAÇÕES

Qual a composição de Macropen
- A substância activa é: cefatrizina. Um mililitro de suspensão oral contém 58 mg de
propilenoglicolato de cefatrizina, equivalente a 50 mg de cefatrizina base.
- Os outros componentes são: alginato de sódio, essência de banana, essência de custard,
sacarina sódica, sacarose e sílica coloidal anidra.

Qual o aspecto de Macropen e conteúdo da embalagem
Macropen apresenta-se na forma farmacêutica de pó para suspensão oral, branco
amarelado, aromatizado, acondicionado em frasco de vidro tipo III castanho. Embalagens
com um frasco de 60 ml ou de 100 ml e uma colher-medida. É possível que não se
encontrem comercializadas todas as apresentações.

Titular da Autorização de Introdução no Mercado

A. Menarini Portugal - Farmacêutica, S.A.
Quinta da Fonte - Rua dos Malhões, nº 1 - Edifício D. Manuel I - Piso 2A
2770-071 Paço D'Arcos
Portugal

Fabricante(s)

Francia Farmaceutici Industria Farmaco Biologica S.r.l
Via Dei Pestagalli, 7
I-20138 Milano
Itália

Labesfal - Laboratórios Almiro, S.A. (Unidade de Antibióticos)
Lagedo - Santiago de Besteiros
3465 - 157 Campo de Besteiros
Portugal

Este folheto foi aprovado pela última vez em


DEFINIÇÕES MÉDICAS
  1. Bactéria: Organismo unicelular, capaz de auto-reproduzir-se. Existem diferentes tipos de bactérias, classificadas segundo suas características de crescimento (aeróbicas ou anaeróbicas, etc.), sua capacidade de absorver corantes especiais (Gram positivas, Gram negativas), segundo sua forma (bacilos, cocos, espiroquetas, etc.). Algumas produzem infecções no ser humano, que podem ser bastante graves.
  2. Faringite: Inflamação da mucosa faríngea em geral de causa bacteriana ou viral. Caracteriza-se por dor, dificuldade para engolir e vermelhidão da mucosa, acompanhada de exsudatos (ver) ou não.
  3. Náuseas: Vontade de vomitar. Forma parte do mecanismo complexo do vômito e pode ser acompanhada de sudorese, sialorréia (salivação excessiva), vertigem, etc.
  4. Rash: Coloração avermelhada da pele como conseqüência de uma reação alérgica ou infecção.
  5. Urticária: Reação alérgica manifestada na pele como elevações pruriginosas, acompanhadas de vermelhidão da mesma. Pode afetar uma parte ou a totalidade da pele. Em geral é autolimitada e cede em pouco tempo, podendo apresentar períodos de melhora e piora ao longo de vários dias.

Síguenos

X