Naprosyn

Para que serve Naprosyn

Recomendações
Recorde-se que antes de tomar este medicamento deverá consultar o seu médico, a informação que lhe disponibilizamos é meramente orientativa e não substitui em nenhuma ocasião a consulta de um médico ou qualquer profissional de saúde.

LEMBRE-SE, NUNCA use esta informação para automedicar-se. A consulta de um médico é imprescindível.


Folheto informativo: Informação para o utilizador
Naprosyn 250 mg comprimidos
Naproxeno

Leia com atenção todo este folheto antes de começar a tomar este medicamento pois contém
informação importante para si.
Conserve este folheto. Pode ter necessidade de o ler novamente.
Caso ainda tenha dúvidas, fale com o seu médico ou farmacêutico.
-Este medicamento foi receitado apenas para si. Não deve dá-lo a outros. O medicamento pode
ser- lhes prejudicial mesmo que apresentem os mesmos sinais de doença.
Se tiver quaisquer efeitos secundários, incluindo possíveis efeitos secundários não indicados
neste folheto, fale com o seu médico ou farmacêutico. Ver secção 4.

O que contém este folheto:
1. O que é Naprosyn e para que é utilizado
2. O que precisa de saber antes de tomar Naprosyn
3. Como tomar Naprosyn
4. Efeitos secundários possíveis
5. Como conservar Naprosyn

Conteúdo da embalagem e outras informações

O que é Naprosyn e para que é utilizado

Naprosyn é um anti-inflamatório não esteroide com propriedades analgésicas, anti-inflamatórias
e antipiréticas.

Naprosyn está indicado para o tratamento de:
- Artrite reumatoide
- Osteoartrose
- Espondilite anquilosante
- Gota
- Artrite idiopática juvenil
- Dismenorreia e menorragia
- Tratamento e profilaxia da enxaqueca
- Como analgésico e antipirético em adultos, incluindo o pós–parto de mulheres que não
amamentam
- Como analgésico e antipirético em crianças
- Situações periarticulares, músculo–esqueléticas ou pós-traumáticas, tais como bursite,
tendinite, sinovite, tenossinovite, lombalgia, luxações e entorses
- No alívio das dores agudas e/ou crónicas em que haja um componente inflamatório
- Pós-operatório em cirurgia geral ou ortopédica, sempre que se justifique a utilização de um
anti-inflamatório não esteroide

O que precisa de saber antes de tomar Naprosyn

Não tome Naprosyn

- se tem alergia (hipersensibilidade) ao naproxeno ou a qualquer outro componente deste
medicamento (indicados na secção 6).
- se reage com sintomas de asma, rinite e pólipos nasais ao ácido acetilsalicílico ou a outros anti-
inflamatórios não esteroides/analgésicos.

- se se encontra no terceiro trimestre de gravidez.

- se tem história de hemorragia gastrointestinal ou perfuração, relacionada com terapêutica
anterior com anti-inflamatórios não esteroides.

- se sofre de úlcera péptica/hemorragia gastrointestinal ativa ou se tem história de úlcera
péptica/hemorragia recorrente (dois ou mais episódios distintos de ulceração ou hemorragia
comprovada).

- se sofre de insuficiência cardíaca grave, insuficiência hepática grave ou insuficiência renal
grave.

- Naprosyn é contraindicado em crianças com menos de 2 anos de idade, uma vez que ainda não
foi comprovada a segurança neste grupo etário.

Advertências e precauções
Fale com o seu médico ou farmacêutico antes de tomar Naprosyn.

Deve evitar a administração concomitante de Naprosyn com outros anti-inflamatórios não
esteroides , incluindo inibidores seletivos da ciclooxigenase-2.

Os idosos apresentam uma maior frequência de reações adversas com anti-inflamatórios não
esteróides, especialmente de hemorragias gastrointestinais e de perfurações que podem ser
fatais.

Os efeitos indesejáveis podem ser minimizados utilizando a menor dose eficaz durante o menor
período de tempo necessário para controlar os sintomas (ver a informação sobre os riscos
gastrointestinais e cardiovasculares em seguida mencionada).

Têm sido notificados com todos os anti-inflamatórios não esteróides casos de hemorragia,
ulceração e perfuração gastrointestinal. O risco destas reações é maior com doses mais elevadas
de AINEs, em doentes com história de úlcera péptica, especialmente se associada a hemorragia
ou perfuração e em doentes idosos. Se ocorrerem sintomas abdominais e de hemorragia
digestiva (fezes escuras ou com sangue) sobretudo na fase inicial do tratamento, deve
interromper o tratamento e informar imediatamente o seu médico assistente.

Recomenda-se precaução na utilização em doentes com história de doença inflamatória do
intestino (colite ulcerosa, doença de Crohn), na medida em que estas situações podem ser
exacerbadas.

Efeitos cardiovasculares e cerebrovasculares
Têm sido notificados casos de retenção de líquidos e edema (inchaço dos pés ou mãos), pelo que
os doentes com problemas cardíacos devem ser vigiados e aconselhados pelo médico.

Os medicamentos tais como Naprosyn podem estar associados a um pequeno aumento do risco
de ataque cardíaco (enfarte do miocárdio) ou Acidente Vascular Cerebral (AVC). O risco é maior com doses mais elevadas e em tratamentos prolongados. Não deve ser excedida a dose
recomendada nem o tempo de duração do tratamento.
Se tem problemas cardíacos, sofreu um AVC ou pensa que pode estar em risco de vir a sofrer
destas situações (por exemplo se tem pressão sanguínea elevada, diabetes, elevados níveis de
colesterol ou se é fumador) deverá aconselhar-se sobre o tratamento com o seu médico ou
farmacêutico.

Utilizar Naprosyn sob vigilância médica em doentes com função renal diminuída ou com
história de doença renal. Deve ser utilizada a menor dose eficaz.

Naproxeno diminui a agregação das plaquetas e prolonga o tempo de hemorragia. Recomenda-
se vigilância médica em doentes com alterações da coagulação sanguínea ou em tratamento com
anticoagulantes (por ex. heparina ou varfarina).

Podem ocorrer dificuldades respiratórias (broncoespasmo) em doentes com história de
angioedema, asma, rinite e pólipos nasais.

Têm sido muito raramente notificadas reações cutâneas graves associadas à administração de
anti-inflamatórios não esteróides (dermatite esfoliativa, síndrome de Stevens-Johnson, necrólise
epidérmica tóxica). Aos primeiros sinais de erupção cutânea, lesões das mucosas ou outras
manifestações de hipersensibilidade (alergia), deve interromper o tratamento e informar
imediatamente o seu médico assistente.
Recomenda-se precaução em doentes com lúpus eritematoso sistémico ou outras doenças
autoimunes, por risco de meningite asséptica e/ou insuficiencia renal.

Recomenda-se interromper o tratamento 48 horas antes da realização de provas da função renal
ou suprarrenal, uma vez que o naproxeno pode alterar os resultados.

Dada a atividade antipirética (baixa a febre) e anti-inflamatória do naproxeno, a febre e a
inflamação podem perder utilidade como sinais de diagnóstico.

Doentes com alterações da visão durante o tratamento com naproxeno, devem efetuar um exame
oftalmológico.

A administração de Naprosyn pode diminuir a fertilidade feminina, não sendo recomendado em
mulheres que planeiam engravidar. Em mulheres que tenham dificuldade em engravidar ou nas
quais a possibilidade de infertilidade está a ser averiguada deverá ser considerada a interrupção
do Naprosyn.

Outros medicamentos e Naprosyn
Informe o seu médico ou farmacêutico se estiver a tomar ou tiver tomado recentemente, ou se
vier a tomar outros medicamentos.

As seguintes interações foram registadas com naproxeno ou outros anti-inflamatórios não
esteróides:

Corticosteroides: aumento do risco de ulceração ou hemorragia gastrointestinal.

Outros medicamentos deste tipo (anti-inflamatórios não esteroides): podem ser aumentados os
riscos e efeitos adversos. Inibidores seletivos da recaptação da serotonina: aumento do risco de hemorragia
gastrointestinal.

Anticoagulantes: os anti-inflamatórios não esteróides podem aumentar os efeitos dos
anticoagulantes, tais como a varfarina.

Antiagregantes plaquetários: diminuição da agregação plaquetária e prolongamento do tempo de
hemorragia.

O naproxeno pode reduzir o efeito anti-hipertensor dos beta-bloqueadores.

Tratamento simultâneo com hidantoínas, sulfonamidas ou sulfonilureias: pode ser necessário um
ajuste de dose.

Recomenda-se precaução quando se administra simultaneamente naproxeno e probenecida.

Recomenda-se precaução quando se administra simultaneamente naproxeno e metotrexato.

Os anti-inflamatórios não esteroides podem diminuir a eficácia dos diuréticos assim como de
outros medicamentos anti-hipertensores. Nalguns doentes com função renal diminuída (por ex.
doentes desidratados ou idosos com comprometimento da função renal), a administração
concomitante de naproxeno e de diuréticos ou outros medicamentos anti-hipertensores
(inibidores da enzima de conversão da angiotensina ou antagonistas dos recetores da
angiotensina) pode agravar a deterioração da função renal, incluindo a possibilidade de
insuficiência renal aguda, que é normalmente reversível. Esta associação medicamentosa deve
ser administrada com precaução, sobretudo em doentes idosos. Os doentes devem beber muita
água. O médico poderá decidir monitorizar a função renal do doente no início e durante o
tratamento concomitante.

Recomenda-se precaução na administração simultânea de medicamentos como o lítio, a
ciclosporina, as quinolonas e os glicósidos cardíacos.

A administração simultânea de antiácidos ou colestiramina pode retardar a absorção do
naproxeno, mas não afeta o grau de absorção.

Naprosyn com alimentos e bebidas
A administração com alimentos pode retardar a absorção de naproxeno mas não afeta a extensão
de absorção.

Gravidez e amamentação
Se está grávida ou a amamentar, se pensa estar grávida ou planeia engravidar, consulte o seu
médico ou farmacêutico antes de tomar este medicamento.

Naprosyn está contraindicado durante o terceiro trimestre de gravidez.

Amamentação
O naproxeno passa para o leite materno. Não se recomenda o uso de Naprosyn em mulheres que
amamentam.

Condução de veículos e utilização de máquinas Alguns doentes podem sentir sonolência, tonturas, vertigens, insónia ou depressão quando
tomam Naprosyn. Aos doentes afetados por estas reações adversas ou outras semelhantes,
recomenda-se cautela no desempenho de atividades que requeiram atenção.

Naprosyn contém lactose. Se foi informado pelo seu médico que tem intolerância a alguns
açúcares, contacte-o antes de tomar este medicamento.
Este medicamento contém tartrazina (E102), que pode causar reações alérgicas.

Como tomar Naprosyn

Tome este medicamento exatamente como indicado pelo seu médico ou farmacêutico. Fale com
o seu médico ou farmacêutico se tiver dúvidas.

Os efeitos indesejáveis podem ser minimizados utilizando a menor dose eficaz durante o menor
período de tempo necessário para controlar os sintomas.

Devem utilizar-se doses mais baixas em doentes com problemas renais ou hepáticos e em
doentes idosos.

A dose recomendada é:

Adultos
Situações crónicas
Osteoartrose, artrite reumatoide, espondilite anquilosante, situações de dor crónica em que exista
um componente inflamatório:
250 mg ou 500 mg de Naprosyn duas vezes por dia (de manhã e à noite) ou 500 mg - 1000 mg
uma vez por dia, a tomar de manhã ou à noite.

Situações agudas
Analgesia, dismenorreia e menorragia (transtornos da menstruação), situações graves
músculo-esqueléticas, situações de dor aguda nas quais exista um componente inflamatório:
Uma dose inicial de 500 mg de Naprosyn seguida de 250 mg de Naprosyn com intervalos de 6 a

horas, conforme necessário. Gota aguda

Uma dose inicial de 750 mg de Naprosyn seguida de 250 mg de Naprosyn, de 8 em 8 horas, até
a crise passar.

Enxaqueca
No tratamento da enxaqueca grave, recomenda-se uma dose de 750 mg de Naprosyn ao primeiro
sintoma de uma crise. Uma dose adicional de 250 mg ou 500 mg de Naprosyn pode ser
administrada durante o dia, se necessário, mas nunca antes de meia hora após a dose inicial.
Para a profilaxia da enxaqueca, recomenda-se uma dose de 500 mg de Naprosyn duas vezes por
dia. Se não se verificar melhoria em 4 a 6 semanas, o tratamento deve ser interrompido.

Utilização em crianças e adolescentes

Não foi comprovada a segurança e eficácia de Naprosyn em crianças com menos de 2 anos.
O comprimido pode ser dividido em doses iguais. Doses habituais na criança (a partir de 25 Kg
de peso): Artrite idiopática juvenil:
A dose total diária recomendada é de 10 mg/kg dividida em duas doses (p. ex.: 5 mg/kg duas
vezes por dia). Naprosyn 250 mg comprimido pode ser administrado de acordo com a tabela
seguinte:

Tabela 1: Dose pediátrica - Artrite idiopática juvenil Nº de comprimidos 250 mg Peso (kg) Dose mínima diária
(10mg/Kg) Dose máxima diária
(15mg/kg) Nº de tomas
diárias 25-32 1 comp. (½ comp + ½ comp.) 1 comp. + ½ comp. 2 33-38 1 comp. (½ comp + ½ comp.) 2 (1 comp + 1 comp.) 2 39-43 1 comp. + ½ comp. 2 (1 comp + 1 comp.) 2 44-49 1 comp. + ½ comp. 2 comp. + ½ comp. 2 50-60 2 comp. (1 comp + 1 comp.) 3 comp. 2
Estas doses diárias são repartidas em 2 tomas. Por exemplo: uma criança com 25 Kg de peso,
para uma dose diária de 10mg/kg terá que tomar 1 comprimido por dia, repartido por duas vezes,
i.e. ½ comprimido 2 vezes por dia; para uma dose de 15 mg/kg, a mesma criança terá que tomar
1 comprimido numa toma e ½ na 2ª toma.

A experiência na artrite juvenil e noutras situações comprovou que doses únicas de 2,5-5 mg de
Naprosyn /Kg, não excedendo a dose diária de 15 mg de Naprosyn/Kg, são bem toleradas por
crianças com mais de 2 anos.

Analgésico e antipirético em crianças
A dose inicial recomendada é de 10 mg de Naprosyn/Kg seguida de 2,5-5 mg de Naprosyn/Kg
de 8 em 8 horas. A dose diária total não deve exceder 15 mg de Naprosyn/Kg por dia após o
primeiro dia.
Naprosyn 250 mg comprimidos pode ser administrado de acordo com a tabela seguinte:

Tabela 2: Dose pediátrica - Analgésico e antipirético Nº. de comprimidos 250 mg Peso (kg)
Dose inicial Dose de manutenção 25-38 1 comp. ½ comprimido de 8 em 8 horas 39-49 1 comp. + ½ comp. ½ comprimido de 8 em 8 horas 50-60 2 comp. 1 comprimido de 8 em 8 horas

Se tomar mais Naprosyn do que deveria
Uma dose excessiva de naproxeno pode ser caracterizada por tonturas, sonolência e sintomas de
indigestão. Deve contactar o médico assistente ou dirigir-se a um hospital imediatamente.
O médico aplicará um tratamento para alívio dos sintomas e outras medidas de apoio.

Caso se tenha esquecido de tomar Naprosyn
Se estiver próximo do momento previsto para a administração da dose seguinte, não tome a dose
omitida e continue a tomar o medicamento de acordo com a posologia que lhe foi recomendada.
Caso contrário tome a dose em falta assim que se lembrar.
Não tome uma dose a dobrar para compensar uma dose que se esqueceu de tomar.

Se parar de tomar Naprosyn

Se parar de tomar Naprosyn antes do período de tempo aconselhado pelo médico, podem
reaparecer os sintomas de dor ou inflamação.

Caso ainda tenha dúvidas sobre a utilização deste medicamento, fale com o seu médico ou
farmacêutico.

Efeitos secundários possíveis

Como todos os medicamentos, este medicamento pode causar efeitos secundários, embora estes
não se manifestem em todas as pessoas.

Os efeitos secundários mais frequentemente notificados são de natureza gastrointestinal (por ex.
dispepsia, dor abdominal).

Os seguintes efeitos secundários podem ocorrer com certas frequências, que são definidas da
seguinte forma:

-muito frequentes: afetam mais de 1 utilizador em cada 10
-frequentes: afetam 1 a 10 utilizadores em cada 100
-pouco frequentes: afetam 1 a 10 utilizadores em cada 1000

Doenças do sangue e do sistema linfático
Pouco frequentes: agranulocitose, anemia aplásica, anemia hemolítica, leucopenia,
trombocitopenia, eosinofilia

Doenças do sistema imunitário
Pouco frequentes: reações anafiláticas

Doenças do metabolismo e da nutrição
Pouco frequentes: hipercaliemia

Perturbações do foro psiquiátrico
Frequentes: insónia
Pouco frequentes: depressão, sonhos anormais

Doenças do sistema nervoso
Frequentes: tonturas ou atordoamento, cefaleia
Pouco frequentes: sonolência, incapacidade de concentração, perturbação cognitiva, nevrite
ótica retrobulbar, convulsões, meningite asséptica

Afeções oculares
Pouco frequentes: perturbação visual, opacidade da córnea, papilite, papiledema

Afeções do ouvido e do labirinto
Pouco frequentes: deficiência auditiva, tinnitus, vertigens
Cardiopatias
Pouco frequentes: palpitações, insuficiência cardíaca

Vasculopatias
Pouco frequentes: vasculite, hipertensão

Doenças respiratórias, torácicas e do mediastino
Pouco frequentes: dispneia, edema pulmonar, asma, pneumonia eosinofílica

Doenças gastrointestinais
Muito frequentes: dispepsia, dor abdominal
Frequentes: náuseas, vómitos, diarreia, flatulência, obstipação, estomatite e ulceração
Pouco frequentes: ulceração gastrointestinal, perfuração, sangramento; esofagite, gastrite,
melenas, hematemese, exacerbação de colite ou doença de Crohn, pancreatite

Afeções hepatobiliares
Pouco frequentes: hepatite, icterícia

Afeções dos tecidos cutâneos e subcutâneos
Frequentes: prurido
Pouco frequentes: equimoses, purpura, transpiração, alopecia, necrólise epidérmica tóxica,
eritema multiforme, reações bolhosas incluindo a síndrome de Stevens-Johnson, eritema nodoso,
erupção medicamentosa fixa, líquen planus, reação pustular, urticária, reações de
fotossensibilidade incluindo casos raros semelhantes à porfiria cutânea tardia ("pseudoporfíria"),
epidermolise bolhosa, angioedema

Afeções musculoesqueléticas e dos tecidos conjuntivos
Pouco frequentes: mialgia, fraqueza muscular

Doenças renais e urinárias
Pouco frequentes: hematúria, insuficiência renal, doença renal, nefrite intersticial, síndrome
nefrótico, necrose papilar renal

Doenças dos órgãos genitais e da mama
Pouco frequentes: infertilidade feminina

Perturbações gerais e alterações no local de administração
Frequentes: edema
Pouco frequentes: sede, pirexia, mal-estar

Exames complementares de diagnóstico
Pouco frequentes: alteração das provas de função hepática, creatinina sérica elevada

Comunicação de efeitos secundários
Se tiver quaisquer efeitos secundários, incluindo possíveis efeitos secundários não indicados
neste folheto, fale com o seu médico, ou farmacêutico ou enfermeiro. Também poderá
comunicar efeitos secundários diretamente ao INFARMED, I.P. através dos contactos abaixo.
Ao comunicar efeitos secundários, estará a ajudar a fornecer mais informações sobre a
segurança deste medicamento.
INFARMED, I.P.
Direção de Gestão do Risco de Medicamentos
Parque da Saúde de Lisboa, Av. Brasil 53
1749-004 Lisboa
Tel: +351 21 798 71 40
Fax: + 351 21 798 73 97
Sítio da internet: http://extranet.infarmed.pt/page.seram.frontoffice.seramhomepage E-mail: [email protected]

Como conservar Naprosyn

Não conservar acima de 25ºC. Conservar na embalagem de origem para proteger da luz.

Manter este medicamento fora da vista e do alcance das crianças.

Não utilize este medicamento após o prazo de validade impresso na embalagem exterior, após
VAL. O prazo de validade corresponde ao último dia do mês indicado.

Não deite fora quaisquer medicamentos na canalização ou no lixo doméstico. Pergunte ao seu
farmacêutico como deitar fora os medicamentos que já não utiliza. Estas medidas ajudarão a
proteger o ambiente.

Conteúdo da embalagem e outras informações

Qual a composição de Naprosyn

- A substância ativa é o naproxeno. Cada comprimido de Naprosyn contém 250 mg de
naproxeno.
- Os outros componentes são lactose, amido de milho, povidona K30, estearato de magnésio,
tartrazina (E102).

Qual o aspeto de Naprosyn e conteúdo da embalagem

Os comprimidos de Naprosyn 250 mg são amarelos, circulares, planos. Apresentam uma
ranhura central num dos lados.

Embalagens de 10, 20, 30 e 60 comprimidos doseados a 250 mg em blister de PVC/Alu.
É possível que não sejam comercializadas todas as apresentações.

Titular da Autorização de Introdução no Mercado e fabricante

Titular da Autorização de Introdução no Mercado
Roche Farmacêutica Química, Lda.
Estrada Nacional 249-1
2720-413 Amadora
Tel: 21 425 70 00
Fax: 21 425 70 52
E-mail: www.roche.pt
Fabricante
Lusomedicamenta - Sociedade Técnica Farmacêutica, S.A. Estrada Consiglieri Pedroso, 69 - B - Queluz de Baixo
2730-055 Barcarena

Este folheto foi revisto pela última vez em


DEFINIÇÕES MÉDICAS
  1. Acidente vascular cerebral (AVC): Doença de início súbito, caracterizada pela falta de irrigação sangüínea em um determinado território cerebral. Pode ser secundário à oclusão de alguma artéria ou a um sangramento, no último caso é denominado Acidente Vascular Cerebral Hemorrágico.
  2. Dermatite: Inflamação das camadas superficiais da pele, que pode apresentar-se de formas variadas (dermatite seborreica, dermatite de contato...) e é produzida pela agressão direta de microorganismos, substância tóxica ou por uma resposta imunológica inadequada (alergias, doenças auto-imunes).
  3. Edema: Acúmulo anormal de líquido nos espaços intercelulares dos tecidos ou em diferentes cavidades corporais (peritôneo, pleura, articulações, etc.).
  4. Febre: Elevação da temperatura corporal acima de um valor normal, estabelecido entre 36,7ºC e 37ºC, quando medida na boca.
  5. Gastrite: Inflamação aguda ou crônica da mucosa do estômago (ver). Manifesta-se por dor na região superior do abdome, acidez, ardor, náuseas, vômitos, etc. Pode ser produzida por infecções, consumo de medicamentos (aspirina), estresse, etc.
  6. Icterícia: Pigmentação amarelada da pele e mucosas devido ao aumento da concentração de bilirrubina no sangue. Pode ser acompanhada de sintomas como colúria (ver), prurido, etc. Associa-se a doenças hepáticas e da vesícula biliar, ou à hemólise (ver).
  7. Hematúria: Eliminação de sangue juntamente com a urina. Sempre é anormal e relaciona-se com infecção do trato urinário, litíase renal, tumores ou doença inflamatória dos rins.
  8. Hemorragia: Perda de sangue para um órgão interno (tubo digestivo, cavidade abdominal) ou para o exterior (ferimento arterial). De acordo com o volume e velocidade com a qual se produz o sangramento uma hemorragia pode produzir diferentes manifestações nas pessoas, desde taquicardia, sudorese, palidez cutânea, até o choque.
  9. Hematêmese: Eliminação de sangue proveniente do tubo digestivo, através de vômito.
  10. Necrose: Conjunto de processos irreversíveis através dos quais se produz a degeneração celular seguida de morte da célula.
  11. Náuseas: Vontade de vomitar. Forma parte do mecanismo complexo do vômito e pode ser acompanhada de sudorese, sialorréia (salivação excessiva), vertigem, etc.
  12. Nefrite: Termo que significa ???inflamação do rim??? e que agrupa doenças caracterizadas por lesões imunológicas ou infecciosas do tecido renal. Alguns exemplos são a nefrite intersticial por drogas, a glomerulonefrite pós-estreptocócica, etc. Podem manifestar-se por hipertensão arterial, hematúria e dor lombar.
  13. Mediastino: Região anatômica do tórax onde se localizam diversas estruturas, dentre elas o coração.
  14. Pancreatite: Inflamação do pâncreas. A pancreatite aguda pode ser produzida por cálculos biliares, alcoolismo, drogas, etc. Pode ser uma doença grave e fatal. Os primeiros sintomas consistem em dor abdominal, vômitos e distensão abdominal.
  15. Rinite: Inflamação da mucosa nasal, produzida por uma infecção viral ou reação alérgica. Manifesta-se por secreção aquosa e obstrução das fossas nasais.
  16. Vasculite: Inflamação da parede de um vaso sangüíneo. ?? produzida por doenças imunológicas e alérgicas. Seus sintomas dependem das áreas afetadas.
  17. Tendinite: Inflamação de um tendão. Produz-se em geral como conseqüência de um traumatismo. Existem doenças imunológicas capazes de produzir tendinite entre outras alterações.
  18. Tecido: Conjunto de células de características semelhantes, organizadas em estruturas complexas para cumprir uma determinada função. Exemplo de tecido: o tecido ósseo encontra-se formado por osteócitos dispostos em uma matriz mineral para cumprir funções de sustentação.
  19. Uréia: Produto do metabolismo das proteínas. Indica de forma indireta a eficiência da função renal. Quando existe insuficiência renal, os valores de uréia elevam-se produzindo distúrbios variados (pericardite urêmica, encefalopatia urêmica, etc.).
  20. Urticária: Reação alérgica manifestada na pele como elevações pruriginosas, acompanhadas de vermelhidão da mesma. Pode afetar uma parte ou a totalidade da pele. Em geral é autolimitada e cede em pouco tempo, podendo apresentar períodos de melhora e piora ao longo de vários dias.

Síguenos

X