Risperidona GP 2 mg Comprimidos

Para que serve folheto informativo, informação para o utilizador

Folheto / Bula do Medicamento


Recomendações

  • Sempre verifique que não é alérgica a nenhum dos componentes
  • Lembre-se, sempre verifique com seu médico, a informação que nós oferecemos é indicativa e não de forma alguma substituir a de seu médico ou outro profissional de saúde.




FOLHETO INFORMATIVO: INFORMAÇÃO PARA O UTILIZADOR
Risperidona GP
1 mg, 2 mg, 3 mg e 6 mg
comprimidos revestidos por película
Risperidona

Leia com atenção todo este folheto antes de começar a tomar este medicamento, pois contém
informação importante para si.
- Conserve este folheto. Pode ter necessidade de o ler novamente.
- Caso ainda tenha dúvidas, fale com o seu médico ou farmacêutico.
- Este medicamento foi receitado apenas para si. Não deve dá-lo a outros. O medicamento
pode ser-lhes prejudicial mesmo que apresentem os mesmos sinais de doença.
- Se tiver quaisquer efeitos secundários, incluindo possíveis efeitos secundários não indicados
neste folheto, fale com o seu médico ou farmacêutico.

O que contém este folheto:
1. O que é Risperidona GP e para que é utilizado
2. O que precisa de saber antes de tomar Risperidona GP
3. Como tomar Risperidona GP
4. Efeitos secundários possíveis
5. Como conservar Risperidona GP
6. Conteúdo da embalagem e outras informações

1. O QUE É RISPERIDONA GP E PARA QUE É UTILIZADO
Risperidona GP pertence a um grupo de medicamentos chamados antipsicóticos.
Risperidona GP é utilizado para tratar:
- esquizofrenia, em que pode ver, ouvir ou sentir coisas que não existem, acreditar em coisas
que não são verdade, ter uma desconfiança fora do habitual ou confuso;
- mania bipolar, em que se pode sentir muito excitado, eufórico, agitado, entusiástico ou
hiperativo. A mania ocorre na doença bipolar;
- tratamento de curta duração (até 6 semanas) da agressividade persistente em pessoas com
demência do tipo Alzheimer que causam dano a si próprio ou aos outros. Tratamentos
alternativos (não farmacológicos) devem ser tentados antes;
- tratamento de curta duração (até 6 semanas) de agressividade persistente em crianças com
atraso intelectual (com mais de 5 anos de idade) e adolescentes com alterações de conduta.

2. O QUE PRECISA DE SABER ANTES DE TOMAR RISPERIDONA GP



Não tome RISPERIDONA GP
Se tem alergia (hipersensibilidade) à risperidona ou a qualquer outro componente deste
medicamento (indicados na secção 6).
Se não tem a certeza que tal se aplique a si, fale com o seu médico ou farmacêutico, antes de
tomar Risperidona GP.
Advertências e precauções
Antes de tomar Risperidona GP, confirme com o seu médico ou farmacêutico, se:
- tem problemas de coração. Os exemplos incluem batimentos irregulares cardíacos ou se tem
predisposição para pressão arterial baixa ou se está a tomar medicamentos para baixar a
pressão arterial. Risperidona GP pode provocar diminuição da pressão arterial. A sua dose
pode ter de ser ajustada.
- tem algum fator que favoreça a ocorrência de acidentes cerebrovasculares, tais como pressão
arterial elevada, perturbações da circulação ou alterações da circulação cerebral;
- tem doença de Parkinson ou demência;
- é diabético;
- tem epilepsia;
- é homem e alguma vez teve ereção prolongada e dolorosa. Se sentir isso com Risperidona
GP, contacte o seu médico de imediato;
- tem problemas em controlar a sua temperatura corporal ou excesso de calor;
- tem problemas renais;
- tem problemas de fígado;
- tem níveis anormalmente elevados da hormona prolactina ou se tem um tumor
possivelmente dependente da prolactina;
- se você ou alguém na sua família tem antecedentes (ou história) de coágulos no sangue, uma
vez que este tipo de medicamentos estão associados à formação de coágulos sanguíneos.
Fale com o seu médico de imediato se sentir:
- movimentos involuntários e ritmados da língua, boca ou face. A suspensão da risperidona
pode ser necessária.
- febre, rigidez muscular grave, transpiração aumentada ou diminuição dos níveis de
consciência (uma perturbação chamada Síndrome maligna dos neurolépticos). Pode ser
necessário tratamento médico imediato.
Se não tem a certeza que tal se aplique a si, fale com o seu médico ou farmacêutico, antes de
tomar Risperidona GP.
Risperidona GP pode causar aumento de peso.
Doentes idosos com demência
Em doentes idosos com demência, existe um risco aumentado de acidente cerebrovascular.
Não deve tomar risperidona se sofre de demência provocada por acidente cerebrovascular.
Durante o tratamento com risperidona deve consultar o seu médico com frequência.
O tratamento médico deve ser interrompido de imediato se notar, ou se o prestador de
cuidados notar, alterações súbitas do estado de consciência, fraqueza repentina, perda de
sensibilidade na face, braços ou pernas, especialmente de um dos lados do corpo e alterações



da fala, mesmo que por um curto período de tempo. Estes podem ser sinais de acidente
cerebrovascular.
Crianças e Adolescentes
Antes de iniciar o tratamento para alterações de conduta, devem ser despistadas outras causas
de comportamento agressivo.
Se durante o tratamento com risperidona ocorrer cansaço, uma alteração no tempo de
administração pode melhorar as dificuldades de atenção.
Outros medicamentos e Risperidona GP
Informe o seu médico ou farmacêutico se estiver a tomar ou tiver tomado recentemente ou se
vier a tomar outros medicamentos, incluindo medicamentos obtidos sem receita médica e
medicamentos à base de plantas.
É especialmente importante que fale com o seu médico ou farmacêutico se está a tomar um
dos seguintes medicamentos:
- medicamentos que atuam no seu cérebro, para o ajudar a ficar mais calmo (benzodiazepinas)
ou alguns medicamentos para a dor (opióides), medicamentos para as alergias
(anti-histamínicos), uma vez que a risperidona pode aumentar a sedação provocada por estes
medicamentos;
- medicamentos que podem alterar a atividade elétrica do coração, tais como medicamentos
para a malária, para problemas de ritmo cardíaco (por exemplo: quinidina), para as alergias
(anti-histamínicos), alguns antidepressivos ou outros medicamentos para problemas mentais;
- medicamentos que provocam a diminuição do batimento do coração;
- medicamentos que causam a diminuição do potássio no sangue (alguns diuréticos);
- medicamentos para o tratamento da pressão arterial elevada. Risperidona GP pode diminuir
a tensão arterial;
- medicamentos para a doença de Parkinson (tais como levodopa);
- diuréticos, usados para tratar problemas de coração e inchaço de partes do corpo devido à
acumulação de líquidos (tais como furosemida ou clorotiazida). Risperidona GP tomado
isolado ou com a furosemida pode provocar um aumento do risco de acidente cerebrovascular
e morte em idosos com demência.
Os seguintes medicamentos podem reduzir o efeito da risperidona:
- rifampicina (um medicamento para tratar algumas infeções);
- carbamazepina, fenitoína (medicamentos para a epilepsia);
- fenobarbital
Se iniciar ou parar de tomar estes medicamentos, pode necessitar de uma dose diferente de
risperidona.
Os seguintes medicamentos podem aumentar o efeito da risperidona:
- quinidina (usada para algumas doenças de coração);



- antidepressivos tais como paroxetina, fluoxetina, antidepressivos tricíclicos;
- medicamentos chamados bloqueadores beta (utilizados para tratar a pressão arterial
elevada);
- fenotiazinas (utilizadas para o tratamento de psicoses ou para acalmar);
- cimetidina, ranitidina (bloqueadores da acidez do estômago);
Se iniciar ou parar de tomar estes medicamentos, pode necessitar de uma dose diferente de
risperidona.
Se não tem a certeza que tal se aplique a si, antes de tomar Risperidona GP, fale com o seu
médico ou farmacêutico.

Risperidona GP com alimentos, bebidas e álcool
Pode tomar este medicamento com ou sem alimentos. Deve evitar beber álcool enquanto
estiver a tomar Risperidona GP.

Gravidez e amamentação
Se estiver grávida ou a amamentar, se pensa estar grávida ou planeia engravidar, consulte o
seu médico ou farmacêutico antes de tomar este medicamento.
Os seguintes sintomas podem ocorrer em recém-nascidos cujas mães utilizaram Risperidona
GP no terceiro trimestre (últimos três meses de gravidez): tremor, fraqueza e/ou rigidez
muscular, sonolência, agitação, problemas respiratórios e dificuldades na alimentação. Se o
seu bebé desenvolver qualquer um destes sintomas, contacte o seu médico.

Condução de veículos e utilização de máquinas
Podem ocorrer tonturas, cansaço e problemas de visão durante o tratamento com
RISPERIDONA GP. Não conduza ou utilize máquinas sem falar com o seu médico.

Informações importantes sobre alguns componentes de RISPERIDONA GP
Risperidona GP comprimidos revestidos por película contêm lactose. Se for informado pelo
seu médico que tem intolerância a alguns açúcares, contacte-o antes de tomar este
medicamento.
Risperidona GP comprimidos revestidos por película 2 mg contêm ainda o corante amarelo-
sol FCF (E110). Pode causar reações alérgicas.

3. COMO TOMAR RISPERIDONA GP



Tome este medicamento exatamente como indicado pelo seu médico. Fale com o seu médico
ou farmacêutico se tiver dúvidas.
O seu médico dir-lhe-á que quantidade de medicamento deve tomar e por quanto tempo. Tal
dependerá da sua condição e varia de pessoa para pessoa. A quantidade de medicamento que
deve tomar está explicada abaixo no subtítulo “Quanto devo tomar”.

Quanto devo tomar
Para o tratamento da esquizofrenia
Adultos
A dose inicial habitual é de 2 mg por dia, podendo ser aumentada para 4 mg no segundo dia.
A sua dose pode depois ser ajustada pelo seu médico, dependendo da forma como responde
ao tratamento.
A maioria das pessoas sente-se melhor com uma dose diária de 4 a 6 mg.
A dose diária pode tomar-se numa única toma ou ser dividida em duas tomas.
O seu médico indicar-lhe-á o que é melhor para si.
Idosos
A sua dose inicial será normalmente 0,5 mg, duas vezes por dia.
A sua dose pode ser gradualmente aumentada pelo seu médico para 1 mg a 2 mg, duas vezes
por dia.
O seu médico indicar-lhe-á o que é melhor para si.
Crianças e adolescentes
Crianças e adolescentes com menos de 18 anos não devem ser tratados para a esquizofrenia
com Risperidona GP.

Para o tratamento da mania
Adultos
A sua dose inicial será normalmente 2 mg, uma vez por dia.
A sua dose pode depois ser ajustada pelo seu médico, dependendo da sua resposta ao
tratamento.
A maioria das pessoas sente-se melhor com uma dose de 1 a 6 mg, uma vez dia.
Idosos
A sua dose inicial será normalmente 0,5 mg, duas vezes por dia.
A sua dose pode depois ser ajustada pelo seu médico, de 1 a 2 mg, duas vezes por dia,
dependendo da sua resposta ao tratamento.
Crianças e adolescentes
Crianças e adolescentes com menos de 18 anos não devem ser tratados para a mania bipolar
com Risperidona GP.




Para o tratamento da agressividade persistente de doentes com demência do tipo Alzheimer
Adultos (incluindo idosos)
A sua dose inicial será normalmente 0,25 mg, duas vezes por dia.
A sua dose pode depois ser ajustada pelo seu médico, dependendo da sua resposta ao
tratamento.
A maioria das pessoas sente-se melhor com uma dose de 0,5 mg, duas vezes ao dia. Alguns
doentes podem necessitar de 1 mg, duas vezes ao dia.
Tratamento em doentes com demência do tipo Alzheimer não deve ser superior a 6 semanas.

Para o tratamento das alterações da conduta em crianças e adolescentes
A dose dependerá do peso da sua criança.
Crianças com peso inferior a 50 kg
A dose inicial será normalmente 0,25 mg, uma vez por dia.
A dose pode ser aumentada, em dias alternados, em incrementos de 0,25 mg por dia.
A dose de manutenção é 0,25 mg a 0,75 mg, uma vez ao dia.
Crianças com peso igual ou superior a 50 kg.
A sua dose inicial será normalmente 0,5 mg, uma vez por dia.
A dose pode ser aumentada, em dias alternados, em incrementos de 0,5 mg por dia.
A dose de manutenção é 0,5 mg a 1,5 mg, uma vez ao dia.
A duração do tratamento de doentes com alterações da conduta não deve ser superior a 6
semanas.
Crianças com menos de 5 anos não devem ser tratadas para as alterações da conduta com
Risperidona GP.

Doentes com problemas renais ou hepáticos
Independentemente da doença a tratar, todas as doses iniciais e doses seguintes de risperidona
devem ser diminuídas para metade. Nestes doentes, os aumentos de dose devem ser mais
lentos.
A risperidona deve ser utilizada com precaução nestes doentes.

Como tomar Risperidona GP comprimidos revestidos por película
Tome o seu comprimido com um pouco de água.

Se tomar mais Risperidona GP do que deveria
Consulte um médico imediatamente. Leve consigo a embalagem do medicamento.



Em caso de sobredosagem, poderá sentir-se sonolento ou cansado, ou apresentar movimentos
corporais anormais, problemas em manter-se de pé e em andar, tonturas causadas pela pressão
arterial baixa e batimentos cardíacos anormais ou desmaio.

Caso se tenha esquecido de tomar Risperidona GP
Caso se tenha esquecido de uma dose, tome-a assim que se lembrar. No entanto, se for quase
hora de tomar a próxima dose, não tome a dose em falta e continue o tratamento como
habitual. Se falhar duas ou mais doses, contacte o seu médico.
Não tome uma dose a dobrar (duas doses ao mesmo tempo) para compensar uma dose que se
esqueceu de tomar.

Se parar de tomar Risperidona GP
Não deve parar de tomar este medicamento a não ser que o seu médico assim o aconselhe,
pois os seus sintomas podem reaparecer. Se o seu médico decidir terminar o tratamento, a
dose deve ser diminuída gradualmente durante alguns dias.
Caso ainda tenha dúvidas sobre a utilização deste medicamento, fale com o seu médico ou
farmacêutico.

4. EFEITOS SECUNDÁRIOS POSSÍVEIS
Como todos os medicamentos, este medicamento pode causar efeitos secundários, embora
estes não se manifestem em todas as pessoas.
Muito frequente:
afeta mais do que 1 utilizador em 10
Frequente:

afeta 1 a 10 utilizadores em 100
Pouco frequente:
afeta 1 a 10 utilizadores em 1.000
Raro:


afeta 1 a 10 utilizadores em 10.000
Muito raro:

afeta menos de 1 utilizador em 10.000
Frequência desconhecida:
frequência não pode ser calculada a partir dos dados disponíveis.

Os seguintes efeitos secundários podem ocorrer.
Muito frequente (afeta mais do que 1 utilizador em 10)
- Parkinsonismo. Este é um termo médico que inclui muitos sintomas. Cada sintoma pode
ocorrer numa frequência inferior a 1 em 10 pessoas. Parkinsonismo inclui: aumento da
secreção da saliva ou boca molhada, rigidez musculoesquelética, babar, apresentar contrações
involuntárias aquando a flexão dos membros, atraso, diminuição ou compromisso dos
movimentos corporais, ausência de expressão facial, contração muscular, rigidez do pescoço,
rigidez muscular, passos pequenos, arrastados ou precipitados e ausência de movimentos
normais dos braços ao caminhar, pestanejar persistente em resposta a estímulo da testa (um
reflexo anormal);
- Dores de cabeça, dificuldades em adormecer ou em dormir.



Frequentes (afeta 1 a 10 utilizadores em 100):
- Sonolência cansaço, inquietação, incapacidade de permanecer quieto, irritabilidade,
ansiedade, vontade de dormir, tonturas, falta de atenção, sensação de exaustão, alterações do
sono, tremor;
- Vómitos, diarreia, obstipação, náuseas, aumento do apetite, dor abdominal ou desconforto,
garganta irritada, boca seca;
- Aumento de peso, aumento da temperatura corporal, diminuição do apetite;
- Dificuldade em respirar, infeção pulmonar (pneumonia), gripe, infeção das vias
respiratórias, visão turva, congestão nasal, sangramento do nariz, tosse;
- Infeção do trato urinário, incontinência urinária durante a noite;
- Espasmo muscular, movimentos involuntários da face, braços e pernas, dores das
articulações, dores de costas, inchaço dos braços e pernas, dor dos braços e pernas;
- Erupção cutânea e vermelhidão da pele;
- Batimentos cardíacos rápidos e dores no peito;
- Aumento dos níveis da hormona prolactina no sangue.
Pouco frequentes (afeta 1 a 10 utilizadores em 1.000):
- Beber água em excesso, sede, incontinência fecal, fezes muito duras;
- Infeção dos pulmões provocada por inalação de alimentos para as vias respiratórias, infeção
da bexiga, olho vermelho, infeção do canal sinusoidal, infeção viral, infeção do ouvido,
infeção da amígdala, infeção subcutânea, infeção ocular, infeção do estômago, corrimento
ocular, infeção das unhas por fungos;
- Condução elétrica anormal do coração, descida da pressão arterial ao levantar-se, pressão
arterial baixa, sensação de tontura após mudança da posição do corpo, registo anormal da
atividade elétrica do coração (ECG), alteração dos batimentos cardíacos, sensação dos
batimentos do coração, aumento ou diminuição do ritmo cardíaco;
- Incontinência urinária, dor ao urinar, urinar com frequência;
- Confusão, perturbações da atenção, baixo nível de consciência, sono em demasia,
nervosismo, humor exultante (mania), falta de energia e de interesse;
- Aumento do açúcar do sangue, diminuição das enzimas do fígado, diminuição da contagem
de glóbulos brancos, hemoglobina e contagem de glóbulos vermelhos baixa (anemia),
aumento dos eosinófilos (um tipo de glóbulos brancos), diminuição da creatinina fosfocinase
do sangue, diminuição das plaquetas (células do sangue que ajudam a parar as hemorragias);
- Fraqueza muscular, dor muscular, dor de ouvidos, dor de pescoço, inchaço das articulações,
postura anormal, rigidez das articulações, dor musculoesquelética do peito, desconforto no
peito, rouquidão;
- Lesão da pele, alteração da pele, pele seca, comichão intensa da pele, acne, perda de cabelo,
inflamação da pele provocada por ácaros, descoloração da pele, espessamento da pele, rubor,
redução da sensibilidade da pele à dor ou ao toque, inflamação da pele oleosa;
- Falta de menstruação, disfunção sexual, disfunção eréctil, alterações da ejaculação,
corrimento da mama, aumento da mama no homem, diminuição do desejo sexual,
menstruação irregular, corrimento vaginal;
- Desmaio, alterações do modo de andar, apatia, diminuição do apetite resultando em má
nutrição e baixo peso corporal, sentir-se mal, alterações do equilíbrio, alergia, edema,
alterações do discurso, arrepios, coordenação anormal;
- Sensibilidade dolorosa à luz, aumento da circulação sanguínea no olho, inchaço do olho,
aumento das lágrimas;



- Alteração das vias respiratórias, congestão pulmonar, ruído do pulmão, congestão das vias
respiratórias, dificuldades no discurso, dificuldades em engolir, tosse com expetoração, ruído
durante a respiração, síndrome gripal, congestão sinusoidal;
- Não resposta a estímulo, perda de consciência, inchaço repentino dos lábios e olhos em
simultâneo com dificuldades em respirar, fraqueza repentina ou perda de sensibilidade da
face, braços ou pernas, especialmente num dos lados, instantes de discurso sem sentido, que
duram menos de 24 horas (chamado acidente vascular cerebral menor ou acidente vascular
cerebral), movimentos involuntários da face, braços, pernas, zumbidos nos ouvidos, edema da
face.
Raros (afeta 1 a 10 utilizadores em 10.000):
- Incapacidade de atingir o orgasmo, alterações menstruais;
- Caspa;
- Alergia a fármacos, arrefecimento dos braços e pernas, inchaço dos lábios, inflamação dos
lábios;
- Glaucoma, redução da claridade visual, formação de crostas nas extremidades dos olhos,
rotação ocular;
- Perda de emoções;
- Alteração do estado de consciência com diminuição da temperatura corporal e rigidez
muscular, edema generalizado, síndrome de abstinência, diminuição da temperatura corporal;
- Respiração rápida e pouco profunda, dificuldades em respirar durante o sono;
- Obstrução do intestino;
- Redução do fluxo sanguíneo no cérebro;
- Diminuição dos glóbulos brancos, secreção inapropriada da hormona que controla o volume
da urina;
- Quebra das fibras musculares e dores musculares (rabdomiólise), alterações do movimento;
- Coma devido a diabetes não controlada;
- Amarelecimento da pele e dos olhos (icterícia);
- Inflamação do pâncreas.
Muito raros (afeta menos de 1 utilizador em 10.000):
- Complicações que podem colocar a vida em risco devido a diabetes não controlada.
Frequência desconhecida (frequência não pode ser calculada a partir dos dados disponíveis)
- Reação alérgica grave resultando em dificuldade de respiração e choque;
- Inexistência de granulócitos (um tipo de glóbulos brancos que o ajuda contra as infeções);
- Ereção prolongada e dolorosa;
- Ingestão de água excessiva e prejudicial.
Coágulos nas veias, especialmente nas pernas (sintomas incluem inchaço, dor e vermelhidão
na perna), que se podem deslocar pelos vasos sanguíneos até aos pulmões e causar dor no
peito e dificuldade em respirar. Se detetar algum destes sintomas, procure aconselhamento
médico de imediato.
RISPERIDONA INJETÁVEL
Os seguintes efeitos secundários foram notificados com risperidona injetável, uma injeção de
longa duração. Fale com o seu médico se sentir algum dos seguintes efeitos secundários,
mesmo que não esteja a tomar risperidona injetável, uma injeção de longa duração.



- Infeção do intestino;
- Abcesso sob a pele, formigueiro pontadas e dormência da pele, inflamação da pele;
- Diminuição da contagem dos glóbulos brancos que o ajudam a proteger contra as infeções
bacterianas;
- Depressão;
- Convulsão;
- Pestanejar incontrolável dos olhos;
- Sensação de andar à roda;
- Diminuição dos batimentos cardíacos e aumento da pressão arterial;
- Dores de dentes e espasmo da língua;
- Dores nas nádegas;
- Aumento de peso.

Se tiver quaisquer efeitos secundários, incluindo possíveis efeitos secundários não indicados
neste folheto, fale com o seu médico ou farmacêutico.

5. COMO CONSERVAR RISPERIDONA GP
Manter este medicamento fora da vista e do alcance das crianças.
Não utilize este medicamento após o prazo de validade impresso na embalagem. O prazo de
validade corresponde ao último dia do mês indicado.
O medicamento não necessita de quaisquer precauções especiais de conservação.
Não deite fora quaiquer medicamentos na canalização ou no lixo doméstico. Pergunte ao seu
farmacêutico como deitar fora os medicamentos que já não utiliza. Estas medidas ajudarão a
proteger o ambiente.

6. CONTEÚDO DA EMBALAGEM E OUTRAS INFORMAÇÕES
Qual a composição de Risperidona GP
A substância ativa é a risperidona
Cada comprimido revestido por película de RISPERIDONA GP contém 1 mg, 2 mg, 3 mg ou
6 mg de risperidona.
Os outros componentes são:
lactose anidra, amido de milho, amido pré-gelificado, laurilsulfato de sódio, celulose
microcristalina, croscarmelose de sódio, sílica coloidal hidratada e estearato de magnésio.
O revestimento dos comprimidos de Risperidona GP, 1 mg contém: hipromelose, dióxido de
titânio (E171), óxido de ferro amarelo (E172), óxido de ferro vermelho (E172), macrogol 400.



O revestimento dos comprimidos de Risperidona GP, 2 mg contém: hipromelose, dióxido de
titânio (E171), corante amarelo-sol FCF (E110) e macrogol 400.
O revestimento dos comprimidos de Risperidona GP, 3 mg contém: hipromelose, dióxido de
titânio (E171), óxido de ferro amarelo (E172), macrogol 400.
O revestimento dos comprimidos de Risperidona GP, 6 mg contém: hipromelose, dióxido de
titânio (E171), óxido de ferro vermelho (E172), macrogol 400.

Qual o aspeto de Risperidona GP e conteúdo da embalagem
RISPERIDONA GP 1 mg, 2 mg, 3 mg ou 6 mg apresenta-se sob a forma de comprimidos
revestidos por película (comprimidos), em embalagens contendo 20 ou 60 comprimidos.
É possível que não sejam comercializadas todas as apresentações.

Titular da Autorização de Introdução no Mercado:
GP – Genéricos Portugueses, Lda.
Rua Henrique de Paiva Couceiro, n.º 29, Venda Nova
2700-451 Amadora

Fabricantes:
RISPERIDONA GP 1 mg
Laboratórios Lesvi, S.L.
Av. de Barcelona, 69
E-08970 Sant Joan Despí
Barcelona
Farmalabor – Produtos Farmacêuticos, S.A.
Zona Industrial de Condeixa-a-Nova, Sebal Grande
3150-194 Condeixa-a-Nova
RISPERIDONA GP 2 mg, 3 mg e 6 mg
Laboratórios Lesvi, S.L.
Av. de Barcelona, 69
E-08970 Sant Joan Despí
Barcelona

Este folheto foi revisto pela última vez em: