Sandostatina Lar

Para que serve Sandostatina Lar

Recomendações
Recorde-se que antes de tomar este medicamento deverá consultar o seu médico, a informação que lhe disponibilizamos é meramente orientativa e não substitui em nenhuma ocasião a consulta de um médico ou qualquer profissional de saúde.

LEMBRE-SE, NUNCA use esta informação para automedicar-se. A consulta de um médico é imprescindível.


Folheto informativo: Informação para o doente

Sandostatina Lar 10 mg pó e veículo para suspensão injetável
Sandostatina Lar 20 mg pó e veículo para suspensão injetável
Sandostatina Lar 30 mg pó e veículo para suspensão injetável
Octreotido

Leia com atenção todo este folheto antes de começar a utilizar este medicamento pois
contém informação importante para si.
Conserve este folheto. Pode ter necessidade de o ler novamente.
Caso ainda tenha dúvidas, fale com o seu médico, farmacêutico ou enfermeiro.
- Este medicamento foi receitado apenas para si. Não deve dá-lo a outros. O
medicamento pode ser-lhes prejudicial mesmo que apresentem os mesmos sinais de
doença.
- Se tiver quaisquer efeitos secundários, incluindo possíveis efeitos secundários não
indicados neste folheto, fale com o seu médico, ou farmacêutico ou enfermeiro. Ver
secção 4.

O que contém este folheto:
1. O que é Sandostatina Lar e para que é utilizado
2. O que precisa de saber antes de tomar Sandostatina Lar
3. Como utilizar Sandostatina Lar
4. Efeitos secundários possíveis
5. Como conservar Sandostatina Lar
6. Conteúdo da embalagem e outras informações


O que é Sandostatina Lar e para que é utilizado

Sandostatina Lar é um composto sintético derivado da somatostatina. A somatostatina
encontra-se no corpo humano, onde impede a libertação de certas hormonas tais como
a hormona do crescimento. As vantagens de Sandostatina Lar sobre a somatostatina
são um efeito mais intenso e de maior duração.

Utiliza-se a Sandostatina Lar
Para tratar a acromegalia,
A acromegalia é uma doença em que o organismo produz um excesso de hormona do
crescimento. Normalmente, a hormona do crescimento controla o crescimento dos
tecidos, órgãos e ossos. Demasiada hormona de crescimento provoca um aumento da
dimensão dos ossos e dos tecidos, especialmente das mãos e dos pés. Sandostatina Lar
reduz significativamente os sintomas da acromegalia, que incluem dor de cabeça,
transpiração excessiva, falta de sensibilidade nas mãos e nos pés, cansaço e dores
articulares. Na maioria dos casos, a produção excessiva de hormona do crescimento é
causada por um aumento da hipófise (adenoma hipofisário); o tratamento com
Sandostatina Lar pode reduzir a dimensão do tumor.

Sandostatina Lar está indicada no tratamento de doentes com acromegalia: quando outros tipos de tratamento para a acromegalia (cirurgia ou radioterapia) são
inadequados ou foram ineficazes;
após radioterapia, durante o período intermédio até que a radioterapia seja totalmente
efetiva.

Para aliviar os sintomas associados com a produção excessiva de algumas hormonas
específicas e outras substâncias relacionadas, pelo estômago, intestinos ou pâncreas,
A produção excessiva de hormonas específicas e outras substâncias naturais
relacionadas podem ser causadas por condições raras do estômago, cólon ou pâncreas.
Isto altera o equilíbrio hormonal natural do organismo e resulta numa variedade de
sintomas tais como rubores, diarreia, pressão arterial baixa, eritema e perda de peso. O
tratamento com Sandostatina Lar ajuda a controlar estes sintomas.

para tratar tumores neuroendócrinos localizados no intestino (por exemplo, apêndice,
intestino delgado ou cólon).
Os tumores neuroendócrinos são tumores raros que podem ser encontrados em
diferentes partes do corpo. A Sandostatina Lar também é usada para controlar o
crescimento destes tumores, quando estão localizados no intestino (por exemplo,
apêndice, intestino delgado e cólon).

para tratar tumores hipofisários que produzem demasiada hormona estimulante da
tiroide (TSH). Demasiada hormona estimulante da tiroide (TSH) provoca
hipertiroidismo.Sandostatina Lar é utilizada no tratamento de pessoas com tumores
hipofisários que produzem demasiada hormona estimulante da tiroide (TSH).
quando outros tipos de tratamento (cirurgia ou radioterapia) não são adequados ou não
funcionaram;
após radioterapia, para cobrir o período até a radioterapia se tornar completamente
eficaz.


O que precisa de saber antes de utilizar Sandostatina Lar

Siga todas as instruções do seu médico cuidadosamente. Elas podem diferir da
informação geral contida neste folheto.

Leia as seguintes explicações antes de utilizar Sandostatina Lar.

Não utilize Sandostatina Lar:
se tem alergia (hipersensibilidade) a octreotido ou a qualquer outro componente deste
medicamento (indicados na secção 6).

Advertências e precauções
Fale com o seu médico antes de utilizar Sandostatina Lar:
Informe o seu médico se sofre ou já sofreu de cálculos (pedras) na vesícula, pois o uso
prolongado de Sandostatina Lar pode resultar na sua formação. O seu médico pode
querer avaliar a sua vesícula periodicamente.
Se é diabético, uma vez que Sandostatina Lar pode afetar os níveis de açúcar no
sangue. Se é diabético, deve verificar os níveis de açúcar no sangue regularmente. Se tem uma história de privação de vitamina B12, o seu médico pode querer
monitorizar os seus níveis de vitamina B12 periodicamente.

Análises ou exames
Se está em tratamento prolongado com Sandostatina Lar, o seu médico poderá querer
monitorizar a função da sua tiroide periodicamente.

O seu médico irá monitorizar a função do seu fígado.

Crianças
A experiência de utilização de Sandostatina Lar em crianças é limitada.

Outros medicamentos e Sandostatina Lar
Informe o seu médico ou farmacêutico se estiver a utilizar, ou tiver utilizado
recentemente, ou se vier a utilizar outros medicamentos.

Geralmente pode continuar a tomar outros medicamentos durante o tratamento com
Sandostatina Lar. Contudo, existem casos descritos de certos medicamentos que
foram afetados pela toma simultânea de Sandostatina Lar como sejam: cimetidina,
ciclosporina, bromocriptina, quinidina e terfenadina.

Se estiver a tomar outros medicamentos para controlar a pressão arterial
(bloqueadores beta ou bloqueadores dos canais de cálcio) ou agentes para controlar o
equilíbrio de fluidos e eletrólitos, o seu médico pode considerar necessários ajustes de
dose.

Se é diabético, o seu médico pode necessitar de ajustar a dose de insulina.

Gravidez e amamentação
Se está grávida ou a amamentar, se pensa estar grávida ou planeia engravidar,
consulte o seu médico antes de tomar este medicamento.

Sandostatina Lar só deve ser usado durante a gravidez se for realmente indispensável.

As mulheres com potencial para engravidar devem utilizar um método contracetivo
efetivo durante o tratamento.

Não deve amamentar enquanto está a utilizar Sandostatina Lar. Não se sabe se
Sandostatina Lar passa para o leite materno.

Condução de veículos e utilização de máquinas
O efeito de Sandostatina Lar sobre a capacidade de condução de veículos ou
utilização de máquinas é inexistente ou negligenciável. Contudo, alguns dos efeitos
secundários que pode sentir enquanto utiliza Sandostatina Lar, tais como dor de
cabeça e cansaço, podem reduzir a sua capacidade de conduzir e utilizar máquinas
com segurança.

3. Como utilizar Sandostatina Lar

Sandostatina Lar deve ser sempre administrada por injeção no músculo das nádegas.
Com a administração repetida, o local de injeção intramuscular deve ser alternado
entre a nádega direita e a nádega esquerda.

Se utilizar mais Sandostatina Lar do que deveria
Não foram notificadas reações adversas graves após sobredosagem de Sandostatina
Lar.

Os sintomas de sobredosagem são: afrontamentos, urinar mais frequentemente,
cansaço, depressão, ansiedade e falta de concentração.

Se pensa que pode ter sofrido uma sobredosagem e caso sinta estes sintomas, informe
o seu médico.

Caso se tenha esquecido de utilizar Sandostatina Lar
Caso seja esquecida uma injeção, recomenda-se que seja administrada logo que se
lembre, continuando-se o tratamento como normalmente. Não haverá problema se se
atrasar uma dose uns dias mas poderão reaparecer alguns sintomas até entrar de novo
no esquema de tratamento.

Se parar de utilizar Sandostatina Lar
Se interromper o tratamento com Sandostatina Lar os sintomas podem reaparecer. Por
esse motivo, não pare de utilizar Sandostatina Lar a menos que o seu médico lhe diga
para o fazer.

Caso ainda tenha dúvidas sobre a utilização deste medicamento, fale com o seu
médico, ou farmacêutico ou enfermeiro.


Efeitos secundários possíveis

Como todos os medicamentos, este medicamento pode causar efeitos secundários,
embora estes não se manifestem em todas as pessoas.

Alguns efeitos secundários podem ser graves. Informe o seu médico imediatamente se
sentir algum dos seguintes:

Muito frequentes (podem afetar mais de 1 em 10 pessoas):
Cálculos biliares, causando dor de costas súbita.
Níveis elevados de açúcar no sangue.

Frequentes (podem afetar até 1 em 10 pessoas):
Redução da atividade da tiroide (hipotiroidismo) provocando alterações no batimento
cardíaco, no apetite ou no peso; cansaço, sensação de frio ou inchaço na parte da
frente do pescoço.
Alterações nos testes de avaliação da função da tiroide. Inflamação da vesicular biliar (colecistite) ); os sintomas podem incluir dor na parte
superior direita do abdomen, febre, náuseas, amarelecimento da pele e dos olhos
(ictrícia).
Níveis reduzidos de açúcar no sangue.
Intolerância à glucose.
Batimento cardíaco lento.

Pouco frequentes (podem afetar até 1 em 100 pessoas):
Sede, diminuição da quantidade de urina, urina escura e pele seca com vermelhidão.
Batimento cardíaco acelerado.

Outros efeitos secundários graves
Reações de hipersensibilidade (alergia) incluindo eritema cutâneo.
Um tipo de reação alérgica (anafilaxia) que causa dificuldades em respirar ou
tonturas.
Uma inflamação da glândula pancreática (pancreatite); os sintomas podem incluir dor
súbita na parte superior do abdomen, náuseas, vómitos, diarreia.
Inflamação do fígado (hepatite); os sintomas podem incluir amarelecimento da pele e
dos olhos (icterícia), náuseas, vómitos, perda de apetite, sensação geral de mal-estar,
prurido, coloração ligeira da urina.
Batimento cardíaco irregular.

Informe o seu médico imediatamente se sentir algum dos efeitos secundários
mencionados acima.

Outros efeitos secundários:
Informe o seu médico, farmacêutico ou enfermeiro se sentir algum dos efeitos
secundários mencionados abaixo. São geralmente ligeiros e tendem a desaparecer com
a continuação do tratamento.

Muito frequentes (podem afetar mais de 1 em 10 pessoas):
Diarreia.
Dor abdominal.
Náuseas.
Obstipação.
Flatulência (gases).
Dor de cabeça.
Dor no local da injeção.

Frequentes (podem afetar até 1 em 10 pessoas):
Desconforto gástrico após as refeições (dispepsia).
Vómitos.
Sensação de enfartamento no estômago.
Fezes gordurosas.
Fezes moles.
Descoloração das fezes.
Tonturas.
Falta de apetite. Alteração dos testes de função hepática.
Queda de cabelo.
Falta de ar.
Fraqueza.

Se tiver quaisquer efeitos secundários, fale com o seu médico, ou farmacêutico ou
enfermeiro.

Comunicação de efeitos secundários
Se tiver quaisquer efeitos secundários, incluindo possíveis efeitos secundários não
indicados neste folheto, fale com o seu médico, farmacêutico ou enfermeiro. Também
poderá comunicar efeitos secundários diretamente ao INFARMED, I.P. através dos
contactos abaixo. Ao comunicar efeitos secundários, estará a ajudar a fornecer mais
informações sobre a segurança deste medicamento.

INFARMED, I.P.
Direção de Gestão do Risco de Medicamentos
Parque da Saúde de Lisboa, Av. Brasil 53
1749-004 Lisboa
Tel: +351 21 798 71 40
Fax: +351 21 798 73 97
Sítio da internet: http://extranet.infarmed.pt/page.seram.frontoffice.seramhomepage
E-mail: farmacovigilancia@infarmed.pt


Como conservar Sandostatina LAR

Conservar no frigorífico (2 - 8 ºC).
Não congelar.
Proteger da luz.

Sandostatina Lar pode permanecer à temperatura ambiente no dia da injeção.
Contudo, a suspensão apenas deve ser preparada imediatamente antes da injeção.

Manter este medicamento fora da vista e do alcance das crianças.

Não utilize este medicamento após o prazo de validade impresso na embalagem
exterior após “EXP” . O prazo de validade corresponde ao último dia do mês
indicado.

Não deite fora quaisquer medicamentos na canalização ou no lixo doméstico.
Pergunte ao seu farmacêutico como deitar fora os medicamentos que já não utiliza.
Estas medidas ajudarão a proteger o ambiente.


Conteúdo da embalagem e outras informações

Qual a composição de Sandostatina LAR A substância ativa é o octreotido (presente como acetato de octreotido) em pó
(microsferas) para suspensão para injeção.
Os outros componentes são:
Pó para suspensão injetável: poli (D,L-láctido-co-glicolido) e manitol.Veículo para
suspensão injetável: carmelose sódica, manitol e água para preparações injetáveis e
poloxamero 188

Qual o aspeto de Sandostatina Lar e conteúdo da embalagem

Sandostatina Lar tem a forma farmacêutica: pó e veículo para suspensão injetável


pó branco a branco com tonalidade amarelada.
Veículo para suspensão injetável: solução transparente, incolor a ligeiramente amarela
ou castanha.

Sandostatina Lar apresenta-se na forma de uma embalagem constituída por um Kit
com adaptador de frasco e agulha de segurança que inclui:
- um frasco de vidro de 6 ml com microsferas contendo 10 mg, 20 mg ou 30 mg de
octreótido;
- uma seringa de vidro pré-cheia contendo 2 ml e solvente/veículo para uso
parentérico.
- um adaptador de frasco;
- uma agulha de injeção de segurança [40 mm; 1,1mm de diâmetro, 20 gauge].

Titular da Autorização de Introdução no Mercado e Fabricante
Novartis Farma - Produtos Farmacêuticos, SA
Avenida Professor Doutor Cavaco Silva, n.º 10E
Taguspark
2740-255 Porto Salvo
Portugal

Fabricante

Novartis Farmacéutica, S.A.
Ronda de Santa Maria, 158
E-08210 Barberá del Vallés - Barcelona
Espanha
e

Novartis Farma - Produtos Farmacêuticos, S.A.
Av. Professor Doutor Cavaco Silva, 10 E, Taguspark
2740-255 Porto Salvo

Este medicamento encontra-se autorizado nos Estados Membros do Espaço
Económico Europeu (EEE) com as seguintes denominações:

Austria, Bulgaria, Cyprus, Czech Republic, Denmark,
Estonia, Finland, Greece, Hungary, Iceland, Ireland, Latvia,
Lithuania, Malta, Norway, Poland, Romania, Slovak Sandostatin LAR Republic, Slovenia, Spain, Sweden, United Kingdom
Belgium, Sandostatine Long Acting
Repeatable France Sandostatine LP Germany Sandostatin LAR-Monatsdepot Luxembourg Sandostatin Long Acting Repeatable The Netherlands Sandostatine LAR Italy, Portugal Sandostatina LAR
Este folheto foi revisto pela última vez em


A informação que se segue destina-se apenas aos profissionais de saúde:

Como utilizar Sandostatina Lar

Acromegalia
Recomenda-se iniciar o tratamento com administração de 20 mg de Sandostatina LAR
com intervalos de 4 semanas durante 3 meses. Os doentes em tratamento com
Sandostatina subcutânea podem começar o tratamento com Sandostatina Lar no dia
seguinte após a última dose de Sandostatina subcutânea. Os ajustes de dose
posteriores devem ser baseados nas concentrações séricas de hormona do crescimento
(GH) e fator-1/somatomedina C de crescimento tipo insulina (IGF-1) e sintomas
clínicos.

Nos doentes em que, neste período de 3 meses, os sintomas clínicos e os parâmetros
bioquímicos (GH; IGF-1) não estiverem inteiramente controlados (concentrações GH
ainda acima de 2,5 microgramas/L), a dose pode ser aumentada para 30 mg de 4 em
4 semanas. Se após 3 meses, GH, IGF-1, e/ou os sintomas não estiverem
adequadamente controlados com a dose de 30 mg, a dose pode ser aumentada para
40 mg de 4 em 4 semanas.

Os doentes com concentrações de GH consistentemente inferiores a 1 micrograma/L,
com concentrações séricas de IGF-1 normalizadas, e em que a maioria dos
sinais/sintomas reversíveis de acromegalia tenham desaparecido após 3 meses de
tratamento com 20 mg, pode administrar 10 mg de Sandostatina LAR em intervalos
de 4 semanas. Contudo, em particular neste grupo de doentes, recomenda-se a
monitorização rigorosa do controlo das concentrações séricas de GH e IGF-1, e dos
sinais/sintomas clínicos nesta dose baixa de Sandostatina Lar.

Em doentes com uma dose estável de Sandostatina Lar, a avaliação de GH e IGF-1
deve ser realizada de 6 em 6 meses.

Tumores endócrinos gastro-entero-pancreáticos

Tratamento de doentes com sintomas associados a tumores endócrinos gastro-entero-
pancreáticos funcionais Recomenda-se iniciar o tratamento com a administração de 20 mg de Sandostatina
Lar, de 4 em 4 semanas. Os doentes em tratamento com Sandostatina s.c. devem
continuar com a dose prévia eficaz durante 2 semanas após a primeira injeção de
Sandostatina Lar.

Para doentes nos quais os sintomas e marcadores biológicos se encontram bem
controlados após 3 meses de tratamento, a dose pode ser reduzida para 10 mg de
Sandostatina Lar, de 4 em 4 semanas.

Para doentes nos quais os sintomas estão apenas parcialmente controlados após 3
meses de tratamento, a dose pode ser aumentada para 30 mg de Sandostatina Lar, de 4
em 4 semanas.

Para os dias em que os sintomas associados com os tumores gastro-entero-
pancreáticos possam aumentar durante o tratamento com Sandostatina Lar,
recomenda-se a administração adicional de Sandostatina s.c. na mesma dose utilizada
antes do tratamento com Sandostatina Lar. Isto pode ocorrer principalmente nos
2 primeiros meses de tratamento até se atingirem as concentrações terapêuticas de
octreotido.

Tratamento de doentes com tumores neuroendócrinos avançados do intestino médio
ou de localização primária desconhecida em que as localizações não originárias do
intestino médio foram excluídas
A dose recomendada é de 30 mg de Sandostatina Lar administrada de 4 em
4 semanas. O tratamento com Sandostatina Lar para o controlo tumoral deve ser
continuado na ausência de progressão tumoral.

Tratmento de adenomas secretores de TSH
O tratamento com Sandostatina Lar deve ser iniciado com a dose de 20 mg em
intervalos de 4 semanas durante 3 meses antes de ser considerado ajuste de dose. A
dose deve ser ajustada com base na TSH e na resposta da tiroide.

Instruções para administração de Sandostatina Lar


INSTRUÇÕES PARA A ADMINISTRAÇÃO DA INJEÇÃO DE SANDOSTATINA
LAR

Unicamente para injeção intraglútea profunda.


Conteúdo: a Um frasco para injetáveis contendo pó de Sandostatina LAR b Uma seringa pré-cheia, contendo o solvente/veículo para uso parentérico c Um adaptador de frasco para a reconstituição do medicamento d Uma agulha de injeção de segurança [40 mm; 1,1mm de diâmetro, 20 gauge]
Siga as instruções que se seguem cuidadosamente, de modo a garantir a completa
saturação do pó e a obtenção de uma suspensão uniforme antes da administração
intramuscular.

A suspensão de Sandostatina Lar deve ser preparada imediatamente antes da
administração. A administração de Sandostatina LAR deve ser efetuada somente por
um profissional de saúde qualificado.

Passo 1
Retire o Kit de Sandostatin Lar do frigorífico de modo a
garantir que a temperatura ambiente seja atingida. Preveja
com um período de aproximadamente 30 a 60 minutos para
o efeito, mas sem exceder as 24 horas.
Lave as mãos com sabão e água quente. Coloque a
embalagem numa superfície limpa e plana. Retire a película
de cobertura do tabuleiro contendo o Kit de injeção.
Pegue no frasco contendo o pó de Sandostatina Lar e
destaque a cápsula de abertura fácil.
Passo 2
Limpe a tampa de borracha do frasco com um algodão
embebido em álcool.
Nota: Não toque na tampa de borracha após a sua
desinfeção.
Retire a película de cobertura do invólucro do adaptador de
frasco. NÃO retire o adaptador de frasco do invólucro.
Segurando no invólucro, coloque o adaptador de frasco no
topo do frasco e pressione completamente para baixo até
encaixar na posição adequada do frasco, confirmado por
um "clique" audível. Segure no invólucro do adaptador e com um movimento
vertical descole o invólucro do adaptador de frasco. Passo 3
Retire a tampa da seringa pré-carregada contendo o
solvente para a reconstituição e enrosque a seringa no
adaptador de frasco.
Empurre lentamente o êmbolo até o fim de forma a
transferir todo o solvente para o frasco. Passo 4
Conserve o frasco em repouso até o solvente saturar o pó de
Sandostatina Lar (pelo menos 2-5 minutos). Nesta fase
prepare o doente para a administração.

Nota: É normal que o êmbolo se mova para cima dado que
pode haver uma ligeira sobrepressão no frasco.






Passo 5
Após o período de saturação, empurre o êmbolo de volta.
Mantenha o êmbolo pressionado e agite o frasco com
suavidade durante 30 segundos na posição horizontal.
Confirme visualmente que o pó está completamente
suspenso no solvente para a reconstituição (suspensão
leitosa uniforme). Volte a agitar por mais trinta segundos
caso o pó não esteja completamente suspenso.

Passo 6
Inverta, a seringa e o frasco, puxe lentamente o êmbolo
para fora e retire todo o conteúdo do frasco para a seringa. Desenrosque a seringa do adaptador de frasco.
Deve proceder-se à administração imediatamente após a
reconstituição. Passo 7
Enrosque a agulha de injeção de segurança na seringa. Retire a proteção da agulha em linha reta.
Inverta suavemente a seringa para manter uma suspensão
uniforme.
Bata suavemente na seringa para eliminar qualquer bolha
visível e expulsá-la da seringa.
A Sandostatina Lar reconstituída está agora pronta para
administração imediata
Passo 8
A Sandostatina Lar deve ser administrada apenas por
injeção intraglútea profunda. Nunca por via intravenosa.
Desinfete a zona de injeção com álcool.
Insira a agulha profundamente no glúteo direito ou
esquerdo.
Lentamente puxe o êmbolo para se certificar de que não
houve penetração de qualquer vaso sanguíneo, caso
contrário mude a posição da agulha.
Administre lentamente com uma pressão constante, por via
intramuscular a dose completa. Depois de completar a
injeção, retire a agulha do local da administração e ative o
dispositivo de segurança, como descrito abaixo no passo 9.

Passo 9
Ative o dispositivo de segurança sobre a agulha, utilizando
uma técnica com uma só mão:
- pressionando a secção articulada do dispositivo de
segurança para baixo sobre superfície rígida, por exemplo,
mesa;
- ou empurrando a dobradiça para a frente com o dedo
indicador certificando-se sempre que mantém todos os
dedos atrás da ponta da agulha.
Um “clique” audível confirma a ativação correta do
mecanismo de segurança.
Elimine o frasco e a seringa com agulha imediatamente
num recipiente para cortantes ou outro recipiente rígido
fechado para eliminação.


DEFINIÇÕES MÉDICAS
  1. Cálculo: Formação sólida, produto da precipitação de diferentes substâncias dissolvidas nos líquidos corporais, podendo variar em sua composição segundo diferentes condições biológicas. Podem ser produzidos no sistema biliar (cálculos biliares) e nos rins (cálculos renais) e serem formados de colesterol, ácido úrico, oxalato de cálcio, pigmentos biliares, etc.
  2. Febre: Elevação da temperatura corporal acima de um valor normal, estabelecido entre 36,7ºC e 37ºC, quando medida na boca.
  3. Icterícia: Pigmentação amarelada da pele e mucosas devido ao aumento da concentração de bilirrubina no sangue. Pode ser acompanhada de sintomas como colúria (ver), prurido, etc. Associa-se a doenças hepáticas e da vesícula biliar, ou à hemólise (ver).
  4. Glândula: Estrutura do organismo especializada na produção de substâncias que podem ser lançadas na corrente sangüínea (glândulas endócrinas) ou em uma superfície mucosa ou cutânea (glândulas exócrinas). A saliva, o suor, o muco, são exemplos de produtos de glândulas exócrinas. Os hormônios da tireóide, a insulina e os estrógenos são de secreção endócrina.
  5. Náuseas: Vontade de vomitar. Forma parte do mecanismo complexo do vômito e pode ser acompanhada de sudorese, sialorréia (salivação excessiva), vertigem, etc.
  6. Pancreatite: Inflamação do pâncreas. A pancreatite aguda pode ser produzida por cálculos biliares, alcoolismo, drogas, etc. Pode ser uma doença grave e fatal. Os primeiros sintomas consistem em dor abdominal, vômitos e distensão abdominal.
  7. Pâncreas: Glândula de secreção endócrina (ver), por sua produção de insulina, glucagon e peptídios intestinais que são lançados na corrente sangüínea e exócrina (ver) por sua produção de potentes enzimas digestivas lançadas no intestino delgado. Localiza-se profundamente na cavidade abdominal e possui um tamanho aproximado de 15x7cm.
  8. Tecido: Conjunto de células de características semelhantes, organizadas em estruturas complexas para cumprir uma determinada função. Exemplo de tecido: o tecido ósseo encontra-se formado por osteócitos dispostos em uma matriz mineral para cumprir funções de sustentação.
  9. Radioterapia: Método que utiliza diversos tipos de radiação ionizante para tratamento de doenças oncológicas.

Síguenos

X