TABINE

Para que serve TABINE

Recomendações
Recorde-se que antes de tomar este medicamento deverá consultar o seu médico, a informação que lhe disponibilizamos é meramente orientativa e não substitui em nenhuma ocasião a consulta de um médico ou qualquer profissional de saúde.

LEMBRE-SE, NUNCA use esta informação para automedicar-se. A consulta de um médico é imprescindível.







I - ID

APRE

Tabin
ampo

VIA

USO

ATEN
VIAIN

COM

Cada

citarab
excipi

II - IN

PA

A prin
não li
respon
leucem
ser ut
Frequ
remis
por te
Em re
para o

2. CO
Tabin
desox
propri
de def

3. QU
Tabin
produ

Este m
imedi

DENTIFICAÇ

ESENTAÇÃO

ne apresenta-

la de 1 mL, 5

INTRAVEN

ADULTO E

NÇÃO

ES

NTRATECA

MPOSIÇÃO

frasco-ampola

bina ..............

ientes: polietil

NFORMAÇÕ

ARA QUE ES

ncipal indicaç
infocíticas (câ
nsável pela p

mias, como le

tilizado sozinh

uentemente, o

sões (desapar

erapias de man

egimes de alta

o tratamento d

OMO ESTE M

ne é um agen

xirribonucleico

iedades antivi

fesa do organi

UANDO NÃO

ne é contraind

uto.

medicamento

iatamente seu

ÇÃO DO ME

O

se na forma

mL ou 10 mL

NOSA, INFUS

PEDIÁTRIC

STE MEDI

AL

a contém:

......................

lenoglicol 400

ÕES AO PAC

STE MEDIC
ção de Tabin

âncer da med

produção do s

eucemia linfo

ho ou em com

os melhores r

recimento tem
nutenção.

as doses com

de leucemias d

MEDICAME

nte antineopl

o - substância

irais (que com

ismo).

O DEVO USA

dicado a pacie

o não deve se
u médico em

S

DICAMENT

de solução in

L.

SÃO INTRAV

CO

ICAMENTO

......................

0, trometamol

CIENTE

AMENTO É

e (citarabina)

dula óssea, ta
sangue) em a

cítica aguda e

mbinação com

resultados são

mporário da do

m ou sem agen

de alto risco, l

NTO FUNCI

lásico (que co

a ou material

mbatem vírus)

AR ESTE ME

entes hipersen

er utilizado p

caso de suspe

Tabine

citarabina

olução injetáv

TO

njetável (100

VENOSA CO

O NÃO D

......................

l, hidróxido de

É INDICADO

solução injet

ambém conhe

adultos e crian

e leucemia m

m outros agen

o obtidos com

oença) induzi

ntes quimioter

eucemias refr

IONA?

ombate o cân
l genético qu

) e imunossup

EDICAMENT

nsíveis (alérgic

por mulheres

eita de gravid

vel

mg/mL) em

ONTÍNUA OU

DEVE SER

......... 100 mg

e sódio, ácido

O?

tável é para o

ecido como “

nças. É tamb
ielocítica crôn

ntes antineoplá

m a terapia
idas por Tabi

rápicos adicio

ratárias e leuce

ncer) que ini

ue forma os s

pressoras (que

TO?


cos) à citarabi

s grávidas se

dez.

embalagem

U SUBCUT

R ADMINI

g

clorídrico, ág

tratamento d
tutano do oss
ém útil no tr

nica (fase blá

ásicos (que co

combinada. T

ine e quando

onais, Tabine

emia recidivan

ibe a formaçã

seres vivos).

diminuem a

ina ou a qualq

em orientação

contendo 1 f

NEA

ISTRADO

gua para injetá

de leucemias a

so”, que é o

ratamento de

ástica). Tabine

ombatem o câ

Têm sido cur

não acompan

e mostrou-se e

nte aguda.

ão do DNA

Também apr

resposta do s

quer compone

ão médica. In

frasco-

POR

áveis.

agudas

órgão

outras

e pode

âncer).

rtas as
nhadas

efetivo

(ácido

resenta

sistema

ente do

nforme






4. O Q
Tabin
antine
Na te
devem
para m
da me
Para a
pacien
iniciar

- Efei
depen
com s
fárma
leucóc
deve
desap
celula
modif
contag
célula
figura
após
interru
defini
de eve
hemor
Ocorr
anafil
Esse f

- Tera
pulmo
espinh
por v
inclue
hemor
podem
disfun
coord
convu
do in
intern
pulmo
de bil
fulmin
Ocorr
adulto
esque
respir
coraçã
citarab
Casos
terapi
para t
Ocorr
movim

QUE DEVO

ne deve ser
eoplásica (que

erapia de indu

m estar à disp

monitorar a to

edicação.

avaliar a adeq

nte em relaçã

r o tratamento

itos Hematoló

nde da dose e

supressão da

aco devem es

citos (células

ser feita diar

parecimento do

ar, o que é um

ficação do tra

gem plaquetá

as de defesa pr
ados (todos os

a suspensão

upção do trat

itivos de recup

entuais compl
rragia devido

reram reações
laxia que resul

fato ocorreu im

apia com Alta

onar, gastrinte

hal) grave, dif

vezes fatal (vi

em toxicidade

rrágica (inflam

m ser evitada

nção cerebral

denação dos m

ulsão e coma;

ntestino) leva

namente), sep

onar (acúmulo

lirrubina no sa

nante do intes

reram casos g
os (mau func

emas terapêut

ratória súbita,

ão) evidente r

bina emprega

s de cardiomi
ia experiment

transplante de

reram neuropa

mentos e pela

SABER ANT

utilizado ap

e combate o câ

ução (primeira

posição do pac

olerabilidade

quação da ter

ão aos conhec

o, o médico de

ógicos: Tabine

do esquema t

medula óssea
tar sob rigoro

de defesa do

riamente. Dev

os blastos (cé

m indicativo d

atamento se

ária inferior a

resentes no sa

s vários tipos

do medicame

tamento. Cas
peração medu
licações, poss

à trombocitop

anafiláticas (

ltou em parad

mediatamente

as Doses: apó
estinal (do es

ferente daque

ide item 8. Q

e reversível
mação ou infe

as ou diminuí

l e cerebelar

movimentos), g

ulceração gas

ando à perit

se (infecção

o de líquido n
angue); necros

stino grosso).
graves e algun

cionamento g

ticos com al
, que progred

radiologicame

ada no tratame

iopatia (lesão

al com altas

medula óssea

atias periférica

sensibilidade

TES DE USA

penas sob a
âncer).

a tentativa de

ciente e da eq

ao fármaco, p

rapia com Tab

cidos efeitos t

eve se familiar

e é um potent

erapêutico ad

a preexistente

osa supervisã

o sangue) e p

vem ser reali

lulas do sangu

de câncer) da

a depressão

50.000, ou se

angue) chegar

de célula pre

ento e alcança

o seja indica

ular. Devem e

sivelmente fat

penia - diminu

reações alérgi

da cardiopulmo

e após a admin

ós terapia com

tômago e do
la observada

Quais os male

de córnea (m

ecção da mem

ídas através d

r (região do

geralmente re
strintestinal g

tonite (inflam

generalizada)
os pulmões);

se (destruição

ns fatais de t

grave dos pul

ltas doses de

diu rapidame

ente (por exam
ento da recaída

do músculo

doses de cita

a. Isso pode se

as motoras e

, respectivame

AR ESTE ME

a supervisão

e diminuir a q
quipe médica
proteger e ma

bine, o médic

tóxicos da cit

rizar com as i

te supressor (i

dotado. A terap

induzida por

ão médica e,
plaquetas (célu

izados, frequ
ue que são m

a circulação s

da medula ó

e a contagem

a níveis infer

esentes no san

ar valores ma

ado, deve-se
estar à disposi

tais, consequ
uição das célu

icas graves) d

onar (do coraç

nistração intra

m altas doses

intestino) e d

com os regim

es que este m
membrana tra

mbrana que co

da administra

sistema ner

eversível, inclu

grave, incluind

mação do pe

e abscesso h

lesão hepática

o) de alças inte

toxicidade pul

lmões por ac

e citarabina.

ente a edema

me de imagem

a (volta) de le

do coração)

arabina em co

er dependente

sensoriais (le

mente) após a c

EDICAMENT

de médicos

quantidade de

recursos labo

anter pacientes

co deve consi

tarabina. Ante

nformações se

inibidor) da m

pia deve ser in

r medicamento

durante a ter

ulas responsáv

uentemente, ex

muito jovens, in

sanguínea. De
óssea induzid

m dos granulóc

riores a 1.000/

ngue) do sang

ais baixos ap

reiniciar a te

ição do pacien

entes da supr

ulas de coagula

durante o tratam

ção e do pulm

avenosa de cita

de citarabina

do sistema ne

mes terapêutic

medicamento p

ansparente da

obre o olho co
ação profilátic

rvoso central

uindo alteraçõ

do pneumatos

eritônio – ca

hepático (acú

a com hiperbi

estinais e colit

lmonar, síndr

cúmulo de lí

Foi observa

a pulmonar c

m) após terapia

eucemia.

com morte su

ombinação com

do esquema p

sões dos nerv

combinação de

TO?

experientes

e células canc

oratoriais e de

s comprometi

iderar os poss

es de decidir

eguintes:

medula óssea;

niciada com c
os. Pacientes

apia de induç
veis pela coa

xames da me
ndicando um

eve-se conside

a por medica

citos polimorf
/mm

3

. As cont

gue podem co

pós períodos d

erapia quando

nte os recurso

essão da medu
ação do sangu

mento com cit

mão) aguda e e

arabina.

(2-3 g/m

2

) re

ervoso central

os convencion

pode me caus

frente do o

om presença d

ca de colírio

responsável

ões de person

e cistoide inte

amada que r

úmulo de pus

ilirrubinemia a

te necrosante

ome da angú
quido) e ede

ada uma sínd

om cardiome

a experimental

ubsequente fo

m ciclofosfam

posológico (da

vos periféricos

e altas doses d

em quimiot

cerosas no sa

e suporte adeq

idos pela toxi

síveis benefíc

quanto à tera

o grau da sup

cautela em pac

que recebere

ção, a contag

agulação do s

edula óssea a

aumento da d

erar a suspen
amento result

fonucleares (t

tagens de elem

ontinuar dimin

de 12 a 24 d

o aparecerem
os para o trata

dula óssea (inf

ue: plaquetas)
itarabina. Rela
exigiu ressusc

elatou-se toxi
l (cérebro e m
nais de citarab

sar?). Essas r

olho) e conju

de hemorragia

de corticoste

l pelo equilíb

nalidade, sono

estinal (ar na

recobre o ab

no fígado);

aumentada (e

(inflamação g

ústia respirató

ema pulmona

drome de an

egalia (aumen

l com altas do

oram relatado

mida, na prep

a dose).

s responsáveis

de citarabina,

terapia

angue),

quados

icidade

cios ao

apia ou

pressão

cientes

m este

gem de

angue)

após o

divisão

são ou

tar em

tipo de

mentos

nuindo

dias da

sinais

amento

fecção,

.

atou-se

itação.

icidade

medula

bina, e

reações

untivite

a), que
eroide;

brio e

lência,
parede

bdome

edema

xcesso

grave e

ria em

ar com

ngústia

nto do

oses de

s após

paração

s pelos






dauno
observ
altera
irreve
Raram
de ca
conve
Quand
pacien
proble

- Tera
em qu
tipo d
do san
de cit
terapê
movim
result
conve

- Fun
(elimi
hepáti
centra
se pos
Devem
pacien
- Sínd
(aume
(cance
para o

- Panc
em co

- Efei
antíge
do sis
infecç
Tabin
vacina

Uso e
As ad

Uso d
Não e
malfo
que p
danos
para e
Filhos
outros
das cr
qualqu
gastro

orrubicina e

var o surgime

ções no esq

ersíveis.
mente, rash cu

abelo) total é
encionais de tr

do o medicam

ntes frequent
ema tende a se

apias com Dos
ue há sangue o

de células de d

ngue: plaquet

tarabina em

êuticas não ci

mentos que s

ando na mor

encionais, por

nção Hepática

ina) parte subs

ica prejudicad

al após tratam

ssível, em dos

m-se realizar
ntes sob tratam

drome da Lise

ento do ácid

erosas). O clín

o uso das med

creatite: foi re

ombinação com

itos Imunossu

enos (patógen

stema de defe

ções graves o
ne. Vacinas c

a pode estar d

em Crianças

dvertências e p

durante a Gra

existem estud

ormações) em

podem engrav

s potenciais ta
evitar a gravid

s de mães ex
s medicament

rianças norma

uer anormali

oenterite (infla



DEFINIÇÕES MÉDICAS
  1. Abscesso: Coleção de pus produzida em geral por uma infecção bacteriana. Pode se formar em diferentes regiões do organismo (cérebro, osso, pele, músculo). Pode causar febre, calafrios, tremores e vermelhidão e dor na área afetada.
  2. Câncer: Crescimento anormal de um tecido celular, capaz de invadir outros órgãos a nível local ou à distância (metástases).
  3. Edema: Acúmulo anormal de líquido nos espaços intercelulares dos tecidos ou em diferentes cavidades corporais (peritôneo, pleura, articulações, etc.).
  4. Hemorragia: Perda de sangue para um órgão interno (tubo digestivo, cavidade abdominal) ou para o exterior (ferimento arterial). De acordo com o volume e velocidade com a qual se produz o sangramento uma hemorragia pode produzir diferentes manifestações nas pessoas, desde taquicardia, sudorese, palidez cutânea, até o choque.
  5. Leucemia: Doença maligna caracterizada pela proliferação anormal de elementos celulares que originam os glóbulos brancos (leucócitos). Como resultado, produz-se a substituição do tecido normal por células cancerosas, com conseqüente diminuição da capacidade imunológica, anemia, distúrbios da função plaquetária, etc.
  6. Rash: Coloração avermelhada da pele como conseqüência de uma reação alérgica ou infecção.
  7. Vacina: Tratamento à base de bactérias, vírus vivos atenuados ou seus produtos celulares, que têm o objetivo de produzir uma imunização ativa no organismo para uma determinada infecção.

Síguenos

X