TADALAFILA

Para que serve TADALAFILA

Recomendações
Recorde-se que antes de tomar este medicamento deverá consultar o seu médico, a informação que lhe disponibilizamos é meramente orientativa e não substitui em nenhuma ocasião a consulta de um médico ou qualquer profissional de saúde.

LEMBRE-SE, NUNCA use esta informação para automedicar-se. A consulta de um médico é imprescindível.


tadalafila
Medicamento Genérico, Lei nº 9.787, de 1999

APRESENTAÇÕES
Comprimidos revestidos de 20 mg: embalagens com 1, 2 ou 4.

USO ORAL
USO ADULTO ACIMA DE 18 ANOS

COMPOSIÇÃO
Cada comprimido revestido contém:
tadalafila ............................................................................................... 20 mg
excipientes q.s.p. ...................................................................... 1 comprimido
(celulose microcristalina, lactose monoidratada, hiprolose, croscarmelose sódica, laurilsulfato de sódio,
estearato de magnésio, hipromelose, dióxido de titânio, macrogol, óxido de ferro amarelo)

INFORMAÇÕES AO PACIENTE

1. PARA QUE ESTE MEDICAMENTO É INDICADO?
A tadalafila é indicada para o tratamento da disfunção erétil.

2. COMO ESTE MEDICAMENTO FUNCIONA?
Definição de disfunção erétil:
quando existe um estímulo sexual, o pênis se enche de sangue e o homem
tem uma ereção. Se o homem tiver disfunção erétil (DE), o pênis não se enche de sangue de forma
adequada e a ereção não é suficiente para ocorrer uma relação sexual. A disfunção erétil, também
chamada de impotência sexual, pode ter diversas causas. É importante consultar um médico para
descobrir a natureza desse problema. A tadalafila pode ajudar o homem com DE a obter e manter uma
ereção quando estiver sexualmente excitado.
Ação do medicamento: a tadalafila é um medicamento para o tratamento da dificuldade de obtenção e/ou
manutenção da ereção do pênis (disfunção erétil). Quando um homem é sexualmente estimulado, a
resposta física normal do seu corpo é o aumento do fluxo sanguíneo no pênis. Isso resulta em uma ereção.
A tadalafila ajuda a aumentar o fluxo de sangue no pênis e pode auxiliar homens com disfunção erétil a
obterem e manterem uma ereção satisfatória para a atividade sexual. Uma vez completa a atividade
sexual, o fluxo sanguíneo do pênis diminui e a ereção termina. Para a tadalafila funcionar, é necessária
uma excitação sexual. O homem não terá uma ereção apenas por tomar um comprimido de tadalafila, sem
a estimulação sexual. A tadalafila age, em média, a partir de 30 minutos, podendo ter ação por até 36
horas.

QUANDO NÃO DEVO USAR ESTE MEDICAMENTO?

A tadalafila não é indicada para homens que não apresentam disfunção erétil.
Este medicamento não deve ser usado por pacientes alérgicos à tadalafila ou a qualquer um dos
componentes do comprimido. A tadalafila não deve ser administrada a pacientes que estejam utilizando
medicamentos contendo nitratos, tais como: propatilnitrato (Sustrate

®

), isossorbida (Monocordil

®

,

Cincordil

®

, Isordil

®

), nitroglicerina (Nitradisc

®

, Nitroderm TTS

®

, Nitronal

®

, Tridil

®

) e dinitrato de

isossorbitol (Isocord

®

).

Não há recomendações e advertências especiais quanto ao uso da tadalafila por idosos.

4. O QUE DEVO SABER ANTES DE USAR ESTE MEDICAMENTO?
Advertências e precauções
A tadalafila deve ser administrada com cuidado àqueles pacientes que apresentem um dos seguintes
problemas de saúde: problemas cardíacos, tais como angina (dor no peito), insuficiência cardíaca,
batimentos cardíacos irregulares ou que tenham tido ataque cardíaco; pressão baixa ou pressão alta não
controlada; derrame, problemas de fígado, problemas com os rins ou que necessitem de diálise, úlceras no
estômago, problemas de sangramento, deformação do pênis ou doença de Peyronie; condições que
predispõem ao priapismo (ereção com mais de quatro horas), tais como anemia falciforme, mieloma

múltiplo ou leucemia. Lembrando também que a atividade sexual pode ser desaconselhada em pacientes
com doenças cardíacas graves, assim como os exercícios físicos em geral. O médico sempre deverá ser
informado sobre os problemas cardíacos do paciente com DE e, então, ele decidirá qual é o tratamento
mais adequado para a DE.
Foram relatados raros casos de perda de visão em homens tomando medicamentos para a disfunção erétil,
incluindo a tadalafila. Este tipo de perda de visão é chamado de neuropatia óptica isquêmica anterior não
arterítica (interrupção do fluxo sanguíneo para o nervo óptico).
Até o momento, não é possível determinar se esses medicamentos causam realmente este tipo de
problema, pois ele também acontece em homens que não os tomam. Pessoas que têm diabetes, pressão
alta, aumento da taxa de colesterol, doença cardíaca e fumantes têm um risco mais alto de ter esta doença
ocular. Caso você tenha alteração na visão durante o tratamento com a tadalafila, pare de tomar o
medicamento e procure seu médico.
Os médicos devem recomendar aos pacientes que interrompam o uso de inibidores de fosfodiesterase 5
(PDE5), incluindo tadalafila, bem como a procurarem uma orientação especializada em casos de
diminuição ou perda repentina de audição. Estes eventos, que podem estar acompanhados de zumbido e
vertigem, foram relatados na associação temporal à introdução de inibidores PDE5, incluindo tadalafila.
Não é possível determinar se estes eventos estão diretamente relacionados ao uso de inibidores PDE5 ou a
outros fatores.
Este medicamento não é indicado para uso em mulheres. Não há estudos de tadalafila em mulheres
grávidas.

Este medicamento contém LACTOSE. Portanto, deve ser usado com cautela em pacientes que
apresentem intolerância à lactose.

Interações medicamentosas
Você deve falar para o médico todos os medicamentos que usa, sejam os receitados ou não,
principalmente os remédios para problemas de coração, pressão alta, problemas da próstata, antibióticos,
medicamentos para o tratamento da AIDS, medicamentos para o tratamento de infecções causadas por
fungos e leveduras; e medicamentos indicados para o tratamento de doenças que afetem o estômago,
como, por exemplo, gastrite e úlcera.
A tadalafila não afetou as concentrações alcoólicas e o álcool não afetou as concentrações plasmáticas de
tadalafila. Em altas doses de álcool (0,7 g/Kg), a adição de tadalafila não induziu diminuição
estatisticamente significativa na pressão sanguínea média. Em alguns indivíduos, foram observadas
tontura postural e hipotensão ortostática (queda da pressão arterial ao levantar-se). Quando a tadalafila foi
administrada com baixas doses de álcool (0,6 g/Kg), hipotensão não foi observada e tonturas ocorreram
com frequência similar ao álcool administrado isoladamente.
A tadalafila pode ser tomada com ou sem alimento.
Não foram conduzidos estudos clínicos com o propósito de investigar possíveis interações entre tadalafila
e plantas medicinais, nicotina, testes laboratoriais e não laboratoriais.

Este medicamento não deve ser utilizado por mulheres grávidas sem orientação médica ou do
cirurgião-dentista.

Informe ao seu médico ou cirurgião-dentista se você está fazendo uso de algum outro medicamento.
Não use medicamento sem o conhecimento do seu médico. Pode ser perigoso para a sua saúde.

5. ONDE, COMO E POR QUANTO TEMPO POSSO GUARDAR ESTE MEDICAMENTO?
Este medicamento deve ser mantido em temperatura ambiente (entre 15 e 30°C). Proteger da umidade.
Número de lote e datas de fabricação e validade: vide embalagem.
Não use medicamento com o prazo de validade vencido. Guarde-o em sua embalagem
original.

Características do medicamento
Este medicamento se apresenta na forma de comprimido revestido na cor amarela, circular, biconvexo,
sem vinco.

Antes de usar, observe o aspecto do medicamento. Caso ele esteja no prazo de validade e você
observe alguma mudança no aspecto, consulte o farmacêutico para saber se poderá utilizá-lo.
Todo medicamento deve ser mantido fora do alcance das crianças.

6. COMO DEVO USAR ESTE MEDICAMENTO?
Este medicamento deve ser administrado somente por via oral e ingerido inteiro, podendo ser tomado
independente das refeições.

Modo de uso
- Dosagem:
a dose máxima recomendada de tadalafila é 20 mg, tomada antes da relação sexual. A
frequência máxima de dose recomendada é uma vez ao dia.
A tadalafila provou ser eficaz a partir de 30 minutos após sua administração, por até 36 horas.
Pacientes podem iniciar a atividade sexual em tempos variáveis em relação à administração, de maneira a
determinar seu próprio intervalo ótimo de resposta.
A duração do tratamento deve ocorrer a critério médico.

Siga a orientação do seu médico, respeitando sempre os horários, as doses e a duração do
tratamento. Não interrompa o tratamento sem o conhecimento do seu médico.
Este medicamento não deve ser partido, aberto ou mastigado.
A eficácia deste medicamento depende da capacidade funcional do paciente.

7. O QUE DEVO FAZER QUANDO EU ME ESQUECER DE USAR ESTE MEDICAMENTO?
A dose máxima diária recomendada da tadalafila é 20 mg, tomada antes da relação sexual e independente
das refeições. Portanto, seu uso é sob demanda.

Em caso de dúvidas, procure orientação do farmacêutico ou de seu médico, ou cirurgião-dentista.

8. QUAIS OS MALES QUE ESTE MEDICAMENTO PODE ME CAUSAR?
Nos estudos clínicos, foram relatadas as seguintes reações adversas com o uso da tadalafila:
- Reação muito comum (ocorre em 10% dos pacientes que utilizam este medicamento): cefaleia (dor
de cabeça).
- Reação comum (ocorre entre 1% e 10% dos pacientes que utilizam este medicamento): dor nas
costas, tontura, dispepsia (indisposição gástrica), rubor facial (vermelhidão no rosto), mialgia (dor
muscular) e congestão nasal (nariz entupido).
- Reação incomum (ocorre entre 0,1% e 1% dos pacientes que utilizam este medicamento):
hiperemia conjuntival (vermelhidão nos olhos), sensações descritas como dor nos olhos, inchaço das
pálpebras e dispneia (falta de ar).

No acompanhamento pós-comercialização de tadalafila, os seguintes eventos adversos foram relatados:
- Reação muito rara (ocorre em menos de 0,01% dos pacientes que utilizam este medicamento):
Corpo como um todo:
reações de hipersensibilidade, incluindo erupção cutânea, urticária (erupção da
pele com coceira), inchaço facial, síndrome de Stevens-Johnson (vermelhidão inflamatória grave da pele
de formato bolhoso) e dermatite esfoliativa (vermelhidão inflamatória da pele com descamação
generalizada).
Cardiovascular e cerebrovascular: eventos cardiovasculares graves, incluindo infarto do miocárdio,
morte súbita cardíaca, acidente vascular cerebral (derrame cerebral), dor no peito, palpitações e
taquicardia (batimento cardíaco acelerado) foram relatados na fase pós-comercialização e foi possível
estabelecer associação temporal com o uso de tadalafila. A maioria dos pacientes que relatou esses
eventos tinha fatores de risco cardiovascular pré-existentes.
Entretanto, não se pode determinar definitivamente se esses eventos são relacionados diretamente a esses
fatores de risco, à tadalafila, à atividade sexual ou à combinação destes e outros fatores.
Outros eventos: hipotensão (diminuição da pressão sanguínea – mais comumente relatada quando a
tadalafila é utilizada por pacientes que já estão tomando agentes anti-hipertensivos), hipertensão (aumento
da pressão sanguínea) e síncope (desmaio).
Gastrointestinal: dor abdominal e refluxo gastroesofágico.

Pele e tecidos subcutâneos: hiperidrose (suor abundante).
Sentidos especiais: visão borrada, neuropatia óptica isquêmica anterior não arterítica (interrupção do
fluxo sanguíneo para o nervo óptico) podendo resultar na diminuição da visão, oclusão (obstrução) da
veia retiniana e diminuição (alteração) do campo visual.
Urogenital: priapismo (ereção dolorosa com mais de 4 horas de duração) e ereção prolongada.
Sistema nervoso: enxaqueca (dor de cabeça).
Sistema respiratório: epistaxe (sangramento pelo nariz).
Audição: na pós-comercialização foram relatados casos de diminuição ou perda repentina da audição em
associação temporal com o uso de inibidores PDE5, incluindo tadalafila. Em alguns casos, foram
relatadas condições médicas e outros fatores que podem igualmente ter causado eventos adversos
auditivos. Em muitos casos, a informação no acompanhamento médico foi limitada. Não é possível
determinar se estes eventos estão relacionados diretamente ao uso de tadalafila, a fatores de risco
subjacentes do paciente para a perda de audição, uma combinação destes fatores ou a outros fatores.

Informe ao seu médico, cirurgião-dentista ou farmacêutico o aparecimento de reações indesejáveis
pelo uso do medicamento. Informe também à empresa através do seu serviço de atendimento.

9. O QUE FAZER SE ALGUÉM USAR UMA QUANTIDADE MAIOR DO QUE A INDICADA
DESTE MEDICAMENTO?
Doses únicas de até 500 mg de tadalafila foram administradas a indivíduos sadios e, doses múltiplas
diárias de até 100 mg de tadalafila, a pacientes. Os eventos adversos foram similares àqueles observados
com doses menores. Em casos de superdose, medidas de suporte padrão devem ser adotadas conforme
necessário. Hemodiálise contribui de modo não significativo para a eliminação da tadalafila.

Em caso de uso de grande quantidade deste medicamento, procure rapidamente socorro médico e
leve a embalagem ou bula do medicamento, se possível. Ligue para 0800 722 6001, se você precisar
de mais orientações.

DIZERES LEGAIS

VENDA SOB PRESCRIÇÃO MÉDICA

Farm. Resp.: Dra. Conceição Regina Olmos
CRF-SP nº 10.772
MS - 1.0181.0652

Medley Indústria Farmacêutica Ltda.
Rua Macedo Costa, 55 - Campinas - SP
CNPJ 50.929.710/0001-79
Indústria Brasileira


IB280613





Anexo B

Histórico de Alteração da Bula

Dados da submissão eletrônica

Dados da petição/notificação que altera bula

Dados das alterações de bulas

Data do

expediente

expediente

Assunto

Data do

expediente

Nº expediente

Assunto

Data da

aprovação

Itens de bula

Versões

(VP/VPS)

Apresentações relacionadas

15/04/2015

Gerado no

momento do

protocolo

10459 –

GENÉRICO –

Inclusão

Inicial de

Texto de Bula

– RDC 60/12

Não se

aplica

Não se aplica

Não se aplica

Não se

aplica

Versão inicial

VP

20 MG COM REV CT BL AL

PLAS TRANS X 1

20 MG COM REV CT BL AL

PLAS TRANS X 2

20 MG COM REV CT BL AL

PLAS TRANS X 4



DEFINIÇÕES MÉDICAS
  1. Dermatite: Inflamação das camadas superficiais da pele, que pode apresentar-se de formas variadas (dermatite seborreica, dermatite de contato...) e é produzida pela agressão direta de microorganismos, substância tóxica ou por uma resposta imunológica inadequada (alergias, doenças auto-imunes).
  2. Derrame: Acúmulo anormal de líquido em qualquer cavidade ou órgão (derrame pleural, derrame pericárdico, derrame cerebral).
  3. Gastrite: Inflamação aguda ou crônica da mucosa do estômago (ver). Manifesta-se por dor na região superior do abdome, acidez, ardor, náuseas, vômitos, etc. Pode ser produzida por infecções, consumo de medicamentos (aspirina), estresse, etc.
  4. Impotência: Termo freqüentemente utilizado para se referir à impotência sexual masculina, distúrbio caracterizado pela incapacidade de iniciar ou manter uma ereção peniana satisfatória para realizar o ato sexual.
  5. Infarto: Morte de um tecido por irrigação sangüínea insuficiente. O exemplo mais conhecido é o infarto do miocárdio, no qual se produz a obstrução das artérias coronárias com conseqüente lesão irreversível do músculo cardíaco.
  6. Leucemia: Doença maligna caracterizada pela proliferação anormal de elementos celulares que originam os glóbulos brancos (leucócitos). Como resultado, produz-se a substituição do tecido normal por células cancerosas, com conseqüente diminuição da capacidade imunológica, anemia, distúrbios da função plaquetária, etc.
  7. Neuropatia: Doença que afeta a um (mononeuropatia) ou vários nervos (polineuropatia). Seus sintomas dependem da localização e tipo de nervo comprometido, podendo ser motores (fraqueza muscular) ou sensitivos (diminuição da sensibilidade, dor). Entre suas causas figuram certos tóxicos, distúrbios metabólicos, infecções, doenças degenerativas, etc.
  8. Taquicardia: Aumento da freqüência cardíaca. Pode ser devido a causas fisiológicas (durante o exercício físico ou gravidez) ou por diversas doenças como sepse, hipertireoidismo e anemia. Pode ser assintomática ou provocar palpitações (ver).
  9. Tecido: Conjunto de células de características semelhantes, organizadas em estruturas complexas para cumprir uma determinada função. Exemplo de tecido: o tecido ósseo encontra-se formado por osteócitos dispostos em uma matriz mineral para cumprir funções de sustentação.
  10. Refluxo gastroesofágico: Presença de conteúdo ácido proveniente do estômago na luz esofágica. Como o dito órgão não está adaptado fisiologicamente para suportar a acidez do suco gástrico, pode ser produzida inflamação de sua mucosa (esofagite).
  11. Urticária: Reação alérgica manifestada na pele como elevações pruriginosas, acompanhadas de vermelhidão da mesma. Pode afetar uma parte ou a totalidade da pele. Em geral é autolimitada e cede em pouco tempo, podendo apresentar períodos de melhora e piora ao longo de vários dias.

Síguenos

X