Ulcecur

Para que serve Ulcecur

Recomendações
Recorde-se que antes de tomar este medicamento deverá consultar o seu médico, a informação que lhe disponibilizamos é meramente orientativa e não substitui em nenhuma ocasião a consulta de um médico ou qualquer profissional de saúde.

LEMBRE-SE, NUNCA use esta informação para automedicar-se. A consulta de um médico é imprescindível.


FOLHETO INFORMATIVO


Leia atentamente este folheto antes de utilizar o medicamento - Conserve este folheto. Pode ter necessidade de o ler novamente.- Caso tenha dúvidas, consulte o seu médico ou farmacêutico. - Este medicamento foi receitado para si. Não deve dá-lo a outros; o medicamento pode ser-lhes prejudicial mesmo que apresentem osmesmos sintomas.

Neste folheto:1. O que é Ulcecur e para que é utilizado 2. Antes de tomar Ulcecur 3. Como tomar Ulcecur

4. Efeitos secundários possíveis 5. Conservação de Ulcecur

6. Outras informações

Ulcecur Comprimidos Revestidos 300mgSubstância activa: Cloridrato de RanitidinaOutros componentes: Avicel pH 102, Croscarmelose sódica, Aerosil 200, Estearato deMagnésio, Eudragit E 12,5%, Talco, Dióxido de titânio, Opaspray K1-7000,Polietilenoglicol 6000 pó e Álcool isopropílico.

Titular da Autorização de Introdução no MercadoFERRING PORTUGUESA - PRODUTOS FARMACÊUTICOS, Sociedade Unipessoal, LDA.Rua Prof. Henrique de Barros - Edifício Sagres - Piso 8, Sala

A

2685-338

PRIOR VELHO

1.
O QUE É Ulcecur E PARA QUE É UTILIZADO

O Ulcecur apresenta-se na forma de comprimidos revestidos contendo 300 mg deRanitidina.

O Ulcecur encontra-se disponível em embalagens blisters de 60 comprimidosrevestidos.O Ulcecur pertence ao grupo dos medicamentos Antagonistas dos receptoresH2(6.2.2.2)O Ulcecur é utilizado no tratamento de:• Úlceras gástricas e duodenais

• Síndroma Zollinger-Ellison • Esofagite de refluxo.2.
ANTES DE UTILIZAR Ulcecur

Não utilize Ulcecur:? se tiver alergia (hipersensibilidade) à Ranitidina ou a outro componente do medicamento; ? se estiver grávida; ? se estiver a amamentar.Tome especial cuidado com Ulcecur:

Nos casos de doentes com disfunção hepática;

Se sofrer de porfíria aguda;

Se sofrer de insuficiência renal;

Se tiver idade superior a 65 anos (idoso).

Utilizar Ulcecur com alimentos e bebidas:Os comprimidos de Ulcecur podem ser administradas com os alimentos.Gravidez e aleitamentoConsulte o seu médico ou farmacêutico antes de tomar qualquer medicamento.O uso de ULCECUR está contra-indicado durante a gravidez, porque o fármaco passaatravés da placenta.O uso de ULCECUR está contra-indicado durante o aleitamento porque o fármacopassa para o leite materno.Condução de veículos e utilização de máquinas:O tratamento com Ulcecur pode alterar a sua capacidade para conduzir veículos eutilizar máquinas, se for doente idoso.

Não conduza nem utilize máquinas perigosas até ter a certeza que o Ulcecur não oafecta de forma adversa.Tomar Ulcecur com outros medicamentos:Informe o seu médico ou farmacêutico se estiver a tomar ou tiver tomadorecentemente outros medicamentos, incluindo medicamentos sem receita médica.

A administração de Ulcecur pode ficar diminuída com a administração sulcralfato;se a mesma administração for faseada em 2 horas não ocorre interacção;

As interacções possíveis não parecem ser significativas clinicamente, pois aranitidina administrada nas doses terapêuticas habituais não potencia o efeito defármacos metabolizados pelo sistema enzimático do citocromo P450, como porexemplo: diazepam, lidocaína, fenitoína, propranolol, teofilina, e varfarina.

administração de Ulcecur pode provocar um aumento nos níveis de potássio nosangue;

3.
COMO UTILIZAR Ulcecur

Tomar Ulcecur sempre de acordo com as instruções do médico. Fale com o seumédico ou farmacêutico se tiver dúvidas.Os comprimidos devem ser ingeridos com líquido. Podem ser administrados antes,durante ou após as refeições.As doses médias aconselhadas variam com as principais indicações:Úlcera duodenal ou gástrica benignaNa terapêutica da fase aguda, a dose recomendada é de 300mg uma vez ao dia aodeitar ou 150mg duas vezes ao dia (de manhã e à noite), durante 4 a 6 semanas.

A

dose de 300mg duas vezes ao dia também pode ser utilizada.Prevenção de recidivasPode usar-se 150mg uma vez ao dia ao deitar.

Esofagite de refluxoPode usar-se doses de 150mg de 12 em 12 horas ou 300mg à noite, durante 8semanas. A dose pode ser aumentada para 159mg quatro vezes ao dia em casosseveros.Síndroma de Zollinger-EllisonA dose inicial é de 150 mg, 2 a 3 vezes ao dia podendo ser aumentada, sob critérioclínico (até 6g/dia em situação de doença grave).Úlcera péptida associada aos AINE'sTratamento agudo: Em úlcera pós terapêutica com AINE's ou associada a fármacosAINE, pode ser necessário 8-12 semanas com 150mg 2 vezes por dia ou 300mg ànoite.Profilaxia: Na prevenção da úlcera duodenal associada a AINE's, pode seradministrada ranitidina 150mg 2 vezes ao dia (ou 300 mg à noite) de uma formaconcomitante com AINE's.Insuficiência Renal

- A dose de 300mg não deverá ser utilizada em doentes com insuficiência renal grave (clearance da creatinina < 50ml/min). Neste caso, a dose recomendada é de150 mg por dia. - Em doentes em diálise peritoneal ambulatória crónica ou hemodiálise crónica, a dose de 150mg deverá ser administrada após a sessão de diálise.

Crianças

- A dose recomendada no tratamento da úlcera duodenal ou gástrica em crianças é2-4mg/Kg, duas vezes ao dia, por via oral, até um máximo de 300mg por dia. - A dose recomendada em situações de refluxo gastroesofágico é de 2 a 8 mg/kg depeso corporal, três vezes ao dia.

Doentes idosos- Não existem nenhumas recomendações especiais.

Se tomar mais Ulcecur do que deveriaSintomas: hipotensão grave, bloqueio concomitante do sistema renina-angiotensina eletargia.Tratamento: Após a ingestão de uma dose excessiva de Ulcecur deve sercuidadosamente monitorizado. Devem-se realizar-se as medidas usuais de remoçãode fármaco não absorvido quando for atempado; monitorização clínica e terapêuticade suporte. Se necessário o fármaco pode ser removido do plasma por hemodiálise.Consulte imediatamente o seu médico ou farmacêutico, recorra ao hospital maispróximo ou consulte o Centro de Informação Anti-Venenos (CIAV). Telefone: 21 79501 43.Caso se tenha esquecido de utilizar UlcecurCaso se tenha esquecido de uma dose, deverá tomar o comprimido o maisrapidamente possível, continuando o tratamento da forma prescrita. No entanto,quando já estiver próxima a toma seguinte, é preferível não tomar o comprimido quefoi esquecido e tomar o seguinte à hora prevista.Não tome uma dose a dobrar para compensar a dose que se esqueceu de tomar.4.

EFEITOS SECUNDÁRIOS POSSÍVEIS


Como os demais medicamentos, Ulcecur pode ter efeitos secundários.A maior parte dos efeitos secundários são mínimos e temporários, pois o Ulcecur é geralmentebem tolerado.

Sistema Nervoso Central (SNC)Pouco frequente: mal-estar, tonturas, sonolência, insónias e vertigens.Raramente: confusão mental, agitação, depressão e alucinações (normalmente, emindivíduos idosos gravemente doentes).CardiovascularesRaramente taquicardia, bradicardia.GastrointestinaisObstipação, diarreia, náuseas, vómitos, desconforto abdominal e dor abdominal.HepáticosRaramente: hepatite reversível (hepatocelular ou hepatocanicular com ou sem icterícia)HematológicosRaramente: leucopénia, granulocitopénia, trombocitopénia e pancitopénia.OutrosRash (frequentemente)Raramente: Artralgias, e reacções de hipersensibilidade (broncoespasmo, febre,eosinofilia), pancreatite aguda, aplasia medular e alterações da visão (reversíveis poralteração da acomodação).Muito raramente: impotência reversível.Caso detecte efeitos secundários não mencionados neste folheto, informe o seumédico ou farmacêutico.5.
CONSERVAÇÃO DE Ulcecur

Não conservar acima de 25°

C

Manter fora do alcance e da vista das crianças.Prazo de validadeNão utilize Ulcecur após expirar prazo de validade indicado na embalagem.Este folheto foi revisto pela última vez em Agosto de 2005



DEFINIÇÕES MÉDICAS
  1. Febre: Elevação da temperatura corporal acima de um valor normal, estabelecido entre 36,7ºC e 37ºC, quando medida na boca.
  2. Icterícia: Pigmentação amarelada da pele e mucosas devido ao aumento da concentração de bilirrubina no sangue. Pode ser acompanhada de sintomas como colúria (ver), prurido, etc. Associa-se a doenças hepáticas e da vesícula biliar, ou à hemólise (ver).
  3. Impotência: Termo freqüentemente utilizado para se referir à impotência sexual masculina, distúrbio caracterizado pela incapacidade de iniciar ou manter uma ereção peniana satisfatória para realizar o ato sexual.
  4. Náuseas: Vontade de vomitar. Forma parte do mecanismo complexo do vômito e pode ser acompanhada de sudorese, sialorréia (salivação excessiva), vertigem, etc.
  5. Pancreatite: Inflamação do pâncreas. A pancreatite aguda pode ser produzida por cálculos biliares, alcoolismo, drogas, etc. Pode ser uma doença grave e fatal. Os primeiros sintomas consistem em dor abdominal, vômitos e distensão abdominal.
  6. Taquicardia: Aumento da freqüência cardíaca. Pode ser devido a causas fisiológicas (durante o exercício físico ou gravidez) ou por diversas doenças como sepse, hipertireoidismo e anemia. Pode ser assintomática ou provocar palpitações (ver).
  7. Rash: Coloração avermelhada da pele como conseqüência de uma reação alérgica ou infecção.
  8. Refluxo gastroesofágico: Presença de conteúdo ácido proveniente do estômago na luz esofágica. Como o dito órgão não está adaptado fisiologicamente para suportar a acidez do suco gástrico, pode ser produzida inflamação de sua mucosa (esofagite).

Síguenos

X