Ulcermate

Para que serve Ulcermate

Recomendações
Recorde-se que antes de tomar este medicamento deverá consultar o seu médico, a informação que lhe disponibilizamos é meramente orientativa e não substitui em nenhuma ocasião a consulta de um médico ou qualquer profissional de saúde.

LEMBRE-SE, NUNCA use esta informação para automedicar-se. A consulta de um médico é imprescindível.



FOLHETO INFORMATIVO


ulcermate

comprimidos

suspensãooral

Por favor leia, cuidadosamente, este folheto, antes de iniciar o tratamento comulcermate.Conserve este folheto. Pode ter necessidade de o ler novamente.Caso tenha dúvidas, consulte o seu médico ou farmacêutico.Este medicamento foi receitado para si. Não deve dá-lo a outros; o medicamento podeser-lhes prejudicial mesmo que apresentem os mesmos sintomas.

IDENTIFICAÇÃO

O nome comercial do seu medicamento é: ulcermateO nome genérico da substância activa é: sucralfato.A forma farmacêutica deste medicamento é em comprimidos ou suspensão e vaitomá-lo por via oral.Um comprimido contém 1g de sucralfato.5 ml de suspensão oral contêm 1 g de sucralfato.ulcermate comprimidos apresenta-se à venda nas farmácias em embalagenscontendo 20 ou 60 comprimidos.ulcermate suspensão apresenta-se à venda nas farmácias em embalagens contendo20 ou 60 saquetas.Categoria fármaco - terapêutica:ulcermate inclui-se no grupo VII-3-b)4 – aparelho digestivo - antiácidos eantiulcerosos – outros antiulcerosos.O sucralfato actua sobre a mucosa gástrica, estimulando os seus mecanismosnaturais de regeneração. Esse efeito é, provavelmente, mediado por um aumentolocal da síntese de prostaglandinas.Por outro lado, no meio ácido do estômago, o sucralfato dissocia-se, formando iões desulfato de sacarose que se ligam às proteínas existentes na mucosa lesada. Oscomplexos sulfato de sacarose-proteínas, que se formam, são, prolongadamente,resistentes à hidrólise péptica e impermeáveis à difusão do ácido clorídrico e dosácidos e sais biliares.Nome e domicílio do responsável pela autorização de introdução no mercado:

Jaba Farmacêutica, S.A.Rua da Tapada Grande n.º 2, Abrunheira, 2710-089 Sintra, PortugalINFORMAÇÕ

ES GERAIS

Indicações terapêuticasEm que situações está indicado ulcermate?ulcermate está indicado nas seguintes situações:Úlcera péptica, gástrica ou duodenal: resultados recentes indicam que, ao contrário doque sucede com outros antiulcerosos, a eficácia do sucralfato mantém-se mesmo emdoentes com hábitos tabágicos persistentes.Gastrites erosivas, duodenites, esofagites de refluxo.Prevenção da úlcera de stress e da pneumonia nosocomial em doentes ventilados eprevenção da hemorragia após escleroterapia de varizes esofágicas. Nestes casosestá especialmente indicado o uso da suspensão.Nas estomatites e mucosites recomenda-se também o uso de suspensão.Contra-indicaçõesQuando é que não se deve tomar ulcermate ?Não se conhecem contra-indicações, apenas situações em que, a administração dofármaco se deve rodear de algumas precauções.Não tome ulcermate se tem hipersensibilidade (alergia) à substância activa(sucralfato) ou a qualquer outro excipiente.Efeitos secundáriosQue efeitos indesejáveis se podem sentir ao tomar ulcermate?Sendo um produto pouco absorvido, praticamente não apresenta efeitos secundários.O mais frequente é a obstipação que ocorre apenas em cerca de 2,2 % dos doentes.Outros efeitos muito mais raros são: secura da boca, náuseas, vómitos, diarreia,desconforto gástrico, rash cutâneo, prurido, dorsalgias, sonolência e vertigens queocorrem numa percentagem inferior a 0,5 %.Acções a empreender caso ocorram estes efeitosComo acima referido, são situações extremamente raras. Mas nestes casos devereduzir a dose ou suspender a terapêutica conforme orientação do médico.Precauções especiais de utilizaçãoQue precauções se devem ter ao tomar ulcermate?Nenhumas, além das resultantes das interacções medicamentosas abaixo referidas.Interacções medicamentosas e outras

Estudos em animais mostraram que a administração simultânea de sucralfato comtetraciclina, fenitoína, digoxina, cimetidina, ranitidina, ciprofloxacina, norfloxacina eteofilina originou uma redução estatisticamente significativa na biodisponibilidadedestes agentes.O mecanismo destas interacções é de natureza não sistémica, resultante da ligação dosucralfato ao fármaco administrado concomitantemente, no tracto gastrointestinal.A biodisponibilidade destes fármacos pode ser restabelecida fazendo a sua administraçãoduas horas antes da toma de ulcermate.Devido à capacidade do sucralfato alterar a absorção de alguns fármacos do tubogastrointestinal, e na ausência de informações precisas sobre todos os outros medicamentos,

convém respeitar as mesmas regras, separando também as administrações tal como se referiuatrás.

Efeitos em grávidas e lactentesGrávidasOs ensaios em animais com doses 50 vezes superiores à dose aconselhada no serhumano não revelaram qualquer efeito teratogénico.Os estudos realizados em mulheres grávidas, tal como a experiência clínicaacumulada, não evidenciaram qualquer tipo de toxicidade no feto. No entanto, a suautilização deve ser limitada às situações em que seja estritamente necessária.LactentesRelativamente ao aleitamento, desconhece-se se o sucralfato é excretado no leitehumano, como tal deve ser exercida vigilância sobre os lactentes caso sejaadministrado à mãe.Efeitos em crianças, idosos e doentes com patologias especiaisEfeitos em criançasO sucralfato pode ser administrado em qualquer grupo etário. Existem estudos emcrianças a partir dos três meses na posologia adequada, contudo as patologiastratadas com sucralfato são pouco usuais na criança.Efeitos em idosos e doentes com patologias especiaisNos idosos, uma vez que as funções fisiológicas estão habitualmente diminuídasconvém administrar ulcermate com precaução.O insuficiente renal crónico com creatinémia superior a 50 mg/l corre o risco deacumulação tissular de alumínio que pode conduzir a uma encefalopatia. Os casosreferidos na literatura correspondem a tomas quotidianas de 1 a 5 g de alumíniodurante meses, ou anos.Se bem que as quantidades absorvidas de alumínio a partir do sucralfato sejammínimas, no insuficiente renal crónico evitar a administração prolongada. Neste casodevem ser controlados periodicamente os níveis sanguíneos de alumínio, fosfato,cálcio e fosfatase alcalina.

É prudente não administrar sucralfato durante muito tempo em indivíduos comhipofosfatémia.Efeitos sobre a capacidade de condução e utilização de máquinasNão estão descritos quaisquer efeitos.Posologia, modo e via de administração e qual o momento mais favorável àadministraçãoComo administrar este medicamento?A administração faz-se por via oral, nas seguintes patologias e do seguinte modo:Úlcera gástrica, úlcera duodenal, gastrite erosiva, duodenite – 2 comprimidos demanhã e ao deitar; 2 saquetas de suspensão de manhã e ao deitar.Esofagite de refluxo – 1 carteira de suspensão após as três refeições principais e aodeitar.Terapêutica da fase aguda - Na úlcera gástrica e na úlcera duodenal, a duraçãohabitual do tratamento é de 4 a 8 semanas, podendo ir até 12 semanas ou mesmomais em doentes seleccionados, por indicação do seu clínico assistente.Terapêutica de manutenção - Em casos de úlcera gástrica ou duodenal, 1 comprimidoou 1 carteira de suspensão de manhã e ao deitar.

Estomatites e mucosites – 1 carteira de suspensão 6 vezes por dia, após higiene oralde rotina e ao deitar. A suspensão deve ser retida na boca durante 2 minutos e emseguida deitada fora ou deglutida.

Prevenção da úlcera de stress e pneumonia nosocomial em doentes ventilados – 1carteira de suspensão de 4 em 4 horas.

No caso da suspensão deve colocar-se o conteúdo de 1 carteira directamente na bocaou numa colher e ingerir. Pode beber-se água em seguida.Como fazer se se esquecer de tomar uma ou mais dosesQuando se esquecer de tomar uma ou mais doses, o doente deve continuar otratamento de acordo com o esquema estabelecido.

Medidas a adoptar se a suspensão do medicamento causar efeitos de privaçãoNão se aplica.

Medidas a adoptar em caso de sobredosagem ou intoxicaçãoO que fazer se acidentalmente ingerir uma dose superior à terapêutica?Não há experiência no Homem de sobredosagem.Estudos em animais de toxicidade oral aguda com 12 g/Kg não permitiram encontrar adose letal.Lista de excipientes cujo conhecimento seja eventualmente necessário para autilização conveniente do medicamentoulcermate 1g/5ml suspensão oral contém metilparabeno e propilparabeno(conservantes).Conselhos ao utenteTodos os medicamentos para além dos efeitos benéficos podem apresentar efeitossecundários.Caso ocorra algum efeito diferente dos mencionados nos "efeitos secundários" devecomunicá-lo ao seu médico ou farmacêutico.Não se esqueça de verificar se o medicamento está dentro do prazo de validadeinscrito na embalagem.Medicamento sujeito a receita médica.Manter fora do alcance e da vista das crianças.Não guardar acima de 25ºC.

Precauções especiais para destruição do medicamento não utilizado ou dosresíduos derivados do medicamentoSe ocorrer qualquer alteração ou tiver expirado o prazo de validade dos comprimidosou da suspensão não deve deitar fora a embalagem com os comprimidos oususpensão, mas inutilizá-los primeiro a fim de que ninguém os possa ingerir.Data da aprovação do folheto:Jaba Farmacêutica, S.A.Rua da Tapada Grande n.º 2, Abrunheira, 2710-089 Sintra, Portugal – Tel.: 21 432 95 00



DEFINIÇÕES MÉDICAS
  1. Gastrite: Inflamação aguda ou crônica da mucosa do estômago (ver). Manifesta-se por dor na região superior do abdome, acidez, ardor, náuseas, vômitos, etc. Pode ser produzida por infecções, consumo de medicamentos (aspirina), estresse, etc.
  2. Hemorragia: Perda de sangue para um órgão interno (tubo digestivo, cavidade abdominal) ou para o exterior (ferimento arterial). De acordo com o volume e velocidade com a qual se produz o sangramento uma hemorragia pode produzir diferentes manifestações nas pessoas, desde taquicardia, sudorese, palidez cutânea, até o choque.
  3. Náuseas: Vontade de vomitar. Forma parte do mecanismo complexo do vômito e pode ser acompanhada de sudorese, sialorréia (salivação excessiva), vertigem, etc.
  4. Rash: Coloração avermelhada da pele como conseqüência de uma reação alérgica ou infecção.
  5. Varizes: Dilatação anormal de uma veia. Podem ser dolorosas ou causar problemas estéticos quando são superficiais como nas pernas. Podem também ser sede de trombose, devido à estase sangüínea.

Síguenos

X