Ultraproct

Para que serve Ultraproct

Recomendações
Recorde-se que antes de tomar este medicamento deverá consultar o seu médico, a informação que lhe disponibilizamos é meramente orientativa e não substitui em nenhuma ocasião a consulta de um médico ou qualquer profissional de saúde.

LEMBRE-SE, NUNCA use esta informação para automedicar-se. A consulta de um médico é imprescindível.



FOLHETO INFORMATIVO


Leia atentamente este folheto antes de tomar o medicamento. - Conserve este folheto. Pode ter necessidade de o reler. - Caso tenha dúvidas, consulte o seu médico ou farmacêutico. - Este medicamento foi receitado para si. Não deve dá-lo a outros; o medicamento
pode ser-lhes prejudicial mesmo que apresentem os mesmos sintomas.
Neste folheto: 1. O que é Ultraproct e para que é utilizado? 2. Antes de utilizar Ultraproct 3. Como utilizar Ultraproct? 4. Efeitos secundários possíveis 5. Conservação de Ultraproct
O nome do seu medicamento é
Ultraproct Creme Rectal 1 mg/g + 20 mg/g
Ultraproct Supositórios 1 mg + 40 mg
As substâncias activas são 21-pivalato de fluocortolona e cloridrato de lidocaína
(anidro). 1 g de creme contém 1 mg de 21-pivalato de fluocortolona e 20 mg de
cloridrato de lidocaína. 1 supositório contém 1 mg de 21-pivalato de fluocortolona e 40
mg de cloridrato de lidocaína.

Os outros componentes de Ultraproct, creme rectal são Polisorbato 60, Estearato de
sorbitano, Álcool cetoestearílico, Parafina líquida, Vaselina branca, Edetato de sódio,
Dihidrogenofosfato de sódio dihidratado, Monohidrogenofosfato de sódio, Álcool
benzílico, Água purificada.

O outro componente de Ultraproct, supositórios é Glicéridos semi-sintéticos W35
(Witepsol W35).

Titular da Autorização de Introdução no Mercado INTENDIS PORTUGAL, SOCIEDADE UNIPESSOAL, LDA.
Estrada Nacional 249, Km 15
2725-397 MEM MARTINS

O que é Ultraproct e para que é utilizado?

Ultraproct contém um glucocorticóide (21-pivalato de fluocortolona) e um anestésico
local (cloridrato de lidocaína). O 21-pivalato de fluocortolona inibe a inflamação e
reacções alérgicas de pele e alivia queixas subjectivas como comichão (prurido), ardor
e dor. O cloridrato de lidocaína é um anestésico local padrão que tem sido utilizado há
muitos anos. Como esta substância alivia a dor (efeito analgésico) e reduz a comichão
(efeito anti-pruriginoso), verificou-se ser efectiva quando utilizada em supositórios e cremes indicados para o tratamento de queixas hemorroidárias.

Ultraproct Creme Rectal é utilizado para o alívio sintomático da dor, edema ou
prurido associado a doença hemorroidária.

Ultraproct Supositórios são usados para o alívio sintomático da dor, edema ou
prurido associado a doença hemorroidária.

Ultraproct não elimina as causas de desenvolvimento de doença hemorroidária,
proctite e eczema anal.
No caso da doença hemorroidária ser acompanhada de inflamação e de sintomas de
pele ao nível do eczema, a utilização combinada de Ultraproct creme rectal e de
Ultraproct Supositórios pode ser recomendada.

Ultraproct Creme Rectal é um creme branco, opaco, disponível em bisnagas de 30 g e

g.

Ultraproct Supositórios são supositórios branco amarelados, disponíveis em
embalagens de 10 supositórios.

Antes de utilizar Ultraproct

Não utilizar Ultraproct:
• no caso de ser hipersensível (alérgico) ao 21-pivalato de fluocortolona ou ao
cloridrato de lidocaína ou a qualquer um dos restantes componentes do
Ultraproct. • no caso do médico diagnosticar uma infecção de pele na área afectada e se
sofrer de sintomas das doenças seguintes na área afectada: o lesões de pele específicas (processos sifilíticos e tuberculosos) o varicela o reacções a vacinação.

Tomar especial precaução com Ultraproct

No caso do médico diagnosticar que a sua doença de pele é acompanhada de
infecções bacterianas, virais, fúngicas ou parasitárias, é necessária terapia específica
adicional.

Deve evitar o contacto de Ultraproct com os olhos. Recomenda-se a lavagem
cuidadosa das mãos após cada aplicação.

Ultraproct Creme Rectal contém álcool cetoestearílico. Pode causar reacções
cutâneas locais (ex: dermatite de contacto).

Crianças e adolescentes
Não é recomendado o tratamento em crianças e adolescentes na medida em que não
foram realizados estudos clínicos em crianças e adolescentes.

Gravidez

Se está grávida ou a amamentar, o seu médico deverá ter em conta estes aspectos
antes de prescrever Ultraproct; por favor, informe-o de que está grávida ou a
amamentar ou que poderá engravidar.

Como regra geral, preparações tópicas contendo glucocorticosteróides não devem ser
aplicadas durante os primeiros três meses de gravidez. Em particular, deverá ser
evitada a utilização prolongada.

Condução de veículos e utilização de máquinas

Não aplicável.

Utilizar Ultraproct com outros medicamentos

Informe o seu médico ou farmacêutico se estiver a tomar ou tiver tomado
recentemente outros medicamentos ou produtos naturais, incluindo medicamentos
sem receita médica.

Se estiver a ser tratado com fármacos anti-arrítmicos, a lidocaína deverá ser utilizada
com precaução.

Como utilizar Ultraproct?

Antes da aplicação de Utraproct, que deve ser feita depois de defecar, deve limpar
cuidadosamente a região anal.

Não deve utilizar Ultraproct para além das 2 semanas.

Desde que não exista prescrição médica em contrário, deverão cumprir-se as
seguintes instruções:
• Creme rectal
Geralmente, deve aplicar o creme 2 vezes por dia, de manhã e à noite, ou mesmo até
3 vezes por dia nos primeiros dias de tratamento. Após a melhoria da situação, muitas
vezes é suficiente uma aplicação por dia.

Deve aplicar uma pequena porção de creme – do tamanho de uma ervilha – com o
dedo na região e orifício anais, ultrapassando-se a resistência do esfíncter com a
ponta do dedo.

Se o creme tiver que ser aplicado dentro do recto, deve utilizar o aplicador, que se enrosca à bisnaga, e introduzi-lo no ânus, pressionando, depois, levemente a bisnaga
de modo a introduzir uma pequena porção de creme no recto. No entanto, em lesões muito inflamadas e consequentemente dolorosas, é
aconselhável a aplicação interna do creme com o dedo, nas primeiras vezes. Os
prolapsos nodulares devem ser cobertos com uma espessa camada de creme e com
muito cuidado introduzidos com o dedo para dentro do recto.
• Supositórios
Geralmente, deve inserir um supositório profundamente no ânus, 2 vezes por dia, de
manhã e à noite, introduzindo o supositório, ou 3 vezes durante os primeiros 3 dias, se
as queixas forem intensas. Com melhoria contínua, é suficiente, em muitos casos, um
supositório por dia ou, então, em cada 2 dias.

Se tiver a impressão de que o efeito de Ultraproct é muito forte ou muito fraco, fale
com o seu médico ou farmacêutico.

Se utilizar mais Ultraproct do que devia (sobredosagem)

Se mais que uma dose for administrada, por via rectal ou perianal, em qualquer uma
vez, não é esperado qualquer risco agudo de toxicidade.

Se o medicamento for acidentalmente tomado oralmente (por exemplo, algumas
gramas de creme ou mais do que um supositório engolido), os principais efeitos
esperados são os efeitos sistémicos do cloridrato de lidocaína que podem ser
caracterizados, de acordo com a dose, como cardiovasculares graves (desde
depressão até à paralisação da função cardíaca) e sintomas relativos ao sistema
nervoso central – SNC (convulsões, desde inibição até à paralisação da respiração).

Caso se tenha esquecido de utilizar Ultraproct

Não tome uma dose dupla de Ultraproct para compensar uma dose que se tenha
esquecido.

Efeitos da interrupção do tratamento com Ultraproct

Contacte, por favor, o seu médico se os sintomas originais da sua pele afectada
ocorrerem novamente.

Efeitos secundários possíveis

Como os demais medicamentos, Ultraproct pode ter efeitos secundários.

Ultraproct Creme Rectal:

A incidência de efeitos indesejáveis foi calculada a partir da recolha de dados de
ensaios clínicos envolvendo 661 doentes. Os efeitos indesejáveis apenas se verificam ao nível de perturbações de pele na região anal com queimadura como efeito
indesejável comum (= 1 %, < 10 %) e irritação e reacções alérgicas como pouco
comuns. As reacções alérgicas a qualquer um dos ingredientes do creme não devem
ser excluídas. Após terapia prolongada com Ultraproct (para além das quatro semanas), existe o
risco do paciente poder desenvolver alterações locais na pele, como redução da pele
(atrofia), estrias ou telangiectasia. Ultraproct Supositórios: A incidência de efeitos indesejáveis foi calculada a partir da recolha de dados de
ensaios clínicos envolvendo 367 doentes. Os efeitos indesejáveis apenas se verificam
ao nível de perturbações de pele na região anal com queimadura como efeito
indesejável comum (= 1 %, < 10 %) e irritação como pouco comum (= 0,1 %, < 1 %).
As reacções alérgicas a qualquer um dos ingredientes do creme não devem ser
excluídas. Após terapia prolongada com Ultraproct (para além das quatro semanas), existe o
risco do paciente poder desenvolver alterações locais na pele, como redução da pele
(atrofia), estrias ou telangiectasia.

Caso detecte efeitos secundários não mencionados neste folheto, informe o seu
médico ou farmacêutico.

Conservação de Ultraproct

Manter fora da vista e do alcance das crianças.

Não conserve Ultraproct acima de 25º C.

Não utilize Ultraproct após expirar o prazo de validade indicado na embalagem.


Data de revisão do texto: Setembro 2005


SE TEM ALGUMA DÚVIDA, CONSULTE O SEU MÉDICO OU FARMACÊUTICO.




DEFINIÇÕES MÉDICAS
  1. Bactéria: Organismo unicelular, capaz de auto-reproduzir-se. Existem diferentes tipos de bactérias, classificadas segundo suas características de crescimento (aeróbicas ou anaeróbicas, etc.), sua capacidade de absorver corantes especiais (Gram positivas, Gram negativas), segundo sua forma (bacilos, cocos, espiroquetas, etc.). Algumas produzem infecções no ser humano, que podem ser bastante graves.
  2. Dermatite: Inflamação das camadas superficiais da pele, que pode apresentar-se de formas variadas (dermatite seborreica, dermatite de contato...) e é produzida pela agressão direta de microorganismos, substância tóxica ou por uma resposta imunológica inadequada (alergias, doenças auto-imunes).
  3. Edema: Acúmulo anormal de líquido nos espaços intercelulares dos tecidos ou em diferentes cavidades corporais (peritôneo, pleura, articulações, etc.).
  4. Eczema: Doença da pele caracterizada pelo surgimento de lesões generalizadas sob forma de placas, manchas ou bolhas, devido a uma reação por contato local ou por ação de uma agressão sistêmica.
  5. Parasita: Organismo uni ou multicelular que vive às custas de outro, denominado hospedeiro. A presença de parasitos em um hospedeiro pode produzir diferentes doenças dependendo do tipo de afecção produzida, do estado geral de saúde do hospedeiro, de mecanismos imunológicos envolvidos, etc. São exemplos de parasitas: a sarna, os piolhos, os áscaris (lombrigas), as tênias (solitárias), etc.
  6. Vacina: Tratamento à base de bactérias, vírus vivos atenuados ou seus produtos celulares, que têm o objetivo de produzir uma imunização ativa no organismo para uma determinada infecção.
  7. Varicela: Doença viral freqüente na infância e caracterizada pela presença de febre e comprometimento do estado geral juntamente com a aparição característica de lesões que têm vários estágios. Primeiro são pequenas manchas avermelhadas, a seguir formam-se pequenas bolhas que finalmente rompem-se deixando uma crosta. ?? contagiosa, mas normalmente não traz maiores conseqüências à criança. As bolhas e suas crostas, se não sofrerem infecção secundária, não deixam cicatriz.

Síguenos

X