VACINA HAEMOPHILUS INFLUENZAE B (CONJUGADA)

Para que serve VACINA HAEMOPHILUS INFLUENZAE B (CONJUGADA)

Recomendações
Recorde-se que antes de tomar este medicamento deverá consultar o seu médico, a informação que lhe disponibilizamos é meramente orientativa e não substitui em nenhuma ocasião a consulta de um médico ou qualquer profissional de saúde.

LEMBRE-SE, NUNCA use esta informação para automedicar-se. A consulta de um médico é imprescindível.


BUL_PAC_VZABC_000


I) IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO
VACINA HAEMOPHILUS INFLUENZAE B (CONJUGADA)

FORMA FARMACÊUTICA
Pó liofilizado injetável + solução diluente

APRESENTAÇÕES
Cartucho com 10 frascos ampolas de vidro incolor unidose + Cartucho com 10 ampolas diluente de 0,5m

L
Cartucho com 3 frascos ampolas de vidro incolor unidose + 3 ampolas diluente de 0,5m

L
Cartucho com 50 frascos ampolas de vidro incolor 5 doses + Cartucho com 50 ampolas diluente de 2,5m

L
Cartucho com 10 frascos ampolas de vidro incolor 5 doses + Cartucho com 10 ampolas diluente de 2,5m

L
Cartucho com 10 frascos ampolas de vidro incolor 10 doses + Cartucho com 10 ampolas diluente de 5,0m

L
Cartucho com 50 frascos ampolas de vidro incolor 10 doses + Cartucho com 50 ampolas diluente de 5,0m

L

VIA DE ADMINISTRAÇÃO
USO INTRAMUSCULAR
USO PEDIÁTRICO

COMPOSIÇÃO
Cada dose da vacina reconstituída (0,5m

L) contém:

No mínimo 10µg de Polissacarídeo capsular purificado (PRRP) de Haemophilus influenzae tipo b (Hib)
conjugada com aproximadamente 30µg de toxóide tetânico.
Excipiente: Lactose.
Diluente:
Solução salina estéril e fenolada para as apresentações 5 e 10 doses
Solução salina estéril para as apresentações Unidose.


II) INFORMAÇÕES AO PACIENTE

1.

PARA QUÊ ESTE MEDICAMENTO É INDICADO?

A vacina Haemophilus influenzae b (conjugada) é indicada para imunização ativa de todos os bebês a partir
de 6 semanas de idade, contra a doença causada por Haemophilus influenzae tipo b.
A vacina Haemophilus influenzae b (conjugada) não protege contra a doença causada por outros tipos de
Haemophilus influenzae nem contra a meningite causada por outros microrganismos.

2.

COMO ESTE MEDICAMENTO FUNCIONA?

A vacina Haemophilus influenzae b (conjugada) é destinada à prevenção de infecções graves causadas pela
bactéria Haemophilus influenzae tipo b, responsável por doenças como meningite, pneumonia, otite (infecção
de ouvido), epiglotite (pode causar morte por sufocação), pericardite (inflamação da membrana que envolve o
coração) e artrite séptica (uma doença que afeta as articulações).


3.

QUANDO NÃO DEVO USAR ESTE MEDICAMENTO?

A vacina Haemophilus influenzae b (conjugada) não deve ser administrada a indivíduos com conhecida
hipersensibilidade a qualquer componente da vacina, ou a indivíduos tendo apresentado sinais de
hipersensibilidade após administração prévia de vacinas Hib.

Assim como com outras vacinas, a administração da vacina Haemophilus influenzae b (conjugada) deve
ser adiada em indivíduos sofrendo de doença febril aguda grave. A presença de uma infecção menor não é
uma contra-indicação absoluta para a vacinação, no entanto deve ser seguida a recomendação médica.

BUL_PAC_VZABC_000

Este medicamento é contra-indicado para uso por pacientes com doença febril aguda grave.
GRAVIDEZ E LACTAÇÃO

Não existem dados suficientesdisponíveis sobre o uso durante a gravidez ou lactação em humanos e estudos
de reprodução animal.

4.

O QUE DEVO SABER ANTES DE USAR ESSE MEDICAMENTO?

Assim como com todas as vacinas injetáveis, o tratamento médico apropriado e supervisão devem sempre
estar prontamente disponíveis em caso de um raro vento anafilático após a administração da vacina.

A vacina Haemophilus influenzae b
(conjugada) deve ser administrada por via subcutânea a pacientes com
trombocitopenia ou com algum distúrbio de coagulação, já que sangramento pode ocorrer após uma
administração intramuscular nestes pacientes.
A infecção com o Vírus da Imunodeficiência Humana (HIV) não é considerada como uma contra-indicação
para a administração da vacina Haemophilus influenzae b (conjugada).

Embora uma limitada resposta imune ao componente daanatoxina tetânica possa ocorrer, a vacinação
somente com a vacina Haemophilus influenzae b (conjugada) não substitui a vacinação rotineira contra o
tétano.

GRAVIDEZ E LACTAÇÃO


Não existem dados suficientesdisponíveis sobre o uso durante a gravidez ou lactação em humanos e estudos
de reprodução animal.

INTERAÇÕES MEDICAMENTOSAS
A vacina Haemophilus influenzae b
(conjugada) pode ser administrada simultaneamente ou, a qualquer
tempo, antes ou após uma vacina de vírus vivo ou inativado.

Assim como com outras vacinas, em pacientes recebendo terapia imunossupressora ou pacientes com
imunodeficiência, uma resposta adequada pode não ser atingida.
Não deve-se misturar a vacina Haemophilus influenzae b (conjugada) com outras vacinas na mesma
seringa. Vacinas injetáveis diferentes devem ser administradas em diferentes locais de injeção.

A vacina Haemophilus influenzae b
(conjugada) não deve ser administrada a indivíduos com conhecida
hipersensibilidade a qualquer componente da vacina, ou a indivíduos tendo apresentado sinais de
hipersensibilidade após administração prévia de vacina Hib.

Assim como com outras vacinas, a administração da vacina Haemophilus influenzae b (conjugada) deve ser
adiada em indivíduos sofrendo de doença febril aguda grave. A presença de uma infecção menor, no entanto,
não é uma contra-indicação para a vacinação.

Este medicamento contém LACTOSE.

Informe seu médico ou cirurgião dentista se você está fazendo uso de algum outro medicamento.

5.

ONDE, COMO E POR QUANTO TEMPO POSSO GUARDAR ESTE MEDICAMENTO?


Número de lote e datas de fabricação e validade: vide embalagem.

Não use medicamento com o prazo de validade vencido. Guarde-o em sua embalagem original.

- A vacina liofilizada deve ser armazenada em geladeira entre 2 e 8ºC.
- O prazo de validade desta vacina é de 24 meses a partir da fabricação.

BUL_PAC_VZABC_000

- Cuidados devem ser adotados no apropriado transporte e armazenamento, a fim de manter a integridade
tanto da vacina quanto do frasco.
- A vacina liofilizada não deve ser congelada.
- Após a reconstituição, a vacina deve ser armazenada ao abrigo da luz direta e em temperaturas
comprovadamente entre 2 e 8ºC.
- Após a reconstituição, recomenda-se agitar suavemente o frasco da vacina antes de cada aplicação, para
evitar a formação de pequenos grumos e filamentos.
- O diluente pode ser armazenado no refrigerador ou à temperatura ambiente, e não deve ser congelado.
- A vacina liofilizada não deve ser congelada.
- A vacina reconstituída não deve ser congelada.
- O prazo de validade da vacina reconstituída é de até 5 dias desde que mantida em temperaturas entre 2 e 8ºC
e se adotados cuidados que mantenham a integridade tanto da vacina quanto do frasco.
- Qualquer quantidade não utilizada da vacina neste período deve ser descartada com segurança de acordo
com os procedimentos estabelecidos localmente.

Depois de aberto, este medicamento deve ser utilizado em até 5 dias.

- A vacina é liofilizada e apresenta-se como uma pastilha móvel de cor branca.
- O diluente é solução salina estéril e fenolada, límpida e incolor para as apresentações 05 e 10 doses, e
solução salina estéril, límpida e incolor para a apresentação unidose.
- Após a reconstituição, apresenta-se como uma solução límpida e incolor.
- O diluente e a vacina reconstituída devem ser visualmente inspecionados antes da administração para a
detecção de qualquer partícula estranha e/ou variação do aspecto físico.
- Caso um destes venha a ser observado, entrar em contato com o laboratório produtor.

Antes de usar, observe o aspecto do medicamento. Caso ele esteja no prazo de validade e você observe
alguma mudança no aspecto, consulte o farmacêutico para saber se poderá utilizá-lo.

Todo medicamento deve ser mantido fora do alcance das crianças.

6.

COMO DEVO USAR ESTE MEDICAMENTO?

- A vacina deve ser reconstituída com todo o volume do diluente fornecido pelo produtor.
- Para reconstituição da vacina, acrescentar lentamente, com o auxílio de uma agulha e seringa estéreis, todo o
conteúdo do diluente ao frasco da vacina liofilizada.
- Agitar suavemente até a reconstituição completa da vacina, de modo a obter uma solução límpida e incolor.
- O volume total obtido após a reconstituição será de aproximadamente 0,5 m

L para a apresentação unidose,
2,5 m

L para a apresentação 05 doses e 5,0 m

L para a apresentação 10 doses.
- O uso de outros diluentes, de outras vacinas ou de produtos de outros fabricantes pode alterar as
características e propriedades da vacina e/ou causar reações nos indivíduos vacinados.

7.

O QUE DEVO FAZER QUANDO EU ME ESQUECER DE USAR ESTE MEDICAMENTO?

É importante que você siga as instruções quanto às visitas de retorno. Se você esquecer de retornar para
vacinação na data marcada, consulte o seu médico.

Em caso de dúvidas, procure orientação do farmacêutico ou do seu médico, ou cirurgião dentista.

8.

QUAIS OS MALES QUE ESTE MEDICAMENTO PODE ME CAUSAR?

Em estudos clínicos controlados, sinais e sintomas foram ativamente monitorados e registrados em cartões
diários após a administração da vacina.
Os sintomas gerais que foram relatados dentro das primeiras 48 horas foram leves e desapareceram
espontaneamente. As reações muito comuns (ocorre em 10% dos pacientes que utilizam este medicamento)

BUL_PAC_VZABC_000

foram: dor no local da aplicação, irritabilidade, febre, sonolência, falta de apetite, vermelhidão, edema e calor
no local da injeção que desapareceram espontaneamente.
Reação comum (ocorre entre 1% e 10% dos pacientes que utilizam este medicamento): Choro persistente
Reação incomum (ocorre entre 0,1% e 1% dos pacientes que utilizam este medicamento): Febre alta maior
que 39º
Reação rara (ocorre entre 0,01% e 0,1% dos pacientes que utilizam este medicamento): reações alérgicas
incluindo reações anafilactóides.
Assim como com todas as vacinas Hib, estes sintomas gerais foram também relatados quando a vacina foi
administrada concomitantemente com outras vacinas.

Informe ao seu médico, cirurgião dentista ou farmacêutico o aparecimento de reações indesejáveis pelo
uso do medicamento. Informe também à empresa através do seu serviço de atendimento.

9.

O QUE FAZER SE ALGUÉM USAR UMA QUANTIDADE MAIOR QUE A INDICADA DESTE

MEDICAMENTO?

Este medicamento é disponibilizado ao Programa Nacional de Imunizações e faz parte do Calendário de
Imunizações do Ministério da Saúde. Logo não há riscos desta ocorrência.

Em caso de uso de grande quantidade deste medicamento procure rapidamente socorro médico e leve a
embalagem ou bula do medicamento, se possível. Ligue para

00 722 6001

, se você precisar de mais
orientações.

III) DIZERES LEGAIS
Registro no MS Nº 1.1063.0122
Resp. Téc.: Maria da Luz F. Leal – CRF-RJ Nº 3726
Fundação Oswaldo Cruz
Instituto de Tecnologia em Imunobiológicos - BIO-MANGUINHOS
Av. Brasil, 4365 - Manguinhos – Rio de Janeiro – RJ
Cep: 21040-900
Indústria Brasileira

CNPJ

33.781.055/0001-35

SAC.

(21) 3882-7101

VENDA PROIBIDA AO COMÉRCIO

USO SOB PRESCRIÇÃO MÉDICA


BUL_PAC_VZABC_000

Histórico de Alteração da Bula

Dados da submissão eletrônica

Dados da Notificação/petição que altera a bula

Dados das alterações de Bula

Data do

expediente

Expediente

Assunto

Data do

expediente

Nº Expediente

Assunto

Data da

aprovação

Itens de bula

Versões

(VP/VPS)

Apresentações relacionadas

-

-

-

15/07/2010

601995/10-1

Alteração de texto de
bula – adequação RDC
47/2009.

-

Apresentações
Advertências e Precauções
Interações
Medicamentosas
Modo de Uso
Posologia
Cuidados de conservação

VP/VPS

-5 frascos-ampola componente Hib
liofilizado + 5 frascos-ampola 2,5m

L
componente DTP (5 doses)
-10 frascos-ampola componente Hib
liofilizado + 10 frascos-ampola 5,0m

L
componente DTP (10 doses)
-10 frascos-ampola componente Hib
liofilizado + 10 frascos-ampola 2,5m

L
componente DTP (5 doses)



DEFINIÇÕES MÉDICAS
  1. Bactéria: Organismo unicelular, capaz de auto-reproduzir-se. Existem diferentes tipos de bactérias, classificadas segundo suas características de crescimento (aeróbicas ou anaeróbicas, etc.), sua capacidade de absorver corantes especiais (Gram positivas, Gram negativas), segundo sua forma (bacilos, cocos, espiroquetas, etc.). Algumas produzem infecções no ser humano, que podem ser bastante graves.
  2. Edema: Acúmulo anormal de líquido nos espaços intercelulares dos tecidos ou em diferentes cavidades corporais (peritôneo, pleura, articulações, etc.).
  3. Febre: Elevação da temperatura corporal acima de um valor normal, estabelecido entre 36,7ºC e 37ºC, quando medida na boca.
  4. Imunização: Processo mediante o qual se adquire, de forma natural ou artificial, a capacidade de defender-se perante uma determinada agressão bacteriana, viral ou parasitária. O exemplo mais comum de imunização é a vacinação contra diversas doenças (sarampo, coqueluche, gripe, etc.).
  5. Imunodeficiência: Distúrbio do sistema imunológico que se caracteriza por um defeito congênito ou adquirido em um ou vários mecanismos que interferem na defesa normal de um indivíduo perante infecções ou doenças tumorais.
  6. Tétano: Toxinfecção produzida por uma bactéria chamada Clostridium tetani. Esta, ao infectar uma ferida cutânea, produz uma toxina (tetanospasmina) altamente nociva para o sistema nervoso que produz espasmos e paralisia dos nervos afetados. Pode ser fatal. Existe vacina contra o tétano (antitetânica) que deve ser tomada sempre que acontecer um traumatismo em que se suspeita da contaminação por esta bactéria. Se a contaminação for confirmada, ou se a pessoa nunca recebeu uma dose da vacina anteriormente, pode ser necessário administrar anticorpos exógenos (de soro de cavalo) contra esta toxina.
  7. Vacina: Tratamento à base de bactérias, vírus vivos atenuados ou seus produtos celulares, que têm o objetivo de produzir uma imunização ativa no organismo para uma determinada infecção.

Síguenos

X