VACINA INFLUENZA TRIVALENTE (SUBUNITÁRIA, INATIVADA)

Para que serve VACINA INFLUENZA TRIVALENTE (SUBUNITÁRIA, INATIVADA)

Recomendações
Recorde-se que antes de tomar este medicamento deverá consultar o seu médico, a informação que lhe disponibilizamos é meramente orientativa e não substitui em nenhuma ocasião a consulta de um médico ou qualquer profissional de saúde.

LEMBRE-SE, NUNCA use esta informação para automedicar-se. A consulta de um médico é imprescindível.


Texto de Bula:

VACINA INFLUENZA TRIVALENTE (SUBUNITÁRIA, INATIVADA) 2015

I - IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO

NOME COMERCIAL

Vacina influenza trivalente (subunitária, inativada) 2015

DENOMINAÇÃO GENÉRICA DOS PRINCÍPIOS ATIVOS

Vacina influenza trivalente (subunitária, inativada)

APRESENTAÇÕES

Seringa preenchida com uma dose de 0,5 mL de suspensão injetável.

Cartuchos com 1 seringa preenchida e cartuchos com 10 seringas preenchidas.

SOMENTE PARA ADMINISTRAÇÃO INTRAMUSCULAR OU SUBCUTNEA

PROFUNDA

USO ADULTO E PEDIÁTRICO ACIMA DE 6 MESES DE IDADE

FORMA FARMACÊUTICA

Suspensão injetável.

Volume líquido: 0,5 mL.

COMPOSIÇÃO

Cada dose de 0,5 mL da suspensão injetável contém:

Ingredientes ativos: Antígenos de superfície (hemaglutinina e neuraminidase) do vírus

influenza, propagados em ovos fertilizados de galinhas saudáveis de granja, das seguintes

cepas:

A/California/7/2009 (H1N1)pdm09 – [cepa análoga: (A/California/7/2009, NYMC X-

181)]...................................................................................................................15 µg de HA*

A/Switzerland/9715293/2013 (H3N2) – [cepa análoga: (A/Switzerland/9715293/2013, NIB-

88)].............................................................................................................15 µg de HA*

B/Phuket/3073/2013

[cepa

análoga:

(B/Brisbane/9/2014,

tipo

selvagem)]..........................................................................................................15 µg de HA*

* Hemaglutinina viral por dose de 0,5 mL.

A composição da vacina segue a recomendação da Organização Mundial da Saúde para o

Hemisfério Sul para o ano 2015.

Excipientes:
cloreto de sódio; cloreto de potássio; fosfato de potássio monobásico; fosfato de sódio

dibásico di-hidratado; cloreto de magnésio hexa-hidratado; cloreto de cálcio di-hidratado e

água para injetáveis.

A vacina influenza trivalente (subunitária, inativada) pode conter resíduos das seguintes

substâncias: ovos, proteínas de galinha, canamicina e sulfato de neomicina, formaldeído,

brometo de cetiltrimetilamônio (CTAB), polissorbato 80 e sulfato de bário.

Esta vacina não contém tiomersal ou outra substância conservante.

Esta vacina não contém mais do que 0,2 µg de ovalbumina por dose de 0,5 mL e 0,1 µg de

ovalbumina por dose de 0,25 mL.

II - INFORMAÇÕES AO PACIENTE

PARA QUE ESTE MEDICAMENTO É INDICADO?

A vacina influenza trivalente (subunitária, inativada) é indicada para a profilaxia

(prevenção) da influenza (gripe).

A vacina é recomendada para crianças com idade igual ou superior a 6 (seis) meses e adultos

sem limite de idade, principalmente para aqueles com risco aumentado de complicações

associadas à influenza.

Segundo as orientações do Ministério da Saúde brasileiro, a vacinação anual é recomendada

para idosos a partir dos 60 anos e para pessoas a partir dos 6 (seis) meses de vida com as

seguintes condições de risco:

• HIV/AIDS;

• Transplantados de órgãos sólidos e medula óssea;

• Doadores de órgãos sólidos e medula óssea devidamente cadastrados nos programas de

doação;

• Imunodeficiências congênitas;

• Imunodepressão devido a câncer ou imunossupressão terapêutica;

• Cuidadores domiciliares de imunodeprimidos;

• Cardiopatias crônicas;

• Pneumopatias crônicas;

• Asplenia anatômica ou funcional e doenças relacionadas;

• Diabetes mellitus;

• Fibrose cística;

• Trissomias;

• Implante coclear;

• Doenças neurológicas crônicas incapacitantes;

• Usuários crônicos de ácido acetilsalicílico;

• Nefropatia crônica / síndrome nefrótica;

• Asma;

• Hepatopatias crônicas.

A vacinação anual é também recomendada a todos os profissionais de saúde.

A vacina pode ser utilizada também por todas as pessoas com idade igual ou superior a 6

(seis) meses que desejam reduzir o risco de contrair influenza e suas complicações.

COMO ESTE MEDICAMENTO FUNCIONA?

A vacina influenza trivalente (subunitária, inativada) é utilizada para prevenir a influenza

(gripe), infecção respiratória causada pelo Myxovirus influenzae (vírus influenza).

A influenza é uma doença infecciosa aguda, potencialmente grave, que se caracteriza por

início abrupto, febre, tosse, mialgia (dor muscular) generalizada e cefaleia (dor de cabeça).

Pode causar coriza e dor de garganta. A influenza deve ser diferenciada do resfriado comum.

A influenza pode determinar complicações como pneumonia (viral ou bacteriana), otite e,

mais raramente, óbito.

A vacina induz a formação de anticorpos contra os vírus influenza (a vacina contém três

diferentes variantes do vírus influenza) que protegem contra a doença e principalmente suas

complicações.

A proteção oferecida por esta vacina se dá geralmente a partir de 2 a 3 semanas após a

vacinação. A duração da proteção contra as cepas utilizadas na vacina ou contra cepas

muito semelhantes é geralmente de seis meses a um ano. Recomenda-se a revacinação

anual.

Esta vacina oferece proteção somente contra influenza.

A vacina não protege contra doenças semelhantes à influenza que não foram causadas pelo
Myxovirus influenzae

(vírus influenza).

QUANDO NÃO DEVO USAR ESTE MEDICAMENTO?

A vacina não deve ser utilizada por pessoas com alergia verdadeira às proteínas do ovo, isto

é, que tenham apresentado uma reação anafilática após a ingestão de ovo; hipersensibilidade

(alergia verdadeira) aos componentes da vacina, seus excipientes, substâncias residuais ou

proteínas de galinha, tais como ovalbumina.

A vacina influenza trivalente (subunitária, inativada) pode conter resíduos das seguintes

substâncias: ovos, proteínas de galinha, canamicina e sulfato de neomicina, formaldeído,

brometo de cetiltrimetilamônio (CTAB), polissorbato 80 e sulfato de bário.

A vacinação deve ser adiada no caso de doença febril ou infecção aguda.

Por medida de precaução, esta vacina não deve ser utilizada por mulheres grávidas sem

recomendação médica.

Este medicamento é contraindicado para menores de 6 meses de idade.

O QUE DEVO SABER ANTES DE USAR ESTE MEDICAMENTO?

Antes de ser vacinado, informe ao médico:

- Caso você ou seu filho esteja com alguma doença aguda ou febre, se você ou seu filho tem

ou teve anteriormente alergia à vacina influenza ou a qualquer um dos componentes da

fórmula.

- Caso você esteja grávida.

- Caso você ou seu filho esteja sendo submetido à terapia imunossupressora, p.ex.

quimioterapia para câncer ou tratamento com corticosteroide ou se é portador de alguma

imunodeficiência (doença que diminua a imunidade).

Informe ao seu médico se você tomou ou está tomando medicamentos imunossupressores,

pois esses medicamentos podem alterar o efeito da vacina.

Precauções e advertências

A vacina não pode ser aplicada em nenhuma circunstância por via intravascular.

Como com qualquer vacina injetável, supervisão e tratamentos médicos devem estar sempre

facilmente disponíveis no caso de um evento anafilático após a administração da vacina.

Desmaio, sensação de desmaio ou outras reações relacionadas ao estresse podem ocorrer

como resposta a qualquer injeção com agulha (vide seção 8. Quais os males que este

medicamento pode me causar?). Informe ao seu médico ou enfermeiro caso tenha

apresentado este tipo de reação anteriormente.

Esta vacina não pode ser misturada com outras vacinas para administração na mesma injeção.

Uso durante a gravidez e lactação (amamentação)

Os dados limitados sobre o uso em gestantes não indicam efeito adverso sobre o feto e a

gestação.

A utilização desta vacina pode ser considerada a partir do segundo trimestre da

gravidez.

A administração desta vacina é recomendada para gestantes com problemas prévios de

saúde que possam aumentar o risco de complicações caso estas adquiram a influenza,

independentemente do período de gestação.

A lactação não é contraindicação para o uso da vacina.

Este medicamento não deve ser utilizado por mulheres grávidas sem orientação médica ou do

cirurgião-dentista.

Impacto na habilidade de dirigir ou utilizar maquinário
A probabilidade de a vacina comprometer a habilidade de dirigir ou utilizar maquinário é

mínima.

Interações medicamentosas
A vacina influenza trivalente (subunitária, inativada) pode ser aplicada ao mesmo tempo

que outras vacinas, desde que em locais anatômicos diferentes. Mas, deve-se lembrar que os

eventos adversos podem ser intensificados. Não é necessário intervalo para administração de

outras vacinas.

A resposta à vacina pode ser reduzida quando a pessoa estiver com doença ou tratamento que

diminua a imunidade.

A vacina influenza trivalente (subunitária, inativada) pode determinar resultados falso-

positivos aos testes do tipo ELISA para o diagnóstico do HIV-1, vírus da hepatite C e HTLV-

1. Nestes casos, o teste Western Blot esclarece a reação falso-positiva do teste ELISA. As

reações falso-positivas transitórias podem ser devidas à resposta de anticorpos do tipo IgM

induzidos pela vacina.

Informe ao seu médico ou cirurgião-dentista se você está fazendo uso de algum outro

medicamento.

Não use medicamentos sem o conhecimento do seu médico, pode ser perigoso para a sua

saúde.

5. ONDE, COMO E POR QUANTO TEMPO POSSO GUARDAR ESTE

MEDICAMENTO?

A vacina deve ser armazenada e transportada sob refrigeração (temperatura entre 2

o

C e 8

o

C),

em sua embalagem original e protegida da luz.

A vacina não deve ser colocada no congelador ou freezer; o congelamento é estritamente

contraindicado. Se a vacina foi congelada, descarte-a.

Desde que mantida sob refrigeração nas temperaturas recomendadas, o prazo de validade da

vacina é de 01 ano a partir da data de fabricação. O prazo de validade corresponde ao último

dia do mês indicado.

Número de lote e datas de fabricação e validade: vide embalagem.

Não use medicamento com prazo de validade vencido. Guarde-o em sua embalagem

original

.

A vacina é uma suspensão injetável em uma seringa preenchida que se apresenta como um

líquido claro.

Antes de usar, observe o aspecto do medicamento. Caso ele esteja no prazo de validade e

você observe alguma mudança no aspecto, consulte o farmacêutico para saber se poderá

utilizá-lo.

Todo medicamento deve ser mantido fora do alcance das crianças.

COMO DEVO USAR ESTE MEDICAMENTO?

Esta vacina deve ser administrada somente por um médico ou profissional de saúde

habilitado.

Posologia
- Crianças de 6 a 35 meses de idade não vacinadas previamente: 2 doses de 0,25 mL, com um

mês de intervalo entre as doses. Para crianças vacinadas anteriormente, uma única dose é

suficiente.

- Crianças de 3 a 8 anos de idade não vacinadas previamente: 2 doses de 0,5 mL, com um

mês de intervalo entre as doses. Para crianças vacinadas anteriormente, uma única dose é

suficiente.

- Adultos e crianças a partir de 9 anos de idade: 1 dose de 0,5 mL.

Via de administração, local e cuidados na administração
A aplicação deve ser feita por via intramuscular, podendo ser feita por via subcutânea

profunda.

Não deve ser aplicada em nenhuma circunstância por via intravascular.

Cuidados na administração

Deve-se permitir que a vacina atinja a temperatura ambiente antes da administração. A vacina

deve ser agitada antes da aplicação. A solução injetável apresenta-se como um líquido claro.

Antes da administração, inspecione a vacina quanto à presença de partículas ou descoloração,

sempre que a suspensão e o recipiente permitirem. Se houver qualquer uma dessas condições,

não use o conteúdo.

A vacina deve ser aplicada por via intramuscular, de preferência no músculo deltoide, em

crianças maiores de 2 anos e adultos; na região do vasto lateral da coxa em crianças menores

de 2 anos; ou por via subcutânea profunda.

Se for necessária a administração de uma dose de 0,25 mL para crianças utilizando a seringa

com uma dose de 0,5 mL, inicialmente deve-se descartar metade do conteúdo até a marca

correspondente (um traço preto pequeno na seringa) e, posteriormente, aplicar o volume

remanescente de 0,25 mL.

Não é necessário intervalo para administração de outras vacinas. A vacina pode ser aplicada

simultaneamente com outras vacinas, desde que em local anatômico diferente.

Todos os produtos não utilizados ou material residual devem ser descartados, de acordo com

a legislação local.

Siga a orientação de seu médico, respeitando sempre os horários, as doses e a duração

do tratamento. Não interrompa o tratamento sem o conhecimento do seu médico.

O QUE DEVO FAZER QUANDO EU ME ESQUECER DE USAR ESTE

MEDICAMENTO?

Quando um esquema de duas doses for utilizado, mesmo que tenha passado a data de seu

filho (a) receber a segunda dose, esta pode ser aplicada sem necessidade de repetir a primeira.

Em caso de dúvidas, procure orientação do farmacêutico ou de seu médico, ou do

cirurgião-dentista.

QUAIS OS MALES QUE ESTE MEDICAMENTO PODE ME CAUSAR?

Informe ao seu médico caso observe que você ou seu filho esteja apresentando alguma reação

adversa.

Reações adversas observadas em estudos clínicos
A segurança das vacinas influenza trivalentes inativadas é avaliada em ensaios abertos, não

controlados, realizados como exigência da atualização anual. Esses ensaios incluem pelo

menos 50 adultos com idade de 18 a 60 anos e pelo menos 50 adultos com idade igual ou

superior a 61 anos. A avaliação da segurança é realizada nos primeiros três dias após a

vacinação.

Os seguintes efeitos indesejáveis foram observados durante ensaios clínicos, de acordo com a

frequência de sua ocorrência:

Muito comuns (?1/10); Comuns (?1/100, <1/10); Incomuns (?1/1.000, <1/100); Raros

(?1/10.000, <1/1.000); Muito raros (<1/10.000), incluídos aqui relatos isolados.

Reações comuns (ocorrem em até 10% das pessoas que utilizam esta vacina)

Alterações do sistema nervoso: Cefaleia (dor de cabeça)*.

Alterações da pele e tecido subcutâneo: Sudorese*.

Alterações músculo-esqueléticas e do tecido conectivo: Mialgia (dor muscular), artralgia (dor

articular)*.

Alterações gerais e do local de administração: Febre, mal-estar, calafrios (tremores), cansaço.

Reações locais: Eritema (vermelhidão*), edema (inchaço), dor, equimose (mancha arroxeada

na pele), enduração*.

*Estas reações usualmente desaparecem dentro de 1 a 2 dias, sem tratamento.

Reações adversas relatadas durante a vigilância pós-comercialização

Como esses eventos

foram relatados

voluntariamente por uma população

de tamanho incerto

,

não é

possível

estimar

sua frequência

ou estabelecer,

para todos os eventos

, uma relação

causal com a exposição

à vacina.

Reações adversas detectadas por vigilância pós-comercialização são, além das reações

observadas durante os ensaios clínicos, as seguintes:

Reações acometendo o sangue e sistema linfático: Diminuição do número de plaquetas e

inchaço das glândulas no pescoço, na axila ou virilha.

Alterações gerais e no local de administração: Reações tipo celulite no local da injeção

(alguns casos de edema (inchaço), dor e vermelhidão se estendendo por mais de 10 cm e

durando mais do que uma semana). Edema extenso no membro injetado durando mais do que

uma semana.

Reações acometendo o sistema imune:Reações alérgicas, raramente levando a choque e

angioedema (inchaço da pele e mucosas, mais frequentemente em extremidades, na área

genital e na face, especialmente ao redor dos olhos e nos lábios).

Reações acometendo o sistema nervoso:Nevralgia, parestesia (sensação de formigamento),

convulsão febril, desordens neurológicas tais como encefalomielite (inflamação do cérebro e

medula espinhal), neurite (inflamação dolorosa de nervo), síndrome de Guillain-Barré

(inflamação aguda do sistema nervoso periférico resultando principalmente em deficiência

motora - paralisia), síncope (desmaio) e pré-síncope (pré-desmaio).

Reações acometendo o sistema vascular:Inflamação de vasos sanguíneos, muito raramente

levando a problemas renais transitórios.

Reações acometendo a pele e tecido subcutâneo: Reações generalizadas de pele,

incluídas aqui coceira, urticária e rash cutâneo (lesões de pele).

Embora raras, foram relatadas reações alérgicas com quadro de choque (queda intensa da

pressão arterial). Os sintomas de alergia grave (reação anafilática) são: hipotensão (queda da

pressão) acentuada e repentina, aceleração ou diminuição do batimento cardíaco, fadiga

(cansaço) ou fraqueza incomum, ansiedade, nervosismo, perda de consciência, dificuldade de

respiração e deglutição, prurido (coceira), principalmente na planta dos pés e/ou nas palmas

das mãos, urticária (lesões avermelhadas na pele, elevadas e que coçam) com ou sem

angioedema (áreas da pele inchadas e pruriginosas mais frequentemente nas extremidades,

nos genitais e na face, principalmente ao redor dos olhos e dos lábios), exantema (lesões de

pele principalmente próximas das orelhas), náusea, vômito, cólica, diarreia.

Se estas reações surgirem, consulte um médico.

Informe ao seu médico, cirurgião-dentista ou farmacêutico o aparecimento de reações

indesejáveis pelo uso do medicamento. Informe também à empresa através do seu

serviço de atendimento.

O QUE DEVO FAZER SE ALGUÉM USAR UMA QUANTIDADE MAIOR DO

QUE A INDICADA DESTE MEDICAMENTO?

Não é provável que a superdose cause algum efeito desfavorável.

Em caso de uso de grande quantidade deste medicamento, procure rapidamente socorro

médico e leve a embalagem ou bula do medicamento, se possível. Ligue para 0800 722

6001, se você precisar de mais orientações.

DIZERES LEGAIS

Reg. MS n.º 1.0068.1067
Farm. Resp.: Flávia Regina Pegorer - CRF - SP 18.150

Novartis Biociências S.A.

Av. Ibirama, 518 – Complexos 441/3

Taboão da Serra - SP

CNPJ

56.994.502/0098-62

Indústria Brasileira

SIC (Serviço de Informações ao Cliente): 0800 888 3003


Fabricado e embalado por:

Novartis Vaccines and Diagnostics S.r.l.

Bellaria-Rosia, 53018 Sovicille (SI) - Itália.


Registrado e Importado por:

Novartis Biociências S.A.

Av. Ibirama, 518 – Complexos 441/3

Taboão da Serra – SP.

VENDA SOB PRESCRIÇÃO MÉDICA.

Esta bula foi aprovada pela ANVISA em 19/12/2014.

Histório de Alteração da Bula

Data

expediente

expediente

Assunto

Data do

expediente

Nº expediente

Assunto

Data de

aprovação

Itens de bula

Versões

(VP/VPS)

Apresentações

relacionadas

- Identificação;
- Composição;
- 8. Quais os males que este
medicamento pode me causar?

VP

SUS INJ CT 1 SER

PREENC VD TRANS

X 0,5 ML

- Identificação;
- Composição;
- 2. Resultados de eficácia;
- 9. Reações Adversas

VPS

SUS INJ CT 1 SER

PREENC VD TRANS

X 0,5 ML

-Identificação;
- Composição;
- O que devo saber antes de usar este
medicamento?;
- Quais os males que este medicamento
pode me causar?;
- Dizeres legais

VP

SUS INJ CT 1 SER

PREENC VD TRANS

X 0,5 ML

- Identificação;
- Composição;
- 5. Advertêcnias e Precauções;
- 9. Reações Adversas;
- Dizeres legais.

VPS

SUS INJ CT 1 SER

PREENC VD TRANS

X 0,5 ML

1518 –

PRODUTO

BIOLÓGICO –

Atualização da (s)

cepa (s) de

produção da

vacina influenza

13/04/15

12/05/15

10456-PRODUTO

BIOLÓGICO -

Notificação de

Alteração de Texto

de Bula – RDC

60/12

19/12/14

1150260146

Dados da submissão eletrônica

Dados da petição/notificação que altera bula

Dados das alterações de bulas

17/03/14 0191147143

10463 –

PRODUTO

BIOLÓGICO –

Inclusão Inicial de

Texto de Bula –



DEFINIÇÕES MÉDICAS
  1. Câncer: Crescimento anormal de um tecido celular, capaz de invadir outros órgãos a nível local ou à distância (metástases).
  2. Bactéria: Organismo unicelular, capaz de auto-reproduzir-se. Existem diferentes tipos de bactérias, classificadas segundo suas características de crescimento (aeróbicas ou anaeróbicas, etc.), sua capacidade de absorver corantes especiais (Gram positivas, Gram negativas), segundo sua forma (bacilos, cocos, espiroquetas, etc.). Algumas produzem infecções no ser humano, que podem ser bastante graves.
  3. Deglutição: Passagem dos alimentos desde a boca até o esôfago. ?? um mecanismo em parte voluntário e em parte automático (reflexo) que envolve a musculatura faríngea e o esfíncter esofágico superior.
  4. Edema: Acúmulo anormal de líquido nos espaços intercelulares dos tecidos ou em diferentes cavidades corporais (peritôneo, pleura, articulações, etc.).
  5. Febre: Elevação da temperatura corporal acima de um valor normal, estabelecido entre 36,7ºC e 37ºC, quando medida na boca.
  6. Imunodeficiência: Distúrbio do sistema imunológico que se caracteriza por um defeito congênito ou adquirido em um ou vários mecanismos que interferem na defesa normal de um indivíduo perante infecções ou doenças tumorais.
  7. Imunidade: Capacidade que um indivíduo tem de defender-se perante uma agressão bacteriana, viral ou perante qualquer tecido anormal (tumores, enxertos, etc.).
  8. Glândula: Estrutura do organismo especializada na produção de substâncias que podem ser lançadas na corrente sangüínea (glândulas endócrinas) ou em uma superfície mucosa ou cutânea (glândulas exócrinas). A saliva, o suor, o muco, são exemplos de produtos de glândulas exócrinas. Os hormônios da tireóide, a insulina e os estrógenos são de secreção endócrina.
  9. Neurite: Inflamação de um nervo. Pode manifestar-se por neuralgia (ver), déficit sensitivo, formigamentos e/ou diminuição da força muscular, dependendo das características do nervo afetado (sensitivo ou motor). Esta inflamação pode ter causas infecciosas, traumáticas ou metabólicas.
  10. Paralisia: Perda total da força muscular que produz incapacidade para realizar movimentos nos setores afetados. Pode ser produzida por doença neurológica, muscular, tóxica, metabólica ou ser uma combinação das mesmas.
  11. Rash: Coloração avermelhada da pele como conseqüência de uma reação alérgica ou infecção.
  12. Vacina: Tratamento à base de bactérias, vírus vivos atenuados ou seus produtos celulares, que têm o objetivo de produzir uma imunização ativa no organismo para uma determinada infecção.
  13. Tecido: Conjunto de células de características semelhantes, organizadas em estruturas complexas para cumprir uma determinada função. Exemplo de tecido: o tecido ósseo encontra-se formado por osteócitos dispostos em uma matriz mineral para cumprir funções de sustentação.
  14. Urticária: Reação alérgica manifestada na pele como elevações pruriginosas, acompanhadas de vermelhidão da mesma. Pode afetar uma parte ou a totalidade da pele. Em geral é autolimitada e cede em pouco tempo, podendo apresentar períodos de melhora e piora ao longo de vários dias.

Síguenos

X