XYLESTESIN PESADA

Para que serve XYLESTESIN PESADA

Recomendações
Recorde-se que antes de tomar este medicamento deverá consultar o seu médico, a informação que lhe disponibilizamos é meramente orientativa e não substitui em nenhuma ocasião a consulta de um médico ou qualquer profissional de saúde.

LEMBRE-SE, NUNCA use esta informação para automedicar-se. A consulta de um médico é imprescindível.


I - IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO
Xylestesin

cloridrato de lidocaína 5,0% + glicose 7,5%

Pesada
Para raquianestesia

FORMA FARMACÊUTICA
Solução injetável

APRESENTAÇÃO


Caixa com 50 ampolas de 2 mL e 50 estojos estéreis contendo 1 ampola de 2 mL.

USO INJETÁVEL – PARA RAQUIANESTESIA

USO ADULTO E PEDIÁTRICO ACIMA DE 16 ANOS

COMPOSIÇÃO


Cada 1 mL de Solução Injetável contém:
cloridrato de lidocaína ............................................................ 50 mg
glicose .................................................................................... 75 mg
água para injetáveis q.s.p. ...................................................... 1 mL
* Contém hidróxido de sódio qsp. pH

II - INFORMAÇÕES AO PACIENTE

1. PARA QUÊ ESTE MEDICAMENTO FOI INDICADO?
Este medicamento é indicado na raquianestesia.

COMO ESTE MEDICAMENTO FUNCIONA?

A solução injetável de Xylestesin

®

5% Pesada contém o anestésico local cloridrato de lidocaína, anestésico local

do tipo amida, associado à glicose 7,5%. A lidocaína estabiliza a membrana neuronal por inibição dos fluxos iônicos
necessários para o início e condução dos impulsos efetuando deste modo à ação anestésica local.

O início da ação é rápido. A duração da anestesia perineal proporcionada por 1 mL (50 mg) de Xylestesin

®

5%

Pesada atinge em média 100 minutos, com um estado de analgesia prolongando-se por um período de 40 minutos. A
duração da anestesia cirúrgica proporcionada por 1,5 a 2 mL (75 a 100 mg) do produto é de aproximadamente duas
horas.

QUANDO NÃO DEVO USAR ESTE MEDICAMENTO?

A lidocaína está contraindicada em pacientes com conhecida hipersensibilidade aos anestésicos locais do tipo amida
ou aos componentes da fórmula.
As seguintes condições impedem a aplicação da raquianestesia:
• Hemorragia grave, hipotensão grave, choque e arritmias, bloqueio cardíaco completo, com débito cardíaco
gravemente comprometido.
• Infecção local na área onde se pretende fazer a punção lombar.
• Septicemia (presença de bactérias patogênicas no sangue).
• Doenças cérebro-espinhais, tais como meningite, tumores, poliomielite e hemorragia cerebral. Artrite, espondilite e
outras doenças da coluna que tornem impossível a punção; também é contraindicado na presença de tuberculose ou
lesões metastáticas na coluna.
• Anemia perniciosa com sintomas medulares.
• Descompensação cardíaca, derrame pleural maciço e aumento acentuado da pressão intra-abdominal como ocorre
em ascites maciças e tumores.
• Infecção piogênica (que produz pus) da pele no local ou adjacente ao local da punção.
• Hipotensão acentuada, como ocorre em choque cardiogênico (resultante da incapacidade de manter o aporte
sanguíneo ao sistema circulatório e tecido, devido a um debito cardíaco inadequado) ou choque hipovolêmico
(condição que ocorre quando há um volume insuficiente de sangue).

• Alterações da coagulação ou sob tratamento com anticoagulante.

O QUE DEVO SABER ANTES DE USAR ESTE MEDICAMENTO?

OS ANESTÉSICOS LOCAIS PARA RAQUIANESTESIA SOMENTE DEVERÃO SER ADMINISTRADOS POR
PROFISSIONAIS EXPERIENTES NO DIAGNÓSTICO E CONTROLE DA TOXICIDADE DOSE-
DEPENDENTE E DE OUTRAS EMERGÊNCIAS AGUDAS QUE POSSAM SURGIR DO TIPO DE BLOQUEIO
UTILIZADO, E SOMENTE DEPOIS DE ASSEGURAR A DISPONIBILIDADE IMEDIATA DE OXIGÊNIO, DE
OUTROS

FARMACOS

PARA RESSUSCITAÇÃO, EQUIPAMENTO DE RESSUSCITAÇÃO

CARDIOPULMONAR E DE PESSOAL TREINADO NECESSÁRIO PARA TRATAMENTO E CONTROLE
DAS REAÇÕES TÓXICAS E EMERGÊNCIAS RELACIONADAS. A FALTA OU A DEMORA NO
ATENDIMENTO DA TOXICIDADE DOSE-RELACIONADA DO FÁRMACO DA HIPOVENTILAÇÃO, SEJA
QUAL FOR O MOTIVO E/OU ALTERAÇÕES NA SENSIBILIDADE, PODERÁ LEVAR A
DESENVOLVIMENTO DE ACIDOSE (ACIDEZ EXCESSIVA DOS LÍQUIDOS CORPORAIS, EM
DECORRÊNCIA DE UM ACÚMULO DE ÁCIDOS), PARADA CARDÍACA E POSSÍVEL ÓBITO.

Quando apropriado, os pacientes devem ser informados da possibilidade de perda temporária da sensação e
atividade motora na metade inferior do corpo, após administração da raquianestesia.
Também quando apropriado o médico deverá discutir com os pacientes outras informações como as reações
adversas da lidocaína hiperbárica.

A solução de Xylestesin

®

5% Pesada não contém conservante.


A segurança e a eficácia da lidocaína dependem da dose correta, técnica adequada, precauções adequadas e da
rapidez no atendimento das emergências. Equipamento de ressuscitação, oxigênio e medicamentos para reanimação
devem estar disponíveis para uso imediato. O paciente deverá receber líquidos por via intravenosa, através de
cateter, para assegurar esta via de acesso.A menor dose que resultar em anestesia efetiva deverá ser usada para
evitar altos níveis plasmáticos e graves reações adversas.
As repetidas doses de lidocaína podem causar aumentos significativos no nível sanguíneo, com cada dose repetida,
devido ao lento acúmulo do fármaco ou dos seus metabólitos. A tolerância aos níveis sanguíneos elevados varia de
acordo com o estado do paciente. Pacientes idosos, debilitados, pacientes com doenças agudas e crianças, deverão
receber doses reduzidas de acordo com a idade e condições físicas. A lidocaína deve também ser usada com
precaução em pacientes em estado de choque grave ou com bloqueio cardíaco.
As seguintes condições poderão impedir o uso da raquianestesia, dependendo da avaliação médica, da situação e da
capacidade de lidar com as complicações que possam ocorrer:
• Doenças preexistentes do sistema nervoso central, tais como aquelas atribuíveis à anemia perniciosa, poliomielite,
paralisia decorrente de lesão nervosa, sífilis ou tumores.
• Alterações hematológicas que pré-disponham a coagulopatias ou pacientes em anticoaguloterapia. O trauma de
vasos sanguíneos durante a condução da raquianestesia pode levar em algumas circunstâncias a hemorragias
incontroláveis no sistema nervoso central ou hemorragias nos tecidos moles.
• Extremos de idade.
• Dor crônica nas costas e cefaleia pré-operatória.
• Hipotensão e hipertensão.
• Artrites ou deformidades da coluna.
• Problemas de ordem técnica como parestesias (sensação de dormência, ou formigamento, a sensibilidade fica
exacerbada) persistentes, sangramentos persistentes).
• Psicoses ou outras causas que signifiquem falta de cooperação por parte do paciente.
O cuidadoso e constante monitoramento cardiovascular e respiratório (adequada ventilação), sinais vitais e o estado
de consciência do paciente, devem ser acompanhados após cada injeção de anestésico local. Deverá também ser
lembrado em tais momentos que a agitação, ansiedade, zumbido, vertigem (sensação de se mover em giros,
tonteira.), visão turva, tremores, depressão ou sonolência podem representar os primeiros sinais de toxicidade do
sistema nervoso central. Os anestésicos locais do tipo amida são metabolizados pelo fígado, portanto, a lidocaína
deve ser usada com cuidado em pacientes com doenças hepáticas. Os pacientes com doença hepática grave devido à
sua reduzida capacidade de metabolização dos anestésicos locais oferecem maior risco para o desenvolvimento de
concentrações plasmáticas tóxicas.

A lidocaína deve também ser usada com cautela em pacientes com função cardiovascular alterada, devido a uma
menor capacidade de compensar as mudanças funcionais associadas ao prolongamento de condução atrioventricular
provocado por esses fármacos.
É absolutamente pouco provável o desenvolvimento de hipertermia maligna com agentes anestésicos locais.
Entretanto, em pacientes com histórico familiar é recomendável à existência de um protocolo padrão para
monitoramento do paciente.
Sinais precoces de taquicardia (rapidez anormal da ação cardíaca, frequência superior a 100 batimentos por
minutos), taquipneia (rapidez anormal da respiração), labilidade da pressão sanguínea (oscilações da pressão
arterial) e acidose metabólica (acidez excessiva dos líquidos corporais). Poderão preceder a elevação da temperatura.
O sucesso da reversão da síndrome dependerá de um diagnóstico precoce, da rápida suspensão do agente ou agente
suspeito de desencadeamento e do início imediato de tratamento, incluindo oxigenoterapia, medidas de suporte
cabíveis e administração de dantroleno.
A lidocaína deverá ser usada com cuidado em pessoas com conhecida sensibilidade ao fármaco. Pacientes alérgicos
aos derivados do ácido para-aminobenzóico (procaína, tetracaína, benzocaína, etc.) não têm apresentado
sensibilidade cruzada à lidocaína.

GRAVIDEZ

Categoria B
Efeitos teratogênicos: não existem estudos adequados e bem controlados em mulheres grávidas. Os estudos em
reprodução animal nem sempre são úteis para reproduzir as respostas humanas. Considerações gerais devem ser
levadas em conta antes da administração da lidocaína em mulheres com potencial de gravidez, especialmente
aquelas em início de gravidez.

PARTO E TRABALHO DE PARTO

A hipotensão materna é uma consequência da anestesia regional.
Os anestésicos locais produzem vasodilatação por bloqueio dos nervos simpáticos. Elevar as pernas da paciente e
posicioná-la de lado ajudará na prevenção da diminuição da pressão sanguínea. O débito cardíaco fetal deverá
também ser monitorado de maneira contínua, e o monitoramento fetal eletrônico é altamente aconselhável.
A raquianestesia poderá alterar as contrações durante o parto, por mudanças na contratilidade uterina, ou força de
expulsão.
Há informações de que a lidocaína prolonga a segunda fase do trabalho de parto, por remoção do reflexo de
expulsão ou por interferência com a função motora. O uso de anestesia obstétrica pode aumentar a necessidade de
fórceps.

AMAMENTAÇÃO

Não se sabe se o fármaco é excretado no leite materno. Precauções deverão ser tomadas na
administração de lidocaína em mulheres em fase de amamentação.

USO PEDIÁTRICO

Ainda não foram estabelecidas a segurança e eficácia em crianças com menos de 16 anos de
idade.

CUIDADOS

Para evitar a injeção intravascular, deverá ser feita a aspiração antes de injetar o anestésico. A agulha
deverá ser reposicionada até que não apareça nenhum retorno de sangue na aspiração. Entretanto a ausência de
sangue na seringa não garante que tenha sido evitada a injeção intravascular. Os anestésicos espinais não devem ser
injetados durante a contração uterina, já que o fluxo do líquido espinhal poderá levar o anestésico numa altura
cefalar além do desejado.

INTERAÇÕES MEDICAMENTOSAS
A administração de soluções anestésicas locais contendo epinefrina e norepinefrina a pacientes que estejam
recebendo inibidores da monoaminoxidase, antidepressivos tricíclicos ou fenotiazinas, pode produzir hipotensão
grave ou hipertensão. O uso simultâneo desses agentes deverá ser evitado. Nas situações em que a terapia
simultânea for necessária, será essencial um cuidadoso monitoramento do paciente.
A administração simultânea de fármacos vasopressores, para o tratamento da hipotensão relacionada ao bloqueio
espinhal, e de fármacos ocitócicos do tipo ergot (obtidas a partir do fungo Claviceps purpúrea), poderá causar
hipertensão grave e persistente ou acidentes cerebrovasculares.

Informe ao seu médico ao seu médico ou cirurgião-dentista se você está fazendo uso de algum outro
medicamento.
Não use medicamentos sem o conhecimento do seu médico. Pode ser perigoso para sua saúde.


5. ONDE, COMO E POR QUANTO TEMPO POSSO GUARDAR ESTE MEDICAMENTO?
Conservar o produto em temperatura ambiente controlada, entre 15 e 25ºC, protegido da luz. Não congelar.
O prazo de validade é de 18 meses a partir da data de fabricação, sendo que após este prazo de validade o produto
pode não apresentar mais efeito terapêutico. Não utilize medicamento vencido.

Número de lote e datas de fabricação e validade: vide embalagem.
Não use medicamento com o prazo de validade vencido. Guarde-o em sua embalagem original.

Características físicas e organolépticas
:
Solução límpida, essencialmente livre de partículas, incolor a levemente amarelada.

Observação:
Os produtos parenterais deverão ser examinados visualmente em busca de partículas estranhas e de
alteração da cor do produto antes da administração. O produto não deverá ser usado se qualquer alteração for
detectada.

Antes de usar, observe o aspecto do medicamento. Caso você observe alguma mu8dança no aspecto do
medicamento que ainda esteja no prazo de validade, consulte o médico ou o farmacêutico para saber se
poderá utilizá-lo.

Todo medicamento deve ser mantido fora do alcance das crianças.

6. COMO DEVO USAR ESTE MEDICAMENTO?
POSOLOGIA

Na raquianestesia com Xylestesin

®

Pesada 5% poderá ser induzida na posição reclinada em lateral direita ou

esquerda, e na posição sentada. Sendo uma solução hiperbárica, o anestésico tenderá a se deslocar na direção na qual
a mesa estiver posicionada. Após ter atingido o nível desejado de anestesia e o anestésico lidocaína ter sido fixado,
geralmente após 5 ou 10 minutos, o paciente deverá ser posicionado de acordo com as necessidades do cirurgião ou
do obstetra.

As injeções deverão ser feitas lentamente.

Consultar bibliografia específica para definição das técnicas corretas para raquianestesia.

DOSES RECOMENDADAS
Adultos Sadios:
As dosagens recomendadas a seguir serão para adultos normais sadios e servem somente como
guia para a quantidade de anestésico necessário na maior parte dos procedimentos de rotina. Em todos os casos a
menor dosagem que produzir o efeito desejado, deverá ser a usada.
Se a técnica for usada corretamente, e se a agulha estiver posicionada corretamente no espaço subaracnóideo, não
será necessário administrar mais do que uma ampola (100 mg).

Bloqueio Espinhal Baixo ou Bloqueio em Sela – Obstetrícia:
A dosagem recomendada para parto vaginal é de aproximadamente 1 mL (50 mg).
Para cirurgia cesariana que necessite de manipulação intra-uterina, 1,5 mL (75 mg) são geralmente suficientes.

Anestesia Cirúrgica:
A dosagem recomendada para anestesia abdominal é de 1,5 mL a 2 mL (75 a 100 mg).

Crianças:
A dosagem recomendada para adolescentes sadios de idade igual ou superior a 16 anos, é a mesma que a
recomendada para adultos normais sadios.
Não existem dados suficientes em crianças com idade inferior a 16 anos para serem feitas recomendações de
dosagem (Ver Precauções).

Soluções remanescentes que não forem utilizadas deverão ser descartadas após o seu uso.
Em preparações que contenham glicose, pode ocorrer caramelização sob aquecimento prolongado, e em algumas
circunstâncias também sob armazenamento prolongado.

Siga a orientação do seu médico, respeitando sempre os horários, as doses e a duração do tratamento. Não
interromper o tratamento sem o conhecimento do seu médico.
Não interrompa o tratamento sem o conhecimento do seu médico.

7. O QUE DEVO FAZER QUANDO EU ME ESQUECER DE USAR ESTE MEDICAMENTO?
Uma vez que este medicamento é administrado por um profissional da saúde em ambiente hospitalar não deverá
ocorrer esquecimento do seu uso.
Em caso de dúvidas, procure orientação do farmacêutico ou de seu médico, ou cirurgião-dentista.

8. QUAIS OS MALES QUE ESTE MEDICAMENTO PODE ME CAUSAR?
As reações adversas após a administração de lidocaína são de natureza similar àquelas observadas com outros
agentes anestésicos locais do tipo amida. Estas reações estão de maneira geral relacionadas com a dose, podendo
resultar de altos níveis plasmáticos causados por excesso de dosagem, rápida absorção ou injeção intravascular
acidental, podendo também resultar de hipersensibilidade, idiossincrasia (reação individual a substancia, em função
de uma suscetibilidade incomum ) ou diminuição da tolerância por parte do paciente. As reações adversas graves são
geralmente de natureza sistêmica. Os seguintes tipos são os mais frequentemente relatados:

SISTEMA NERVOSO
Reação Comum (ocorre entre 1 e 10% dos pacientes que utilizam este medicamento): sonolência, vertigem.
Reações com frequência desconhecida: As reações do sistema nervoso central incluem dormência na língua, delírio,
nervosismo, tonturas, apreensão, euforia, confusão, letargia (lentidão funcional), zumbidos, visão dupla, vômitos,
sensação de calor, frio ou dormência, contrações, tremores, convulsões, inconsciência, depressão e parada
respiratória, fala indistinta, visão turva.
Os efeitos neurológicos podem incluir a perda da sensibilidade perineal e da função sexual, anestesia persistente,
parestesia, debilidade e paralisia dos membros inferiores, perda do controle esfincteriano, (podem ter uma lenta,
incompleta ou nenhuma recuperação), retenção urinária, cefaleia, dor nas costas, meningite séptica, meningismo,
aracnoidite, atraso do trabalho de parto, aumento na incidência de fórceps, calafrios, paralisia do nervo craniano
decorrente da tração nos nervos por perda do líquido cefalorraquidiano e incontinência urinária e fecal.

SISTEMA CARDIOVASCULAR
Reação Comum (ocorre entre 1 e 10% dos pacientes que utilizam este medicamento): hipotensão.
Reações com frequência desconhecida: depressão do miocárdio, diminuição do débito cardíaco, bloqueio cardíaco,
bradicardia (batimento cardíaco lento), arritmias ventriculares, incluindo taquicardia ventricular e fibrilação
ventricular e parada cardíaca. A hipóxia causada por convulsões e apneia pode ser um fator contribuinte nas reações
cardiovasculares.
As manifestações cardiovasculares são geralmente depressivas, caracterizadas por bradicardia, hipotensão e colapso
cardiovascular, podendo resultar em parada cardíaca.

ALÉRGICAS
Reação Rara (ocorre entre 0,01% e 0,1% dos pacientes que utilizam este medicamento): reações alérgicas como
resultado de sensibilidade à lidocaína são extremamente raras, e se ocorrerem devem ser tratadas de maneira
convencional.
Reações com frequência desconhecida: lesões cutâneas, urticária (manifestação cutânea, que pode associada à
coceira e erupção), edema ou reações anafilactóides. A detecção da sensibilidade através de testes na pele é de valor
duvidoso.

CONDUTA NAS EMERGÊNCIAS PROVOCADAS POR ANESTÉSICOS LOCAIS
A primeira consideração é a prevenção, através de cuidados e constante monitoramento dos sinais vitais
respiratórios e cardiovasculares, e do estado de consciência do paciente, após cada injeção do anestésico local.
Ao primeiro sinal de alteração, deverá ser prontamente administrado oxigênio.
O primeiro passo no controle das convulsões, como também da hipoventilação (redução da frequência e velocidade
da respiração), apneia (cessação temporária da respiração) decorrentes da dispersão cefálica excessiva, consiste na
imediata atenção a manutenção das vias aéreas e de ventilação assistida com pressão positiva através de máscara.
Imediatamente após a instituição dessas medidas, deverá ser avaliada a adequação circulatória, mantendo sempre em
mente que os fármacos comumente usados para tratar as convulsões, algumas vezes deprimem a circulação quando
injetadas intravenosamente.

Caso as convulsões persistam após a instituição de suporte respiratório e se o status circulatório assim o permitir,
poderão ser administradas por via intravenosa pequenas quantidades de barbitúrico (como tiopental ou tiamilal) de
ação ultracurta, ou um benzodiazepínico do tipo diazepam. O médico deverá estar familiarizado com o uso dos
anestésicos locais em conjunto com esses fármacos antes de usá-los.
O tratamento de suporte da depressão circulatória poderá requerer a administração de fluidos por via intravenosa, e
quando apropriado, um vasopressor (efedrina ou fenilefrina) segundo a necessidade da situação clínica.
Se não tratadas imediatamente, ambas, a depressão cardiovascular e as convulsões, poderão resultar em hipóxia
(diminuição da concentração de oxigênio no ar inspirado.), bradicardia (batimento cardíaco lento, frequência de
pulso inferior a 60 batimentos por minuto), acidose (acidez excessiva dos líquidos corporais), arritmias e parada
cardíaca.
Uma hipoventilação ou apneia decorrentes da dispersão cefálica excessiva, poderá produzir os mesmos sintomas, e
também levar a uma parada cardíaca caso o suporte ventilatório não seja instituído. Caso ocorra a parada cardíaca,
deverão ser instituídas as medidas padrão de ressuscitação cardiopulmonar.
A intubação endotraqueal, empregando fármacos e técnicas familiares ao clínico, poderá estar indicada após
administração inicial de oxigênio através de máscara, e também no caso de dificuldade de manutenção das vias
aéreas do paciente, ou caso o suporte ventilatório, seja assistido ou controlado, esteja indicado.
A diálise não é de valor totalmente descartável no tratamento de superdosagem aguda com lidocaína.
A DL50 intravenosa de cloridrato de lidocaína em ratos fêmeas, é de 26 (21 a 31) mg/kg e a DL50 subcutânea é de
264 (203 a 304) mg/kg.
Informe ao seu médico, cirurgião-dentista ou farmacêutico o aparecimento de reações indesejáveis pelo uso
do medicamento. Informe também à empresa através do seu serviço de atendimento.

9. O QUE FAZER SE ALGUÉM USAR UMA QUANTIDADE MAIOR DO QUE A INDICADA DESTE
MEDICAMENTO?
As emergências decorrentes da administração de anestésicos locais estão geralmente relacionadas com altos níveis
plasmáticos durante o uso terapêutico dos anestésicos locais, ou de injeção acidental subaracnóidea da solução
anestésica.
Buscar tratamento de suporte às condições neurológicas, cardiovasculares e ventilatórias.

Em caso de uso de grande quantidade deste medicamento, procure rapidamente socorro médico e leve a
embalagem ou a bula do medicamento, se possível. Ligue para 0800 722 6001, se você precisar de mais
orientações.

III – Dizeres legais

VENDA SOB PRESCRIÇÃO MÉDICA
USO RESTRITO A HOSPITAIS

MS N.º 1.0298.0385
Farm. Resp.: Dr. José Carlos Módolo CRF-SP N.º 10.446

CRISTÁLIA Produtos Químicos Farmacêuticos Ltda.
Rodovia Itapira-Lindóia, km 14 - Itapira-SP
CNPJ N.º 44.734.671/0001-51
Indústria Brasileira

Nº do lote, data de fabricação e prazo de validade: vide rótulo
SAC (Serviço de Atendimento ao Cliente): 0800 701 19 18

Esta bula foi aprovada pela Anvisa em (09/02/2015)

Anexo B

Histórico de alteração da bula

Dados da submissão eletrônica

Dados da petição/notificação que altera a bula

Dados das alterações de bulas

Data do

expediente

Número do

Expediente

Assunto

Data do

expediente

Número do

Expediente

Assunto

Data de

aprovação

Itens de bula

Versões

(VP /

VPS)

Apresentações

relacionadas

25/06/2014

10457–

SIMILAR -

Inclusão

Inicial de

Texto de Bula

– RDC 60/12

25/06/2014

------

------

10457–

SIMILAR -

Inclusão

Inicial de

Texto de Bula

– RDC 60/12

Todos os itens foram

alterados para adequação à

RDC 47/09

VP e

VPS

Caixa com 50

ampolas de 2

mL e 50 estojos

estéreis

contendo 1

ampola de 2

mL.

07/07/2014 0536329/14-2

10450–

SIMILAR -

Notificação

de Alteração

de Texto de

Bula – RDC

60/12

07/07/2014

------

------

10450–

SIMILAR -

Notificação

de Alteração

de Texto de

Bula – RDC

60/12

1) Inclusão de definição

para terminologia médica

do texto; 2)Adequação das

reações adversas do item

8.Quais os males este

medicamento pode causar?

, conforme Resolução

47/2009

VP

Caixa com 50

ampolas de 2

mL e 50 estojos

estéreis

contendo 1

ampola de 2

mL.

09/02/2015

10450–

SIMILAR -

Notificação

de Alteração

de Texto de

Bula – RDC

60/12

09/02/2015

------

------

10450–

SIMILAR -

Notificação

de Alteração

de Texto de

Bula – RDC

60/12

1. Para quê este

medicamento foi indicado?

VP

Caixa com 50

ampolas de 2

mL e 50 estojos

estéreis

contendo 1

ampola de 2

mL.



DEFINIÇÕES MÉDICAS
  1. Acidose: Desequilíbrio do meio interno caracterizado por uma maior concentração de íons hidrogênio no organismo. Pode ser produzida pelo ganho de substâncias ácidas ou perda de substâncias alcalinas (básicas).
  2. Bactéria: Organismo unicelular, capaz de auto-reproduzir-se. Existem diferentes tipos de bactérias, classificadas segundo suas características de crescimento (aeróbicas ou anaeróbicas, etc.), sua capacidade de absorver corantes especiais (Gram positivas, Gram negativas), segundo sua forma (bacilos, cocos, espiroquetas, etc.). Algumas produzem infecções no ser humano, que podem ser bastante graves.
  3. Delírio: Alteração aguda da consciência ou da lucidez mental, provocado por uma causa orgânica.
  4. Derrame: Acúmulo anormal de líquido em qualquer cavidade ou órgão (derrame pleural, derrame pericárdico, derrame cerebral).
  5. Edema: Acúmulo anormal de líquido nos espaços intercelulares dos tecidos ou em diferentes cavidades corporais (peritôneo, pleura, articulações, etc.).
  6. Inconsciência: Distúrbio no estado de alerta, no qual existe uma incapacidade de reconhecer e reagir perante estímulos externos. Pode apresentar-se em tumores, infecções e infartos do sistema nervoso central, assim como também em intoxicações por substâncias endógenas ou exógenas.
  7. Incontinência: Incapacidade de controlar o esvaziamento da bexiga ou do reto. Como resultado produz-se perda de urina ou matéria fecal involuntariamente. As pessoas com incontinência podem apresentar um defeito adquirido ou congênito no mecanismo esfincteriano, ou alguma anormalidade neurológica que as impeça de reconhecer o estado de plenitude da bexiga ou reto e de promover esvaziamento destes quando for conveniente.
  8. Hemorragia: Perda de sangue para um órgão interno (tubo digestivo, cavidade abdominal) ou para o exterior (ferimento arterial). De acordo com o volume e velocidade com a qual se produz o sangramento uma hemorragia pode produzir diferentes manifestações nas pessoas, desde taquicardia, sudorese, palidez cutânea, até o choque.
  9. Sífilis: Doença transmitida pelo contato sexual, causada por uma bactéria de forma espiralada chamada Treponema pallidum. Produz diferentes sintomas de acordo com a etapa da doença. Primeiro surge uma úlcera na zona de contato com inflamação dos gânglios linfáticos regionais. Após um período a lesão inicial cura-se espontaneamente e aparecem lesões secundárias (rash cutâneo, goma sifilítica, etc.). Em suas fases tardias pode causar transtorno neurológico sério e irreversível, que felizmente após o advento do tratamento com antibióticos tem se tornado de ocorrência rara. Pode ser causa de infertilidade e abortos espontâneos repetidos.
  10. Paralisia: Perda total da força muscular que produz incapacidade para realizar movimentos nos setores afetados. Pode ser produzida por doença neurológica, muscular, tóxica, metabólica ou ser uma combinação das mesmas.
  11. Taquicardia: Aumento da freqüência cardíaca. Pode ser devido a causas fisiológicas (durante o exercício físico ou gravidez) ou por diversas doenças como sepse, hipertireoidismo e anemia. Pode ser assintomática ou provocar palpitações (ver).
  12. Tala: Instrumento ortopédico utilizado freqüentemente para imobilizar uma articulação ou osso fraturado. Pode ser de gesso ou material plástico.
  13. Tecido: Conjunto de células de características semelhantes, organizadas em estruturas complexas para cumprir uma determinada função. Exemplo de tecido: o tecido ósseo encontra-se formado por osteócitos dispostos em uma matriz mineral para cumprir funções de sustentação.
  14. Urticária: Reação alérgica manifestada na pele como elevações pruriginosas, acompanhadas de vermelhidão da mesma. Pode afetar uma parte ou a totalidade da pele. Em geral é autolimitada e cede em pouco tempo, podendo apresentar períodos de melhora e piora ao longo de vários dias.

Síguenos

X