Zidimox

Para que serve Zidimox

Recomendações
Recorde-se que antes de tomar este medicamento deverá consultar o seu médico, a informação que lhe disponibilizamos é meramente orientativa e não substitui em nenhuma ocasião a consulta de um médico ou qualquer profissional de saúde.

LEMBRE-SE, NUNCA use esta informação para automedicar-se. A consulta de um médico é imprescindível.


FOLHETO INFORMATIVO


Leia atentamente este folheto informativo antes de tomar o medicamento
- Conserve este folheto. Pode ter necessidade de o reler.
- Caso tenha dúvidas, consulte o seu médico ou farmacêutico.
- Este medicamento foi receitado para si. Não deve dá-lo a outros; o medicamento pode ser-
lhes prejudicial mesmo que apresentem os mesmos sintomas.

Neste folheto:
1. O que é ZIDIMOX e para que é utilizado 2. Antes de tomar

ZIDIMOX

3. Como tomar

ZIDIMOX

4. Efeitos secundários possíveis 5. Conservação de ZIDIMOX

DENOMINAÇÃO DO MEDICAMENTO

ZIDIMOX 1000 mg/3 ml PÓ E SOLVENTE PARA SOLUÇÃO INJECTÁ

VEL

ZIDIMOX 2000 mg PÓ PARA SOLUÇÃO INJECTÁ

VEL

Descrição completa da substância activa e dos excipientesA substância activa é a Ceftazidima (sob a forma de ceftazidima pentahidratada).Os frascos para injectáveis contêm também carbonato de sódio monohidratado. O injectávelIM/ IV a 1g é acompanhado de uma ampola de 3 ml de água para preparações injectáveis.Nome e endereço do titular da autorização de introdução no mercado e do titular daautorização de fabricoTitular da Autorização de Introdução no Mercado:FARMOZ – Sociedade Técnico Medicinal, S.A.Rua Professor Henrique de BarrosEdificio Sagres, 3º.

A

2685 – 338 Prior VelhoFabricado por:REIG JOFRÉGran Capitan, 1008970 Sant Joan DespiBarcelona, Espanha

1. O QUE É ZIDIMOX E PARA QUE É

UTILIZADO

Forma farmacêutica e conteúdo; grupo farmacoterapêutico
ZIDIMOX apresenta-se na forma de pó e solvente para solução injectável IM/ IV doseado a 1 ge Pó para solução injectável doseado a 2 g.ZIDIMOX pertence ao grupo farmacoterapêutico 1.1.2.3 Medicamentos anti-infecciosos.Antibacterianos. Cefalosporinas. Cefalosporinas de 3ª geração

Indicações terapêuticasZIDIMOX, está indicado para infecções graves particularmente devidas a bactérias gramnegativas multiresistentes e infecções devidas a Pseudomonas aeruginosa.Pode ser usada emassociação com um aminoglicosido ou à maior parte doutros antibióticos beta-lactâmicos. Podeser usado com um antibiótico activo contra anaeróbios, quando se suspeita da presença deBacteroides fragilis.As indicações incluem:Infecções graves em geral: septicemia, bacteremia, peritonite, meningite, infecções em doentesimunodeprimidos e em doentes em unidades de cuidados intensivos, por ex: queimadurasinfectadas.infecções das vias respiratórias incluindo infecções pulmonares na fibrose quísticainfecções dos ouvidos, nariz e gargantainfecções do tracto urinárioinfecções da pele e tecidos molesinfecções gastrintestinais, biliares e abdominaisinfecções ósseas e articularesinfecções do tracto genitalgonorreia (endocervical, rectal e uretal)infecções do Sistema Nervoso Central2.

ANTES DE TOMAR ZIDIMOX

Enumeração das informações necessárias antes da toma do medicamento
Contra – indicaçõesNão tome

ZIDIMOX

. se apresentar hipersensibilidade à substância activa(ceftazidima) ou a qualquer dos excipientes.. se for um doente com hipersensibilidade conhecida às

cefalosporinas.

Precauções de utilização adequadas; advertências especiaisAntes do início da terapêutica devem ser feitas culturas bacterianas com o propósito de isolar omicroorganismo envolvido, pese embora que a terapêutica possa ser iniciada enquanto seaguardam os resultados, que permitirão um eventual ajuste, quando necessário. Antes do iníciodo tratamento com ZIDIMOX, saber se o doente tem história de reacções de hipersensibilidadeà ceftazidima, cefalosporinas, penicilinas ou outros fármacos.Recomenda-se precaução especial em doentes que têm manifestado reacção alérgica àpenicilina ou a outros beta-lactâmicos.Se se verificar uma reacção alérgica à ceftazidima, deve-se suspender o tratamento. Reacçõesgraves de hipersensibilidade podem necessitar de epinefrina (adrenalina), hidrocortisona, anti-
histamínicos ou outras medidas de urgência.Recomenda-se precaução no tratamento em doentes com antecedentes de patologiagastrointestinal, nomeadamente colite.O tratamento simultâneo com doses elevadas de cefalosporinas e com fármacos nefrotóxicos,por exemplo antibióticos aminoglicosídicos ou diuréticos potentes como a furosemida pode terefeitos adversos na função renal. A experiência clínica com ceftazidima demonstrou que nasdoses recomendadas não é provável que isto possa constituir um problema.Não há evidência de efeitos adversos da ceftazidima na fução renal nas doses terapêuticasnormais. A ceftazidima é eliminada por via renal, por conseguinte a dose deve ser reduzida deacordo com o grau de insuficiência renal. Têm sido referidas ocasionalmente sequelasneurológicas quando a dose não é adequadamente reduzida (ver 3.

COMO TOMAR ZIDIMOX

e 4. EFEITOS SECUNDÁRIOS POSSÍVEIS).Como com outros antibióticos de largo espectro, o uso prolongado de ceftazidima pode darorigem ao sobrecrescimento de microorganismos não sensíveis (ex: Candida, enterococcos eSerratia sp) que podem exigir a suspensão do tratamento ou a adopção de medidas adequadas.É essencial a observação repetida do estado clínico do doente.Como com outras cefalosporinas e penicilinas de largo espectro, algumas estirpes deEnterobacter spp. e Serratia spp. inicialmente sensíveis podem desenvolver resistência durantea terapêutica com ceftazidima. Quando for clinicamente adequado, deve ser considerada arealização periódica de testes de sensibilidade, durante a terapêutica deste tipo de infecções.O tratamento com antibióticos de largo espectro, incluíndo cefalosporinas como a ceftazidima,alteram a flora comensal do cólon podendo ocorrer um crescimento de microorganismos nãosensíveis, entre eles o Clostridium difficile, cuja toxina é responsável por um quadro clínico dediarreia, durante ou mesmo após a antibioterapia, deverão ser submetidos a investigação e adiagnóstico diferencial.

Utilização durante a gravidez e o aleitamentoGravidezConsulte o seu médico ou farmacêutico antes de tomar qualquer medicamento.Não há evidência experimental de efeitos embriopáticos ou teratogénicos atribuíveis àceftazidima, mas como acontece com todos os fármacos, deve ser administrada com precauçãodurante os primeiros meses da gravidez.AleitamentoConsulte o seu médico ou farmacêutico antes de tomar qualquer medicamento.A ZIDIMOX é excretado no leite materno em baixas concentrações, pelo que é necessáriocuidado em mães que amamentem.Efeitos sobre a capacidade de conduzir ou utilizar máquinasCondução de veículos e utilização de máquinas com

ZIDIMOX

Não foram estudados os efeitos sobre a capacidade de conduzir e utilizar máquinas. Ter ematenção que as cefalosporinas estão relacionadas com o aparecimento de efeitos indesejáveis dosistema nervoso central nos doentes com insuficiência renal, que podem comprometer acapacidade de condução (ver 4. EFEITOS SECUNDÁRIOS POSSÍVEIS).

Interacção com outros medicamentosTomar ZIDIMOX com outros medicamentos:Informe o seu médico ou farmacêutico se estiver a tomar ou tiver tomado recentemente outrosmedicamentos, incluindo medicamentos sem receita médica.O uso concomitante de doses elevadas com fármacosnefrotóxicos pode afectar adversamente a função renal(ver 2. ANTES DE TOMAR ZIDIMOX). Nefrotoxicidadetem sido associada ao uso concomitante de cefalosporinascom aminoglicosídeos ou diuréticos como furosemida.O cloranfenicol é antagonista, in vitro, da ceftazidima e deoutras cefalosporinas. Desconhece-se o significado clínicodeste facto, mas se for proposta a administraçãosimultânea de ceftazidima com cloranfenicol deve serconsiderada a possibilidade de antagonismo.

A ceftazidima não interfere com os testes enzimáticos paradeterminação da glucose na urina. Pode ser observadauma ligeira interferência com os métodos por redução docobre (Benedict, Fehling, Clinites). A ceftazidima nãointerfere no doseamento da creatinina pelo picratoalcalino.3.

COMO TOMAR ZIDIMOX

Instruções para uma utilização adequadaA ceftazidima é compatível com as soluções paraadministração intravenosa mais comuns.Todos os frascos para injectáveis estão sob pressãoreduzida. Quando o produto se dissolve liberta-se dióxidode carbono e desenvolve-se pressão positiva. As pequenasbolhas de dióxido de carbono na solução podem serignoradas.Apresentaçã Volume deConcentraçãoo solvente a usaraproximada(ml) (mg/ml) 1g

I.M. 3,0 260 Bólus 10,0 90 I.V. Perfusão 50,0 20I.V.

2g

Bólus 10,0 170 I.V. Perfusão 50,0 40I.V.A ceftazidima é compatível com a maioria das soluçõespara administração intravenosa. Contudo a Soluçãoinjectável de bicarbonato de sódio não é recomendadacomo solvente.

A solução injectável pode apresentar uma coloraçãoligeiramente amarelada até âmbar dependendo daconcentração, do solvente usado e das condições dearmazenagem. Dentro das condições recomendadas apotência do produto não é afectada por essa variação decor.A ceftazidima nas concentrações entre 1 mg/ml e 40mg/ml é compatível com:Soro fisiológico injectávelLactato de sódio 6M injectávelLactato de sódio composto injectável (solução deHartmann)Dextrose injectável a 5%Cloreto de sódio a 0,225% e Dextrose injectável a 5%Cloreto de sódio a 0,45% e Dextrose injectável a 5%Soro fisiológico e Dextrose injectável a 5%Cloreto de sódio a 0,18% e Dextrose injectável a 4%Dextrose injectável a 10%Dextrano 40 injectável a 10% em soro fisiológico injectável a 0,9%Dextrano 40 injectável a 10% em Dextrose injectável a 5%

Dextrano 70 injectável a 6% em soro fisiológico injectável a 0,9%Dextrano 70 injectável a 6% em Dextrose injectável a 5%Concentrações de ceftazidima entre 0,05 mg/ml e 0,25 mg/ml são compatíveis com fluído dediálise intraperitoneal (lactato).A ceftazidima pode ser reconstituída para administração I.M. em solução injectável e cloridratode lidocaína a 0,5% ou a 1%.Ambos os componentes mantêm a sua potência quando a ceftazidima é misturada naconcentração de 4 mg/ml com:Hidrocortisona (fosfato sódico de hidrocortisona) a 1 mg/ml em soro fisiológico injectável ouDextrose injectável a 5%Cefuroxima sódica a 3 mg/ml em soro fisiológico injectável.Cloxacilina sódica a 4 mg/ml em soro fisiológico injectávelHeparina a 10 UI/ml ou 50 UI/ml em soro fisiológico injectávelCloreto de potássio a 10 mEq/l ou a 40 mEq/l em soro fisiológico injectável.Preparação das soluções para injecção intramuscular ou bólus intravenoso Introduzir a agulha da seringa através da rolha e injectarno frasco para injectável o volume de solventerecomendado.Remover a agulha e agitar o frasco para injectável paraobter uma solução límpida.Inverter o frasco para injectável. Com o êmbolo daseringa totalmente descido, introduzir a agulha nasolução. Retirar todo o líquido mantendo sempre aagulha mergulhada na solução. As pequenas bolhas dedióxido de carbono não têm efeitos prejudiciais.

Preparação das soluções para perfusão intravenosaFrasco para injectáveis de 1 g ou 2 g para perfusão intravenosa: Introduzir a agulha da seringa através da rolha e injectarno frasco para injectável 10 ml do solvente.Retirar a agulha e agitar o frasco para injectável atéobter uma solução límpidaInserir na rolha uma agulha para libertar o gás e reduzira pressão interna no frasco para injectável.

Agitar o frasco para injectável e preparar para perfusãoda forma habitual.

NOTA

Para conservar a esterilidade do produto éimportante que a agulha para libertação do gás não sejainserida antes do produto estar dissolvido.PosologiaA ceftazidima deve ser administrada por via parentérica,dependendo a dose da gravidade, sensibilidade, local etipo de infecção e da idade e função renal do doente.AdultosA dose média é de 1 a 6 g/ dia, divididas em 2 ou 3 doses em injecções I.V. ou I.M..Nas infecções do tracto urinário e em várias infecções menos graves, 500 mg ou 1 g, de 12 em12 horas, é geralmente suficiente.Na maioria das infecções 1 g de 8 em 8 horas ou 2 g de 12 em 12 horas é a dose recomendada.Em infecções muito graves, especialmente em doentes imunodeprimidos, incluindo doentescom neutropénia, deve administrar-se 2 g, de 8 em 8 horas ou 3 g de 12 em 12 horas.Em doentes com fibrose quistica com infecções pulmonares por Pseudomonas sp, administrar100 a 150 mg/kg/dia, até 9 g/dia, divididos em 3 administrações.

Quando usada como agente profiláctico na cirurgia da próstata deve administrar-se 1 g naindução da anestesia. Na altura da remoção do catéter deverá ser administrada uma segundadose.Em adultos com função renal normal, têm sido usadas com segurança doses até 9 g/dia.Lactentes e crianças (> 2 meses)30 a 100 mg/kg/dia, consoante a gravidade da infecção, administrados em 2 a 3 vezes.Nas crianças com infecções graves, imunodeprimidas, nas com fibrose quistica ou commeningite, pode administrar-se 150 mg/kg/dia, até um máximo de 6 g/dia, divididos em 3administrações.Recém-nascidos e lactentes até 2 meses de idade

25 mg a 60 mg/kg/dia, em 2 administrações. Nos recém-nascidos, a semi-vida sérica daceftazidima pode ser 3 a 4 vezes a dos adultos.IdososDevido à depuração reduzida da ceftazidima em doentes idosos com doença grave, a dose diárianão deve normalmente exceder 3 g, em especial em doentes com idade acima dos 80 anos.Insuficientes renaisA ceftazidima é excretada inalterada pelos rins. Por conseguinte, em doentes com insuficiênciarenal é recomendável uma redução na dose de ceftazidima. Deve administrar-se uma doseinicial de 1 g de ceftazidima. As doses de manutenção devem ser baseadas na taxa de filtraçãoglomerural.Depuração daCreatinina sérica µmol/lDose recomendada (g) Intervalo entre as doses
creatinina (ml/min) (mg/100ml)* (horas) > 50 <150 (< 1,7) Dose normal Intervalo normal 50 – 30 150 – 200 (1,7-1 122,3) 30 – 16 200 - -350 (2,31 24- 4,0) 15 – 6 350 – 500 (4,00,5 24- 5,6) < 5 > 500 (> 5,6) 0,5 48 *estes são valores aproximados e não prevêem de formarigorosa a função renal em todos os doentes especialmentenos idosos, em que o valor da creatinina sérica podesobrestimar a função renal.Em doentes com infecções muito graves, especialmenteem neutropénicos, em que a dose sdiária normal deceftazidima é de 6 gr quando não administrada eminsuficientes renais, a dose unitária referida no quadroanterior pode ser aumentada em 50% ou aumentadaadequadamente a frequência de administração. Nestesdoentes recomenda-se o controlo dos níveis séricos daceftazidima e os níveis obtidos entre duas doses não

devem exceder 40 mg/ml.

HemodiáliseA semi-vida sérica da ceftazidima durante a hemodiálise varia de 3 a 5 horas. A dose demanutenção adequada de ceftazidima deve ser repetida após cada sessão de hemodiálise.Diálise PeritonealCeftazidima pode ser usada em doentes em Diálise, tanto nas infecções associadas àhemodiálise como nas de diálise peritoneal ambulatória continua (DPAC). Além de ser usadaintravenosamente a ceftazidima pode ser incorporada no fluído de diálise (geralmente 125 a 250mg para 2 L de fluído de diálise).Para doentes com insuficiência renal fazendo hemodiálise arterio-venosa contínua porhemofiltração de fluxo elevado nas unidades de cuidados intensivos: 1 g por dia, em dose únicaou em doses divididas. Para hemofiltração de baixo fluido deve-se seguir a dosagemrecomendada para os insuficientes renais.Para doentes em hemofiltração venosa e diálise venosa, seguir a dosagem recomendada nastabelas seguintes:Dosagem recomendada de ceftazidima durante hemofiltração venosa contínuaFunção renal residualDose de manutenção (mg) para uma taxa de hemofiltração (ml/min) deª:(Depuração da creatinina
ml/min)

5 16,7 33,3 50 0 250 250 500 500 5 250 250 500 500 10 250 500 500 750 15 250 500 500 750 20 500 500 500 750 ª Dose de manutenção a ser administrada de 12 em 12 horas.Dosagem recomendada de ceftazidima durante hemodiálise venosa contínua Função renalDose de manutenção (mg) para uma taxa de
residual fluxo dialisado deª: (Depuração da
creatininaml/min) 1,0 L/h 2,0 L/h Taxa de UltrafiltraçãoTaxa de Ultrafiltração

(L/h) (L/h)

0,5 1,0 2,0 0,5 1,0 2,0 0 500 500 500 500 500 750 5 500 500 750 500 500 750 10 500 500 750 500 750 1000 15 500 750 750 750 750 1000 20 750 750 1000 750 750 1000

ª Dose de manutenção a ser administrada de 12 em 12 horas.Profilaxia na cirurgia da próstataCeftazidima poderá ser usada em profilaxia na cirurgia da próstata. Quando usada como agenteprofiláctico na cirurgia da próstata deve administrar-se 1 g na indução da anestesia. Na altura daremoção do catéter deverá ser administrada uma segunda dose.Fale com o seu médico ou farmacêutico se tiver a impressão de que ZIDIMOX é demasiadoforte ou demasiado fraco.Via e modo de administraçãoA ceftazidima deve ser administrada por via intravenosa ou por injecção intramuscularprofunda. Recomenda-se como local de injecção intramuscular o quadrante externo superior dogrande glúteo ou a parte lateral da coxa.As soluções de ceftazidima podem ser administradas directamente na veia ou introduzidas no tubo do sistema de perfusão, se o doente estivar a receber fluidos por via parentérica. Duração do tratamentoA duração do tratamento depende do tipo e da gravidade da infecção em causa, devendo serdeterminada pela resposta clínica e bacteriológica do doente.

Na maioria das infecções deve-se continuar o tratamento durante pelo menos 48 a 72 horas apóso doente não apresentar sintomas de febre ou após evidência de erradicação da infecção. Asinfecções persistentes podem exigir um tratamento mais prolongado.Sintomas em caso de sobredosagem e medidas a tomarSe tomar mais ZIDIMOX do que o devido:A sobredosagem pode provocar sequelas neurológicas, incluindo encefalopatia, convulsões ecoma. Os níveis séricos de ceftazidima podem ser reduzidos por hemodiálise ou diáliseperitoneal.Acções a tomar quando houver esquecimento da toma de uma ou mais dosesCaso se tenha esquecido de tomar

ZIDIMOX


Caso seja omitida uma dose deve administrar a dose em falta logo que possível. Não deveadministrar 2 doses em simultâneo.4. EFEITOS SECUNDÁRIOS POSSÍ

VEIS

Descrição dos efeitos secundáriosComo os demais medicamentos, ZIDIMOX pode terefeitos secundários.Reacções locais (<3%): flebites ou tromboflebites comadministração I.V.; dor e/ou inflamação após injecçãoI.M..Reacções de hipersensibilidade (1-3%): exantema(maculopapular e eritematoso), febre, prurido angioedema,e fotosensibilidade. Reacções de hipersensibilidadeimediata, incluindo anafilaxia (manifestada combroncoespasmo e /ou hipotensão) ocorreram raramente.Tal como com outras cefalosporinas têm sido referidoscasos raros de eritema multiforme, síndroma de Stevens-
Johnson, e necrólise epidérmica tóxica.Reacções gastrintestinais (<2%): diarreia, náuseas,vómitos, dores abdominais e muito raramente (0.01-
0.1%), aftas orais e colite. Como com outrascefalosporinas, a colite pode estar associada com Clostridiumdifficile e pode apresentar-se sob a forma de colite pseudomenbranosa.Reacções genito-urinárias (<1%): candidíase, vaginiteTracto hepatobiliar e pâncreas (<1%): icterícia.

Sistema Nervoso Central (<1%): cefaleias, tonturas,parestesias e mau sabor na boca. Têm sido referidassequelas neurológicas, incluindo tremor, mioclonia,convulsões, encefalopatia e coma em doentes cominsuficiência renal aos quais a dose de ceftazidimaadministrada não foi adequadamente reduzida.Alteração nos testes laboratoriais: as variações transitóriasnos testes laboratoriais incluem eosinofilia (<7%), teste deCoombs positivo (5%), elevação de uma ou mais enzimashepáticas (3-9%), ALT (SGPT), AST (SGOT), LDH,GGT e fosfatase alcalina, trombocitose (2%), e muitoraramente, anemia hemolítica. Como com outrascefalosporinas, foram observadas ocasionalmenteelevações transitórias de urémia, azoto urémico e/ oucreatinina sérica.Muito raramente (0.01%-0.1%), foi referido leucopenia,neutropenia, agranulocitose, trombocitopenia e linfocitosetransitórias.

Caso detecte efeitos secundários não mencionados nestefolheto informe o seu médico ou farmacêutico.5.

CONSERVAÇÃO DE ZIDIMOX

Condições de conservação e prazo de validadeManter fora do alcance e da vista das crianças.

Não conservar acima de 25ºC.Conservar a uma humidade relativa inferior a 60%.Após reconstituídas as soluções de ZIDIMOX devem serutilizadas de imediato. No entanto, mantém-se estáveisfísica e quimicamente durante 24 horas a temperatura nãosuperior a 25ºC. As soluções apresentam coloraçãoamarela, não tendo esta característica significado quanto àeficácia ou tolerância do medicamento.Não utilize ZIDIMOX após expirar o prazo de validadeindicado na embalagem.Este folheto foi elaborado em Junho.2005.Para qualquer informação adicional sobre este medicamento contactar:FARMOZ – Sociedade Técnico Medicinal, S.A.Rua Professor Henrique de BarrosEdifício Sagres, 3º

A

2685 – 338 Prior Velho



DEFINIÇÕES MÉDICAS
  1. Bacteremia: Presença de bactérias no sangue, porém sem que as mesmas se multipliquem neste. Quando elas se multiplicam no sangue chamamos ???septicemia???.
  2. Bactéria: Organismo unicelular, capaz de auto-reproduzir-se. Existem diferentes tipos de bactérias, classificadas segundo suas características de crescimento (aeróbicas ou anaeróbicas, etc.), sua capacidade de absorver corantes especiais (Gram positivas, Gram negativas), segundo sua forma (bacilos, cocos, espiroquetas, etc.). Algumas produzem infecções no ser humano, que podem ser bastante graves.
  3. Candidíase: ?? o nome da infecção produzida pela Candida albicans, um fungo que produz doença em mucosas, na pele ou em órgãos profundos (candidíase sistêmica).As infecções profundas podem ser mais freqüentes em pessoas com deficiência no sistema imunológico (pacientes com câncer, SIDA, etc.).
  4. Edema: Acúmulo anormal de líquido nos espaços intercelulares dos tecidos ou em diferentes cavidades corporais (peritôneo, pleura, articulações, etc.).
  5. Febre: Elevação da temperatura corporal acima de um valor normal, estabelecido entre 36,7ºC e 37ºC, quando medida na boca.
  6. Icterícia: Pigmentação amarelada da pele e mucosas devido ao aumento da concentração de bilirrubina no sangue. Pode ser acompanhada de sintomas como colúria (ver), prurido, etc. Associa-se a doenças hepáticas e da vesícula biliar, ou à hemólise (ver).
  7. Náuseas: Vontade de vomitar. Forma parte do mecanismo complexo do vômito e pode ser acompanhada de sudorese, sialorréia (salivação excessiva), vertigem, etc.
  8. Neutropenia: Queda no número de neutrófilos no sangue abaixo de 1000 por milímetro cúbico. Esta é a cifra considerada mínima para manter um sistema imunológico funcionando adequadamente contra os agentes infecciosos mais freqüentes. Quando uma pessoa neutropênica apresenta febre, constitui-se uma situação de ???emergência infecciosa???.
  9. Pápula: Uma pequena lesão endurecida, elevada, da pele.
  10. Pâncreas: Glândula de secreção endócrina (ver), por sua produção de insulina, glucagon e peptídios intestinais que são lançados na corrente sangüínea e exócrina (ver) por sua produção de potentes enzimas digestivas lançadas no intestino delgado. Localiza-se profundamente na cavidade abdominal e possui um tamanho aproximado de 15x7cm.
  11. Vaginite: Inflamação da mucosa que recobre a vagina. Em geral é devido a uma infecção bacteriana ou micótica. Manifesta-se por ardor, dor espontânea ou durante o coito (dispareunia) e secreção mucosa ou purulenta pela mesma.
  12. Vaginite: Inflamação da mucosa que recobre a vagina. Em geral é devido a uma infecção bacteriana ou micótica. Manifesta-se por ardor, dor espontânea ou durante o coito (dispareunia) e secreção mucosa ou purulenta pela mesma.
  13. Tecido: Conjunto de células de características semelhantes, organizadas em estruturas complexas para cumprir uma determinada função. Exemplo de tecido: o tecido ósseo encontra-se formado por osteócitos dispostos em uma matriz mineral para cumprir funções de sustentação.

Síguenos

X