Arnica

Para que serve esta planta medicinai

Informação sobre Arnica


ARNICA
Arnicae flos

Arnica montana L. - ASTERACEAE
A droga é constituída pelos capítulos florais secos, inteiros ou parcialmente fragmentados. Deve
conter no mínimo 0,4 % m/m de sesquiterpenos lactônicos totais expressos em tiglato de helenalin,
calculado com referência a droga seca.

CARACTERES ORGANOLÉPTICOS

Odor aromático e agradável; sabor acre e amargo.

DESCRIÇÃO MACROSCÓPICA

As flores estão agrupadas em inflorescências do tipo capítulo heteromorfo, de coloração
amarelo-alaranjada. O capítulo é constituído por um pedúnculo, um receptáculo, flores radiais
liguladas e flores do disco tubulosas. O capítulo, quando fechado, mede cerca de 2 cm de diâmetro e
quando com as flores radiais distendidas, mede de 5 cm a 6 cm de diâmetro. O pedúnculo, quando
presente, mede de 2 cm a 3 cm de comprimento. O receptáculo, quando privado das flores, tem um
diâmetro entre 6 mm e 10 mm e uma profundidade de 15 mm e é levemente convexo, alveolado e
recoberto de tricomas brancos, curtos e duros. O receptáculo apresenta um invólucro constituído por
18 a 24 brácteas ovalado-lanceoladas, veludosas na face abaxial, dispostas em 1 ou 2 séries
imbricadas. Cada bráctea involucral apresenta ápice agudo e bordo inteiro, ciliado, medindo de 8
mm a 10 mm, mais raramente até 15 mm de comprimento. As brácteas internas têm cor verde parda
e são mais curtas; as brácteas externas são verdes; ambas apresentam a face abaxial recoberta de
tricomas verde-amarelados, visíveis com lente. As flores liguladas radiais são zigomorfas e
femininas, em número de 14 a 20, e medem de 20 mm a 30 mm de comprimento. Cada flor ligulada
apresenta um cálice reduzido, denominado papus, o qual é formado por uma série de cerdas
esbranquiçado-amareladas grossas, rígidas, medindo de 4 mm a 8 mm de comprimento. O limbo da
corola é oblongo, de cor amarelo-alaranjada e apresenta de 7 a 10 nervuras paralelas, culminando
em 3 lóbulos pequenos e desiguais. Os estames não são completamente desenvolvidos, sendo,
portanto, estaminódios, e apresentam anteras livres. O ovário é ínfero, estreito, de coloração parda,
mede de 4 mm a 5 mm de comprimento e apresenta 4 ou 5 arestas longitudinais pouco evidentes,
além de um estilete bifurcado em 2 ramos estigmáticos curvos e reflexos. As flores tubulosas do
disco são actinomorfas e perfeitas, em número muito maior do que as flores liguladas, e medem até
Consulta Pública 38/2009
15 mm de comprimento. Cada flor tubulosa apresenta um cálice reduzido, denominado papus, o
qual é formado por uma serie de cerdas esbranquiçado-amareladas rígidas, com até 8 mm de
comprimento. A corola é curta, de coloração amarelo-alaranjada, mede cerca de 8 mm de
comprimento e tem 5 lobos triangulares reflexos. Os estames são 5, férteis e estão soldados pelas
anteras formando um tubo; as tecas são elipsoidais e o conetivo prolonga-se numa escama
triangular. O ovário é ínfero, estreito, de coloração parda, mede de 4 mm a 8 mm de comprimento e
apresenta 4 ou 5 arestas longitudinais visíveis, além de um estilete bifurcado em 2 ramos
estigmáticos curvos e reflexos. Os frutos, quando presentes, são aquênios pardos, coroados ou não
pelo papus.

DESCRIÇÃO MICROSCÓPICA

As brácteas involucrais, em vista frontal, apresentam a face abaxial da epiderme com células de
paredes anticlinais onduladas e estômatos do tipo anomocítico; face adaxial com células alongadas,
de paredes anticlinais poligonais a pouco onduladas, sem estômatos. Na face abaxial encontram-se
diferentes tipos de tricomas: abundantes tricomas tectores unicelulares ou bicelulares, pontiagudos,
formados por células de paredes pouco espessada, geralmente retos, sendo os tricomas bicelulares
formados por uma célula proximal curta e uma distal mais longa, ligadas entre si por uma parede
inclinada; raros tricomas tectores pluricelulares, unisseriados, com 3 a 10 células, formados por 1 a
3 células proximais curtas e 2 a 4 células distais longas, tricomas tectores pluricelulares
unisseriados, particularmente abundantes nas margens das brácteas; tricomas tectores pluricelulares
com células proximais de tamanho uniforme e célula distal mais longa; tricomas glandulares
numerosos, com pedicelo uni ou bisseriado, com cabeça glandular grande, globosa ou ovóide,
pluricelular, abundantes na face abaxial; tricomas glandulares com o mesmo aspecto descrito,
porém mais curtos, com pedicelo unisseriado, mais frequentes na face adaxial; raros tricomas
glandulares de aspecto claviforme. Em secção transversal, a bráctea apresenta um parênquima
fundamental frouxo, com feixes vasculares correspondentes às nervuras de cada bráctea. O
receptáculo, em vista frontal, apresenta epiderme semelhante à das brácteas, com tricomas tectores
de 2 a 5 células. Em secção transversal, observa-se um parênquima fundamental frouxo, com feixes
vasculares e canais secretores. As cerdas do cálice, na forma de papus, são compostas cada uma por
2 a 3 fileiras de células alongadas, agudas na porção distal, e por um maior número de fileiras de
células na porção proximal; estas células assemelham-se às células dos tricomas geminados, com
suas extremidades distais agudas, expostas e livres, orientadas em direção ao extremo distal da
cerda. A corola da flor ligulada, em vista frontal, apresenta epiderme da face adaxial com células de
paredes anticlinais poligonais, papilosas, principalmente na porção distal e mediana da lígula, com
papilas curtas e arredondadas, sendo visíveis estrias epicuticulares e gotas lipídicas; a epiderme da
face abaxial apresenta células de paredes anticlinais alongadas, quase retas, mas visivelmente
onduladas na porção distal. Os estômatos são anomocíticos. Na face abaxial, especialmente na
região do tubo, ocorrem tricomas de diferentes tipos: tricomas tectores unisseriados e pluricelulares,
formados por 4 ou 5 células, de tamanho mais ou menos igual e de paredes pouco espessadas, com a
célula distal pontiaguda; tricomas tectores unisseriados e pluricelulares, formados por 1 a 3 células
proximais de paredes espessadas e 2 a 4 células distais de paredes delgadas; tricomas glandulares de
pedicelo unisseriado e pluricelular, com cabeça globosa unicelular a pluricelular; tricomas
glandulares de pedicelo bisseriado e pluricelular, com cabeça globosa bisseriada, bicelular a
pluricelular. Em secção transversal, o mesofilo é formado por um parênquima frouxo, atravessado
Consulta Pública 38/2009
longitudinalmente ao eixo da lígula por feixes vasculares em igual número aos das nervuras
paralelas. A corola da flor tubulosa, em vista frontal, apresenta epiderme com células de paredes
anticlinais levemente onduladas nas duas faces da porção distal das pétalas, e mais poligonais na
porção mediana, as células da região do tubo têm paredes anticlinais poligonais; na porção distal e
triangular de cada pétala ocorrem papilas digitiformes. Gotas lipídicas podem estar presentes. As
flores de corola tubulosa apresentam os mesmos tipos de tricomas que aqueles encontrados nas
flores de colora ligulada. As anteras, em secção transversal, mostram um endotécio espessado nas
paredes laterais. A escama triangular da extremidade distal do conetivo apresenta, em vista frontal,
células de paredes anticlinais retas e espessadas. Os grãos de pólen são triporados, arredondados,
com exina equinada, e medem cerca de 30 µm. O ovário, em vista frontal, apresenta epiderme com
células alongadas, recoberta de tricomas glandulares de pedicelo curto e cabeça claviforme a
globosa, pluricelular, com até 8 células dispostas em 2 fileiras, e de tricomas tectores pluricelulares,
bisseriados, com células geminadas, cujas paredes adjacentes são pontoadas, pouco espessadas, e
com porção celular distal aguda e às vezes bífida. A parede do ovário pode mostrar placas
reticuladas de cor castanha ou preta, devido à presença de fitomelanina. Os ramos estigmáticos do
estilete apresentam em sua porção distal tricomas unicelulares cônicos, pontiagudos. Sob o tapete
formado por estes tricomas observam-se papilas arredondadas. O fruto, quando presente, tem as
mesmas características epidérmicas do ovário, principalmente os dois tipos de tricomas e as placas
de fitomelanina evidentes.

DESCRIÇÃO MICROSCÓPICA DO PÓ

O pó atende a todas as exigências estabelecidas para a espécie, menos os caracteres
macroscópicos. Examinar ao microscópio utilizando solução de hidrato de cloral R. São
característicos: porções de epiderme das brácteas involucrais com estômatos e tricomas como os
descritos, mais abundantes na face abaxial; tricomas ou seus fragmentos, conforme descritos;
fragmentos de corolas liguladas, com tricomas conforme descritos; fragmentos da porção distal da
corola ligulada cobertos de papilas arredondadas; fragmentos de corolas tubulosas com tricomas
conforme descritos; fragmentos da porção distal da corola tubulosa cobertos de papilas digitiformes;
fragmentos de ovário com os dois tipos de tricomas característicos, como descritos acima; porções
do papus ou fragmentos de cerdas do papus conforme descritos; grãos de pólen triporados,
arredondados, com exina equinada.

IDENTIFICAÇÃO

Proceder conforme descrito em Cromatografia em camada delgada (V.2.17.1), utilizando gel de
sílica GF254 como suporte, e mistura de ácido fórmico anidro R, água R, etilmetilcetona R e acetato
de etila R (10:10:30:50 V/V/V/V) como fase móvel num percurso de 15 cm. Aplique,
separadamente, na placa, em traços de 20 mm por 3 m, a 1 cm de distância 15 µl das soluções a
seguir respectivamente:

Solução problema: Introduza 2,0 g da amostra pulverizada num gral de 25 ml e junte 10 ml de
metanol R. Agueça com agitação em banho-maria a 60 ºC durante 5 minutos. Deixe esfriar e filtre.

Solução padrão: Dissolva 2,0 mg de ácido cafeico R, 2,0 mg de ácido clorogênico R e 5,0 mg de
rutina R em metanol R e complete 30 ml com o mesmo solvente.
Consulta Pública 38/2009
Detecção: pulverize a placa com solução de difenilborato de aminoetanol R a 10 g/l em metanol
R e, depois, com solução de macrogol 400 R a 50 g/l em metanol R. Aqueça a placa durante 5
minutos a 100-105 ºC. Deixe secar ao ar e examine a luz ultravioleta de 365 nm. O cromatograma
obtido com as soluções de referência mostra na parte inferior uma zona de fluorescência amarelo-
alaranjado (rutina), na parte mediana uma zona de fluorescência devido ao ácido clorogênico e na
parte superior uma zona de fluorescência azulada (ácido caféico). O cromatograma obtido com a
solução teste mostra na parte inferior pouco acima da zona correspondente à rutina uma banda de
fluorescência azul-esverdeada, uma banda de fluorescência azulada (ácido clorogênico) pouco mais
acima; na sequência, de baixo para cima, pode ser observadas uma zona de fluorescência castanho-
amarelada a amarelo-alaranjada; três zonas de flurorescência castanho-amarelada a amarelo-
alaranjada e, pouco abaixo da zona correspondente ao ácido cafêico, uma banda de fluorescência
azul-esverdeada.

ENSAIOS DE PUREZA

Material estranhos (V.4.2.2). Não superior a 5 por cento de caules com um diâmetro superior a
5 mm.

Cinzas totais (V.4.2.4). Não superior a 10 por cento.

Perda por dessecação (V.2.9). Não superior a 10,0 por cento em 1,0 g da amostra pulverizada,
determinada em estufa a 100-105ºC, durante 2 horas.

DOSEAMENTO

Por cromatografia líquida usando santonina como padrão interno.

Solução do padrão interno: Dissolver imediatamente antes do uso 0,010 g de santonina R
exatamente pesado em 10,0 ml de metanol R.

Solução problema: Em balão de fundo redondo de 250 ml, introduza 1,00 g da amostra
pulverizada. Junte 50 ml de uma mistura de volumes iguais de metanol R e água R e aqueça, com
refluxo, em banho-maria a 50-60ºC, durante 30 minutos agitando frequentemente. Deixe esfriar e
filtre por papel. Transfira o filtro cortado em pedações e o resíduo para o balão de fundo redondo,
junte 50 ml de uma msitura de volumes iguais de metanol R e água R e aqueça, com refluxo, em
banho-maria a 50-60ºC, durante 30 minutos, agitando frequentemente. Repita a operação duas
vezes. Reuna os filtrados, junte 3,0 ml de solução de padrão interno e evapore, a pressão reduzida,
até a obtenção de um volume de 18 ml. Lave o balão de fundo redondo com água R e complete 20
ml com as águas de lavagem. Transfira a solução para uma coluna cromatográfica com cerca de
0,15 m de comprimento e cerca de 30 mm de diâmetro interno, contendo 15 g de sílica para
cromatografia R. Deixe em repouso durante 15 minutos e, depois, elua com 200 ml de uma mistura
de volumes iguais de acetato de etila R e cloreto de metileno R. Evapore o eluato a secura, num
balão de fundo redondo de 250 ml. Dissolva o resíduo em 10,0 ml de metanol R, junte 10,0 ml de
água R e, depois, 7,0 g de óxido de alumínio neutro R. Agite por dois minutos, centrifugue (10 min,
6.000 r/min) e filtre por filtro de papel. Evapore a secura 10,0 ml do filtrado. Dissolva o resíduo em
Consulta Pública 38/2009
3,0 ml de uma mistura de volumes de metanol R e água R e filtre.

O procedimento cromatográfico deve ser feito usando:

Fase estacionária: gel de sílica octadecilsililada para cromatografia R (4 µm)
- dimensões: 1= 0,12 m; ? = 4 mm

Fase móvel: gradiente seguinte
- fase móvel A: metanol R
- fase móvel B: água R

Tempo min
Fase móvel A % V/V Fase móvel B % V/V
Comentário
0-3
62 38
Isocrático
3-20
62?55 38?45 Gradiente
linear
20-30
55 45
Isocrático
30-55
55?45 45?55 Gradiente
linear
55-57
45?0 55?100 Gradiente
linear
57-70
0 100
Isocrático
70-90
62 38
Isocrático

Débito: 1,2ml/min
Injeção: 20 µl
Detecção: espectrofotômetro em 225 nm
Calcule a porcentagem de sesquiterpenos lactônicos totais, expressos em tiglato de helenalina,
utilizando a fórmula:

FLS.C.V . 187
,
1
=

FS. .
m 10

em que:

FLS = área total dos picos correspondentes aos sesquiterpenos lactônicos que aparecem depois do
pico da santonina no cromatograma,
FS = área do pico correspondente à santonia no cromatograma obtido com a solução problema,
m = massa da tomada de ensaio, em gramas,
C = concentração da santonina na solução de padrão interno usada na solução problema (mg/ml),
V = volume da solução de padrão interno usado na solução problema, em ml,
1,187 = fator de correção entre o tiglato de helenalina e a santonina.

CONSERVAÇÃO

Em recipientes opacos, bem fechados, ao abrigo da luz, umidade e insetos.

Consulta Pública 38/2009




Figura 1. Arnica montana L. - ASTERACEAE. A aspecto de um ramo com inflorescências;
B. capítulo floral; C. capítulo floral desprovido de flores tubulosas; D. Aspecto da droga
seca. flt: flor tubular; fll: flor ligulada; rc: receptáculo; pd: pedúnculo.






Figura 2. Arnica montana L. - ASTERACEAE. A. flor ligulada; ov: ovário; pap: papus; eg:
estigma bífido; l: lígula. B. flor tubulosa; ov: ovário; pap: papus; ea; estame com antera
soldada; eg: estigma bífido; co: corola. C. flor ligulada; D; flor tubulosa; E. Detalhe de uma
cerda do papus; gp: grão de pólen; tt: tricoma tector; pap: papus; F. superfície externa do
ovário: tg: tricoma glandular; tt: tricoma tector. G. Fragmento do papus; H. detalhe de uma
cerda do papus; gp”grão de pólen; pap: papus; tt: tricoma tector.




Figura 3. Arnica montana L. - ASTERACEAE. A. corte transversal da bráctea; ep:
epiderme; p: parênquima; fv: feixe vascular; tg: tricoma gladular; btg: base do tricoma
glandular; B e C. detalhes dos tricomas grandular e tector; D. superfície externa do ovário
vista de cima; tbt: tricoma glandular com cabeça pluricelular, com corpo bisseriado; E.
aspectos dos tricomas glandulares; F e G. fragmento da epiderme inferior; tg: tricoma
glandular; tbt: tricoma glandular com cabeça pluricelular, com corpo bisseriado, visto de
cima.



Síguenos

X